-

Neurologia

#Temporal arteritis

Postado em

 

Temporal arteritis

Temporal arteritis is a condition in which the temporal arteries, which supply blood to the head and brain, become inflamed or damaged. It is also known as cranial arteritis or giant cell arteritis. Although this condition usually occurs in the temporal arteries, it can occur in almost any medium to large artery in the body.

The journal Arthritis & Rheumatologystates that approximately 228,000 people in the United States are affected by temporal arteritis. According to the American College of Rheumatology, people over the age of 50 are more likely than younger people to develop the condition. Women are also more likely than men to have temporal arteritis. It is most prevalent in people of northern European or Scandinavian descent.

Although the exact cause of the condition is unknown, it may be linked to the body’s autoimmune response. Also, excessive doses of antibiotics and certain severe infections have been linked to temporal arteritis. There’s no known prevention. However, once diagnosed, temporal arteritis can be treated to minimize complications.

If you think that you may have temporal arteritis, you should see a doctor as soon as possible. Temporal arteritis can cause very serious complications, but seeking immediate medical attention and treatment can reduce the risk of developing these complications.

Symptoms of temporal arteritis

The symptoms of temporal arteritis can include:

  • double vision
  • sudden, permanent loss of vision in one eye
  • a throbbing headache that’s usually in the temples
  • fatigue
  • weakness
  • loss of appetite
  • jaw pain, which sometimes can occur with chewing
  • fever
  • unintentional weight loss
  • shoulder pain, hip pain, and stiffness
  • tenderness in the scalp and temple areas

These symptoms can also occur due to other conditions. You should call your doctor anytime you’re worried about any symptoms you’re experiencing.

Diagnosis of temporal arteritis

Your doctor will perform a physical exam and look at your head to determine whether there’s any tenderness. They’ll pay special attention to the arteries in your head. They may also order a blood test. Several blood tests can be useful in diagnosing temporal arteritis, including the following:

  • A hemoglobin test measures the amount of hemoglobin, or oxygen-carrying protein, in your blood.
  • A hematocrit test measures the percentage of your blood that is made up of red blood cells.
  • A liver function test can be done to determine how well the liver is working.
  • An erythrocyte sedimentation rate (ESR) test measures how quickly your red blood cells collect at the bottom of a test tube over one hour. A high ESR result means that there’s inflammation in your body.
  • A C-reactive protein test measures the level of a protein, made by your liver, that’s released into your bloodstream after tissue injury. A high result indicates that there’s inflammation in your body.

Although these tests can be helpful, blood tests alone aren’t enough for a diagnosis. Usually, your doctor will perform a biopsy of the artery that they suspect is affected to make a definitive diagnosis. This can be done as an outpatient procedure using local anesthesia. An ultrasoundmay provide an additional clue about whether or not you have temporal arteritis. CT and MRIscans are often not helpful.

Potential complications of temporal arteritis

If temporal arteritis isn’t treated, serious, potentially life-threatening complications can occur. They include:

  • inflammation and damage to other blood vessels in the body
  • development of aneurysms, including aortic aneurysms
  • vision loss
  • eye muscle weakness
  • blindness
  • stroke

An aortic aneurysm can lead to massive internal bleeding. Death can also occur if temporal arteritis isn’t treated. Talk with your doctor about ways to minimize any complications from the condition.

Treatment of temporal arteritis

Temporal arteritis cannot be cured. Therefore, the goal of treatment is to minimize tissue damage that can occur due to inadequate blood flow caused by the condition.

If temporal arteritis is suspected, treatment should begin immediately, even if test results haven’t yet confirmed the diagnosis. If this diagnosis is suspected and the results are pending, your doctor may prescribe oral corticosteroids. Corticosteroids can increase your risk of developing certain medical conditions, such as:

  • osteoporosis
  • high blood pressure
  • muscle weakness
  • glaucoma
  • cataracts

Other potential side effects of the medicines include:

  • weight gain
  • increased blood sugar levels
  • thinning skin
  • increased bruising
  • decreased immune system function
  • difficulty sleeping at night and restlessness

Talk with your doctor about ways to minimize these side effects.

Your doctor may also recommend taking aspirin to treat the musculoskeletal symptoms.

Treatment typically lasts for one to two years. While you’re undergoing corticosteroid therapy, it’s important that you have regular checkups with your doctor. They’ll need to monitor your progress, as well as the way that your body is handling medical treatment. Prolonged use of corticosteroids can have detrimental effects on your bones and other metabolic functions.

The following measures are generally recommended as part of treatment:

  • taking calcium and vitamin D supplements, which are available online
  • quitting smoking
  • doing weight-bearing exercise, like walking
  • getting regular bone density screenings
  • getting occasional blood sugar checks

You’ll still need to see your doctor for checkups once you’ve finished your course of treatment. This is because temporal arteritis can recur.

What is the outlook for people with temporal arteritis?

Your outlook for temporal arteritis will depend on how quickly you’re diagnosed and able to start treatment. Untreated temporal arteritis can cause serious damage to the blood vessels in your body. Call your doctor if you notice new symptoms. This will make it more likely that you’ll be diagnosed with a condition when it’s in the early stages.

 

 

Medcyclopedia

 

Anúncios

#La Psoriasis

Postado em Atualizado em

Resultado de imagem para que es la psoriasis

Qué es

La psoriasis es una enfermedad inflamatoria crónica en la que las células de la piel de las zonas afectadas, llamadas queratinocitos, se reproducen mucho más rápido que las de una persona sin psoriasis, y se acumulan formando unas placas enrojecidas, engrosadas y escamosas en la piel.1

100 millones

La psoriasis es una enfermedad que padecen 100 millones de personas en el mundo2

1 millón

Se calcula que en España afecta al 2,3% de la población, esto es aproximadamente un millón de personas.3

 

No es una enfermedad contagiosa, aunque sí tiene cierto componente genético que se hereda de padres a hijos.

La psoriasis puede aparecer a cualquier edad, suele hacerlo con mayor frecuencia en dos momentos de la vida, entre los 20 y los 30 años y entre los 50 y los 60 años.1

Las personas que padecen psoriasis pueden tener mayor riesgo de sufrir otras enfermedades como la diabetes, artritis psoriásica, enfermedades cardiovasculares y depresión, entre otras.

10 aspectos a tener en cuenta sobre la psoriasis

  1. La psoriasis no es una enfermedad contagiosa ni indica una higiene descuidada.
  2. La psoriasis no sólo la padece el paciente: su entorno personal también se ve afectado por las repercusiones físicas y psicológicas de la enfermedad.
  3. Además del componente físico, la psoriasis tiene un importante impacto sobre la salud mental, incluso mayor que el de otras enfermedades crónicas.
  4. La psoriasis es una patología crónica que puede controlarse siguiendo el tratamiento adecuado, mejorando la autoestima y la calidad de vida de forma importante.
  5. La psoriasis aparece en forma de brotes, con periodos de mejoría entre ellos (lo que se conoce como remisión).
  6. Existen distintos tipos de psoriasis y un mismo paciente puede padecer cuadros diferentes a lo largo de la evolución de su enfermedad.
  7. El dermatólogo es el especialista mejor cualificado para decidir cuál es el tratamiento más adecuado para cada paciente. El manejo de la psoriasis siempre es individualizado, ajustándose a las necesidades en cada momento de la enfermedad.
  8. La psoriasis se debe abordar de forma global, atendiendo no solo a los síntomas de la piel sino también a la afectación en articulaciones, riesgo cardiovascular o repercusión que pueda tener sobre la calidad de vida del paciente.
  9. Es importante que el médico valore la posibilidad de una artritis psoriásica, por lo que el paciente debe informarle de cualquier indicio como puede ser el dolor de espalda crónico, sobre todo durante la noche y que no desaparece con reposo, dolores en las articulaciones, inflamación de los dedos o de los tendones.
  10. En el paciente con psoriasis es importante evitar los golpes en la piel, que pueden desencadenar nuevas lesiones y moderar el consumo de alcohol, que puede empeorar la enfermedad.

 

1. Menter A, et al. Psoriasis and psoriatic arthritis overview. Am J Manag Care. 2016 Jun;22(8 Suppl):s216-24.

2. WHO_ Global report on psoriasis. Disponible en: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/204417/1/9789241565189_eng.pdf

3. Ferrándiz C, et al. Prevalencia de la psoriasis en España en la era de los agentes biológicos. Actas Dermosilogr. 2014. http://dx.doi.org/10.1016/j.ad.2013.12.008

#Tonturas ao pôr-se de pé poderão prognosticar demência

Postado em

Fonte de imagem: VCSST

Um novo estudo sugere que as pessoas de meia-idade que se sentem tontas ao levantarem-se após estarem sentadas ou deitadas poderão apresentar um risco mais elevado de demência.

Quando nos levantamos a gravidade provoca uma descida do sangue para os vasos sanguíneos da parte inferior do corpo, causando uma descida abrupta na tensão arterial. O sistema nervoso normalmente contrabalança este efeito, fazendo aumentar os batimentos cardíacos e comprime os vasos sanguíneos.

No entanto, isto nem sempre acontece, conduzindo a uma redução de sangue no cérebro e provocando as tonturas que são conhecidas como hipotensão ortostática.

A hipotensão ortostática foi já associada a doenças cardíacas, quedas e desmaios. O estudo que foi conduzido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Saúde Pública da Bloomberg da Universidade Johns Hopkins, EUA, pretendia verificar se a hipotensão ortostática poderia também estar associada a problemas no cérebro, particularmente a demência.

Para a sua investigação, a equipa analisou dados de 11.709 pessoas com uma mediana de idades de 54 anos e que não apresentavam um historial de doenças cardíacas quando foram recrutadas. Os participantes foram seguidos durante 25 anos, tendo sido avaliados pela equipa durante cinco vezes ao longo daquele período.

No decorrer da primeira visita os participantes foram avaliados relativamente à hipotensão ortostática, que foi detetada em 4,7% dos participantes.

Ao longo dos 25 anos, 1.068 pessoas desenvolveram demência e 842 tiveram um acidente vascular cerebral (AVC) isquémico. Dos 11.156 participantes sem hipotensão ortostática, 999 desenvolverem demência (9%) e das 552 pessoas com hipotensão ortostática, 69 desenvolveram demência (12,5%).

Sendo assim, quem apresentava hipotensão ortostática no início do estudo corria um risco 54% mais elevado de desenvolver demência do que quem não tinha. Este grupo apresentou ainda o dobro do risco de AVC isquémico em relação a quem não tinha hipotensão ortostática.

Embora sejam necessários mais estudos, estes resultados apontam que este sintoma poderá ser um indício precoce de risco mais elevado de demência.

 

 

In BS

#Review supports #botox as #treatment for#chronic migraine

Postado em

  •  Noticias Médicas Univadis

A new analysis, which investigated the effect of botulinum toxin type A in reducing the frequency of migraine headaches, has found that not only is it superior to placebo for reducing migraine, but also for the first time, has shown that it may also lead to improvements in quality of life.

Researchers analysed data from 17 studies including a total of 3,646 patients that compared patients receiving botulinum toxin versus placebo injections into head and neck muscles as a preventive treatment for migraine.

They identified a significant reduction in the frequency of chronic migraines with botulinum toxin at three months, with a mean difference in change in migraine frequency per month of -1.56 (95% CI -3.05 to -0.07; P=.04).  There was also a tendency toward a reduction in the frequency of episodic migraine.

Secondary analysis also identified a significant reduction in the frequency of chronic migraines with botulinum toxin type A at two months. There was also a significant improvement in patients’ quality of life at month three in the botulinum toxin type A group (P<.00001).

Presenting the findings in Plastic and Reconstructive Surgery, the authors concluded: “Botulinum toxin type A is a safe and well-tolerated treatment that should be offered to patients with migraine.”

#Uma #noite insone pode aumentar a tentação por #guloseimas matinais

Postado em

Existe um motivo porque aquela rosquinha com glacê pode ser ainda mais tentadora se você estiver com privação do sono: Um novo estudo sugere que até mesmo uma noite mal dormida aumenta o desejo por alimentos não saudáveis (junk food).

Mas a culpa não parece ser um aumento da grelina, também chamado “hormônio da fome”, que tem sido implicado em pesquisas anteriores com foco na privação do sono e más escolhas alimentares.

“Nossos resultados mostram que a ideia de a privação do sono levar a más escolhas alimentares devido a uma desregulação hormonal é, provavelmente, simples demais”, disse o autor do estudo, Jan Peters. Ele é professor de psicologia biológica na Universidade de Colônia, na Alemanha.

“Sabemos, de muitos estudos anteriores, que dormir menos aumenta o risco de obesidade e também que as pessoas tendem a dormir cada vez menos”, acrescentou Peters. “Agora nossos resultados mostram um mecanismo neural capaz de contribuir para a associação entre pouco sono e ganho de peso.”

De acordo com os Centros de controle e prevenção de doenças dos EUA, um em cada três adultos americanos não dorme o suficiente com regularidade. O CDC diz que dormir menos do que as sete horas recomendadas a cada noite está ligado a riscos aumentados de obesidade, diabetes, hipertensão arterial, doença cardíaca e AVC.

Para o estudo, Peters e sua equipe analisaram 32 homens jovens, saudáveis, não fumantes e com peso normal. Eles colheram amostras de sangue e realizaram RMs funcionais depois de os pacientes terem uma noite de sono normal em casa e depois de serem mantidos acordados em um laboratório. Em ambas as noites, os homens comeram um jantar padronizado.

Na manhã seguinte, os participantes escolheram entre lanches e bugigangas (itens não alimentares) durante uma tarefa de tomada de decisão. Esta tarefa mostrou que eles estavam dispostos a gastar mais dinheiro com itens alimentares apenas após uma noite com privação do sono. Seus níveis autoclassificados de fome foram semelhantes após as duas noites.

Depois de perder uma noite de sono, as imagens dos cérebros dos participantes mostraram uma maior atividade no circuito entre a amígdala e o hipotálamo, que está envolvido na ingestão de alimentos. Peter disse que isto sugere que perder sono aumenta o desejo por alimentos em comparação a compensações não alimentares.

Connie Diekman é diretora de nutrição universitária na Universidade de Washington em St. Louis e não esteve envolvida na pesquisa. Ela disse que ficou bastante surpresa por não ter sido demonstrado que mudanças nos níveis hormonais estariam ligadas às más escolhas alimentares dos participantes, mas que o estudo não foi capaz de determinar a causa e efeito.

A despeito das limitações do estudo, disse Diekman, ele transmitiu uma mensagem importante: “Pode ajudar as pessoas a entender que a quantidade e a qualidade do sono são essenciais para a sua saúde e para os comportamentos escolhidos relacionados à saúde.

“O benefício do resultado do estudo é que ele coloca parte da responsabilidade nas mãos das pessoas, diferentemente de um ativador metabólico que permite que as pessoas digam, ‘Ah, não é minha culpa’”, disse ela.

O estudo foi publicado em 17 de dezembro no periódico Journal of Neuroscience.

#Una sustancia llamada#EHT podría ayudar a explicar por qué el #café parece proteger frente el #Parkinson (PNAS)

Postado em

  • Noticias Médicas

Algunos estudios han sugerido que el café protege el cerebro frente la enfermedad de Parkinson. Un estudio reciente investiga qué compuestos podrían otorgar al café estos efectos neuroprotectores.

Aunque la cafeína parece desempeñar un papel en dicha neuroprotección, otras moléculas también podrían estar involucradas. En algunos estudios, por ejemplo, se ha visto el café descafeinado también ofrecía protección contra la neurodegeneración en un modelo de enfermedad de Parkinson.

En la búsqueda de componentes del café que podrían ayudar a retrasar la progresión de la enfermedad, investigadores del Rutgers Robert Wood Johnson Medical School Institute for Neurological Therapeutics(Estados Unidos) se centraron recientemente en un compuesto llamado eicosanoil-5-hidroxitriptamida (EHT). En Proceedings of the National Academy of Sciences Explican que se trata de un derivado de los ácidos grasos de la serotonina que se encuentra en la capa cerosa de los granos de café. No está relacionado con la cafeína, y estudios previos han demostrado que tiene propiedades neuroprotectoras y antiinflamatorias.

En particular, los investigadores querían entender si la cafeína y el EHT podrían trabajar juntos para defenderse del Parkinson.

Para investigarlo, administraron a ratones dosis de cafeína o EHT. Algunos los recibieron por separado, otros los recibieron juntos. Luego evaluaron la capacidad de cada combinación para reducir la acumulación de alfa-sinucleína en el cerebro.

Encontraron que ninguno de los dos compuestos tuvo un efecto beneficioso cuando se administró solo. Sin embargo, cuando los ratones consumieron EHT y cafeína, hubo una reducción significativa en la acumulación de proteínas.

Los investigadores también demostraron que los ratones tratados con una combinación de las dos sustancias mostraron una mejor función en las pruebas de comportamiento.

“El EHT es un compuesto que se encuentra en varios tipos de café –explica M. Maral Mouradian, uno de los autores-, pero la cantidad varía. Es importante que se determine la cantidad y proporción apropiadas para que la gente no se sobrecafeine, ya que eso puede tener consecuencias negativas para la salud”.

Los autores también entienden que es probable que la búsqueda de compuestos activos en el café lleve algún tiempo. Debido a que el café es un cóctel tan complejo, los autores creen que “no es improbable que otros componentes del café también tengan un papel beneficioso”.

#O lado positivo da #enxaqueca: menor risco para #diabetes?

Postado em

 Um estudo com mais de 74.000 mulheres francesas trouxe um achado inesperado: pessoas com sofrem com enxaqueca apresentam um risco significativamente menor de diabetes tipo 2.

O achado se baseia em pesquisas enviadas para milhares de mulheres nascidas entre 1925 e 1950. O estudo observou que, depois de ajustar para peso corporal e outros fatores de saúde, mulheres que disseram ter enxaquecas corriam um risco 30% menor de ter diabetes tipo 2, o principal tipo de doença de açúcar do sangue.

O achado é surpreendente, pois a enxaqueca tem “sido associada à resistência à insulina”, a doença metabólica que existe subjacente ao diabetes tipo 2, disse a equipe liderada por Guy Fagherazzi do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Clínica em Villejuif, França.

Os achados da equipe foram publicados on‑line em 17 de dezembro no periódico JAMA Neurology.

De acordo com os pesquisadores, até 18% das pessoas sofrem com enxaqueca, e mulheres na pré‑menopausa são as que apresentam maior tendência a ter cefaleias graves.

O novo estudo observou que a incidência de enxaqueca pareceu declinar nos anos que antecedem o surgimento do diabetes tipo 2 e, após o diagnóstico, a incidência “atinge um platô” em apenas 11%.

Mas como podem estas duas doenças estar conectadas? Dois especialistas dos EUA não tinham certeza.

Dr. Noah Rosen dirige o Centro de Dor de Cabeça da Northwell Health (Northwell Health Headache Center) em Great Neck, N.Y. Ele salientou que o estudo tem natureza retrospectiva e, portanto, não é capaz de mostrar se uma doença realmente ajuda a causar ou proteger contra a outra.

O estudo considerou o peso corporal como um fator em potencial, mas Rosen se perguntou se hábitos alimentares poderiam ter um papel.

Ele comentou que “pessoas com enxaqueca têm, frequentemente, uma relação interessante com os alimentos; alguns consideram que certos alimentos desencadeiam a enxaqueca, muitos pulam refeições ou apresentam desidratação”, e isso poderia ajudar a diminuir o risco de diabetes.

“São necessários mais trabalhos nesta área”, disse Rosen.

Dr. Gerald Bernstein é um coordenador de programa no Instituto Friedman de Diabetes no Hospital de Lenox Hill na cidade de Nova York. Ele concorda que, a despeito dos achados franceses, “não existe, atualmente, uma clara associação fisiológica que tenha sido identificada” ligando as duas doenças.

“Certamente, o estresse de uma enxaqueca poderia causar a elevação do açúcar no sangue em pessoas com diabetes, mas é basicamente só isso”, disse Bernstein.

Dras. Amy Gelfand e Elizabeth Loder, da Universidade da Califórnia, em São Francisco, e da Escola de Medicina de Harvard, respectivamente, redigiram um editorial de acompanhamento do periódico. Elas salientaram que a relação entre diabetes e enxaqueca já havia sido observada por médicos.

As duas especialistas em enxaquecas escreveram que “profissionais que trabalham com cefaleias têm discutido como é raro ter pacientes com diabetes tipo 2 na clínica de cefaleia”.

Gelfand e Loder teorizaram que o açúcar elevado no sangue, que acompanha o diabetes, poderia amortecer a produção de uma proteína cerebral específica há muito tempo associada a enxaquecas, mas esta ligação ainda não foi comprovada.

%d blogueiros gostam disto: