psiquiatria

#La relación entre la #violencia y el #estrés provoca #enfermedades crónicas

Postado em Atualizado em

 

Una investigación realizada por científicas del Instituto Politécnico Nacional (IPN), México, determinó que la relación que hay entre la violencia con la generación de estrés provoca y recrudece enfermedades crónico-degenerativas.

En un comunicado, se explica que, de acuerdo con el estudio, cuando se experimenta violencia con frecuencia se genera estrés de manera sostenida y el organismo produce una respuesta bioquímica liberando catecolaminas (norepinefrina y epinefrina) y cortisol.

Este proyecto multidisciplinario ha sido dirigido por la investigadora de la Escuela Superior de Medicina (ESM) del IPN, Cindy Rodríguez Bandala, quien explica que el estrés neuroquímico puede generar osteoporosis, hipertensión, cáncer, diabetes y obesidad.

Esta especialista señala que ese tema es un asunto prioritario de salud pública, por ello es importante profundizar los estudios para desentrañar cómo las catecolaminas regulan las emociones, las reacciones al ambiente cuando hay estrés (que está diseñado para ser una respuesta inmediata, pero no duradera) y las afecciones crónico-degenerativas.

Rodríguez Bandala considera que “nuestro deber como científicos es conocer la epidemiología de la violencia, establecer el vínculo con el estrés y el deterioro de la salud. A partir de ello podremos proponer acciones para reducir ese fenómeno y sobre todo crear conciencia de que la violencia enferma”.

También la investigadora Laura Martínez Rodríguez, especialista en el estudio de violencia de género y colaboradora del proyecto, indica que existen 13 tipos de violencia: física, psicológica, abandono, económica, abuso, violencia sexual, ataque sexual, violencia institucional, estructural, espiritual, trata de personas, femicidio y feminicidio.

“Esta violencia provoca que el organismo esté en nivel de alerta la mayor parte del tiempo y se produzca desgaste en los mecanismos que regulan el comportamiento celular”, comenta.

Señaló que en pacientes con cáncer de mama los investigadores comprobaron que las mujeres con esta enfermedad y estrés crónico, depresión y ansiedad, desarrollan tumores más agresivos, de mayor tamaño y en algunos casos quimiorresistencia, por lo que la patología se complica.

El estudio incluyó a mujeres con cáncer de mama e hipertensión que toman fármacos betabloqueadores, los cuales actúan como inhibidores de los receptores del estrés. Comprobaron que quienes toman el fármaco tienen mejor densidad mineral ósea y menor riesgo de sufrir osteoporosis que quienes sufren la neoplasia, estrés y no los toman, y también evitan la metástasis.

Ante ese resultado y para apoyar a pacientes oncológicas, la científica de la ESM anunció el propósito de diseñar un betabloqueador más específico que ayude a reducir el estrés, el riesgo de padecer osteoporosis y que no afecte la tensión arterial.

Explica que existen células óseas (osteoblastos) que ayudan a eliminar el hueso de mala calidad, que ha perdido resistencia y elasticidad, mientras que los osteoblastos se encargan del desarrollo y crecimiento de los huesos en la juventud y del mantenimiento óseo en la fase adulta.

En la investigación encontraron que el efecto del estrés en personas con osteoporosis produce exceso de norepinefrina y se rompe el equilibrio entre osteoclastos y osteoblastos, por ello se deteriora más rápido la matriz ósea y no se regeneran los huesos de manera adecuada.

Anúncios

#Childhood Maltreatment Drives #Self-injury

Postado em

Individuals who were physically, sexually, or emotionally maltreated as children are more likely to engage in nonsuicidal self-injury (NSSI), new research shows.

Researchers analyzed 71 studies of the possible association between NSSI and childhood maltreatment, including physical, sexual, and emotional abuse, as well as physical and emotional neglect.

Overall, childhood maltreatment was found to be associated with NSSI, as were the other subtypes of childhood abuse. The association was not found in the case of childhood emotional neglect, in which studies were more likely to be subject to publication bias.

The connection was more strongly evident in community than clinical samples.

“One of the important take-home messages of the study is not to neglect emotional abuse, which is often given less weight than physical abuse,” said corresponding author Richard L. Liu, PhD, assistant professor of psychiatry and human behavior, Alpert Medical School of Brown University, Providence, Rhode Island.

“If you have a patient engaging in self-injury, it is important to inquire into childhood maltreatment, current or past, and if you have a patient who was maltreated as a child, you should find out whether the patient might be self-injuring,” he told Medscape Medical News.

The study was published online November 28 in Lancet Psychiatry.

Strong Predictor of Suicide Attempts

There is a “paucity” of empirically supported treatments for NSSI, the authors note.

The implications of this lack of studies are serious, given that NSSI is a “stronger predictor of suicide attempts than is a past history of suicidal behaviour.” There is therefore a “pressing need” to clarify potential underlying factors to “inform the development of future prevention and intervention strategies,” they write.

The current review was designed to systematically analyze childhood maltreatment and its subtypes in association with NSSI, to evaluate and quantify the strength of these associations after accounting for covariates, and to examine the potential mediators and moderators of this association.

“We especially wanted to look at emotional abuse, which has been understudied because it has traditionally been seen as less damaging than physical abuse,” Dr Liu said.

To investigate the association, the researchers selected 71 of a total of 938 studies of childhood abuse and NSSI.

To be included, studies were required to systematically assess any form of childhood maltreatment (defined as maltreatment occurring before age 18 years) distinct from other adverse childhood experiences and to assess NSSI separately from other outcomes, such as suicidality and other risky behaviors.

An assessment of univariate associations (n = 19,537 participants, consisting of adolescents and adults; mean age, 15.17 and 28 years, respectively) found that overall, childhood maltreatment was positively associated with NSSI (odds ratio [OR], 3.42; 95% confidence interval [CI], 2.74 – 4.26; P < .0001).

When multivariate associations were assessed, overall maltreatment was found to be associated with NSSI in analyses that included all available covariates (OR, 2.79; 95% CI, 2.15 – 3.63; P < .0001).

In analyses that adjusted for covariates, all maltreatment subtypes were found to be associated with NSSI with respect to childhood sexual abuse (OR, 1.62; 95% CI, 1.38 – 1.90), physical abuse (OR, 1.73; 95% CI, 1.38 – 2.17), and emotional abuse (OR, 1.86; 95% CI, 1.42 – 2.44) (for all, P < .0001).

For childhood physical and emotional neglect, the associations, although still significant, were somewhat weaker (OR, 1.24; 95% CI, 1.00 – 1.52; P = 0.046, and OR, 1.17; 95% CI, 1.02 – 1.35; P = .027,).

In a further analysis that accounted for the high rates with which different forms of maltreatment co-occur, the researchers repeated and restricted the analyses to those that analyzed covariates for at least one maltreatment subtype.

They found that the results remained largely unchanged, with the exception of emotional neglect, which became nonsignificant.

Different Pathways

Severity of overall maltreatment and three subtypes (sexual and physical abuse, and physical neglect) were associated with the severity of NSSI. This association did not hold for emotional neglect. There was an insufficient number of studies that investigated the association with emotional abuse.

The researchers identified several mediators between childhood maltreatment subtypes and NSSI, including general psychiatric morbidity for overall maltreatment, posttraumatic stress disorder, and dissociation for sexual abuse, personality dysfunction for emotional maltreatment and physical abuse, and dissociation for physical abuse.

Other mediators included academic self-efficacy, self-criticism, pessimism (for emotional abuse), and self-blame for physical abuse.

Associations were stronger in community than in clinical samples in moderator analyses. Although heterogeneity was higher for community than for clinical samples in the case of physical abuse, it was lower in community than clinical samples in the case of emotional abuse and neglect.

Emotional neglect was the only subtype of childhood maltreatment in which there was a potential publication bias in the studies.

“Collectively, these findings provide support for childhood maltreatment, and its specific subtypes, being associated with non-suicidal self-injury, although the available evidence is modest in the case of emotional neglect,” the authors write.

They warn that, although the maltreatment subtypes share commonalities in their relationship with NSSI, “subtypes of childhood maltreatment should not be considered as a unitary construct.”

“The mechanisms of correlation between NSSI and childhood maltreatment are complicated and related through different pathways that depend on the form of abuse,” said Dr Liu.

“I suspect that sexual and physical abuse may largely be driven through the relationship with physical pain associated with self-injury,” he noted.

“We all have a natural barrier to hurting ourselves, but the barrier is reduced when we are physically hurt by someone else. If a person has been physically hurt multiple times, that impediment to inflicting physical pain is reduced, and self-injury is more normalized and less foreign,” he said.

Emotional abuse, on the other hand, might be related to NSSI through emotional dysregulation, he said.

He noted that the studies investigated whether there was a difference between the strength of relationship between childhood maltreatment and NSSI by age.

“The absence of such a relationship suggests that adults with childhood maltreatment were just as likely to engage in self-injury as teens, which speaks to the long-lasting effects of maltreatment in these individuals.”

Tailored Interventions

In an accompanying editorial, Lianne Schmaal, PhD, and Sarah Bendall, PhD, of Orygen, the National Centre of Excellence in Youth Mental Health, and the Center for Youth Mental Health, University of Melbourne, Australia, called the study “novel.”

It “adds to the growing understanding of the extent of the impact of childhood maltreatment on a range of mental and physical health and other behavioral outcomes and the importance of tailoring services to take account of the unique needs of individuals who were maltreated in childhood.”

They emphasize that it is “essential” to understand the individual’s “context” for NSSI, such as association with trauma, because NSSI “might function to distract from severe trauma-related emotional distress or to reduce posttraumatic numbing and dissociation.”

Dr Liu added that screening in school and clinical settings, including screening for emotional abuse, is important.

“If these forms of abuse do indeed have different pathways of association with NSSI, a different treatment focus would be warranted, especially given the gravity of NSSI, which is increasingly being found in research to be the strongest predictor of suicidal risk,” he said.

The study was funded by the National Institute of Mental Health. The authors have disclosed no relevant financial relationships.

Lancet Psychiatry. Published online November 28, 2017. Abstract, Editorial

Fibromialgia e as relações pouco conhecidas com hormônios, mitocôndrias, inflamação e estresse oxidativo.

Postado em Atualizado em

A fibromialgia impediu que Lady Gaga se apresentasse no Rock in Rio deste ano.

Os fãs ficaram arrasados com o cancelamento do show de Lady Gaga, na abertura do Rock in Rio deste ano. Mas a cantora decidiu dar um tempo nas apresentações por conta da fibromialgia, uma doença caracterizada por dor musculoesquelética generalizada, acompanhada de problemas de fadiga, sono, memória e humor. Os pesquisadores acreditam que a fibromialgia amplifica as sensações dolorosas, afetando a maneira como seu cérebro processa sinais de dor. Os sintomas às vezes começam após um trauma físico, cirurgia, infecção ou estresse psicológico significativo.

Em alguns casos, os sintomas aumentam gradualmente ao longo do tempo sem um único evento desencadeante. A fibromialgia é uma condição de dor crônica que afeta aproximadamente cinco milhões de pessoas em todo o mundo. Aproximadamente 30% dos pacientes com fibromialgia apresentam depressão grave. A incidência de depressão e ansiedade, ao longo da vida, em pacientes com fibromialgia chega a 74% e 60%, respectivamente. No Brasil a depressão ocorre como comorbidade em 67,2% dos pacientes.

As mulheres são mais propensas a desenvolver fibromialgia do que os homens. Muitas pessoas que têm fibromialgia também têm dores de cabeça por tensão, distúrbios da articulação temporomandibular (ATM), síndrome do intestino irritável, ansiedade e depressão. Embora não haja cura para a fibromialgia, uma variedade de medicamentos pode ajudar a controlar os sintomas. Medidas de exercício, relaxamento e redução do estresse e cuidados com a dieta também podem ajudar. Os sintomas da fibromialgia incluem:

 

  • Dor generalizada. A dor associada à fibromialgia é frequentemente descrita como uma dor constante e maçante que durou pelo menos três meses. Para ser considerado generalizado, a dor deve ocorrer em ambos os lados do seu corpo e acima e abaixo da sua cintura.
  • Fadiga. As pessoas com fibromialgia muitas vezes acordam cansadas, embora relatem dormindo por longos períodos de tempo. O sono geralmente é interrompido pela dor, e muitos pacientes com fibromialgia apresentam outros distúrbios do sono, como a síndrome das pernas inquietas e a apneia do sono. Muitos pacientes com síndrome da fibromialgia têm um distúrbio do sono associado que é denominado de anomalia alfa-EEG. Pesquisadores descobriram que os pacientes da Síndrome da fibromialgia podem adormecer sem muitos problemas, mas seu nível de sono profundo é constantemente interrompido por “explosões” de atividade cerebral como se estivessem acordados. Os pacientes parecem passar a noite semiacordados.
  • Dificuldades cognitivas. Um sintoma comumente referido como “nevoeiro no cérebro, ou brain fog em inglês” prejudica a capacidade de se concentrar, prestar atenção e se focar em tarefas mentais. A dificuldade de raciocínio é uma queixa proeminente de muitos pacientes com fibromialgia. Comumente, eles descrevem dificuldades com a memória de curto prazo, a concentração, a análise lógica e a motivação.

Embora não haja cura para a fibromialgia, uma variedade de medicamentos pode ajudar a controlar os sintomas.

Os médicos não sabem o que causa a fibromialgia, mas provavelmente envolve uma variedade de fatores que atuam em conjunto. Estes podem incluir:

  1. Genética. Como a fibromialgia tende a correr em famílias, pode haver certas mutações genéticas que podem torná-lo mais suscetível ao desenvolvimento da doença.
  2. Infecções. Algumas doenças parecem desencadear ou agravar a fibromialgia.
  3. Trauma físico ou emocional. A fibromialgia às vezes pode ser desencadeada por um trauma físico, como um acidente de carro. O estresse psicológico também pode desencadear a condição.

 

Outra possíveis causas:

Disfunção do  eixo hipotalamio, hipófise e adrenal

Na fibromialgia são encontradas várias alterações hormonais, devido a uma complexa relação das diversas estruturas cerebrais. Essa disfunção endócrina parece desempenhar um papel importante na fibromialgia. Acredita-se que o centro da disfunção está no eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA), embora outros hormônios também pareçam estar envolvidos. Pesquisas mostram que os pacientes com fibromialgia têm baixos níveis dos hormônios: tiroidiano, estrogênio, testosterona, progesterona, relaxina e cortisol.

Resultado de imagem para fibromialgia eixo hpa

Citocinas pró-inflamatórias e DHEA-S em Mulheres com fibromialgia: impacto de psicologia situação de angústia e menopausa

Embora a fibromialgia não seja tradicionalmente considerada uma desordem inflamatória, a evidência de processos inflamatórios elevados foi observada neste transtorno em múltiplos estudos. O suporte para marcadores inflamatórios na fibromialgia tem sido bastante equívoco até à data, potencialmente devido à falta de atenção para características salientes do paciente que podem afetar a inflamação, como distúrbios psiquiátricos e marcos de envelhecimento como a menopausa. Um estudo realizado por pesquisadores norte-americanos  examinou as relações entre citocinas pró-inflamatórias e níveis hormonais, intensidade da dor e sofrimento psicológico em uma amostra de 34 mulheres pré-menopáusicas e pós-menopáusicas com fibromialgia.

Nossos resultados sugeriram que a IL-8 estava correlacionada com sintomas depressivos, catástrofe da dor e ansiedade relacionada à dor para mulheres na pós-menopausa, mas não para mulheres pré-menopáusicas.

A desregulação de sulfato de dehidroepiandrosterona (DHEA-S), um hormônio esteróide endógeno, pode desempenhar um papel etiológico na manutenção da sintomatologia de FM, pois modula as respostas inflamatórias através da inibição direta da atividade de IL-6 e TNF-α ( pró inflamatórias)  e indiretamente através da promoção de  IL-10 ( anti inflamatórias) . O declínio normativo dos níveis de DHEA-S com a idade tem sido teoricamente ligado ao início da sintomatologia de FM em toda a vida.

Estudo da USP mostrou uma associação significativa entre disfunção sexual e depressão em pacientes com fibromialgia

Disfunção sexual , testosterona e  Fibromialgia

Os achados do estudo “Depressão, sexualidade e síndrome da fibromialgia: achados clínicos e correlação com parâmetros hematológicos”, publicado na revista Arquivos de Neuropsiquiatria, também levantam a possibilidade de “envolvimento de mediadores imunoinflamatórios” na doença. Os pesquisadores da Universidade de São Paulo procuraram investigar questões de sexualidade e depressão em 33 mulheres com fibromialgia, comparando com 19 mulheres saudáveis e correlacionar os achados clínicos aos parâmetros sanguíneos.

Disfunção sexual e depressão foram significativamente mais prevalentes em mulheres com fibromialgia em comparação com o grupo controle. As pacientes com fibromialgia comparadas às mulheres saudáveis também apresentaram menores concentrações séricas de testosterona, T4 livre (relacionada à função da glândula tireoide), fator antinuclear (para avaliar a doença autoimune), menor concentração de hemoglobina e hematócrito.

“Este estudo mostrou uma associação significativa entre disfunção sexual e depressão em pacientes com fibromialgia. A disfunção sexual pode interferir na qualidade de vida e agravar os sintomas de fibromialgia e depressão, uma comorbidade frequente de fibromialgia”, concluíram os pesquisadores.

Tratamento da dor em pacientes com fibromialgia com gel de testosterona: farmacocinética e resposta clínica.

Para testar a hipótese de que a deficiência de testosterona desempenha um papel importante na dor crônica, um estudo piloto de Fase I/II foi realizado com 12 pacientes com fibromialgia para verificar se uma dose diária com gel de testosterona transdérmica por de 28 dias poderia 1) aumentar de forma significativa e segura a concentração sérica média de testosterona, de níveis basais baixos para níveis médio/alto-normal e 2) tratar eficazmente os sintomas de dor e fadiga da fibromialgia.

Os dados farmacocinéticos confirmaram que as concentrações plasmáticas da testosterona livre aumentaram significativamente acima dos níveis basais, por meio da avaliação da concentração máxima de hormônio (Cmax).

A avaliação dos sintomas típicos da fibromialgia pelo questionário do paciente e no exame do ponto sensível demonstraram mudanças significativas na diminuição da dor muscular , rigidez e fadiga e no aumento da libido durante o tratamento do estudo. Estes resultados são consistentes com a capacidade hipotética da testosterona para aliviar os sintomas de fibromialgia. Os sintomas que não estavam intimamente relacionados com a fibromialgia não foram melhorados.

Tratamento com hormônio do crescimento para redução contínua da dor e melhora na qualidade de vida na fibromialgia severa.

O hormônio do crescimento pode ser um tratamento complementar efetivo para o manejo da dor e da fadiga em pacientes com fibromialgia, particularmente em um subconjunto com valores baixos de fator de crescimento insulina-like 1. Foram sugeridos defeitos funcionais na secreção de hormônio do crescimento (GH ou Growth Hormone, em inglês) e sua eficácia como tratamento complementar para a fibromialgia. Um estudo realizado por pesquisadores espanhóis investigou a eficácia e a segurança do GH em baixas doses como terapia complementar em pacientes com fibromialgia grave e níveis baixos de insulina tipo 1. Um total de 120 pacientes foram matriculados em um estudo multicêntrico controlado por placebo durante 18 meses.

O hormônio do crescimento pode ser um tratamento complementar efetivo para o manejo da dor e da fadiga em pacientes com fibromialgia

Eles foram aleatoriamente designados para receber 0,006 mg/kg/dia de GH S.C. (grupo A, n = 60) ou placebo (grupo B, n = 60) durante 6 meses (fase cega). O grupo tratado com placebo foi trocado para o tratamento com GH do mês 6 até o mês 12 (fase aberta) e um período de seguimento após a descontinuação de GH foi realizado até o mês 18. Tratamento padrão para fibromialgia (inibidores seletivos de reabsorção de serotonina, opioides e amitriptilina) foi mantido ao longo do estudo. No final do estudo, os pacientes do Grupo A apresentaram pontuações de Questionário de Impacto da Fibromialgia (FIQ) significativamente melhoradas (P = 0,01) em comparação com o grupo B.

Embora a descontinuação de GH tenha agravado todas as pontuações em ambos os grupos durante o seguimento, o comprometimento da percepção da dor foi menos pronunciado no grupo tratado com GH (P = 0,05). Baseados nos resultados obtidos, os pesquisadores concluíram, neste maior e mais longo estudo controlado por placebo realizado em fibromialgia, que a adição de GH ao tratamento padrão foi eficaz na redução da dor.

A disfunção mitocondrial e o estresse oxidativo podem ser um marcador diferencial entre síndrome de fadiga crônica e fibromialgia?

A síndrome de fadiga crônica (SFC) e a fibromialgia (FM) são doenças complexas e graves que afetam aproximadamente 2,5% e 5% da população em geral em todo o mundo, respectivamente. A etiologia é desconhecida; no entanto, estudos recentes sugerem que a disfunção mitocondrial esteve envolvida na fisiopatologia de ambas as condições. Pesquisadores da Universidade Autônoma de Barcelona investigaram a possível associação entre biogênese mitocondrial e estresse oxidativo em pacientes com SFC e FM. Eles avaliaram 23 pacientes com SFC, 20 pacientes com FM e 15 controles saudáveis.

  • As células mononucleares do sangue periférico dos pscientes mostraram níveis reduzidos da Coenzima Q10 naqueles com SFC  e nos indivíduos com FM e níveis de ATP também reduzidos em pacientes com SFC e FM.
  • Os pacientes com SFC/FM tiveram significativamente aumentados os níveis de peroxidação lipídica, que é indicativos de dano induzido pelo estresse oxidativo.
  • A atividade da enzima citrato sintase mitocondrial foi significativamente menor em pacientes com FM, mas na SFC, resultou em níveis similares aos controles.
  • O conteúdo de DNA mitocondrial foi normal na SFC e reduzido em pacientes com FM relação aos controles saudáveis.

Tratamento da síndrome de fadiga crônica e fibromialgia com D-Ribose – Um estudo aberto, multicêntrico

A Síndrome de Fadiga Crônica e de Fibromialgia (CFS/FMS) são síndromes debilitantes que afetam cerca de 2 a 4% da população. Embora sejam condições heterogêneas associadas a muitos gatilhos, elas parecem ter em comum a patologia de estarem associadas ao metabolismo de energia prejudicado. Como a D-ribose demonstrou aumentar a síntese de energia celular e também melhorar significativamente os resultados clínicos na CFS/FMS em um estudo anterior, pesquisadores americanos do Hawaii e do Texas, testaram a hipótese que a administração de D-ribose melhoraria as funções nos pacientes de CFS/FMS.

Para isto, realizaram um estudo aberto, em que 53 clínicas dos EUA matricularam 257 pacientes que tiveram um diagnóstico de CFS/FMS, emitido por um profissional de saúde. Todos os indivíduos receberam D-ribose (Corvalen™), uma pentose de ocorrência natural, na dose de 5 g, três vezes ao dia, durante 3 semanas. Todos os pacientes foram avaliados na linha de base (1 semana antes do tratamento) e após 1, 2 e 3 semanas, usando um Escala Analógica Visual (1-7 pontos) de classificação de energia, sono, função cognitiva, dor e bem-estar geral.

Dos 257 pacientes matriculados inicialmente, 203 completaram o teste de tratamento de 3 semanas. O tratamento com D-ribose levou a melhorias, tanto estatisticamente (p <.0001) quanto clinicamente importantes em todas as categorias avaliadas:

  • Aumento de 61,3% em energia
  • Aumento de 37% no bem-estar geral
  • Melhoria de 29,3% no sono
  • Melhoria de 30% na clareza mental
  • Diminuição de 15,6% na dor

A melhorias começaram na primeira semana de tratamento e continuaram a aumentar no final das 3 semanas de tratamento. Além do mais, a D-ribose foi bem tolerada pelos pacientes. Os pesquisadores concluíram que, neste estudo multicêntrico, a utilização da D-ribose resultou em níveis de energia, sono, clareza mental, bem-estar e alívio da dor nitidamente melhorados em pacientes com fibromialgia e síndrome da fadiga crônica.

O tratamento com D-ribose levou a melhorias, tanto estatisticamente quanto clinicamente importantes em todas as categorias avaliadas

5 dicas de dieta para ajudar a controlar suas “explosões” de fibromialgia

Como dito anteriormente, ainda não há cura para a doença, mas acredita-se que a dieta possa desempenhar um papel importante na gestão dos sintomas. Aqui estão cinco dicas de dieta para ajudá-la a controlar as “explosões” de fibromialgia com base em informações de do site prevention.com:

1. Obtenha bastante vitamina D

A vitamina D costuma ser chamada de vitamina do sol, pois é derivada dos raios do sol. Muitos de nós são deficientes nesta vitamina vital, particularmente durante o inverno, o que pode levar à dor articular e muscular. A vitamina D é necessária para construir ossos saudáveis, melhorar o sistema imunológico, regular a pressão arterial e ajudar a prevenir o câncer. Os alimentos que são boas fontes de vitamina D incluem ovos, peixes, lácteos, cereais fortificados e sucos de frutas.

Fale com seu médico sobre suplementos de vitamina D. Pacientes com síndrome da fibromialgia (FMS) geralmente têm baixos níveis de vitamina D, levando a dor e fadiga, e os suplementos não são apenas uma alternativa ao tratamento dos sintomas, mas também são econômicos. A dor crônica e a fadiga, os sintomas típicos da síndrome da fibromialgia, podem ser tratados com suplementos de vitamina D como alternativa ou complemento a outros tratamentos, como descobriram os pesquisadores que trabalham no Orthopedic Hospital Speising  em Viena, na Áustria, cujos resultados do estudo foram recentemente publicado no  revista Pain.

A dor crônica e a fadiga, os sintomas típicos da síndrome da fibromialgia, podem ser tratados com suplementos de vitamina D como alternativa ou complemento a outros tratamentos

2. Evite alimentos processados

Os alimentos processados ​​geralmente contêm muitos aditivos e conservantes, muitos dos quais não são bons para nossos corpos. Aditivos como MSG (glutamato monossódico) e aspartame podem ativar neurônios que aumentam a sensibilidade do corpo à dor. Evitar refrigerantes dietéticos, variedades sem açúcar de doces e chocolate e ler os pacotes de refeições processadas irá ajudá-lo a se afastar de MSGs e aspartame. Escolha alimentos inteiros frescos ou alimentos com poucos ingredientes no rótulo – de preferência que você possa reconhecer.

3. Aumente sua ingestão de Ômega-3

Peixes oleosos como salmão, cavala e sardinha; nozes; sementes de linho e chia; e os vegetais de folhas verde escuras são apenas alguns dos alimentos que podem fornecer aos nossos corpos as boas gorduras Ômega-3, conhecidas por combaterem a inflamação e dor nas articulações, bem como protegerem o coração.

4. Evite a cafeína

Desculpe, mas essa xícara de café tem que sair! Embora seja tentador recorrer ao café para reduzir a fadiga que vem com a fibromialgia, a cafeína também contribuirá para a sua falta de sono no final do dia. Mude para chás e cafés descafeinados para ajudar a restaurar padrões de sono regulares e evite bebidas como refrigerantes com cafeína.

5. Coma muitas frutas e vegetais

Frutas e vegetais contêm muitos nutrientes vitais, e quanto mais frutas e verduras você comer, mais desses nutrientes você estará consumindo. Aponte para um arco-íris de cores ao escolher frutas e legumes e opte por frutas e vegetais orgânicos e da época, se possível. Os vegetais congelados e enlatados podem ser tão bons quanto frescos (às vezes, mais devido a serem enlatados ou congelados diretamente após a colheita), mas certifique-se de manter um olho no teor de sódio. Se você não quiser seguir uma dieta vegetariana ou vegana, considere reduzir a quantidade de carne que você come e tentar escolher variedades orgânicas alimentadas com pastagem.

A coenzima Q10 pode melhorar parâmetros clínicos e moleculares na fibromialgia?

A Fibromialgia (FM) é uma doença complexa que afeta até 5% da população mundial em geral. Os seus mecanismos fisiopatológicos são difíceis de identificar e as terapias farmacológicas atuais demonstram eficácia limitada. Tanto a disfunção mitocondrial quanto a deficiência de coenzima Q10 (CoQ10) foram implicados na fisiopatologia da FM. Pesquisadores da Universidade de Sevilha, na Espanha, investigaram o efeito da suplementação com CoQ10. Eles realizaram um estudo randomizado, duplo-cego e controlado por placebo para avaliar os efeitos clínicos e da expressão gênica com a suplementação por 40 dias com CoQ10 (300 mg/dia) em 20 pacientes com FM. Observou-se uma importante melhora clínica após o tratamento com CoQ10 versus placebo com redução do FIQ (questionário de impacto da fibromialgia, ver link) e redução proeminente na dor, fadiga e cansaço matinal,  nas subescalas do FIQ. Além disso, os cientistas observaram uma redução importante na escala visual da dor e uma redução nos pontos sensíveis, incluindo a recuperação da inflamação, as enzimas antioxidantes, a biogênese mitocondrial e os níveis de expressão gênica da AMPK, associados à fosforilação da atividade AMPK. Esses resultados levam à hipótese de que a CoQ10 tem um potencial efeito terapêutico na FM e indica novos possíveis alvos moleculares para a terapia desta doença.

O estresse oxidativo correlaciona-se com sintomas de dor de cabeça na fibromialgia: efeito coenzima Q10 sobre melhora clínica.

Estudos recentes apontaram algumas evidências que demonstram que o estresse oxidativo está associado a sintomas clínicos na fibromialgia. Pesquisadores espanhóis examinaram o estresse oxidativo e o estado bioenergético em células mononucleares no sangue (BMCs) e sua associação aos sintomas de dor de cabeça em pacientes com fibromialgia. Os efeitos da suplementação oral de coenzima Q10 (CoQ10) em marcadores bioquímicos e melhora clínica também foram avaliados.

Eles estudaram 20 pacientes com FM e 15 controles saudáveis. Os parâmetros clínicos foram avaliados utilizando o Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQ), as escalas de análises visuais (VAS) e o Teste de Impacto de Headache (HIT-6). O estresse oxidativo foi determinado medindo os níveis de CoQ10, catalase e peroxidação lipídica (LPO) em BMCs e O estado bioenergético foi avaliado pela medição dos níveis de ATP em BMCs

Os pesquisadores encontraram níveis reduzidos de CoQ10, catalase e ATP em BMCs de pacientes com FM, em comparação com o controle normal. Também encontraram aumento do nível de LPO em BMCs de pacientes com FM em relação ao controle normal. Foram observadas correlações negativas significativas entre os níveis de CoQ10 ou catalase em BMCs e parâmetros de cefaleia. Além disso, os níveis de LPO mostraram uma correlação positiva significativa com HIT-6. A suplementação oral de CoQ10 restaurou os parâmetros bioquímicos e induziu melhora significativa nos sintomas clínicos e de dor de cabeça.

Os resultados deste estudo sugerem um papel da disfunção mitocondrial e do estresse oxidativo nos sintomas de dor de cabeça associados à FM. A suplementação de CoQ10 deve ser examinada em um estudo controlado com placebo maior como um possível tratamento em FM.

Uso de uma forma hidrossolúvel da CoQ10 em mulheres afetadas pela fibromialgia. 

A diminuição da capacidade antioxidante e o aumento do estresse oxidativo foram observados em pacientes com fibromialgia. Alguns ensaios também mostraram que os níveis de CoQ10 são reduzidos nesses pacientes, mas que a sua suplementação pode restaurar os níveis e reduzir os sintomas da fibromialgia, incluindo dor e fadiga. Avaliamos o efeito da administração de uma forma da CoQ10 (DDM Chinone®) na dose de 200 mg x 2/dia em 22 pacientes do sexo feminino com diagnóstico de fibromialgia em estudo randomizado, aberto e cruzado. Os resultados obtidos pelos pesquisadores mostram que, em comparação com um grupo de controle, a administração de CoQ10 melhorou significativamente a maioria dos resultados relacionados à dor em 24-37%, incluindo fadiga (em ~ 22%) e distúrbios do sono (em ~ 33%). Os resultados obtidos confirmam o papel considerável desempenhado pela CoQ10 na redução da dor, fadiga e distúrbios do sono em indivíduos afetados pela fibromialgia.

Os resultados obtidos confirmam o papel considerável desempenhado pela CoQ10 na redução da dor, fadiga e distúrbios do sono em indivíduos afetados pela fibromialgia.

 

Referências

Fibromyalgia

https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/fibromyalgia/symptoms-causes/syc-20354780

Proinflammatory cytokines and DHEA-S in women with fibromyalgia: impact of psychological distress and menopausal status

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4259557/

Treatment of pain in fibromyalgia patients with testosterone gel: Pharmacokinetics and clinical response.

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1567576915002453

Growth hormone treatment for sustained pain reduction and improvement in quality of life in severe fibromyalgia

https://insights.ovid.com/pubmed?pmid=22465047

Treatment of Chronic Fatigue Syndrome and Fibromyalgia with D-Ribose– An Open-label, Multicenter Study

https://benthamopen.com/contents/pdf/TOPAINJ/TOPAINJ-5-32.pdf

Proinflammatory cytokines and DHEA-S in women with fibromyalgia: impact of psychological distress and menopausal status

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4259557/

Vitamin D May Help FMS Patients’ Pain and Fatigue

https://fibromyalgianewstoday.com/2015/01/19/vitamin-d-may-help-fms-patients-pain-and-fatigue/

5 Diet Tips to Help Control Your Fibro Flares

https://fibromyalgianewstoday.com/2017/10/03/diet-tips-control-fibro-flares/

Disfunção cognitiva e Distúrbio psicológico associados a fibromialgia

http://fibromialgia-info.blogspot.com.br/2015/12/disfuncao-cognitiva-e-disturbio.html

POSSÍVEIS CAUSAS DA FIBROMIALGIA

http://www.fibromialgiabrasil.com.br/teo-endoc.htm

Depression, sexuality and fibromyalgia syndrome: clinical findings and correlation to hematological parameters

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-282X2016001100863&lng=en&nrm=iso&tlng=en

Role for a water-soluble form of CoQ10 in female subjects affected by fibromyalgia. A preliminary study.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27974102

Effect of coenzyme Q10 evaluated by 1990 and 2010 ACR Diagnostic Criteria for Fibromyalgia and SCL-90-R: four case reports and literature review.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24103521

Could mitochondrial dysfunction be a differentiating marker between chronic fatigue syndrome and fibromyalgia?

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23600892

Can coenzyme q10 improve clinical and molecular parameters in fibromyalgia?

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23458405

Oxidative stress correlates with headache symptoms in fibromyalgia: coenzyme Q₁₀ effect on clinical improvement.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22532869

Ann Rheum Dis. 2004 Nov;63(11):1504-6.
Hypothalamic-pituitary-gonadal axis and cortisol in young women with primary fibromyalgia: the potential roles of depression, fatigue, and sleep disturbance in the occurrence of hypocortisolism.
Gur A1, Cevik R, Sarac AJ, Colpan L, Em S.

Arthritis Res Ther. 2004;6(3):R232-8. Epub 2004 Mar 15.
Cortisol and hypothalamic-pituitary-gonadal axis hormones in follicular-phase women with fibromyalgia and chronic fatigue syndrome and effect of depressive symptoms on these hormones.
Gur A1, Cevik R, Nas K, Colpan L, Sarac S.

Z Rheumatol. 1998;57 Suppl 2:67-71.
The hypothalamic-pituitary-adrenal stress axis in fibromyalgia and chronic fatigue syndrome.
Crofford LJ1.Division of Rheumatology, University of Michigan, Ann Arbor 48109-0680, USA. crofford@umich.edu

 

FONTE: Dr. Roberto Franco do Amaral

 

#El #tratamiento del TDAH se asocia a un menor #riesgo de lesiones accidentales (Neurosci Biobehav R)

Postado em

Un estudio coordinado por la Universidad de Navarra ha revelado que la medicación protege a los niños con trastorno por déficit de atención con hiperactividad (TDAH) de sufrir lesiones accidentales, según publican en Neuroscience & Biobehavioral Reviews.

Los autores han combinado los resultados de estudios previos de 4 millones de niños o adolescentes sin TDAH y 350.000 con el trastorno, y han demostrado que este trastorno se asocia a un mayor riesgo de caídas o golpes involuntarios que terminan en visitas a urgencias.

El riesgo aumenta por los síntomas principales del TDAH, como falta de atención, hiperactividad e impulsividad, así como otras características relacionadas como la agresividad.

En cambio, cuando compararon los períodos en los que los niños y adolescentes estaban tomando la medicación frente a cuando no lo hacían, comprobaron que el tratamiento farmacológico tiene un efecto protector frente a estas lesiones accidentales.

Entre las conclusiones del estudio, los investigadores afirman que la decisión de interrumpir el tratamiento farmacológico durante los fines de semana o el verano debe ser tomada con precaución por cuidadores y facultativos y enmarcada en un contexto más amplio en el que se valoren todos los riesgos y beneficios.

Asimismo, el estudio puede ayudar a implantar estrategias educativas de prevención de accidentes en niños con TDAH, al haberse visto que son una población de alto riesgo. En estos casos, añaden, medidas sencillas como llevar siempre casco cuando se monta en bicicleta o poner cierres de seguridad en las ventanas pueden prevenir algunas de las graves consecuencias de sufrir un accidente.

Neurosci Biobehav Rev. 2017 Nov 21;84:63-71

#Especialistas relativizam #sobrediagnóstico e defendem #exames de rastreamento e quimioprevenção em #lesões precursoras na mama

Postado em

Rio de Janeiro — De acordo com a revisão das Diretrizes para a Detecção do Câncer de Mama publicada por Instituto Nacional do Câncer (INCA) e Ministério da Saúde em 2015, a mamografia é o método preconizado para o rastreamento de rotina. Esta estratégia de detecção precoce contribui para a identificação de lesões e, consequentemente, poderia diminuir o número de tumores em fase avançada. Entretanto, a prática acendeu o debate acerca do sobrediagnóstico – diagnóstico desnecessário, com potencial maior de dano do que benefício (ou iatrogenia).

Para a radiologista Dra. Fabíola Procaci Kestelman, a discussão “não tem muito sentido em um país com realidades e problemas de saúde pública mais urgentes”. Em apresentação no 20º Congresso Brasileiro de Oncologia, realizado no final de outubro, no Rio de Janeiro, a especialista apresentou uma revisão da literatura sobre o tema para justificar o exame como método eficaz para reduzir a mortalidade por câncer na mama. A Dra. Fabíola afirmou que há diversos modelos de avaliação[1,2], entretanto, ela considera os estudos ecológicos e de rastreamento os mais consistentes. Segundo os dados, os trabalhos de Welch e Jorgensen[3,4,5,6] foram os que geraram mais dúvidas se a mamografia traz ou não benefício às mulheres.

Para a radiologista, o problema dos estudos está ou no erro de cálculo sobre o aumento da incidência da doença, ou na não diferenciação dos tamanhos e estágios da doença para efeito de análise. Todos eles concluíram que a mamografia gera sobrediagnóstico, mas calcular com precisão a taxa é, segundo ela, “praticamente impossível”. Ainda, para a Dra. Fabíola, “a primeira coisa que você tem de saber é que, se não houvesse mamografia, a incidência aumentaria por si só. Ela aumentaria, porque o câncer está aumentando, e não é porque inventaram a mamografia”, disse.

Um levantamento randomizado feito na Suécia[7], que indica uma taxa de sobrediagnóstico em torno de 10%, é o trabalho mais “bem-desenhado e conclusivo”, diz a especialista. O resultado da pesquisa com cerca de 40 mil mulheres entre 45 e 69 anos mostra que quem fez mamografia morreu menos de câncer de mama do que quem não fez. Ou seja, apesar do sobrediagnóstico, o rastreamento amortizou a chance de morte.

“A mamografia reduz a mortalidade, e esse é um dado irrefutável”, defendeu a Dra.Fabíola.

Manejo das lesões precursoras

Outra questão delicada advinda com a mamografia é a possibilidade de se encontrar algumas lesões que podem ou não evoluir para um carcinoma. Na mesma sessão, o Dr. Fabrício Palermo Brenelli, mastologista do Instituto de Mama em Campinas, dissertou sobre o manejo de lesões marcadoras de risco, como a hiperplasia ductal atípica, hiperplasia lobular atípica e carcinoma lobular in situ (baixo grau).

O médico apresentou uma publicação antiga[8] que evidencia que o risco de desenvolvimento de câncer é de quase 30% nos casos de hiperplasias ductal e lobular atípicas.

“Ou seja, são pacientes de altíssimo risco para o desenvolvimento de câncer de mama e que precisam ser seguidas ‘de frente’ ou, talvez, receber a indicação de uma intervenção de redução de risco”, defendeu. A orientação do médico é o ressecamento da lesão.

“Em 15% a 20% dos casos pode haver carcinoma in situ ou um carcinoma invasor associado ou não diagnosticado. No meu conceito, eu vou fazer uma amostra maior e retirar toda aquela lesão para ver se não existe associação com alguma lesão invasora ou pré-invasora”, afirmou.

Para o mastologista, nem todos os casos de hiperplasia devem ser submetidos a procedimentos cirúrgicos. Segundo ele, nas pacientes com poucos focos (de um a dois), quando o tamanho da lesão é pequeno, ou não há imagem residual, o risco de desenvolver câncer é pequeno. Sendo assim, as indicações de mastectomia bilateral nesses tipos de pacientes seriam pequenas, e a medida mais assertiva seria a quimioprevenção: “ela é extremamente eficaz nesse grupo”, disse[9,10,11,12,13].

De acordo com o Dr. Brenelli, em se tratando de lesões precursoras, o problema está nos diferentes graus, e até no padrão desordenado de evolução do carcinoma lobular in situ.

“No caso do carcinoma pleomórfico, por exemplo, onde a agressividade é maior, a indicação é de ressecar toda a lesão a fim de não subestimar um carcinoma adjacente”, disse. Para os casos de carcinoma ductal in situ, apesar do baixo risco de mortalidade, ele defende o procedimento cirúrgico, com ou sem radioterapia.

“O upgrade dessas lesões é alto, mas as séries disponíveis são pequenas e com baixa capacidade de conclusão, logo, os casos devem ser muito bem individualizados”, disse.

Com relação ao sobrediagnóstico, o mastologista concorda que existe um grupo de pacientes que não deveria ser diagnosticado e que se beneficia do não tratamento, “mas, quando olhamos os dados proporcionais, podemos afirmar que se optarmos pelo não rastreio para todo mundo, com certeza, estaremos causando um dano muito grande”.

#Distintos #tipos de alcohol desencadenan #emociones específicas

Postado em

El vodka, la ginebra, el whisky y otras bebidas espirituosas tienen más probabilidades de aumentar las conductas agresivas, en comparación con otras bebidas alcohólicas. Además, otros tipos de alcohol provocan otras emociones, según una gran encuesta internacional publicada en BMJ Open.[1]

Los resultados destacan “las complejas relaciones” entre las elecciones de bebidas alcohólicas y las emociones, señalan los autores, dirigidos por Kathryn Ashton, investigadora de salud pública, políticas, investigación y desarrollo internacional, en el Public Health Wales NHS Trust, en Cardiff, Reino Unido.

Entender la relación entre los tipos de alcohol, las emociones y los comportamientos que estas bebidas provocan puede ayudar a mejorar las campañas de salud pública y a evitar el aumento del consumo de bebidas alcohólicas hasta niveles de dependencia.

Bebidas espirituosas y agresión

Los investigadores consultaron datos de la Global Drug Survey (GDS), la encuesta más grande del mundo que utiliza información encriptada y se aplica en 11 idiomas. La encuesta anual de autonotificación se aplica en línea e investiga el consumo de alcohol y drogas en personas mayores de 16 años de edad.

El estudio actual, que incluyó datos sobre 29.836 encuestados de entre 18 y 34 años de la Global Drug Survey de 2016, se enfocó en el consumo de alcohol. A los encuestados se les pidió que informaran el tipo de bebidas alcohólicas que consumen y qué emociones asociaban con cada tipo de alcohol.

Se incluyeron tanto las emociones positivas (aumento de energía, relajación, sentirse atractivo o seguro de sí mismo), como las negativas (sentirse cansado, agresivo, inquieto o con ganas de llorar). Todos los encuestados en la muestra habían bebido todos los tipos de alcohol incluidos en el análisis (bebidas espirituosas, vino tinto, vino blanco, cerveza) en los últimos 12 meses.

Los investigadores también reunieron información sobre los tipos de alcohol que se consumían con mayor frecuencia en el hogar. Se calcularon los niveles de consumo utilizando el Test de identificación de los trastornos por consumo de alcohol (AUDIT).

Los resultados de la encuesta mostraron que las emociones diferían sustancialmente entre los grupos demográficos, estas relaciones se mantuvieron después de tomar en cuenta variables confusoras como la situación sociodemográfica y el nivel de dependencia al alcohol.

El análisis mostró que las bebidas espirituosas eran más propensas a provocar la mayoría de las emociones positivas, en comparación con la cerveza, el vino tinto o el vino blanco. Más de la mitad de los encuestados asociaron las bebidas espirituosas con un aumento de energía (58,4%) y con sentirse más seguros de sí mismos (59,1%), y 42,4% informaron que beber bebidas alcohólicas les hizo sentirse más atractivos.

Pero las bebidas espirituosas también eran más propensas, en comparación con cualquier otro tipo de bebida, a provocar ciertos sentimientos negativos. Por ejemplo, el 47,8% de los encuestados asociaron las bebidas espirituosas con sentirse enfermo.

Es importante destacar que casi un tercio de los encuestados (29,8%) reportaron una relación entre el consumo de bebidas espirituosas y agresión, que fue significativamente mayor que en otras categorías de bebidas (p < 0,001).

Los encuestados fueron más propensos a reportar sentirse relajados (52,8%) cuando bebían vino tinto, aunque casi la mitad de ellos también informaron sentirse relajados cuando bebían cerveza. El vino tinto fue con el que era más probable, de entre todos los tipos de alcohol, que las personas se sientieran cansadas (60,1%).

Los bebedores con dependencia (AUDIT ≥ 20) tenían casi cinco veces más probabilidades de sentir un aumento de la energía en comparación con los bebedores de bajo riesgo (AUDIT 0 – 7) (odds ratio ajustado [ORa]: 4,73; IC 95%: 4,07 – 5,50; p < 0,001).

Sin embargo, los bebedores con mayor consumo también reportaron tener emociones negativas con mayor frecuencia. Tenían seis veces más probabilidades de reportar sentimientos de agresión (ORa: 6,41; IC 95%: 5,79 – 7,09; p < 0,001).

Beber más alcohol por ocasión puede aumentar el impacto en las emociones, señalaron los autores.

Los bebedores con mayor consumo eran menos propensos a reportar sentimientos de cansancio. Esto, dijeron los autores, es “consistente con la evidencia existente sobre consumo excesivo de alcohol y dependencia al alcohol, incluido el desarrollo de tolerancia a los efectos sedantes del alcohol”.

Los resultados también mostraron que las personas que dependen del alcohol asocian con mayor frecuencia las emociones con el alcohol, ya sea que beban en casa o fuera.

Diferencias por país

Los hallazgos sugieren que las personas inadvertidamente seleccionan bebidas que se sabe que provocan emociones negativas porque anhelan las emociones positivas que las acompañan, y también respaldan otras investigaciones que muestran que aquellos con dependencia al alcohol lo usan como una forma de enfrentar los problemas, en lugar de beber por placer, dijeron los autores.

“Esto destaca un posible vacío emocional que las personas pueden estar buscando llenar con el consumo de alcohol. Este vacío puede ser una preocupación, especialmente con la industria del alcohol que usa publicidad enfocada en impulsar las emociones positivas asociadas al consumo de alcohol sin dar una idea de los aspectos negativos que conllevan”.

Una mayor proporción de personas con menor nivel educativo reportaron tanto emociones positivas como negativas al consumir alcohol, en comparación con aquellos que habían terminado la preparatoria.

Las mujeres reportaron con mayor frecuencia todas las emociones excepto la agresión. Los encuestados más jóvenes (de 18 a 24 años) reportaron con mayor frecuencia todas las emociones, excepto la agresión y el cansancio.

En cuanto a los diferentes países, la asociación más alta con sentir un aumento de la energía, sentirse relajado y más atractivo estuvo en la muestra sudamericana de Colombia y Brasil. En cuanto a las emociones negativas, la muestra con la mayor asociación con la agresión fue Noruega, y con sentirse inquieto, Francia.

Sin embargo, los autores advirtieron que los tamaños de muestra para estas categorías eran pequeños. Dijeron que la encuesta “no debe considerarse representativa de ningún país o región”.

Debido a que los distintos tipos de alcohol pueden percibirse o usarse de diferentes maneras, las políticas de prevención pueden beneficiarse al tratar de manera diferente a los tipos de bebidas. Esto es especialmente cierto cuando se trata de bebidas espirituosas y su asociación significativa con la agresión, dijeron los autores.

Como la muestra fue autoseleccionada, podría haber una sobrerrepresentación de las personas que tienen más probabilidades de consumir alcohol. La muestra también puede estar sesgada hacia aquellos con acceso a internet.

Los autores también señalaron que las emociones asociadas con el alcohol pueden haber sido afectadas por factores como el estado de ánimo antes de beber, y que la cantidad y la tasa de consumo de alcohol eran desconocidas. Asimismo, los encuestados pueden haber realizado otras actividades mientras consumían bebidas específicas, por ejemplo, bailar, que pueden haber afectado las emociones.

Se requiere más investigación para estudiar las razones detrás de las elecciones de bebidas específicas en diferentes entornos, el estado de ánimo antes de beber, el volumen de alcohol y el impacto de la publicidad del alcohol en el estado de ánimo percibido de los bebedores, concluyen los autores.

Los autores han declarado no tener ningún conflicto de interés económico pertinente.

#Benzodiazepines Tied to a 41% Increased #Mortality Risk in AD

Postado em

Patients with Alzheimer’s disease (AD) who use benzodiazepines and related drugs (BZRDs) have a 41% higher risk for death than patients who do not use these drugs, new research shows.

Mortality rates in patients with AD who use BZDRs was 13.4 per 100 person-years, vs 8.5 per 100 person-years in nonusers during the 6-month study period (adjusted hazard ratio [HR], 1.4). The association was significant from initiation of use.

“I was surprised by how big the increased risk was,” lead author Laura K. Saarelainen, a PhD candidate at the Kuopio Research Center for Geriatric Care, University of Eastern Finland, told Medscape Medical News.

“We would like clinicians to know that these drugs have major adverse events from the very beginning of use,” she added.

The study was published online November 15 in the International Journal of Geriatric Psychiatry.

Vulnerable Population

Individuals with AD are a “vulnerable population,” subject to a high frequency of chronic comorbidities, mortality, and the behavioral and psychological symptoms of dementia (BPSD), the authors write.

Although treatment guidelines recommend that BZDRs be used only as short-term or infrequent treatment of BPSDs, use of BZDRs “increases considerably” at the time of AD diagnosis, with almost one third of patients using these agents, the authors state.

Only a few studies to date have investigated adverse outcomes associated with BZDR use in this population. This previous research has found these drugs to be related to increased risk for hip fracture, stroke, and pneumonia.

Moreover, no previous studies have focused specifically on community-dwelling individuals with AD. The authors therefore aimed to study all-cause 180-day mortality in a nationwide cohort of community-dwelling persons with AD.

“We chose benzodiazepines for study because they have not received a great deal of previous research, and information about adverse effects is lacking,” Saarelainen said.

To investigate this issue, the researchers used data from the Medication Use and Alzheimer’s Disease cohort, which includes all community-dwelling persons diagnosed with mild to moderate AD in Finland between 2005 and 2011. Data were obtained from nationwide Finnish registers.

BZDRs were defined as benzodiazepines (anatomic therapeutic chemicals of classes N05BA and N05CD) and benzodiazepine-related drugs (“Z-drugs,” or drugs of class N05CF).

Benzodiazepines included in the study were diazepam, chlordiazepoxide, oxazepam, lorazepam, alprazolam, nitrazepam, temazepam. Z-drugs included zopiclone and zolpidem.

Information on drug use included when each period of drug use started and ended. Regularity of drug purchases, hospital stays, and possible stockpiling of drugs were taken into account.

Patients were excluded if they had used BZDRs during a 1-year washout period prior to AD diagnosis, if they had been hospitalized or institutionalized for 50% or longer of the washout period, or if they had an ongoing hospital stay of 90 days or longer at the end of the washout period.

So long as use of these agents was continuous, overlapping BZDR and Z-drug use periods were combined. However, for subanalyses, periods of BZDR use and Z-drug use were analyzed separately.

Covariates included comorbidities, socioeconomic position, psychiatric disorders, substance abuse, stroke, antidepressant use, antipsychotic use, and opioid use.

After exclusion and inclusion criteria had been applied, the study included 10,380 individuals who initiated BZDR use and 20,760 matched nonusers. The study follow-up consisted of 3319.0 and 9282.3 person-years of BZDR use and nonuse, respectively (median age of participants, 81.1 years).

The median time from the date of AD diagnosis and the start of follow-up was 445 days (IQR, 166 – 903.5); median duration of BZDR use was 121 days (IQR, 40 – 180).

During the study period, 6438 patients initiated drug use with a BZDR, and 3826 initiated use with a Z-drug; 161 used both types of drugs concomitantly.

In total, 440 patients (3319.0 person-years) died during BZDR use, compared to 785 (9282.3) during nonuse. This translated into an age-adjusted death rate (per 100 person-years) of 13.4 (12.23 – 14.53) for the patients who used BZDRs, vs 8.5 (7.92 – 9.05) for those who did not use BZDRs (nonadjusted HR, 1.56; 95% CI, 1.38 – 1.77; adjusted HR, 1.41; 95% CI, 1.23 – 1.62).

The association between BZDR use and increased risk for death was significant but did not persist after 120 days. Moreover, Z-drug use was not associated with increased risk.

The writers note that their observation of a 41% increased risk for death with BZDR use was “higher than the observations in previous studies investigating persons with dementia.”

Moreover, because the difference between increase in death in patients who used BZDRs and those who used Z-drugs was very small, “Z-drug use cannot be considered any safer than benzodiazepine use in persons with dementia regarding risk of death,” the authors note.

“We believe that there is no difference between these two drug categories and that the lower risk associated with Z-drugs is that they are less frequently used,” Saarelainen said.

The researchers attribute the adverse outcomes in BZDRs partially to the age-related changes in pharmacodynamics and pharmacokinetics, which increase the central nervous system (CNS) effects of these drugs in older persons.

Saarelainen added, “Unfortunately, we couldn’t study the question of the mechanism of death in these individuals. But based on previous studies, the deaths may be due to other outcomes, such as fractures and pneumonia, which are fatal in this population.”

Nonpharmacologic Interventions

Commenting on the study for Medscape Medical News, Charles F. Reynolds III, MD, professor of geriatric psychiatry, University of Pittsburgh, and director of the Aging Institute, University of Pittsburgh Medical Center, Pennsylvania, said that the article “does a nice job of documenting the association between benzodiazepine exposure and mortality risk in the context of AD.”

However, he expressed concern that “interpretation of data was not altogether straightforward because behavioral and psychological disturbances in the context of dementia themselves confer greater risk of early mortality.

“That said, the association is certainly plausible, and I can invoke several potential mediating factors, such as falls, disturbances in respiration during sleep, and cardiac arrhythmias,” Dr Reynolds added.

Although the association is “real, the article does not completely convince me that we are not dealing with confounding by association but with plausible mediating variables that can explain the association, which leads to the question of whether we can associate true causal effect between benzodiazepines and mortality in AD,” said Dr Reynolds, who was not involved in the study.

Regardless, there remain several important take-home messages, he added.

“Most geriatric psychiatrists try to avoid use of CNS-depressing drugs, including benzodiazepines, in patients with AD because they worsen cognitive function, increase fall risk, which can be fatal, and can worsen sleep-disordered breathing.”

He suggested increased use of behavioral and nonpharmacologic approaches as the “first step in the treatment algorithm” and that other classes of medications, such as antipsychotics ― particularly quetiapine ― and antidepressants ― particularly citalopram and escitalopram ― with “a greater margin of safety” be used if these measures are insufficient.

Saarelainen also emphasized the importance using nonpharmacologic options as first-line approaches, adding that it is important to “educate caregivers to recognize the symptoms of behavioral disturbances and what might be causing these symptoms, and then address those causes.”

The study received no funding. Laura Saarelainen has received a personal research grant from the University Pharmacy outside the submitted work. Other study authors have received funding from multiple sources. Dr Reynolds has received grant/research support from the National Institute of Health, the National Institute of Mental Health, the National Heart Lung and Blood Institute, the Center for Medicare & Medicaid Services, the Patient Centered Outcomes Research Institute, the John A. Hartford Foundation, the American Foundation for Suicide Prevention, the Commonwealth of Pennsylvania, the Clinical and Translational Science Institute, the National Palliative Care Research Center, and the American Association for Geriatric Psychiatry. Bristol Meyers Squibb, Forrest Labs, Lily, and Pfizer provide pharmaceutical supplies for NIH-sponsored work.

Int J Geriatr Psychiatry. Published online November 15, 2017. Abstract