Neurologia

#Stroke: Causes, symptoms, diagnosis, and treatment

Postado em

Strokes occur due to problems with the blood supply to the brain: either the blood supply is blocked, or a blood vessel within the brain ruptures, causing brain tissue to die. A stroke is a medical emergency, and treatment must be sought as quickly as possible.

Stroke is the 5th leading cause of death in the United States, with one person dying every 4 minutes as a result. For black people, stroke is the 3rd leading cause of death.

http://www.doctorsonline.co/wp-content/uploads/2017/11/

Approximately 800,000 people have a stroke each year; about one every 40 seconds. Only heart disease, cancer, chronic lower respiratory diseases, and accidents are more deadly.

There are three main kinds of stroke:

Ischemic strokes
Hemorrhagic strokes
Transient ischemic attacks (TIAs), also referred to as mini-strokes
In this article, we will explain why these types of stroke occur, and how they are treated and diagnosed.

Fast facts on stroke:

During a stroke, the brain does not receive enough oxygen or nutrients, causing brain cells to die.
Ischemic strokes are caused by a narrowing or blocking of arteries to the brain.
Hemorrhagic strokes are caused by blood vessels in and around the brain bursting or leaking.
Strokes need to be diagnosed and treated as quickly as possible to minimize brain damage.
Treatment depends on the type of stroke.
The most effective way to prevent strokes is through maintaining a healthy lifestyle and treating underlying conditions that are a risk factor.
What is stroke?
Stroke occurs when the supply of blood to the brain is either interrupted or reduced. When this happens, the brain does not get enough oxygen or nutrients, which causes brain cells to die.

There are three main kinds of stroke; ischemic, hemorrhagic, and TIA. This article will focus on ischemic and hemorrhagic strokes, as there is a separate Knowledge Center article for TIAs, which goes into specific detail about them.

In the U.S., approximately 40 percent of stroke deaths are in males, with 60 percent in females. According to the American Heart Association(AHA), compared with white people, black people have nearly twice the risk of a first-ever stroke and a much higher death rate from stroke.

In 2009, stroke was listed as the underlying cause of death in 128,842 persons in the U.S., resulting in an age-adjusted rate of 38.9 deaths per 100,000 population. The rate was almost twice as high among non-Hispanic blacks (73.6 per 100,000), and the rate of premature death from stroke was also higher among non-Hispanic blacks than their white counterparts (25.0 versus 10.2).

Stroke is more likely to affect people if they are overweight, aged 55 or older, have a personal or family history of stroke, do not exercise much, drink heavily, smoke, or use illicit drugs.

What causes stroke?
The different forms of stroke have different specific causes.

Causes of ischemic stroke

Ischemic stroke is the most common form, accounting for around 85 percent of strokes. This type of stroke is caused by blockages or narrowing of the arteries that provide blood to the brain, resulting in ischemia – severely reduced blood flow that damages brain cells.

These blockages are often caused by blood clots, which can form either in the arteries within the brain, or in other blood vessels in the body before being swept through the bloodstream and into narrower arteries within the brain. Fatty deposits within the arteries called plaque can cause clots that result in ischemia.

Causes of hemorrhagic stroke

Hemorrhagic strokes are caused by arteries in the brain either leaking blood or bursting open. The leaked blood puts pressure on brain cells and damages them. It also reduces the blood supply reaching the brain tissue after the hemorrhage point. Blood vessels can burst and spill blood within the brain or near the surface of the brain, sending blood into the space between the brain and the skull.

The ruptures can be caused by conditions such as hypertension, trauma, blood-thinning medications, and aneurysms (weaknesses in blood vessel walls).

Intracerebral hemorrhage is the most common type of hemorrhagic stroke and occurs when brain tissue is flooded with blood after an artery in the brain bursts. Subarachnoid hemorrhage is the second type of hemorrhagic stroke and is less common. In this type of stroke, bleeding occurs in an artery in the subarachnoid space – the area between the brain and the thin tissues that cover it.

Causes of transient ischemic attack (TIA)

TIAs are different from the kinds above because the flow of blood to the brain is only briefly interrupted. TIAs are similar to ischemic strokes in that they are often caused by blood clots or other clots.

TIAs should be regarded as medical emergencies just like the other kinds of stroke, even if the blockage of the artery and symptoms are temporary. They serve as warning signs for future strokes and indicate that there is a partially blocked artery or clot source in the heart.

According to the Centers for Disease Control and Prevention (CDC), over a third of people who experience a TIA go on to have a major stroke within a year if they have not received any treatment. Between 10-15 percent will have a major stroke within 3 months of a TIA.

Symptoms of stroke
Strokes occur quickly, so symptoms often appear suddenly and without warning.

The main symptoms of stroke are:

Confusion– including trouble with speaking and understanding.
Headache– possibly with altered consciousness or vomiting.
Numbness or inability to move parts of the face, arm, or leg– particularly on one side of the body.
Trouble seeing– in one or both eyes.
Trouble walking– including dizziness and lack of co-ordination.
Strokes can lead to long-term problems. Depending on how quickly it is diagnosed and treated, the patient can experience temporary or permanent disabilities in the aftermath of a stroke. In addition to the persistence of the problems listed above, patients may also experience the following:

bladder or bowel control problems
depression
pain in the hands and feet that gets worse with movement and temperature changes
paralysis or weakness on one or both sides of the body
trouble controlling or expressing emotions
Symptoms vary among patients and may range in severity.

The acronym F.A.S.T. is a way to remember the signs of stroke, and can help identify the onset of stroke more quickly:

Face drooping– if the person tries to smile does one side of the face droop?
Arm weakness– if the person tries to raise both their arms does one arm drift downward?
Speech difficulty– if the person tries to repeat a simple phrase is their speech slurred or strange?
Time to call 911– if any of these signs are observed, contact the emergency services.
The faster a person with suspected stroke receives medical attention, the better their prognosis and the less likely they will be to experience lasting damage or death.

How is a stroke diagnosed?
Strokes happen fast and will often occur before an individual can be seen by a doctor for a proper diagnosis.

For a stroke patient to get the best diagnosis and treatment possible, they should be treated at a hospital within 3 hours of their symptoms first appearing.

Ischemic strokes and hemorrhagic strokes require different kinds of treatment.

Unfortunately, it is only possible to be sure of what type of stroke someone has had by giving them a brain scan in a hospital environment.

There are several different types of diagnostic tests that doctors can use to determine which type of stroke has occurred:

Physical examination– a doctor will ask about the patient’s symptoms and medical history. They may check blood pressure, listen to the carotid arteries in the neck, and examine the blood vessels at the back of the eyes, all to check for indications of clotting.
Blood tests– a doctor may perform blood tests to find out how quickly the patient’s blood clots, the levels of particular substances (including clotting factors) in the blood, and whether or not the patient has an infection.
CT scan– a series of X-rays that can show hemorrhages, strokes, tumors, and other conditions within the brain.
MRI scan– radio waves and magnets create an image of the brain to detect damaged brain tissue.
Carotid ultrasound– an ultrasound scan to check the blood flow in the carotid arteries and to see if there is any plaque present.
Cerebral angiogram– dyes are injected into the brain’s blood vessels to make them visible under X-ray, to give a detailed view of the brain and neck blood vessels.
Echocardiogram– a detailed image of the heart is created to check for any sources of clots that could have traveled to the brain to cause a stroke.
Treatments for stroke
As the ischemic and hemorrhagic strokes are caused by different factors, both require different forms of treatment. It is not only important that the type of stroke is diagnosed quickly to reduce the damage done to the brain, but also because treatment suitable for one kind of stroke can be harmful to someone who has had a different kind.

How is ischemic stroke treated?

Ischemic strokes are caused by arteries being blocked or narrowed, and so treatment focuses on restoring an adequate flow of blood to the brain.

Treatment can begin with drugs to break down clots and prevent others from forming. Aspirin can be given, as can an injection of a tissue plasminogen activator (TPA). TPA is very effective at dissolving clots but needs to be injected within 4.5 hours of stroke symptoms starting.

Emergency procedures include administering TPA directly into an artery in the brain or using a catheter to physically remove the clot. Recent studies have questioned the effectiveness of these methods, and so research is still ongoing as to how beneficial these procedures are.

There are other procedures that can be carried out to decrease the risk of strokes or TIAs. A carotid endarterectomy involves a surgeon opening the carotid artery and removing any plaque that might be blocking it.

Alternatively, an angioplasty involves a surgeon inflating a small balloon in a narrowed artery via catheter and then inserting a stent (a mesh tube) into the opening to prevent the artery from narrowing again.

How is hemorrhagic stroke treated?

Hemorrhagic strokes are caused by bleeding into the brain, so treatment focuses on controlling the bleeding and reducing the pressure on the brain.

Treatment can begin with drugs given to reduce the pressure in the brain, control overall blood pressure, prevent seizures and prevent sudden constrictions of blood vessels. If the patient is taking blood-thinning anti-coagulants or an anti-platelet medication like Warfarin or Clopidogrel, they can be given drugs to counter the medication’s effects or blood transfusions to make up for blood loss.

Surgery can be used to repair any problems with blood vessels that have led or could lead to hemorrhagic strokes. Surgeons can place small clamps at the base of aneurysms or fill them with detachable coils to stop blood flow and prevent rupture.

If the hemorrhage was caused by arteriovenous malformations (AVMs), surgery can also be used to remove small them if they are not too big and not too deep within the brain. AVMs are tangled connections between arteries and veins that are weaker and burst more easily than other normal blood vessels.

Rehabilitation
Strokes are life-changing events that can affect a person both physically and emotionally, temporarily or permanently. After a stroke, successful recovery will often involve specific rehabilitative activities such as:

  Speech therapy – to help with problems producing or understanding speech. Practice, relaxation, and changing communication style, using gestures or different tones for example, all help.

  Physical therapy – to help a person relearn movement and co-ordination. It is important to get out and about, even if it is difficult at first.

  Occupational therapy – to help a person to improve their ability to carry out routine daily activities, such as bathing, cooking, dressing, eating, reading, and writing.

  Joining a support group – to help with common mental health problems such as depression that can occur after a stroke. Many find it useful to share common experiences and exchange information.

  Support from friends and family – to provide practical support and comfort. Letting friends and family know what can be done to help is very important.

Rehabilitation is an important and long part of treatment. With the right help, rehabilitation to a normal quality of life is possible, depending on the severity of the stroke.

 

In Doctors-Online

Anúncios

#El #ejercicio aeróbico puede ayudar a que el #cerebro no disminuya de tamaño con el #envejecimiento (NeuroImage)

Postado em

Un trabajo conjunto de las universidades de Western Sydney (Australia) y Manchester (Reino Unido) ha revelado que el ejercicio aeróbico puede mejorar la función de la memoria y mantener la salud del cerebro, e incluso su tamaño, a medida que uno envejece.

En su trabajo, cuyos resultados publica NeuroImage, se centraron en evaluar los efectos del ejercicio aeróbico en la región del hipocampo, que es clave para la memoria y otras funciones cerebrales.

Estudios previos han demostrado que el cerebro va disminuyendo poco a poco con la edad, encogiendo un 5% cada 10 años a partir de los 40 años. Aunque investigaciones en ratones habían demostrado cómo el ejercicio ayuda para aumentar el tamaño del hipocampo, los estudios en humanos eran hasta el momento inconsistentes.

En este caso revisaron 14 ensayos clínicos en los que se analizó mediante TAC cerebral a 737 personas antes y después de someterse a un programa de ejercicio aeróbico controlado, que incluyó bicicleta estática, marcha y carrera en cinta.

Entre los participantes había adultos sanos, algunos con deterioro cognitivo leve como Alzheimer y personas con un diagnóstico clínico de enfermedad mental, como depresión o esquizofrenia. Y aunque la edad media eran 66 años, había participantes de 24 a 76 años.

La duración de los programas varió entre 3 y 24 meses, con una frecuencia de dos a cinco sesiones semanales. Y en términos, generales, aunque el ejercicio no tuvo ningún efecto sobre el volumen total del hipocampo, sí aumentó significativamente el tamaño de la región izquierda.

El científico del Instituto Australiano de Medicina Complementaria de Sidney, Joseph Firth, principal autor del estudio, considera que el estudio proporciona algunas de las pruebas más definitivas hasta la fecha sobre los beneficios del ejercicio para la salud cerebral.

“Cuando haces ejercicio se produce una sustancia química llamada factor neurotrófico derivado del cerebro (BDNF), que puede ayudar a prevenir el deterioro del cerebro relacionado con la edad”, según este investigador.

En este sentido, los datos demostraron que, en lugar de aumentar realmente el tamaño del hipocampo per se, los principales beneficios cerebrales se deben al ejercicio aeróbico que ralentiza el deterioro del tamaño del cerebro. “En otras palabras, el ejercicio puede verse como un programa de mantenimiento para el cerebro”, ha destacado.

Además, avanza que este envejecimiento “saludable” del cerebro puede tener implicaciones para la prevención de trastornos neurodegenerativos relacionados con el envejecimiento, como el Alzheimer y la demencia, aunque se necesita más investigación al respecto.

#Blood-Brain Barrier Breakdown Common in #RCVS

Postado em

Nancy A. Melville

SCOTTSDALE, Arizona — Distinctive signs of breakdown of the blood-brain barrier (BBB) are commonly evident in patients with reversible cerebral vasoconstriction syndrome (RCVS), providing potential diagnostic clues for the serious condition even in the absence of vasoconstriction.

The findings are from a study first published in the Annals of Neurology and highlighted in a session here at the American Headache Society (AHS) 2017 Scottsdale Headache Symposium.

“The study shows that in as many as 70% of patients classified as having RCVS, contrast-enhanced flare sequencing imaging showed this remarkable breakdown of the blood-brain barrier, indicating that there is activity at the capillary level and it often is present even in the absence of initial vasoconstriction,” said presenter David W. Dodick, MD, professor of neurology at the Mayo Clinic in Scottsdale. Dr Dodick, who was not involved in the study, discussed the paper during the session here.

RCVS, characterized by the acute onset of a severe, recurrent headache and reversible vasoconstriction of cerebral arteries, is increasingly recognized as the most common cause of a “thunderclap” headache and is linked to potentially serious outcomes ranging from seizure and ischemic infarcts to intracerebral hemorrhage and even death.

Early diagnosis is meanwhile challenging, with initial angiograms sometimes normal and the narrowing of distal cerebral arteries difficult to detect with certainty on resonance (MR) or computed tomography (CT) angiography.

BBB breakdown, which has been theorized to play a role in RCVS pathophysiology, can be visualized on contrast-enhanced fluid-attenuated inversion recovery (CE-FLAIR) MRI, and the modality is commonly used to evaluate BBB breakdown in various other conditions.

To look at the role of BBB breakdown in RCVS, the study authors, from the Neuroscience Center at Samsung Medical Center, Sungkyunkwan University School of Medicine, Seoul, Korea, evaluated 72 patients with thunderclap headache.

Aneurysmal subarachnoid hemorrhage had been ruled out in all patients. Thirty-seven (51.4%) were recruited from the emergency department, 3 (4.2%) from inpatient consultation, and 32 (44.4%) from the outpatient clinic.

The patients were recruited a median of 7 days from onset. RCVS, based on International Classification of Headache Disorders-3 beta criteria and neuroimaging, was diagnosed in 41 (56.9%) of cases: 29 with definite RCVS and 12 with probable RCVS.

Other secondary causes of headache were identified by neuroimaging in 7 patients, and 24 (33.3%) had thunderclap headaches of undetermined cause.

CE-FLAIR MRI showed that BBB breakdown was present in as many as 20 patients (69%) diagnosed with definite RCVS, in 3 (25%) with probable RCVS, and in 3 (12.5%) with thunderclap headache of undetermined cause.

None of the patients with other secondary causes of thunderclap headache showed BBB breakdown.

The BBB breakdown was present in as many as 19 patients with RCVS who did not have concomitant posterior reversible encephalopathy syndrome (PRES) and in 4 who did have the syndrome.

Furthermore, in patients with RCVS, the extent of BBB breakdown was independently associated with neurologic complications (odds ratio, 1.48 per one territorial increase; P = .03).

The presence of BBB breakdown allowed for the new classification of RCVS in 3 patients (12.5%) who had thunderclap headache of undetermined cause.

The authors noted that the findings are important because angiographic narrowing, which is currently the only finding to initially indicate a diagnosis of RCVS, is not always conclusive as a result of significant interobserver variations and overlap with other cerebrovascular diseases.

They added that BBB breakdown was the only independent factor to be associated with any composite neurologic outcomes, in addition to the composite of subarachnoid hemorrhage and PRES.

“This is the first study to demonstrate BBB breakdown in patients with RCVS,” the authors concluded.

“BBB breakdown was frequently present in patients with imaging-proven RCVS, even without concomitant PRES. It enabled the diagnosis of RCVS in patients with diagnostic uncertainty.

“Furthermore, BBB breakdown was independently associated with increased risk of neurological complications.”

The authors speculated that BBB breakdown could play a role in RCVS in two ways: First, the BBB’s integrity could be compromised by ischemic or hypoxic injury resulting from vasoconstriction.

Second, they suggested, “the impairment of BBB integrity may precede and determine the vulnerability to developing vasoconstriction.”

Dr Dodick agreed the findings suggest important additional clues clinicians can look at in considering an RCVS diagnosis.

“Vasoconstriction can be delayed for up to 2 weeks in about 25% of these cases, so even some of the most astute physicians can miss it,” he said.

“What this tells us is when you first see these patients and do your CT or MR angiography and you don’t see vasoconstriction, there are other things to look at, including this cortical subarachnoid blood, elevated transcranial Doppler velocities and now blood-brain barrier breakdown on CE-FLAIR sequencing that can raise suspicion of this diagnosis.”

With the potential severity of outcomes, any opportunity to improve diagnosis can be critical, he added.

“The important thing about an RCVS diagnosis is up to a third of these patients (28%) can have an intracranial hemorrhage within week 1 or 20% can have an ischemic stroke week 2,” he cautioned.

“So this is not the patient you want to dismiss from your office or the emergency department, because it will come back to haunt you.”

The authors have disclosed no relevant financial relationships. Dr Dodick’s disclosures include consulting for Acorda, Allergan, Amgen, Alder, Promius, eNeura, Eli Lilly & Company, Insys therapeutics, Autonomic Technologies, Teva, Xenon, Tonix, Trigemina, Nocira, Colucid, Zosano, Laydenburg Thalmann, Biocentric, Biohaven, Magellan, and Charleston Laboratories. He has stock options with Nocira, Epien, Healint, Theranica, and Mobile Health and board positions with King-Devick and Epien.

American Headache Society (AHS) 2017 Scottsdale Headache Symposium.

Ann Neurol. 2017;81:454-466.  Abstract

#Ómega-3 e #carotenóides previnem #declínio cognitivo?

Postado em Atualizado em

 

Pergunta clínica: poderá uma dieta rica em ácidos gordos ómega-3 e/ou carotenóides reduzir o declínio cognitivo em adultos com degenerescência macular relacionada com a idade?

Enquadramento: o estudo “Age Related Eye Disease Study” consistiu num ensaio clínico de cinco anos e demonstrou resultados positivos para a suplementação dietética com luteína e zeaxantina (carotenóides) em termos de redução da progressão para Degenerescência Macular Relacionada com a Idade (DMRI) avançada nos pacientes do estudo. De facto, esta suplementação demonstrou uma redução de 10% na progressão para DMRI avançada. Por outro lado, e baseando-se no facto de que alguns estudos sugeriam uma associação entre dietas ricas em ácidos gordos ómega-3 e menor taxa de progressão para Doença de Alzheimer, os investigadores convidaram os pacientes do ensaio a testar os efeitos da suplementação oral de ómega-3 e carotenóides, na função cognitiva.

Desenho do estudo: Ensaio clínico randomizado e duplamente cego, em 82 centros oftalmológicos americanos, envolvendo pacientes de alto risco para desenvolver DMRI desde Outubro de 2006 até Dezembro de 2012. Um subgrupo deste ensaio, elegível para estudo de avaliação cognitiva, foi dividido em 4 braços terapêuticos após consentimento informado: (1) suplementação diária com 1g de ácidos gordos ómega-3, (2) suplementação com carotenóides (10 mg luteína e 2 mg zeaxantina), (3) suplementação com ómega-3 e carotenóides ou (4) placebo. Além da avaliação oftalmológica anual, vários testes cognitivos foram aplicados com base em entrevista telefónica por profissionais treinados, no início do ensaio e a cada 2 anos do estudo. Considerou-se como outcome primário a alteração nos scores obtidos nos testes de função cognitiva comparativamente com os primeiros, realizados no início do ensaio. Os dados foram ajustados a possíveis factores de confundimento: idade, sexo, nível educacional, história de HTA ou depressão e comparados entre os grupos suplementados vs o não suplementado. Um total de 374 participantes do ensaio aceitou participar no subgrupo de avaliação da função cognitiva (89%). A média de idades foi de 72,7 anos, sendo 57,5% do sexo feminino

Resultados:. Após ajuste aos factores de confundimento, não se encontrou diferença estatisticamente significativa nos scores cognitivos entre nenhum braço terapêutico nem entre os grupos suplementados vs o não suplementado. Adicionalmente também não se encontrou diferença estatisticamente significativa nos efeitos adversos entre os diferentes grupos.

Comentário: são inúmeros os estudos existentes na área da suplementação dietética e declínio da função cognitiva. De facto, é tentador tentar encontrar uma solução “natural” para este flagelo das sociedades desenvolvidas, os défices cognitivos e as demências. Contudo, são escassas as intervenções que demonstram benefícios claros nesta área. Neste ensaio, a suplementação com carotenóides e ácidos gordos ómega-3 não revelou benefício.

Artigo original:JAMA

Por Ana Rita Magalhães, USF Topázio  

#Ajudando as #mulheres a entenderem seu risco real de #infecção por HIV

Postado em

Heather Boerner

Milão — Para dimensionar o risco real de uma mulher adquirir o HIV, você precisa saber mais do que o comportamento sexual e a história de doenças sexualmente transmissíveis (DST) dela. Você também precisa de informações sobre o parceiro dela, e sobre a prevalência do vírus da imunodeficiência adquirida (HIV, do inglês Human Immunodeficiency Virus) no local onde ela mora, disse uma especialista na 16th European AIDS Conference.

Estas informações podem identificar as mulheres vulneráveis que permanecem invisíveis: aquelas cujo risco de contrair a infecção pelo HIV não decorre do próprio comportamento, mas sim das circunstâncias de vida, disse a Dra. Nneka Nwokolo, médica do Chelsea and Westminster Hospital, em Londres.

“As mulheres precisam compreender com clareza os seus riscos”, disse a Dra. Nneka para a plateia lotada, e”os profissionais de saúde ocupam um lugar privilegiado para ajudá-las neste sentido”.

Em grande parte do mundo, as diretrizes da profilaxia pré-exposição (PrEP, do inglês Pre-Exposure Prophylaxis) visam os riscos explícitos: os comportamentos dos próprios pacientes que podem torná-los vulneráveis ao HIV. Isso costuma incluir os homens que fazem sexo com homens, os profissionais do sexo, as pessoas que tem múltiplos parceiros sexuais, e aquelas que não usam preservativos. Pode ser por isso que algumas diretrizes de profilaxia pré-exposição, como as diretrizes suíças, simplesmente não incluam as mulheres.

Nas diretrizes europeias,”há pouquíssimas orientações sobre quando recomendar a profilaxia pré-exposição para mulheres”, disse a Dra. Nneka.

Nos Estados Unidos, as mulheres heterossexuais com alto risco de HIV são levadas em conta nas diretrizes de implementação da PrEP. As diretrizes norte-americanas recomendam que os médicos determinem o risco indagando à mulher se o parceiro dela tem HIV, se ela tem vários parceiros sexuais, se o uso de preservativos é inconstante ou inexistente, se ela é profissional do sexo, ou se teve recentemente alguma doença bacteriana sexualmente transmissível.

Mas as diretrizes não mencionam os riscos aos parceiros das mulheres.

O parceiro põe em risco

“Existe essa noção, que me parece muito prevalente, até mesmo entre os profissionais de saúde, de que certos tipos de mulher não podem contrair HIV”, disse a Dra. Nneka ao Medscape.

“Por que nos obstinamos a ignorar o fato de que existem todas essas mulheres que não se enquadram nas categorias de risco tradicionais — não são negras, não são usuárias de drogas injetáveis, não têm relações sexuais com um múltiplos parceiros — e têm HIV?”

Para ilustrar os riscos velados que as mulheres enfrentam, a Dra. Nneka apresentou um conjunto de estudos de caso durante o workshop Women Against Viruses in Europe (WAVE).

Em um desses casos, a Dra. Nneka contou a história de Precious, uma mulher casada, com 35 anos de idade, com dois filhos, e que vive em Londres, mas é originária da Nigéria. Ela só tem relações sexuais com o marido, e eles não usam preservativos. Ela teve um resultado negativo para o HIV há sete anos quando deu à luz o filho caçula. A história de doenças sexualmente transmissíveis dela não é conhecida.

A Dra. Nneka também contou a história de Maria, uma mulher heterossexual de 25 anos de idade, branca, que mora em Londres. Maria teve seis parceiros casuais nos últimos seis meses e raramente usa preservativos. Ela teve infecção por clamídia no passado e tem herpes genital.

“Então, qual delas seria uma boa candidata à profilaxia pré-exposição?” a Dra. Nneka perguntou à plateia. Os participantes votaram por meio de um pequeno dispositivo eletrônico. Ninguém achou que Precious deveria fazer profilaxia pré-exposição, um quarto dos participantes achou que Maria deveria fazer a profilaxia, e cerca de um terço considerou que as duas teriam indicação de fazer PrEP.

Por causa do contexto de sua vida sexual, Precious pode estar em maior risco de contrair HIV do que Maria, explicou a Dra. Nneka.

“É importante reconhecer que muitos parceiros de mulheres negras africanas, que representam a maioria das mulheres com infecção pelo HIV no Reino Unido, têm outros parceiros”, disse a Dra. Nneka. “Então, o maior risco de infecção pelo HIV entre as mulheres negras africanas, certamente no Reino Unido, é o próprio parceiro”.

Estas mulheres são duplamente expostas ao perigo pelas circunstâncias, acrescentou a médica. Não somente os parceiros delas podem ter relações sexuais fora do relacionamento, como as próprias mulheres podem achar que não podem exigir o uso do preservativo ou recusar a relação sexual.

Essas mulheres”podem não pensar sobre o próprio risco de adquirir HIV por não perceberem o quanto isso foge inteiramente do controle delas. Assim sendo, elas não pensam no assunto e torcem para dar tudo certo”, indicou a Dra. Nneka.

Onde o sexo acontece

Maria, que tem todos os marcadores de risco individuais de exposição ao HIV, pode não estar em risco, pelo menos não em Londres.

A infecção pelo HIV é”bem pequena” entre os heterossexuais no Reino Unido, relatou a Dra. Nneka.

No entanto, se Maria vivesse na Ucrânia, onde os índices de HIV são de 20% entre os heterossexuais que usam drogas injetáveis, ela poderia ser uma boa candidata à profilaxia pré-exposição. E se ela vivesse em uma região com uma grande prevalência de HIV não diagnosticado e não tratado, o comportamento dela a colocaria em alto risco contrair o vírus.

Nos Estados Unidos, as diretrizes levam esses riscos em conta e determinam que”os médicos devem considerar o contexto epidemiológico das práticas sexuais informadas pelos pacientes”, explicou a Dra. Nneka.

Isto é importante porque em algumas regiões, particularmente nos estados do sul, a incidência de HIV é muito elevada e o diagnóstico costuma ser tardio, o que significa que as pessoas podem estar namorando e tendo relações sexuais sem se dar conta de que estão infectadas pelo vírus.

Falando de risco

“A apresentação foi instigante e realmente nos confronta com as limitações da nossa própria percepção sobre o risco da paciente”, disse a Dra. Karoline Aebi-Popp, médica da Universität Bern, na Suíça”.

“Os médicos precisam fazer uma história sexual completa, incluindo não somente o número de parceiros, como também informações sobre as práticas sexuais mantidas com eles, e de onde esses parceiros são”.

Mas a sugestão de que as mulheres de origem africana sejam mais propensas a contrair o HIV de um único parceiro (que por sua vez tem outros parceiros) foi um pouco longe demais para a Dra. Annette Haberl da Johann Wolfgang Goethe-Universität Frankfurt am Main, na Alemanha, que informa atender muitos casais de origem africana.

“Pode ser assim se olharmos caso a caso. Precious pode estar em uma situação na qual ela precisa de PrEP, mas eu não sei se isso é tão diferente dos casais de outras origens étnicas”, disse a Dra. Annette ao Medscape.

O objetivo, segundo a Dra. Nneka, não é convencer uma mulher como a Precious de que ela precisa fazer profilaxia pré-exposição; é o de iniciar uma conversa sem estigmas e introduzir a ideia de que a PrEP também tem indicação para as mulheres.

Se uma mulher vir o parceiro sair com outra namorada, isso pode fazê-la pensar em usar a profilaxia pré-exposição, explicou.

“Cabe a nós, como profissionais de saúde, encorajar as mulheres a conhecer os próprios riscos e apoiá-las no acesso à PrEP”, acrescentou a Dra. Nneka.

A Dra. Nneka Nwokolo informou ter recebido financiamento da ViiV Healthcare, da Gilead Sciences e da Janssen. A Dra. Karoline Aebi-Popp informou não ter relações financeiras relevantes ao tema. Falta o disclosure da Dra. Annette Haberl.

16th European AIDS Conference. Apresentado em 25 de outubro de 2017.

#ASCO declara pela primeira vez que o #consumo de álcool é fator de #risco de câncer

Postado em

Nick Mulcahy

Pela primeira vez, a American Society of Clinical Oncology (ASCO) declarou formalmente que o consumo de bebidas alcoólicas é um fator de risco para vários tipos de câncer, sendo potencialmente modificável.

Além disso, a sociedade de oncologia acredita que sua nova “postura pró-ativa”, com o objetivo de minimizar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, tem “implicações importantes para a prevenção do câncer”.

“Mesmo o uso parcimonioso do álcool pode aumentar o risco de câncer, mas os maiores riscos são observados com o uso frequente e prolongado de grandes quantidades”, escrevem os autores da declaração da ASCO, liderados pela Dra. Noelle LoConte, médica da University of Wisconsin-Madison.

“Por isso, coibir a ingestão de álcool é um meio de prevenir o câncer”, disse a Dra. Noelle em um comunicado. “A boa notícia é que, assim como as pessoas usam protetor solar para diminuir o próprio risco de câncer de pele, restringir a ingestão de álcool é mais uma atitude que as pessoas podem adotar para reduzir o risco geral de ter câncer”.

A declaração da ASCO, publicada on-line em 06 de novembro no periódico Journal of Clinical Oncology, recebeu ampla cobertura nos principais meios de comunicação.

“A mensagem não é ‘Não beba.’, mas sim ‘Se você quiser diminuir seu risco de ter câncer, beba menos. E se você não bebe, não comece a beber’, disse a Dra. Noelle ao The New York Times“. É diferente do que ocorre com o tabaco, para o qual dizemos: ‘Não fume nunca. Não comece.’ No caso da bebida isso é um pouco mais sutil”.

A sociedade de oncologia incentiva os oncologistas a se aliarem aos esforços da entidade: “Os oncologistas podem servir como consultores e líderes na comunidade, e podem ajudar a aumentar a conscientização de que o consumo de bebidas alcoólicas é um comportamento de risco para câncer”.

No entanto, a ASCO também diz que “os próprios médicos têm poucas informações acerca do uso de álcool e da relação dele com o risco de câncer”.

O público em geral também conhece pouco o assunto. Em uma pesquisa recente realizada pela sociedade, 70% dos americanos não reconheceram o consumo de bebidas alcoólicas como fator de risco de câncer, como publicado pelo Medscape.

“Em geral, as pessoas não associam o fato de beber cerveja, vinho e/ou bebidas destiladas ao aumento do risco de ter câncer”, disse o presidente da ASCO Dr. Bruce Johnson. “No entanto, a relação entre o maior consumo de bebidas alcoólicas e a incidência de câncer já foi inequivocamente comprovada”.

Na declaração, a ASCO observa que o consumo de bebidas alcoólicas tem associação causal com o câncer de orofaringe e laringe, o câncer de esôfago, o carcinoma hepatocelular, o câncer de mama e o câncer de cólon. Não obstante, o álcool pode ser fator de risco de outros tipos de neoplasias, como o câncer de pâncreas e os tumores gástricos.

No total, a ASCO estima que 5% a 6% dos novos tipos de câncer e das mortes por câncer em todo o mundo sejam diretamente atribuíveis ao álcool.

Uma série de mecanismos de causalidade pode estar em jogo, dependendo do tipo específico de câncer. Talvez o mais bem conhecido seja o efeito do álcool sobre os estrogênios circulantes, uma via relevante para o câncer de mama.

Nos Estados Unidos da América (EUA), a American Heart Association, a American Cancer Society e o US Department of Health and Human Servicesrecomendam atualmente que os homens limitem o consumo de bebidas alcoólicas a uma ou duas doses de bebida por dia e as mulheres a uma dose por dia.

Entretanto, os autores da declaração da ASCO argumentam que uma meta-análise observou que o consumo de uma dose ou menos por dia ainda assim foi associado a algum aumento do risco de carcinoma de células escamosas do esôfago, câncer de orofaringe e câncer de mama (Ann Oncol 2013;24:301-308).

Definir o risco relacionado com o consumo de bebidas alcoólicas pode ser “desafiador”, dizem os autores da declaração, porque a quantidade de etanol em uma bebida varia dependendo do tipo de bebida (por exemplo, cerveja, vinho ou bebidas destiladas), e da dose.

Dados conflitantes sobre o impacto do álcool no coração, especialmente o vinho tinto, são uma “barreira adicional” para enfrentar os riscos relacionados com o câncer. Mas pesquisas recentes (Addiction 2017;112:230-232) lançaram dúvidas sobre os estudos que declaram os benefícios do álcool à saúde do coração, revelando a existência de vários fatores de confusão, como a frequente classificação de pessoas que pararam de beber ou bebiam ocasionalmente como abstêmias, dizem os autores da declaração.

ASCO diz que se junta a um “número cada vez maior” de instituições de tratamento do câncer e aos órgãos de saúde pública que apoiam as estratégias destinadas a prevenir o consumo de alto risco de bebidas alcoólicas. A declaração oferece recomendações baseadas em evidências de políticas para a redução do consumo excessivo de álcool, como a seguir:

  1. Fazer o rastreamento do consumo de bebidas alcoólicas e intervenções breves em consultórios e ambulatórios.
  2. Regulamentar o número de estabelecimentos que vendem álcool por região.
  3. Aumentar os impostos e os preços das bebidas alcoólicas.
  4. Manter as restrições de dias e horários nos quais a venda de álcool é permitida.
  5. Melhorar a aplicação das leis que proíbem a venda a menores de idade.
  6. Restringir a exposição dos jovens aos anúncios de bebidas alcoólicas.
  7. Resistir à crescente privatização da venda de bebidas alcoólicas a varejo em comunidades onde atualmente o comércio de álcool encontra-se sob controle do governo.
  8. Incluir estratégias de controle do uso de bebidas alcoólicas nos planos abrangentes de controle do câncer.
  9. Apoiar os esforços para eliminar a prática de usar as campanhas relacionadas com o câncer de mama para promover produtos ou serviços (ou seja, dissuadir os fabricantes de bebidas alcoólicas de explorar a cor rosa, o “outubro rosa”, ou as fitas cor-de-rosa, com o intuito de insinuar um compromisso com promover a luta contra o câncer da mama, dadas a evidências de que o consumo de álcool está ligado ao aumento do risco de câncer de mama).

Dois dos cinco autores da declaração informam ter vínculos financeiros com laboratórios farmacêuticos.

J Clin Oncol. Publicado on-line em 07 de novembro de 2017. Declaração

#Depressão no Parkinson: o que você precisa saber

Postado em

mãos de uma mulher idosa

Depressão no Parkinson: o que você precisa saber

Depressão no paciente com doença de Parkinson é um evento frequente e afeta, em média, 20% dos indivíduos. A revista Practical Neurology fez uma revisão sobre o assunto e destacamos aqui os keypointsque todo médico deve saber.

  • A depressão em pacientes com Parkinson pode apresentar características diferentes da depressão na população geral. Um exemplo disso é: evidências indicam que pacientes com Parkinson têm menor risco de suicídio;
  • Os sintomas depressivos podem se manisfestar apenas nos momentos de menor efeito da terapia dopaminérgica. Nesses casos, o tratamento deve priorizar a otimização da terapia (levodopa, agonista dopaminérgico);
  • Sintomas psicóticos estão mais associados a distúrbios cognitivos da doença de Parkinson do que a quadros depressivos graves;
  • Em casos mais graves de depressão, os antidepressivos mais eficazes são os tricíclicos (desipramina e nortriptilina) e os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (citalopram e paroxetina), em combinação com terapia cognitivo-comportamental.
  • Em casos menos graves, sugere-se apenas a terapia cognitivo-comportamental.
  • Em casos refratários, a eletroconvulsoterapia pode ser considerada.

 

Referências: