Mês: fevereiro 2016

Sinais de alarme de filhos com problemas na escola

Postado em

Se a criança apresenta um número elevado de sinais abaixo referidos, é um sinal de alarme, algo poderá não estar bem na escola.

Procure saber na escola, se lhe chama nomes ofensivos devido à sua aparência física ou comportamento.
Fale com a criança, informe-se na escola e  verifique as contas da rede social (Facebook, twitter, Instagram ou tumblr).

 

Mostra-se mais agressiva, irritado/a ou retraído/a

Aparece em casa com arranhões ou  nódoas negras com mais frequência.

Chora muito e apresenta mau humor

De repente, não quer ir à escola.

Queixas físicas (dor de cabeça, de estômago, fadiga), com maior frequência.

Auto agride-se.

Aparece com objectos partidos ou desaparecem sem explicação.

 

Muitos destes sintomas podem ser confundidos com a fase da adolescência, é importante estar muito atento a alterações de comportamento repentino do seu filho/a e investigar o porquê.
Não julgue, duvide ou questione!  

 

 

Um Abraço Amigo, 

Alexandre Monteiro
Especialista em Decifrar Pessoas | sou@pessoab.pt | Visite os Segredos da Linguagem Corporal

Nº1 Nacional a partilhar a Linguagem Corporal para todos

BAIXA ESTATURA IDIOPÁTICA: RETARDO CONSTITUCIONAL DE CRESCER E DA PUBERDADE, BAIXA ESTATURA GENÉTICA

Postado em

CRESCIMENTO INFANTIL JUVENIL ALTURA: DR.JOÃO SANTOS CAIO JR. ET DRA. HENRIQUETA V. CAIO

O MAIOR GRUPO DE CRIANÇAS COM BAIXA ESTATURA LINEAR INCLUINDO INFANTIL, JUVENIL E MESMO ADOLESCENTE APRESENTA CAUSA DESCONHECIDA E SITUA-SE NUMA FAIXA CONSIDERADA COM VARIANTE DO CRESCIMENTO NORMAL, ESTÃO ABAIXO DO 3º PERCENTIL DE ALTURA E APRESENTAM BAIXA VELOCIDADE DE CRESCIMENTO, GERALMENTE COM RETARDO NA MATURAÇÃO DO ESQUELETO, E CRESCIMENTO MENOR QUE O ESPERADO NA FASE PUBERAL. FISIOLOGIA–ENDOCRINOLOGIA–NEUROENDOCRINOLOGIA–GENÉTICA–ENDÓCRINO-PEDIATRIA (SUBDIVISÃO DA ENDOCRINOLOGIA): DR. JOÃO SANTOS CAIO JR. ET DRA. HENRIQUETA VERLANGIERI CAIO.


Essas crianças, infantis, juvenis e adolescentes não apresentam doenças crônicas ou qualquer endocrinopatia, têm secreção normal de GH e os familiares podem ou não apresentar história com essas características clínicas, mas apresentam baixa estatura linear (altura). Entre as mais frequentes destacaremos algumas que devem ser observadas com muito cuidado. 



RETARDO CONSTITUCIONAL DE CRESCIMENTO E DA PUBERDADE:

O Retardo constitucional de crescimento e da puberdade (RCCP) ocorre em crianças com baixa estatura na infância, retardo puberal, idade óssea atrasada e…

Ver o post original 1.979 mais palavras

Pais super protetores, Filhos inseguros

Postado em

Psicóloga thaís araújo - atendimento no tatuapé

Quando estava em meu primeiro emprego, após o termino do meu contrato como Jovem Aprendiz e posterior ingresso num cargo efetivo – isto com 17 anos – aconteceu uma coisa muito chata em meu trabalho que me fez sofrer muito.

Na época, minha mãe – como toda boa mãe – disse: você não precisa disso! Porque não pede demissão? E eu não sei bem o motivo, mas escolhi permanecer na empresa.

Alguns meses de sofrimento e logo após estava muito feliz e satisfeita com meu emprego.

Você já passou por algo parecido?

É duro para os pais verem o sofrimento do filho e eles desejam de todas as formas protege-lo, porém se eu tivesse saído da empresa, não teria vivido uma experiência de frustração e provavelmente em outra situação como esta, teria o mesmo comportamento de fuga.

Por vezes a superproteção dos pais ocorre de forma exagerada, como por exemplo:

Ver o post original 934 mais palavras

Como está a sua saúde bucal?

Postado em

alvaclin

blogPor Marcela Miranda

Cuidar do sorriso e dentes não é apenas uma questão de estética, é garantir qualidade de vida e cuidados com a saúde. Como diz o ditado popular a saúde começa pela boca. A higiene bucal adequada é uma das medidas mais importantes para manter dentes e gengiva limpos e saudáveis.

De acordo com cirurgião-dentista, Hugo Esteves Alva, da AlvaClin, a saúde bucal é importante para que a pessoa possa desempenhar adequadamente a mastigação e deglutição. “Quando a saúde bucal está comprometida todo o sistema também ficará. Muito mais do que ter um sorriso harmônico cuidados com a saúde ajudará no bem-estar do paciente.”

Alguns problemas bucais: tártaros, gengivite, periodontite e cárie. Segundo a Associação Brasileira de Odontologia, o problema bucal mais comum na população brasileira é a gengivite, menos de 22% de adultos e 8% de idosos têm as gengivas totalmente saudáveis. “O problema de gengivite se…

Ver o post original 77 mais palavras

Conheça as dez doenças de pele mais comuns durante o verão

Postado em

Dra. Monica Adoni Heller

Acne solar: a mistura de calor, suor e protetor solar aumenta a oleosidade da pele e favorece o aparecimento de bolinhas nos ombros, peitos e costas, com ou sem a presença de pus. Esteticamente muitas pessoas se incomodam, mas não há agravamento da doença. O simples fato de lavar sempre a pele diminui a oleosidade e a acne solar tende a ir melhorando gradativamente.

Bicho geográfico: é uma larva que penetra na pele e causa muita coceira, vermelhidão e inchaço. A transmissão ocorre geralmente em praias, onde há fezes de cães e gatos, que contaminam um raio de dois metros de areia. As pessoas que pisam, sentam ou tem contato com qualquer parte do corpo com a areia contaminada podem contrair a doença. A larva caminha sob a pele e o desenho que se forma é semelhante a um mapa geográfico. O tratamento é feito por vermífugo via oral e…

Ver o post original 702 mais palavras

Terapia ABA aplicada aos TEA: principais características

Postado em Atualizado em

A essa altura você já deve ter compreendido, ao menos em parte, que Terapia ABA não é exclusiva para tratamento dos Transtornos do Espectro do Autismo. Tomara, pois meu esforço neste espaço é que você compreenda a amplitude desse tipo de terapia e do trabalho do analista do comportamento, de forma geral. Se ainda não ficou claro, por favor, (re)leia os posts passados e as páginas deste blog.

A Análise Aplicada do Comportamento (ABA) está fundamentada em um conjunto de características/dimensões. Deixarei, ao final desse texto, as fontes principais de informação sobre isso. Tentarei, aqui, explicitar essas características no contexto de intervenção sobre os TEA. Volto a dizer: é o analista do comportamento que precisa se preocupar e garantir essas características no seu trabalho. Você (mãe, pai, profissional de outros campos de atuação) precisa conhece-las de forma mais abrangente para, inclusive, avaliar o trabalho que está sendo realizado com seu filho. São elas:

APLICADA: o conhecimento produzido cientificamente pela Análise do Comportamento é utilizado na intervenção sobre problemas e necessidades socialmente significativos. Pode incluir as demandas, necessidades, problemas de um indivíduo (como na clínica, por exemplo) ou de grupos (estratégias podem ser utilizadas em nível e escala maior de alcance de pessoas).

COMPORTAMENTAL: o objeto de intervenção é o comportamento humano, de acordo com a caracterização base da Análise do Comportamento. Como tal, ele é passível de operacionalização e mensuração. Isso significa que o analista do comportamento é capaz de observar, descrever operacionalmente e mensurar esses comportamentos. Em vez de interpretar que a criança é “geniosa”, o analista do comportamento observa e descreve o que essa criança faz, na sua relação com o ambiente em que está inserida e somente a partir disso, fecha estratégias de intervenção. Nessa observação e descrição, o analista do comportamento pode descobrir, por exemplo, que o que chamamos de “geniosa” é na verdade uma tentativa de comunicação. Essa descrição operacional do comportamento parece mais vantajosa no sentido de proporcionar melhores condições de avaliação e, consequentemente, de intervenção.

ANALÍTICA E CONCEITUAL: no contexto da intervenção sobre TEA, analítica no sentido das mudanças ocorridas no comportamento do indivíduo serem resultados de intervenções planejadas. Ou seja, o desenvolvimento do repertório, de habilidades observadas após um período de terapia ABA se deve pela terapia (pelos procedimentos aplicados) e não por qualquer outra eventual razão. O analista do comportamento precisa ser capaz de demonstrar esse processo. É conceitual porque está fundamentada nos conceitos e conhecimento produzido pela Análise do Comportamento.

TECNOLÓGICA: se engana quem pensa que tecnologia é sinônimo de máquinas extremamente sofisticadas (como vemos no senso comum). Tecnologia é aplicação do conhecimento produzido cientificamente para solução de problemas humanos. Ou seja, as estratégias e procedimentos da ABA são tecnologia para intervenção sobre comportamento humano. Como tal, ela precisa ser além de aplicada, ser replicável. Na intervenção sobre TEA, significa que todos os procedimentos utilizados para ensino de novos repertórios precisam ser descritos com clareza a ponto de serem utilizados por qualquer pessoa, obtendo os mesmos resultados: desenvolvimento de repertórios/habilidades do indivíduo.

RESULTADOS GENERALIZÁVEIS (NA MEDIDA DO POSSÍVEL): especificamente na intervenção sobre TEA, os repertórios desenvolvidos no contexto da terapia ABA precisam passar a serem emitidos em outros ambientes, naturais da vida do indivíduo. Isso significa que se a criança aprendeu a pedir um item de interesse com o terapeuta ou aplicador ABA, ela também precisará ser capaz de pedir para os pais, em casa, no shopping, numa festa, na escola, para a professora, para os colegas, etc. É nessa medida que afirmamos que os resultados são generalizáveis, dentro desse contexto de intervenção. Esse é um nível de entendimento dessa dimensão da ABA (não se esgotando nele, ok?). Falaremos mais sobre essa característica em outras publicações.

EFICAZ: no sentido de que a mudança produzida no comportamento do indivíduo não é situacional, momentânea. É resultado significativo e passa a compor efetivamente o seu repertório. No caso da intervenção sobre TEA, são comportamentos que o indivíduo passa a emitir com alta frequência, em diferentes contextos, frente a diversos estímulos e diante de diferentes pessoas.

Ressalto que a descrição feita aqui dessas características estão contextualizadas na terapia ABA aplicada aos TEA. Uma análise mais ampla e geral é feita na literatura consultada. Atreladas a essas características, o trabalho do analista do comportamento na terapia ABA aplicada aos TEA também é (precisa ser) intensivo – 20 a 40 horas semanais, contando tempo de terapia estruturada, orientação/treinamento de pais e cuidadores, orientação/treinamento de equipe escolar (e eventualmente, outros ambientes significativos da criança).

Pode soar óbvio ou repetitivo, mas não custa também deixar claro: o trabalho é individualizado. Claro, a coluna vertebral da intervenção é planejada a partir do conhecimento geral produzido pela Análise do Comportamento (por exemplo, a noção de comportamento é uma só, vale para qualquer comportamento, de qualquer indivíduo). Mas o que será aplicado para cada criança é planejado para aquela criança, respeitando suas características, seu ritmo e suas condições de aprendizagem.

Você está percebendo que as publicações estão ficando gradativamente mais densas? Não temos como escapar desse caminho. A terapia ABA é complexa. Meu intuito é guiar você por esse caminho de forma interessante e compreensível. Espero estar conseguindo!

Para quem quiser se aprofundar nessas características da ABA (não só no contexto de intervenção sobre TEA), seguem os links:

Baer, D. M.; Wolf, M. M. & Risley, T. R. (1968). Some current dimensions of applied behavior analysis. Journal of Applied Behavior Analysis, 1 (1), 91-97.

Baer, D. M.; Wolf, M. M. & Risley, T. R. (1987). Some still-current dimensions of applied behavior analysis. Journal of Applied Behavior Analysis, 20 (4), 313-327.

Fonte: blog ABA fora de mesinha

Los jugadores de baloncesto tienen mayor tamaño del ventrículo izquierdo del corazón (JAMA Cardiol)

Postado em

Las conclusiones acerca del corazón de un deportista no deben basarse en mediciones ecocardiográficas aisladas.

Las conclusiones acerca del corazón de un deportista no deben basarse en mediciones ecocardiográficas aisladas.

Un análisis de la estructura y la función cardiaca de más de 500 jugadores de la NBA (la liga de baloncesto profesional de Estados Unidos) revela que el tamaño del ventrículo izquierdo (VI) -una de las cuatro cavidades del corazón- en estos deportistas es mayor que en los adultos normales, pero proporcional al tamaño de su cuerpo. Este hallazgo refuerza la idea de que “el incremento del tamaño del VI con el tamaño corporal es de vital importancia en la evaluación cardiaca de los jugadores de baloncesto”.

La investigación, que se detalla en un artículo publicado en “JAMA Cardiology”, proporciona información que puede incorporarse en las evaluaciones clínicas para la prevención de emergencias cardiacas en los jugadores de baloncesto y la comunidad de deportistas en general. La incidencia de muerte súbita cardiaca relacionada con el deporte en Estados Unidos es más alta entre los jugadores de baloncesto y la causa más común de muerte súbita cardiaca en esta población es la miocardiopatía hipertrófica, un defecto del corazón que se caracteriza por un aumento del grosor de la pared del ventrículo izquierdo.

Los autores de este trabajo, David J. Engel, del Columbia University Medical Center, en Nueva York, Estados Unidos, y sus colegas realizaron un análisis integral de la estructura cardiaca de 526 jugadores de la NBA en las listas activas para las temporadas 2013-2014 y 2014-2015. La política de la NBA exige realizar ecocardiogramas anuales de esfuerzo en pretemporada para cada jugador. La NBA ha autorizado al Columbia University Medical Center a realizar exámenes anuales de salud y revisiones de seguridad de estos ecocardiogramas.

De los 526 atletas incluidos en el estudio, 406 (77%) eran afroamericanos y 107 (20%) eran blancos, con una edad promedio de 26 años. La altura promedio de los atletas fue de 6 pies y 7 pulgadas (unos dos metros). Los investigadores hallaron un modesto grado de hipertrofia del ventrículo izquierdo, con el 27% de los atletas con un índice mayor de masa del ventrículo izquierdo.

Los atletas afroamericanos presentaban mayor grosor de la pared del VI y masa en comparación con los atletas blancos. La mayoría de los atletas de la NBA registraban una fracción de eyección del ventrículo izquierdo normal –una medida de lo bien que bombea el ventrículo izquierdo del corazón con cada contracción–.

“Las conclusiones acerca del corazón de un atleta no deben basarse en mediciones ecocardiográficas aisladas. En su lugar, estas conclusiones requieren ubicarlas en el contexto médico completo, incluyendo una evaluación médica completa con la incorporación de toda otra información clínica pertinente. Esperamos que estos datos ayuden a enfocar la toma de decisiones y mejorar la perspicacia clínica con fines de prevención primaria de situaciones de emergencia cardiaca en jugadores de baloncesto de Estados Unidos y en la comunidad deportista en general”, escriben los autores.