-

Mês: julho 2016

DPOC – Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

Postado em

associação de doenças crônicas

A DPOC é uma doença crônica, que pode se agravar sem o tratamento adequado, comprometendo significativamente a qualidade de vida. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a DPOC será a terceira principal causa de morte em 2020.

A doença pulmonar obstrutiva crônica caracteriza-se por uma limitação da passagem de ar pelas vias respiratórias dentro dos pulmões, principalmente durante a expiração. O ar consegue entrar, mas apresenta dificuldade para sair, ficando preso dentro dos pulmões. Este aprisionamento do ar ocorre pela destruição do tecido pulmonar e perda da elasticidade dos bronquíolos e alvéolos, que acabam por colapsar durante a fase expiratória do ciclo respiratório.

A DPOC costuma ser um doença progressiva causada por uma resposta inflamatória anormal dos tecidos pulmonares após exposição crônica a partículas ou gases nocivos, como o fumo, por exemplo. Cerca de 20% dos fumantes desenvolvem DPOC. Outras causas mais raras de DPOC incluem doenças genéticas como deficiência…

Ver o post original 2 mais palavras

TALVEZ SEU ANTICONCEPCIONAL ESTEJA LHE FAZENDO MAL

Postado em

Tarima Nistal

Imagine que você vai escolher um carro novo. Comparar preços, descobrir vantagens, visitar concessionárias e pesquisar muito sobre um assunto são essenciais para esse grande investimento. E por que com a nossa saúde não é assim? Meninas de doze anos logo que menstruam vão à farmácia desprovidas de qualquer orientação médica, instruídas apenas por suas mães, e compram pílulas anticoncepcionais. O objetivo varia. Pode ir desde diminuir cólicas e controlar o ciclo menstrual até se prevenir de um dos maiores males do país: a gravidez precoce (para se ter uma ideia, 13 milhões de adolescentes se tornam mães anualmente). O que poucas mulheres sabem é que o uso indiscriminado desse tipo de medicamento traz riscos graves, que podem levar à morte. A maioria vai direto para as pílulas sem conhecer outros métodos.

elegir-las-mejores-pastillas

 

“No Brasil, temos essa ideia de que a pílula [feita com a hormônios combinados, o tipo mais usado no mundo] é ótima. Você vai em qualquer farmácia e eles te dão, sem receita. Todo mundo tem horror a gravidez na adolescência, porque isso é uma epidemia no Brasil. E por isso aceitaram-se todos os riscos da pílula, sem que as pessoas sequer entendam adequadamente os riscos”, afirma o doutor Eduardo Zlotnik, ginecologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

 

O hábito é o que melhor explica o consumo desse tipo de método. Ele está em terceiro lugar entre os países latino-americanos que mais a utilizam. Tanto as pacientes quanto os médicos já estão acostumados. “É uma sensação de conforto, de terreno conhecido, além de já tratar outros problemas ginecológicos, como a regulação do fluxo”, diz a doutora Patrícia de Rossi, ginecologista do Hospital Mandaqui . “Eu não acho que a pílula seja ruim. Mas acho que tem uma série de métodos que também são bons. Infelizmente, as pessoas não têm esse leque de opções na cabeça. Geralmente o exercício de escolha é feito em relação ao tipo de pílula, e não ao tipo de método”, finaliza.

 

Camisinha, DIU, implante, cirurgia, pílulas com um hormônio ou com hormônios combinados, adesivo, anel vaginal. Cada um deles possui benefícios, riscos, facilidades e restrições . É essencial que a mulher, junto com o ginecologista, faça uma escolha consciente e adequada às suas condições. A pílula de hormônios combinados é um composto de estrogênio e progestagênio (hormônio sintético derivado da progesterona). Basicamente, essas substância bloqueiam a ovulação e impedem que o colo do útero dilate, dificultando a passagem de espermatozoides. O adesivo cutâneo e o anel vaginal possuem o mesmo princípio. O maior risco comprovado desses anticoncepcionais está na ação do estrogênio, que é capaz de provocar trombose, quadro em que uma espécie de coágulo (trombo) é formado.

Risco de trombose

Sempre que nos machucamos, nosso organismo ativa um mecanismo que isola o local ferido e forma esse “curativo”, o trombo. Trata-se de uma função extremamente importante, porque impede que sangremos sem parar quando temos um simples corte no dedo, por exemplo. No entanto, em alguns indivíduos e em algumas situações, o trombo se forma sem necessidade. O risco é que esse trombo — geralmente formado na perna — pode se desprender, cair na circulação sanguínea e viajar até locais vitais como o coração, o pulmão ou o cérebro, provocando uma trombose.

Ao chegar no pulmão e dependendo de seu tamanho, o trombo pode bloquear a passagem do sangue que está com oxigênio, impedindo sua distribuição para o resto do corpo, ou do sangue que está sem oxigênio, impedindo que ele seja oxigenado. Eis uma tromboembolia pulmonar: a pessoa fica sem oxigênio no organismo, com alto risco de morte. Os mecanismos do AVC e do infarto seguem o mesmo princípio e também podem estar relacionados à trombose.

Para chegar a esse quadro, muitos fatores estão envolvidos, entre eles:

  • Risco genético: “uma a cada dez mulheres possui mutação nos genes V de Leiden, Protrombina (fator II) e MTHFR. A mutação em apenas um desses genes já aumenta entre 7 e 8 vezes o risco de ela ter trombose venosa profunda”, explica o geneticista Ciro Martinhago, diretor da Chromosome Medicina Genômica e membro da equipe de genética do Hospital Albert Einstein;
  •  Gravidez: quando uma mulher está grávida, a quantidade de estrogênio aumenta em seu corpo, aumentando o risco de trombose.Na fase de amamentação, alguns cuidados ao tomar pílula precisam ser observados;
  • Uso de anticoncepcionais com hormônios combinados: pelo mesmo motivo acima, o estrogênio contido nas pílulas favorece a coagulação;
  • Cirurgias de grande porte e viagens de longa distâncias: quando ficamos muito tempo parados, a circulação do sangue diminui e favorece a formação dos trombos.

Associados a uma vida sem exercício físico e com má alimentação, esses fatores podem, separadamente ou combinados, causar a doença. O risco de uma mulher ter trombose é de 5 em cada 10 mil mulheres. O de uma mulher que usa pílula anticoncepcional está entre 10 e 15 a cada 10 mil mulheres, dependendo da dose e do tipo de hormônio que está na pílula. Já o de uma mulher grávida é de 40 em 10 mil.

“O principal benefício dos anticoncepcionais com hormônios combinados é o de evitar gravidez e, por consequência, abortos. Outra vantagem é que, além de regularizar, ela diminui o fluxo menstrual, num país em que cerca de 30% de sua população têm anemia. Com a pílula, a pele fica menos oleosa, a TPM melhora, o risco de ter câncer de ovário, de útero e de intestino diminuem, entre outros benefícios , explica a doutora Cristina Aparecida Falbo Guazzelli, ginecologista e professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). “Seus benefícios são muito maiores que os malefícios. A paciente que não quer usar esses tipos de anticoncepcionais tem esse direito, mas deve ficar sabendo que não vai ter todos os benefícios. Se ela tem ideia das coisas boas e ruins de cada opção, vai conseguir fazer uma escolha mais saudável”.

Em suma, de acordo com organizações médicas (incluindo a própria OMS), a pílula e os demais métodos com hormônios combinados não apresentam riscos maiores que seus benefícios. No entanto, nem mesmo isso quer dizer que todas as mulheres precisam utilizá-los.”Seguir a manada” e fazer o que a maioria faz é extremamente prejudicial quando o assunto é saúde, já que cada organismo funciona de forma diferente. Em outros países, com outras culturas, contraceptivos que não possuem hormônios combinados e que são de longa duração são muito mais utilizados que aqui. A brasileira precisa saber que há muitos outros métodos disponíveis, com benefícios e riscos variáveis dependendo da mulher.

Los niños que ven mucha televisión tienen menos masa ósea de adultos (J Bone Miner Res)

Postado em

Estar sentado viendo la televisión tiene un doble efecto perjudicial.

Estar sentado viendo la televisión tiene un doble efecto perjudicial.

Investigadores de la Curtin University en Perth, Australia, han descubierto que los niños que ven mucha televisión durante la infancia tienen menos masa ósea cuando son adultos, lo que les puede hacer más vulnerables a sufrir osteoporoses y fracturas de huesos cuando sean mayores.

En su estudio, cuyos resultados publica “Journal of Bone and Mineral Research”, se tomaron datos de más de mil niños y adolescentes hasta que cumplieron los 20 años, que es cuando la masa ósea está en su punto más alto, y vieron si había diferencias en función del tiempo que pasaron frente a la televisión durante su infancia.

Los padres de los menores debían informar del tiempo que sus hijos pasaban frente al televisor con 5, 8, 10, 14, 17 y 20 años, si bien cuando eran más mayores eran los propios participantes los que informaban de sus hábitos de consumo.

A partir de ahí, los investigadores establecieron tres grupos y vieron como el 20% veía menos de 14 horas de televisión a la semana tanto en la infancia como en la adolescencia, más del 40% la veían más de 14 horas semanales, y un 35% que paso de un consumo más bajo a ver la tele durante más tiempo con el paso de los años.

A los 20 años, los participantes se sometieron a una exploración de rayos X para evaluar si nivel óseo, teniendo también en cuenta la altura, el índice de masa corporal (IMC), la actividad física, la ingesta de calcio, los niveles de vitamina D, el consumo de alcohol y tabaco con 20 años.

De este modo, vieron que los que presentaban un elevado consumo de televisión desde más pequeños tenían menos masa ósea que el resto cuando tenían 20 años.

Los investigadores tomaron en cuenta la altura, la masa corporal, la actividad física, la ingesta de calcio, los niveles de vitamina D, el alcohol y el tabaco a los 20 años, y todavía encontrado que los niños que fueron sistemáticamente los espectadores de televisión de alto nivel en las edades más jóvenes tenían un menor contenido mineral de los huesos que otros como adultos.

“Estar sentado viendo la televisión tiene un doble efecto perjudicial. Al no ser activos, no obtenemos el beneficio de la actividad física y, al mismo tiempo, este sedentarismo prolongado también desencadena una respuesta fisiológica que resulta perjudicial para la salud de nuestros huesos”, ha destacado Sebastien Chastin, de la Glasgow Caledonian University (Reino Unido), que no participó en el estudio.

Además, este experto reconoce que esta mala salud de sus huesos puede favorecer la aparición de osteoporosis y, en caso de sufrir una caída, su riesgo de fractura es mayor.

La dieta mediterránea sin restringir grasas puede proteger contra diversas enfermedades (Ann Intern Med)

Postado em

Como cáncer de mama, diabetes y eventos cardiovasculares.

Como cáncer de mama, diabetes y eventos cardiovasculares.

Una dieta saludable puede incluir “una gran cantidad de grasa.” Una revisión de la evidencia disponible sugiere que una dieta mediterránea sin restricciones en el consumo de grasas puede reducir el riesgo de una persona de padecer diabetes, cáncer de mama y eventos cardiovasculares en comparación con otras dietas, como revela un artículo publicado en la revista “Annals of Internal Medicine”.

A pesar de los avances en el diagnóstico y el tratamiento, las enfermedades cardiovasculares, la diabetes y el cáncer siguen siendo las principales causas de morbilidad y mortalidad en los países desarrollados. Las dietas occidentales típicas, que son elevadas en grasas saturadas, azúcar y granos refinados, se han relacionado con el desarrollo de estas patologías crónicas, pero la limitada evidencia sugiere que una dieta mediterránea, que es esencialmente de origen vegetal, puede ser una opción más saludable.

Los autores de este trabajo, expertos del Minneapolis VA Health Care System, en Estados Unidos, revisaron la evidencia disponible para resumir el efecto de una dieta mediterránea sobre los resultados de salud y evaluar si las poblaciones de América del Norte serían propensas a adherirse a una dieta de este tipo.

Dado que no todos definen la dieta mediterránea de la misma manera, los científicos la definieron como una dieta que no tiene ninguna restricción en la ingesta total de grasas y incluye dos o más de siete componentes: alta proporción de grasa alta monoinsaturada-saturada (por ejemplo, usando oliva aceite como ingrediente principal de cocción), alto contenido de fruta y verdura, alto consumo de legumbres, ingesta elevada de grano y cereales, consumo moderado de vino tinto, consumo moderado de productos lácteos, y bajo consumo de carne y productos cárnicos con una mayor ingesta de pescado.

Algunos ensayos controlados aleatorios han comparado este tipo de dieta con todos los demás, pero pocos que sugieren que una dieta mediterránea sin restricción de la ingesta de grasa puede estar asociada con una menor incidencia de eventos cardiovasculares, cáncer de mama y diabetes tipo 2.

Los investigadores no encontraron estudios que cumplieron los criterios de inclusión para evaluar los resultados de adherencia. Sin embargo, datos de observaciones revelan que la incidencia total del cáncer y la mortalidad y la incidencia del cáncer colorrectal y de pulmón fueron más bajos en las personas con mayor adherencia a la dieta mediterránea en comparación con aquellos con los índices más bajos, pero no muestran asociación entre la adherencia a la dieta mediterránea y el riesgo de cáncer de mama.

Influenza vaccine linked to 24% reduced risk of death in patients with type 2 diabetes

Postado em

Influenza vaccination may be an important part of secondary prevention strategies in type 2 diabetes.

Published in CMAJ, a large study involving 124,503 patients with type 2 diabetes suggests that influenza vaccination in individuals with type 2 diabetes leads to reduced rates of hospital admission for acute cardiovascular and respiratory diseases, as well as all-cause mortality, over a seven-year period.
To date, very few studies have assessed the effects of influenza vaccine in individuals with diabetes. This study, by a team at Imperial College London, found that accination was associated with a 19 per cent reduction in hospital admissions for acute myocardial infarction during flu season. Hospitalisation for stroke and heart failure was reduced by 30% and 22 per cent, respectively. Compared to unvaccinated type 2 diabetes patients, patients who were vaccinated had a 24 per cent lower rate of death rate.

According to the lead author Dr. Eszter Vamos: “In this large population-based study, influenza vaccination in people with type 2 diabetes was associated with reductions in rates of hospital admission for acute cardiovascular and respiratory diseases, and in all-cause mortality across seven influenza seasons”.

The study authors recommend that “efforts should be focused on improvements in vaccine uptake in this important target group as part of comprehensive secondary prevention”.

Pneumonia: simple score predicts two-year risk of pneumonia in older people

Postado em

Six readily-available clinical measures can predict two-year risk of pneumonia in people aged 65 years and older.

Researchers have developed a new prediction score which, they say, can identify older adults most at risk for developing pneumonia.

In developing the score, the researchers studied a cohort of 3,392 community-dwelling, cognitively-intact adults aged 65 and older, over two years. Potential pneumonia risk factors were identified from questionnaire data and interviewer assessments of areas including functional status and medical history. Risk factors were also identified based on physical measures such as grip strength. Administrative database information was used on comorbid illnesses, laboratory tests, and prescriptions dispensed.

Writing in the Journal of the American Geriatrics Society, the researchers identified seven factors critical to the development of the pneumonia prediction score namely; age, sex, COPD, congestive heart failure, BMI, and prescriptions for inhaled or oral corticosteroids.
Data relating to these variables was readily available to many doctors using electronic medical records (EMR), the researchers pointed out. The clinical information could be used to stratify older adults into groups with varying subsequent two-year pneumonia risk.

The researchers said doctors could potentially use the pneumonia prediction EMR score to encourage patients to get the pneumococcal vaccine as well as to counsel at-risk individuals about positive behavioural changes.

A Amarga Verdade Sobre os Adoçantes Artificiais

Postado em Atualizado em

Você prefere o seu com café com açúcar, leite ou inseticida? Você considera essas opções um tanto quanto loucas? Talvez elas até sejam, mas saiba que a sucralose – ou Splenda – é, na verdade, o resultado de uma pesquisa sobre inseticida. E mesmo não sabendo se essa coisa funciona contra os insetos, ela certamente tem o potencial de prejudicar você.

Em um novo estudo feito com ratos, observou-se que os roedores que haviam ingerido sucralose apresentaram um considerável aumento do risco de desenvolver leucemia. Observou-se também que quanto maior a dose de sucralose, maior era o risco da doença. Diante disso, o Centro para Ciências no Interesse Público rebaixou o status da sucralose, no mais novo guia para aditivos alimentares, de “segura” para “cautela”.

Parece que eles estão sendo muito otimistas, pois nós passamos a “cautela” DE LONGE quando se trata dessa coisa. Em minha opinião, a sucralose pode ser qualquer coisa, menos segura.

O Splenda já foi vendido como sendo “feito do açúcar,” como se isso fosse algo para se gabar. Mas, na realidade, “feito de um kit de laboratório” seria uma descrição muito mais precisa.

O que você não vai gostar de saber é que a sucralose é feita de cloro, ejá que o cloro em si é um carcinógeno em potencial, isso talvez ajude a explicar a ligação potencial entre uma coisa e outra.

A sucralose também está associada ao inchaço, à náusea, aos gases e a outros problemas estomacais; algumas pessoas também têm reclamado de perda de memória e tonturas.

As pessoas que fabricam essa coisa dizem que o Splenda é seguro, o que é uma grande piada quando você considera os estudos humanos de longa duração sobre estes produtos.

Pense sobre isso da próxima vez em que alguém te oferecer essa porcaria. E pense também nos estudos que revelam os problemas causados pela sucralose, tal como a mais recente pesquisa que descobriu que ela causa picos de açúcar sanguíneo e saltos de 20% de insulina em pessoas obesas.

Quanto mais insulina, mais fome, principalmente no que diz respeito a uma grande vontade de comer doces. Então, antes que você perceba, o seu adoçante “diet”, sem calorias, estará te fazendo comer mais do que nunca, o que não é exatamente a receita para perda de peso e boa saúde. Isso representa andar na montanha russa de glicose/insulina o que é a receita ideal para diabetes em longo prazo.

Uma gama de escolhas ruins

Comece já a evitar todos os pacotinhos em restaurantes,lojas de conveniência, cafés e supermercados, incluindo:

  • Aspartame: ligado a quase 100 sintomas e condições diferentes. O mesmo time atrás do estudo sobre o Splenda descobriu que ele causa tumores no fígado e pulmões de ratos machos. Também foi ligado às enxaquecas, à perda de memória, ao nascimento prematuro e até à morte.

  • Sacarina: mesmo sendo melhor que o Aspartame ela não é nada vantajosa. A sacarina é originalmente derivada do alcatrão de carvão e já teve em seu rótulo uma advertência sobre o risco de câncer (que foi removido rápido demais para o meu gosto) e também já foi ligada às reações alérgicas e picos nos níveis de insulina.

  • Açúcar: pode levar à obesidade, diabetes, doenças cardíacas, parada cardíaca, doença cerebral (incluindo a demência) e muito mais. Se existe algo que você já deveria ter eliminado da sua dieta é o açúcar.

  • Açúcar mascavo: tido como açúcar “cru”, a sua espessura engana as pessoas fazendo-as acreditar que ele é mais natural, e, portanto, melhor. A grande verdade é que nem uma coisa, nem outra, estão certas. Ele não passa de um açúcar. É o mesmo que acontece com o “puro suco de cana” e outros adoçantes e xaropes orgânicos caros, com nomes que os fazem soar mais saudáveis. E não são!

Agora, para muitas pessoas a maior fonte de todos esses adoçantes está nas bebidas, geralmente refrigerantes e café. E se você for um “viciado” em refrigerantes, vai precisar largar de vez. Se você quiser algo frisante, atenha-se à boa e velha água com gás, talvez com um pouco de limão ou lima.

Mas se você for um bebedor de café, eu tenho algumas notícias melhores:o café não só é delicioso como também é saudável! Ao consumir de uma a três xícaras por dia você ajuda a diminuir o risco de câncer, doenças cardíacas, demência entre outras. Então, meu caro, não desista do café, só desista dos adoçantes.

Plano para sair do vício em adoçante

Eu sei que alguns de vocês não podem nem imaginar uma xícara de café sem algo para cortar um pouco do sabor amargo. Se você for um deles, você PODE contornar essa situação. Acompanhe o plano de apenas dois passos e saia de vez do vício em adoçante.

Passo Um: Jogue fora o leite de baixa gordura, substitutos do leite e aditivos com sabores que não provêm do leite e mude para o creme de leite fresco. Apesar de tudo que você já ouviu isso é melhor do que essas outras coisas diluídas e pode ajudar a amenizar até o café mais forte da cidade.

Passo Dois: Seja qual for o adoçante que você consome, use um pouquinho menos amanhã. Em mais alguns dias, corte mais um pouquinho e assim por diante até que você esteja no marco zero. As suas papilas gustativas irão se ajustar e você rapidamente aprenderá a amar o café como Deus pretendia que fosse amado.

É claro que isto significa abrir mão de quaisquer bebidas mocha que você está acostumado a tomar no Starbucks da esquina, mas isso não quer dizer que você precisa sacrificar tudo o que você ama sobre o café. Você pode fazer a sua própria versão de mocha acrescentando um pouco de pó de cacau puro (e não adoçado). Se a sua bebida empelotar, passe-a no processador de alimentos ou no moedor de café até que esteja bem fino.

Junto com o sabor extra, os antioxidantes do cacau têm benefícios adicionais incluindo proteção ao coração e ao cérebro. Combinado com os benefícios do café em si, é uma bebida potente e praticamente a melhor maneira de começar o seu dia, sem banhá-lo em açúcar.

Referências bibliográficas:

  • Lord GH, Newberne PM. Renal mineralization — a ubiquitous lesion in chronic rat studies. Food Chem Toxicol 1990 Jun;28:449-55.
  • Labare MP, Alexander M. Microbial cometabolism of sucralose, a chlorinated disaccharide, in environmental samples. Appl Microbiol Biotechnol. 1994 Oct
  • Sucralose — a new artificial sweetener. Medical Letter on Drugs & Therapeutics, 07/03/98, Vol. 40, Issue 1030, p67, 2p.
  • Hunter BT. Sucralose. Consumers’ Research Magazine, Oct90, Vol. 73 Issue 10, p8, 2p.
  • European Journal of Clinical Nutrition April 2011; 65(4):508-13
  • Journal of Toxicology and Environmental Health Part A 2008;71(21):1415-29
  • Food and Chemical Toxicology, 2000;38 Suppl 2:S31-41
  • The Huffington Post Janaury 11, 2011
  • JAMA 2011; 305(13): 1352-1353
  • The New York Times April 12, 2011

Fonte: Dr. Rondó

%d blogueiros gostam disto: