-

psiquiatria

#Allergies and Depression: The Surprising Connection

Postado em

Are allergies and depression or anxiety related?

Allergy symptoms include sneezing, a runny nose, coughing, a sore throat, and a headache. These symptoms range from mild to severe. While some people with allergies can go about their normal daily routine in only slight discomfort, others might feel physically ill.

CONNECTIONSIf you have depression and anxiety along with allergies, you might think the former conditions have nothing to do with the latter. But as it turns out, there appears to be a connection between allergies and depression or anxiety.

Interestingly, allergic rhinitis has been linked with higher rates of depression and suicidal behavior.

Now, this doesn’t mean that everyone who has allergies will also have depression or anxiety, and vice versa. But you may be at risk for depression if you have a history of allergies.

What’s the connection?

Anyone who lives with chronic, persistent allergies may attest to feeling bad most days of the week or month. Feeling under the weather for one or two days might not dampen your overall mood. On the other hand, experiencing more bad days than good could eventually affect your outlook — and not for the better.

Life doesn’t stop when you’re dealing with allergies, which means you have to maintain your daily routine even when you don’t feel well. Allergies can affect your performance at work and school, and depending on the severity of symptoms, any type of activity can be physically draining.

Even though some people don’t connect their allergies with depression, there’s a long-standing relationship between physical health and mood.

In fact, included among the causes of clinical depression are stressful events and illness. For example, being diagnosed with coronary heart disease or cancer can make a person more susceptible to depression.

Of course, allergies aren’t as serious as some health problems. Nonetheless, feeling sick day after day can have an emotional toll on you, regardless of the severity of the illness.

ALLERGENSIt’s important to note that allergens that may trigger depression and anxiety don’t only include dust mites, pet dander, grass, ragweed, or pollen. Depression might also occur if you can’t tame food allergies (shellfish, nuts, gluten).

The old adage holds true that “you are what you eat.” In a 2017 study of children with and without food allergies (between the ages of 4 and 12), researchers concluded that food allergies played a role in higher levels of social anxiety and general anxiety in minority children of lower socioeconomic status.

The study didn’t find a link between depression and food allergies.

Of course, mood disorders can occur separate of allergies.

Mild depression and anxiety can resolve on its own. If not, speak with your doctor about treatment. Options can include psychotherapy, an anti-anxiety or antidepressant medication, or a support group.

Home remedies might also prove effective, such as:

TREATING ALLERGIES CAN HELPTreating allergies may also improve depression and anxiety. Allergic rhinitis releases cytokines, a type of inflammatory protein. It’s believed that this protein can have a negative effect on brain function, triggering sadness and depression.

Along with taking allergy medication, you can fight inflammation with food. Eat more leafy greens, berries, and nuts. Also, ginger and green tea can help reduce inflammation, as can getting plenty of sleep, massage therapy, and regular exercise.

Can treating your allergies help your depression or anxiety?

If you have bouts of depression or anxiety when your allergies flare, getting control of your allergy symptoms can help you feel better physically, and possibly lift a sad mood.

Avoid your allergy triggers and take over-the-counter or prescription allergy medication to keep symptoms at bay.

Lifestyle changes can help

  • Wash bedding frequently.
  • Vacuum your house once or twice a week.
  • Keep doors and windows closed to reduce exposure to outdoor allergens.
  • Avoid scented products (candles, lotions, perfumes, and so on).
  • Wear a mask when cleaning the house or working in the yard.
  • Rinse out your nasal passages.
  • Sip water or hot liquids to thin mucus in your throat.
  • Avoid cigarette smoke.

If you suspect a food allergy, ask your doctor about a skin test or a blood test to help pinpoint the foods that trigger your symptoms.

Can treating allergies make you feel worse?

Make sure you’re aware of possible side effects of over-the-counter and prescription allergy medications. These medications are effective, but they can also cause drowsiness, an upset stomach, or constipation.

Sides effects are usually temporary. They can, however, make you feel worse and heighten depression or anxiety.

SIDE EFFECTSStop taking a medication if you experience unpleasant side effects. Ask your doctor about an alternative drug. Sometimes, a lower dose can stop side effects, while continuing to provide allergy relief.

The bottom line

Many people live with seasonal and year-long allergies. When you’re unable to control their symptoms, allergies can lead to anxiety or depression. Talk to your doctor about options for allergy relief, as well as your options to treat a mood disorder.

With the right medication and lifestyle changes, you can put allergy symptoms behind you and get rid of the black cloud hanging over your head.

Healthline

Anúncios

#Elevated #depressive and #psychotic symptoms with lower quality of life among smokers vs. non-smokers

Postado em

  • The Lancet Psychiatry

Background

The self-medication hypothesis postulates that the high prevalence of smoking in patients with psychosis can be explained by the ameliorating effect of smoking on symptoms. However, there are few large prospective studies testing this hypothesis. We aimed to examine the multi-cross-sectional and prospective associations of changes in smoking behaviour with symptoms and quality of life.

Methods

In this prospective cohort study we recruited patients with a non-affective psychosis (n=1094), unaffected siblings (n=1047), and healthy controls (n=579). Patients aged between 16 and 50 years and diagnosed with a non-affective psychosis according to DSM-IV were recruited by clinicians from four university medical centres and 36 associated mental health-care institutions in the Netherlands and Belgium between Jan 13, 2004, and March 6, 2014. Smoking status and number of cigarettes per day were assessed at baseline, and at 3-year and 6-year follow-up using the Composite International Diagnostic Interview (CIDI). Symptom frequency was self-rated with the Community Assessment of Psychotic Experience (CAPE), and quality of life was assessed by the WHO Quality of Life (WHOQOL) schedule. Multiple linear mixed-effects regression analyses were done accounting for multiple confounders.

Findings

At baseline, 729 (67%) of 1094 of patients smoked (mean 17.5 cigarettes per day, SD 8.8) compared with 401 (38%) of 1047 siblings and 145 (25%) of 579 healthy controls. Multi-cross-sectional results of linear mixed-effects analyses showed that smoking in patients and siblings was associated with more frequent positive symptoms (estimate 0.14, SE 0.02, p<0.0001 in patients; 0.03, 0.01, p=0.0019 in siblings), negative symptoms (0.15, 0.03, p<0.0001 in patients; 0.09, 0.02, p<0.0001 in siblings), and depressive symptoms (0.12, 0.03 p<0.0001 in patients; 0.08, 0.02 p<0.0001 in siblings) and lower quality of life (–0.59, 0.11, p<0.0001 in patients; –0.31, 0.09, p=0.0002 in siblings) than non-smokers. In controls, smoking was associated with significantly higher frequency of subclinical positive symptoms (0.03, 0.01, p=0.0016) and depressive symptoms (0.05, 0.03, p=0.0432) than in participants who did not smoke. Patients who started to smoke during follow-up showed a significant increase in self-reported symptoms, particularly positive symptoms (0.161, 0.077, p=0.0381), whereas smoking cessation was not associated with changes in symptoms or quality of life compared with those who showed no change in smoking behaviour. Similar results were obtained for the changes in the number of cigarettes smoked.

Interpretation

Our findings do not empirically support the self-medication hypothesis. The absence of long-term symptomatic relief from smoking should encourage clinicians to help patients with psychosis to quit smoking.

Funding

Dutch Health Research Council, Lundbeck, AstraZeneca, Eli Lilly, Janssen Cilag, Academic Psychiatric Center of the Academic Medical Center, GGZ inGeest, Arkin, Dijk en Duin, GGZ Rivierduinen, Erasmus Medical Center Amsterdam, GGZ Noord Holland Noord, University Medical Center Groningen, Lentis, GGZ Friesland, GGZ Drenthe, Dimence, Mediant, GGNet Warnsveld, Yulius Dordrecht, Parnassia Psycho-medical Center, Maastricht University Medical Center, GGzE, GGZ Breburg, GGZ Oost-Brabant, Vincent van Gogh voor Geestelijke Gezondheid, Mondriaan, Virenze riagg, Zuyderland GGZ, MET GGZ, Universitair Centrum Sint-Jozef Kortenberg, CAPRI University of Antwerp, PC Ziekeren Sint-Truiden, PZ Sancta Maria Sint-Truiden, GGZ Overpelt, OPZ Rekem, University Medical Center Utrecht, Altrecht, GGZ Centraal, and Delta.

#Infecções em crianças podem estar associadas ao #risco de doença mental: estudo

Postado em

Será que uma infecção poderia tornar sua criança ou adolescente mais propenso a ter problemas de saúde mental?

Nova pesquisa na Dinamarca sugere ser possível.

“Os achados que ligam infecções a transtornos mentais em cérebros em desenvolvimento vêm adicionar mais conhecimento a este campo em crescimento, mostrando que existe uma conexão íntima entre o corpo e o cérebro”, disse o pesquisador principal Dr. Ole Kohler-Forsberg, da unidade de pesquisa sobre psicose no Hospital Universitário de Aarhus.

Contudo, Kohler-Forsberg alertou que o estudo não foi capaz de provar que infecções ou seus tratamentos causam doenças mentais, apenas que parecem estar conectados.

O risco pareceu ser maior em relação a infecções graves exigindo hospitalização. Contudo, os pesquisadores observaram que infecções menos graves tratadas com medicamentos também foram associadas a um aumento no risco de transtornos mentais.

Especificamente, eles observaram que crianças que haviam sido hospitalizadas devido a uma infecção tinham um risco 84% maior de serem diagnosticadas com um transtorno mental e um risco 42% maior de receberem prescrição de medicamentos para tratar o transtorno.

Aparentemente, as infecções e a reação inflamatória que se segue podem afetar um cérebro jovem e ser parte do processo de desenvolvimento de transtornos mentais, explicou Kohler-Forsberg.

“Isto pode, contudo, ser explicado por outras causas, como algumas pessoas terem um risco geneticamente superior de apresentar mais infecções e transtornos mentais”, disse ele.

Não está claro como as infecções aumentam o risco de doenças mentais, disse Kohler-Forsberg.

As infecções frequentes apresentadas por todos não costumam causar danos ao corpo ou cérebro, disse ele. Na verdade, as infecções são necessárias para desenvolver o sistema imunológico.

“Contudo, para alguns indivíduos, uma infecção pode afetar o cérebro e resultar em lesão duradoura, apesar de este ser um evento raro”, disse Kohler-Forsberg.

Para o estudo, pesquisadores coletaram dados de mais de um milhão de pessoas nascidas na Dinamarca entre 1995 e 2012. Dentre estes, cerca de 4% foram hospitalizados devido a um transtorno mental e mais de 5% estavam tomando medicamentos para tratar sua doença.

A equipe de Kohler-Forsberg observou que infecções tratadas com medicamentos, especialmente antibióticos, foram associadas a um risco aumentado de doença mental. A extensão do risco variou segundo o tipo de transtorno mental. Infecções bacterianas conferiram o maior risco.

Os pesquisadores relataram que os transtornos mentais mais comumente ligados a ter sido hospitalizado devido a uma doença infecciosa incluem esquizofrenia, transtorno obsessivo-compulsivo, transtornos de personalidade e comportamento, retardamento mental, autismo, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, transtorno desafiador de oposição, transtorno de conduta e tiques.

“Um melhor entendimento sobre o papel das infecções e a terapia antimicrobiana no desenvolvimento de transtornos mentais pode levar a novos métodos para prevenção e tratamento destes transtornos devastadores”, disse Kohler-Forsberg.

Ele voltou a alertar que estas são associações gerais e não dizem muito sobre nenhuma infecção individual.

“Portanto, em geral, os pais não devem se preocupar”, disse Kohler-Forsberg. “Também mostramos em um artigo diferente que a cognição não é afetada pelo número de infecções na infância.”

A pesquisa durante as últimas décadas revelou muitas interações complexas entre a mente e o sistema imunológico, disse Dr. Timothy Sullivan, presidente do departamento de psiquiatria e ciência comportamental no Hospital Universitário de Staten Island, em Nova York.

Estas incluem correlações entre inflamação e sintomas de depressão, bem como micro-organismos intestinais e saúde emocional. Ele disse que também existem fortes associações entre doenças mentais e algumas doenças físicas, como doença do coração, câncer e artrite.

“Até o momento, apesar de termos identificado alguns dos mecanismos celulares e fisiológicos através dos quais estas interações podem ocorrer, não elucidamos as ligações completamente e, como resultado, algumas pessoas na comunidade científica continuam incertas se estas observações seriam algo mais do que coincidência”, disse Sullivan.

Ele acrescentou que, à medida que perspectivas vindas do conhecimento em desenvolvimento sobre o genoma humano e as funções dos genes aumentam, “entender o impacto até mesmo de uma doença de rotina sobre o risco de doença mental será um componente crucial de indagação científica e permitirá que, um dia, esperamos que em breve, possamos prever e tratar estes riscos diretamente”.

O relatório foi publicado on-line em 05 de dezembro no periódico JAMA Psychiatry.

#Vitamin D deficiency in #older adults significantly increases #risk of depression

Postado em

  • Noticias Médicas Univadis

Vitamin D deficiency is associated with a significant increase in the likelihood of developing depression in later life, according to a new study published in the Journal of Post-Acute and Long-Term Care Medicine (JAMDA).

The longitudinal study investigated the link between vitamin D levels at baseline and depression at two and four years in 3,965 Irish adults aged 50 and older. Participants with depression at baseline were excluded from the study.

Over 10 per cent (400/3965) of the study sample met criteria for incident depression during the four-year follow-up. The authors found participants with vitamin D deficiency had a significantly higher likelihood of incident depression (odds ratio [OR] 1.75; 95% CI 1.24-2.46; t = 3.21; P=.001). The finding remained robust after controlling for relevant covariates including depressive symptoms, chronic disease burden, physical activity and cardiovascular disease.

“These findings are important, given the high prevalence of vitamin D deficiency among older people, the fact that supplementation has a low risk of toxicity or side effects, as well as the significant adverse effect depression can have on functional status and longevity in later life,” the authors said.

#Infeções na infância podem aumentar risco de doenças mentais

Postado em

Fonte de imagem: parenting.firstcry

As infeções que as crianças contraem durante a infância podem fazer aumentar o risco de doenças mentais durante aquele período e adolescência, demonstrou um novo estudo.

O estudo que foi conduzido por investigadores da Universidade de Aarhus e pelo Hospital Universitário de Aarhus, Dinamarca, seguiu 1.098.930 crianças nascidas na Dinamarca entre 1 de janeiro de 1995 e 30 de junho de 2012.

Os investigadores analisaram os tratamentos recebidos pelas crianças para a febre, dores de garganta e infeções, desde o nascimento das mesmas e o risco subsequente de doenças mentais até à adolescência das mesmas.

Foi apurado que as crianças que tinham sido hospitalizadas devido a infeção corriam um risco 84% mais elevado de terem uma doença mental e 42% maior de receberem uma prescrição para tratamento de doenças mentais.

Adicionalmente, o risco de as crianças desenvolverem determinadas doenças mentais, como autismo, distúrbios da personalidade e doenças psicóticas, era também mais elevado. A equipa descobriu ainda que o risco de doenças mentais era mais elevado logo após a infeção, o que parece sugerir que a mesma poderá contribuir para o desenvolvimento dos problemas mentais.

“Os internamentos hospitalares devido a infeções estão particularmente associados a um aumento de doenças mentais, mas também a infeções menos graves que são tratadas com medicamentos [prescritos] pelo próprio médico de família do paciente”, adiantou Ole Köhler-Forsberg, que colaborou neste estudo.

“Este conhecimento aumenta a nossa perceção sobre a existência de uma relação próxima entre o corpo e o cérebro e que o sistema imunitário pode desempenhar um papel no desenvolvimento das doenças mentais. Mais uma vez, a investigação indica que a saúde física e mental estão intimamente ligadas”, concluiu o investigador.

 

BS

 

#Qual é a relação entre diabetes e Doença de Alzheimer?

Postado em

Cada vez mais, a literatura começa a demonstrar ligações entre o comprometimento cognitivo, declínio cognitivo e demência associadas à Diabetes Mellitus tipo 2 (DMT2) ou resistência insulínica. De maneira objetiva, achados de algum grau de glicemia elevada em jejum alterada ou até DMT2 são encontrados em até 80% de pacientes com Doença de Alzheimer.

Nesta linha, um grupo de pesquisadores de Nova York (Icahn School of Medicine) analisou os tecidos cerebrais de pacientes que sofriam de DMT2 e Doença de Alzheimer (DA). No estudo, os pesquisadores procuraram identificar caminhos moleculares responsáveis por essa ligação entre a DA e DMT2. Em publicações prévias, já foi verificado que pacientes com Doença de Alzheimer tratados também para Diabetes Mellitus (seja com insulina ou outros medicamentos antidiabéticos), tiveram menos danos cerebrais pelo processo demencial.

A literatura já evidencia que existe um relacionamento próximo entre os caminhos dos receptores de insulina cerebrais (IRSP na sigla em inglês), o acúmulo de proteína beta-amiloide e a proteína tau anormal e hiperfosforilada. Assim, o grupo da Icahn School of Medicine examinou os caminhos moleculares no tecido cerebral e nos tecidos endoteliais. Fizeram isso através de estudos da expressão gênica de alguns componentes dos IRSP e alguns marcadores endoteliais do giro parahipocampal, bem como também em isolados ricos em células endoteliais da mesma região.

Os resultados são indicativos de que há anormalidades consideráveis e redução na expressão gênica nos giros parahipocampais de pessoas com DA, que mapeia diretamente para genes associados com a microvasculatura e o IRSP. De forma interessante, verificou-se também que houve significativa redução do número de genes de expressão anormal em pacientes que foram tratados com agentes antidiabéticos.

A importância destes achados é a sugestão de que tratamentos antidiabéticos podem reduzir ou normalizar o comprometimento microvascular e as funções do IRSP na Doença de Alzheimer. Desta forma, fica ainda mais reforçada a noção de que os pacientes precisam controlar comorbidades para manutenção de um bom estado cognitivo.

Principalmente neste momento em que ainda não contamos com medidas terapêuticas efetivas para reversão destes quadros demenciais. Apostar no tratamento adequado do Diabetes Mellitus, além de prevenir outras complicações vasculares já muito conhecidas, também parece ser um dos caminhos para preservação cognitiva.

 

Autor:

Referências:

  • Katsel P, Roussos P, Beeri MS, Gama-Sosa MA, Gandy S, et al. (2018) Parahippocampal gyrus expression of endothelial and insulin receptor signaling pathway genes is modulated by Alzheimer’s disease and normalized by treatment with anti-diabetic agents. PLOS ONE 13(11): e0206547. https://
    doi.org/10.1371/journal.pone.0206547
  • Janson J, Laedtke T, Parisi JE, O’Brien P, Petersen RC, Butler PC. Increased risk of type 2 diabetes in Alzheimer disease. Diabetes. 2004;53(2):474–81. pmid: 14747300
  • Barbagallo M, Dominguez LJ. Type 2 diabetes mellitus and Alzheimer’s disease. World J Diabetes. 2014;5(6):889-93.

#Ser notívago é mau para a saúde?

Postado em

Fonte de imagem: UOL

As pessoas com preferência pela noite, ou notívagas, apresentam um maior risco de diabetes de tipo 2 e de doenças cardíacas, apurou um estudo.

Conduzido por investigadores liderados por Suzana Almoosawi da Universidade de Northumbria, Newcastle, Reino Unido, este estudo constituiu a primeira revisão de outros estudos que exploravam a influência do cronotipo sobre a saúde.

De forma geral, a equipa concluiu que os indivíduos com um cronotipo do tipo notívago correm um maior risco de terem problemas de saúde, já que este tipo de pessoas tende a seguir padrões alimentares pouco consistentes e a consumir mais alimentos pouco saudáveis.

Com efeito, foi observado que as pessoas que costumam deitar-se tarde apresentam uma maior propensão para consumirem bebidas alcoólicas e com cafeína, alimentos com açúcar, a chamada “fast-food” que é rica em gordura saturada, e menos verduras e fruta do que os indivíduos com um cronotipo madrugador.

Estes padrões influenciam o risco de doenças crónicas e cardíacas, risco este que é maior nos notívagos.

Os notívagos têm ainda uma maior tendência para não tomarem o pequeno-almoço e fazerem menos refeições, mas com maiores quantidades, e a consumirem alimentos até quase à hora de dormir.

Ora, o ritmo circadiano influencia o metabolismo da glicose no organismo; os níveis da glicose devem ir diminuindo ao longo do dia, atingindo o seu ponto mais baixo à noite. No entanto, como os notívagos muitas vezes comem antes de ir dormir, os seus níveis de glicose sobem, o que pode prejudicar o metabolismo.

Os investigadores apuraram que os indivíduos com preferência pelo período noturno correm um risco 2,5 vezes maior de desenvolverem diabetes de tipo 2 em relação aos madrugadores.

Outro dos achados neste estudo foi o facto de o tipo de cronotipo mudar ao longo do ciclo da vida: as crianças tendem a ser madrugadoras e a partir dos seis anos começam a revelar uma tendência para serem notívagas. Durante a puberdade há uma preferência para o período noturno, que permanece até cerca dos 50 anos de idade. A partir desta idade, a pessoa volta a reverter a sua preferência para as manhãs.

%d blogueiros gostam disto: