medicina estética

#Understanding why Diet Restriction Aids Longevity

Postado em Atualizado em

Understanding why Diet Restriction Aids Longevity
WRITTEN BY: Carmen Leitch
https://assets.labroots.com/_public/_files/system/ck/trending/
Mitochondria are known as the powerhouses of the cell; they act in concert to generate energy according to demand. These coordinated mitochondrial networks in cells tend to have less capacity as we age. New research has shown that alteration of mitochondrial networks, whether by restricting diet or by manipulating genes, may promote good health and lead to an increase in lifespan. The work, published in Cell Reports by scientists at the Harvard T.H. Chan School of Public Health, indicates how periods of fasting are likely to encourage healthy aging.

Confocal image (cLSM) of living HeLa cells. Mitochondria are stained in red (Mitotracker red), the nucleus is seen in blue (DAPI). Mitochondria form dense and dynamic networks. /Credit: Wikimedia Commons/8x57is

Changes in the how mitochondrial networks are shaped have been found have a causal linked to longevity. Nematode worms are often used to study aging; their lifespan is only a few weeks. Restricting diet in these worms kept the mitochondrial networks in a youthful state. When the scientists genetically manipulated a protein that senses energy, AMP-activated protein kinase (AMPK), it had the same effect. These young mitochondrial networks were found to increase lifespan by signaling to other organelles, peroxisomes, which altered fat metabolism.

“Low-energy conditions such as dietary restriction and intermittent fasting have previously been shown to promote healthy aging. Understanding why this is the case is a crucial step towards being able to harness the benefits therapeutically,” explained the lead author of this work Heather Weir, who conducted the research while at Harvard Chan School and now works at Astex Pharmaceuticals. “Our findings open up new avenues in the search for therapeutic strategies that will reduce our likelihood of developing age-related diseases as we get older.”

The video features a lecture from Dr. Matt Piper, University College London, Institute of Healthy Ageing on aging and diet.

“Although previous work has shown how intermittent fasting can slow aging, we are only beginning to understand the underlying biology,” noted William Mair, senior study author and Associate Professor of Genetics and Complex Diseases at Harvard Chan School. “Our work shows how crucial the plasticity of mitochondria networks is for the benefits of fasting. If we lock mitochondria in one state, we completely block the effects of fasting or dietary restriction on longevity.”

The researchers now plan to investigate the role of the mitochondrial networks in fasting in mammals. They want to know whether mitochondrial flexibility defects may help explain why the risk of age-related diseases is heightened in the obese.

 

Sources: AAAS/Eurekalert! Via Harvard HSPH, Cell Metabolism

Anúncios

#Las #heridas y #lesiones dejan recuerdos en las #células madre de la piel para que futuras lesiones se curen con mayor rapidez

Postado em

Una nueva investigación de la Universidad Rockefeller, Estados Unidos, revela que las heridas u otras experiencias dañinas que provocan la inflamación dejan recuerdos duraderos a las células madre que residen en la piel, lo que les enseña a curar las lesiones posteriores con mayor rapidez.

Estas células madre, que reponen la capa externa de la piel, tienen su origen en la inflamación, la propia respuesta del cuerpo a una lesión o infección. El primer episodio de inflamación sensibiliza a estas células: la próxima vez que sientan que se encienden, responderán más rápidamente.

Esta investigación, descrita en un artículo que se publica en Nature, proporciona la primera evidencia de que la piel puede formar recuerdos de una respuesta inflamatoria, un descubrimiento que la investigadora principal, Elaine Fuchs, dice que podría tener implicaciones importantes para comprender y tratar mejor una variedad de enfermedades médicas.

“Al mejorar la capacidad de respuesta a la inflamación, estos recuerdos ayudan a la piel a mantener su integridad, una característica que es beneficiosa para curar heridas después de una lesión”, declara Fuchs. “Sin embargo, este recuerdo también puede tener efectos perjudiciales, como contribuir a la recaída de ciertos trastornos inflamatorios como la psoriasis”, añade.

Ya sea quemada por el sol, atacada por microbios, cortado por un tajo con una hoja de papel o algo peor, la piel se inflama rápidamente, se pone roja, hinchada y con dolor, mientras el cuerpo busca detener el daño e iniciar la reparación. Desde hace mucho tiempo se sabe que el sistema inmune mantiene un recuerdo de la inflamación para montar respuestas más rápidas a las infecciones recurrentes.

Sin embargo, los científicos del laboratorio de Fuchs sospecharon que otros tipos de células de larga vida podrían recordar de forma similar la inflamación. La piel era un lugar lógico para investigar: como es la barrera protectora del cuerpo, soporta frecuentes asaltos.

Rápidamente se hizo evidente que la mayoría de las células en la capa más externa de la piel, el epitelio, no se quedan el tiempo suficiente para formar tales recuerdos, sino que migran hacia arriba a través del epitelio y eventualmente se desprenden. Por el contrario, más profundamente dentro del epitelio residen las células madre que son responsables de reponerlo continuamente y las cuales permanecen en su lugar mucho después de que la piel se haya recuperado de la inflamación. Según detectó el equipo, esta experiencia las cambia.

En experimentos con ratones, el investigador postdoctoral Shruti Naik y la estudiante de postgrado Samantha B. Larsen mostraron que las heridas se cerraron más del doble de rápido en la piel que ya había experimentado inflamación que en la dermis que nunca había resultado dañada, incluso si la experiencia inflamatoria inicial había ocurrido hasta seis meses antes, el equivalente a unos 15 años para un ser humano. La curación se aceleró porque las células madre con experiencia en inflamación eran mejores a la hora de moverse hacia la herida para reparar la ruptura, según detectó el equipo.

En otros experimentos, los científicos descubrieron los mecanismos básicos que vuelven a conectar estas células. Mostraron que la inflamación desencadena un proceso que abre físicamente distintos sitios dentro de los cromosomas de la célula, haciendo ciertos genes accesibles para la activación. Algunos de estos sitios permanecen abiertos mucho tiempo después de que la piel se haya recuperado, permitiendo que los genes se activen más rápido durante un segundo evento de inflamación.

Un gen llamado Aim2, que codifica una proteína de detección de “daño y peligro”, parece particularmente crucial: un ataque inicial de inflamación provoca un aumento sostenido de su expresión. Un segundo ataque rápidamente activa la proteína, lo que resulta en la producción de una señal inflamatoria que incrementa la capacidad de las células madre de migrar hacia la herida.

La inflamación a veces puede desbaratarse, como ocurre en enfermedades autoinmunes como la psoriasis, un trastorno marcado por manchas rojas y escamosas que a menudo se inflaman repetidamente en el mismo punto. Los nuevos resultados sugieren que la piel misma podría contribuir a esta reacción recurrente.

Los hallazgos del equipo también pueden ser relevantes para los trastornos inflamatorios que afectan a otras partes del cuerpo, como los revestimientos de los intestinos, que, al igual que la piel, son reabastecidos por las células madre epiteliales. “En las enfermedades inflamatorias se han culpado durante mucho tiempo a las células inmunes que se vuelven contra el cuerpo. Sin embargo, está claro que no es la única causa: las células madre también pueden ser contribuidores importantes”, señala Larsen.

Y debido a que la capacidad curativa de las células madre disminuye con la edad y funciona completamente mal en el cáncer, la reprogramación a través de la inflamación también puede tener importancia para estas patologías. “Entender mejor cómo afecta la inflamación a las células madre y otros componentes del tejido revolucionará nuestra comprensión de muchas enfermedades, incluido el cáncer, y es probable que lleve a terapias novedosas”, concluye Naik.

#Calcium Deposits on #Skin: Symptom, Cause and Treatment

Postado em Atualizado em

Calcium Deposits on Skin: Symptom, Cause and Treatment

https://i1.wp.com/www.newhealthadvisor.com/images/Lili%20July/

By Medical-Online | October , 2017

When calcium phosphate is deposited in abnormal amounts in the soft tissue, calcinosis or calcification develops. Calcium deposits under the skin are white or yellowish lumps, often appearing in clusters. These calcium deposits also vary in size and quantity as well. When punctured, calcium deposits leak a white liquid, a paste like substance. Calcium deposits commonly appear in the elbows, shins or fingers, even though they can appear anywhere in the human body.

What Are the Symptoms of Calcium Deposits Under Skin?

Calcium deposits under the skin appear gradually without any signs or symptoms. However, signs and symptoms of an underlying medical condition that precipitates the onset of calcium deposits may become noticeable. Common symptoms of calcium deposits:

There are white or yellow pimples or nodules on the skin.
They are firm as calcium often forms hard masses.
If these skin lesions ulcerate, a chalk-like discharge will be present.
Tenderness and even pain on the affected area might be present.
In cases of large calcium deposits near the joints, joint stiffness may occur, limiting significantly the joint mobility.
Skin gangrene may develop at the affected area in severe cases of calcium deposits.
What Causes Calcium Deposits in Skin?

Based on the underlying cause, there are four different types of calcinosis:

Latrogenic Calcinosis Cutis

Iatrogenic calcinosis cutis develops from the use of certain medications and even undergoing certain medical procedures. Sometimes, iatrogenic calcinosis cutis resolves once these medications are discontinued. Common iatrogenic calcinosis cutis causes are:

Injections of phosphate and calcium
Prolonged use of electrode paste containing calcium
Repeated heel sticks
Idiopathic Calcinosis Cutis

It occurs for unknown reasons, meaning that the real reason or factors that contribute to the development of calcium deposits under skin is not known. The levels of phosphate and calcium in the body are normal as well. Also, no previous tissue damage occurred which could lead to a collection of calcium under the skin. The patient diagnosed with idiopathic calcinosis cutis also does not take any medications nor has had any procedures recently which can contribute to the development of calcinosis.

Dystrophic Calcinosis Cutis

It occurs when the tissue got damaged, being the most common calcinosis. Usually, inflammation, tissue death or even malignancy, contribute to the collection of calcium deposits under the skin. Common dystrophic calcinosis cutis causes are:

Trauma to the skin
Skin infections
Connective tissue diseases
Panniculitis
Varicose veins
Acne
Tumors
Metastatic Calcinosis Cutis

It is associated with excess phosphorus and calcium. Any medical condition or factor associated with hyperphosphatemia or hypercalcemia can easily lead to the development of this type of calcinosis. Common metastatic calcinosis cutis causes are:

 

Kidney failure
Sarcoidosis
Paraneoplastic syndrome
Hyperparathyroidism
Milk-alkali syndrome
Calciphylaxis
Excess vitamin D
How to Treat Calcium Deposits on the Skin

Dealing with calcium deposits can be really annoying as they are often very hardly treated.

Medications

For this reason, you should consult your healthcare provider first. He/she might prescribe you medications such as steroids which will suppress the immune system. Other medications commonly recommended for the treatment of calcium deposits under skin include calcium channel blockers, aluminum antacids, diphosphonates, etc. Warfarin is also found to be effective especially in the very first stages of calcium deposits.

Often certain medical conditions or diseases are the ones behind calcium deposits under the skin. Managing these underlying medical conditions can help resolve your problem.

Laser Therapy

Laser therapy is often effective for the treatment of minor calcium deposits. Carbon dioxide laser therapy consists in using the energy of light which penetrates the skin, resolving calcinosis cutis partially or completely.

Another treatment option for calcinosis cutis is iontophoresis which consists in using low levels of electric current to deliver medications such as cortisone directly to the affected areas of the skin, dissolving this way the calcium deposits.

Surgery

In cases of large calcium deposits under the skin, their surgical removal might be necessary. Often, surgical treatment is necessary when these calcium deposits become painful, limit the range of motion of certain joints in the body or appear in clusters as well. However, you should keep in mind that surgical removal is not a permanent solution and that they can often reoccur.

Also, the surgical trauma itself can stimulate calcification, which can lead to even more calcium deposits under skin. Your healthcare provider will probably recommend a surgical removal only when other treatment options have completely failed.

Surgical Debridement

Surgical debridement is another option, so you should consult your healthcare provider first for any concern that you might have. Surgical debridement consists in removing the tissue with scissors or scalpels, especially when calcinosis cutis is accompanied by painful fingertips. Enzymatic debridement is another option, which combines a surgical debridement and application of certain topical ointments to the affected area of the skin.

A negative side of these treatments is that they can’t prevent new calcium deposits from forming in the future. This is the reason that makes people seek treatments that will help remove calcium deposits from the skin and not prevent them from occurring in the first place.

Massage

Many have found very effective massaging the affected area with olive oil as well as with aloe vera topical gels or creams. They work by making the skin supple and soft. When applied regularly, the calcium deposits will disappear with time.

Right Diet

 

Lowering the calcium you take daily with your diet might help as well. For this reason, certain foods should be avoided such as dairy products or foods packed with vitamin A and vitamin E. Fruit juices containing fortified calcium should be avoided as well.

#Orelha em abano

Postado em Atualizado em

Ataliba Ronan Horta de Almeida1,2; Leandro Ramalho Chaves Isobe1,2; Marcos Salles Dias Pinto1,2; André Villani Correa Mafr1,2

http://www.dx.doi.org/10.5935/2177-1235.2017RBCP0030

RESUMO

INTRODUÇÃO: A orelha de abano é uma deformidade congênita frequente que pode gerar implicações psicológicas desde a infância. Várias táticas cirúrgicas são descritas para correção deste defeito, no entanto, intercorrências frequentemente observadas pela equipe eram a presença de relevos abruptos da cruz posterior da anti-hélice e as recidivas parciais do defeito. O objetivo deste trabalho é demonstrar uma tática cirúrgica que minimiza essas intercorrências.
MÉTODOS: Foram realizadas 65 otoplastias no Hospital Mater Dei, em Belo Horizonte, MG, no período entre 1995 e 2015. Utilizou-se um instrumento cirúrgico elaborado pela equipe de cirurgia plástica, semelhante a uma pinça hemostática de 16 cm. Todos os pacientes foram operados sob anestesia local e sedação assistida por anestesista em ambiente hospitalar.
RESULTADOS: A correção do defeito congênito foi alcançada em todos os casos com o uso de um método comum, mas que cursou com a proposição de táticas novas e simples visando facilitar o ato cirúrgico e adquirir os resultados que foram naturais e satisfatórios.
CONCLUSÃO: As táticas propostas para a cirurgia de otoplastia em abano são simples, de fácil realização, agilizaram o tempo operatório e utilizaram materiais simples, de baixo custo e de fácil aquisição. Também foram alcançados resultados estéticos satisfatórios sem se observar os estigmas decorrentes da quebra da cartilagem auricular.

Palavras-chave: Orelha/anormalidades; Orelha/cirurgia; Terapêutica; Procedimentos cirúrgicos reconstrutivos.

ABSTRACT

INTRODUCTION: Protruding ears represent a common congenital deformity that can generate psychological implications from childhood. Several surgical techniques have been described to correct this defect; however, clinicians frequently observe the intercurrence of abrupt relief of the posterior crus of the anti-helix and a partial relapse of the original defect. The objective of this study was to demonstrate a surgical technique that minimizes these complications.
METHODS: Sixty-five otoplasties were performed at Mater Dei Hospital, Belo Horizonte, MG, between 1995 and 2015. A surgical instrument similar to a 16-cm hemostatic forceps was developed by the plastic surgery team. All patients were operated under local anesthesia and sedation, under the supervision of an anesthesiologist in a hospital setting.
RESULTS: Correction of the congenital defect was achieved in all cases using a common method that was performed using a simple, novel technique that facilitates surgery and obtains natural and satisfactory results.
CONCLUSION: The proposed techniques for otoplasty of protruding ears are simple, faster, and require easily obtainable and affordable materials. Satisfactory esthetic results were also achieved without observing the stigmas arising from atrial cartilage rupture.

Keywords: Ear/abnormalities; Ear/surgery; Therapeutics; Reconstructive surgical procedures.


INTRODUÇÃO

Orelha em abano é uma deformidade congênita frequente, de característica familiar, geralmente bilateral, cujas alterações principais consistem em aumento do ângulo céfalo-conchal (aumento do ângulo escafoconchal de cerca de 90 para 150 graus ou mais) e apagamento da cruz posterior da anti-hélice, sendo que este segundo componente pode atingir até 75% dos casos.

Apesar de não causarem alterações funcionais, as implicações psicológicas desde a infância são grandes e, muitas vezes, marcantes no perfil psicoemocional da criança. A época ideal para a cirurgia é a partir dos 7 anos de idade, quando as orelhas já estão totalmente formadas e no tamanho adulto.

Várias táticas foram propostas para esta cirurgia e apresentam, de uma maneira geral, excelentes resultados. Entretanto, uma intercorrência relativamente frequente é a presença de relevos abruptos da cruz posterior da anti-hélice e alguns casos de recidiva parcial do defeito original. Então, a equipe propôs uma nova e simples tática com o objetivo de minimizar tais problemas.

OBJETIVO

O objetivo deste trabalho é demonstrar uma tática cirúrgica que minimiza as intercorrências.

MÉTODOS

Foram realizadas 65 otoplastias, por amostra de conveniência incluindo todos os pacientes que procuraram a clínica particular do Dr. Ronan Horta, em Belo Horizonte, MG, excluídos somente os com risco cirúrgico proibitivo. Foi utilizada esta tática cirúrgica no período entre 1995 e 2015, em pacientes com média de idade de 20,35 anos, sendo 26 do sexo masculino e 39 do sexo feminino.

O instrumento inicialmente observado e que foi motivo desta proposição tática foi a pinça hemostática de 16 cm, que apresentava curvatura semelhante à da cruz posterior da anti-hélice. No entanto, o serrilhamento grosseiro e largo, e a diferença de largura em seu trajeto estimulou a criação de um instrumento semelhante, mas que apresentasse maior delicadeza e um trajeto de largura uniforme.

A avaliação crítica da equipe de cirurgia plástica do Hospital Mater Dei evidenciou, em um pequeno grupo, um ponto de irregularidade de superfície na porção média da orelha, que coincidia com o local de acesso feito pelo bisturi, para entrada da pinça hemostática. Assim, passou-se a utilizar a extremidade superior do planejamento da cruz posterior para fazer este acesso, visto que a curvatura natural da hélice iria encobrir essa irregularidade. Todos os pacientes foram operados sob anestesia local e sedação assistida por anestesista em ambiente hospitalar.

Após antissepsia cuidadosa e anestesia local com lidocaína a 0,5% e adrenalina a 1:300.000, é feita a tatuagem do trajeto da cruz posterior com pontos de azul de metileno.

A incisão posterior dá acesso à cartilagem auricular, que é desnudada de seu pericôndrio. Neste momento, é realizada a incisão na extremidade superior da cartilagem já marcada, com um bisturi número 11 (2 a 3 mm), procedendo a um descolamento da pele anterior e posterior com uma tesoura delicada e de ponta fina.

Com este trajeto livre, a pinça hemostática modificada é introduzida em direção inferior, estando a cartilagem entre os ramos da pinça. Assim, observa-se a projeção da curvatura da pinça sobre a nova anti-hélice, previamente demarcada (Figura 1). São feitos movimentos de pressão sobre a cartilagem para quebrar a sua mola e criar uma zona de enfraquecimento que, após hemostasia cuidadosa, vai ser retro angulada, com pontos de polipropileno, para a criação de nova cruz posterior da anti-hélice.


Figura 1. Projeção da pinça.

Os procedimentos de fechamento do ângulo céfalo-conchal são realizados pelas técnicas convencionais, quando necessários, e então procede-se à síntese de pele e curativo final, que será removido após 48h, quando as orelhas são fixadas na região mastoidea com pequenas tiras de esparadrapo de papel. Para dormir, o paciente faz uso de uma faixa de contenção, a fim de evitar dobras ocasionais.

RESULTADOS

A correção do defeito congênito foi alcançada em todos os casos com o uso de um método comum, mas que cursou com a proposição de táticas novas e simples, visando facilitar o ato cirúrgico e adquirir resultados bastante naturais e satisfatórios.

Houve um caso de hematoma, que foi identificado e drenado dentro das primeiras horas, e um caso de cicatriz hipertrófica em decorrência de agressão sofrida pelo paciente no pós-operatório recente, sem comprometimento dos resultados. Outros dois casos de recidiva parcial e discreta do abano foram identificados, mas não incomodaram os pacientes a ponto de solicitarem nova cirurgia. A tabela 1 resume as características dos pacientes. As figuras 2 e 3 ilustram o pré e pós-operatório com a técnica descrita.


Figura 2. Pré-operatório.


Figura 3. Pós-operatório.

DISCUSSÃO

Na busca de táticas que facilitassem o ato cirúrgico e que trouxessem baixos índices de queixas pós-operatórias, duas observações levaram à técnica que atualmente é utilizada pela equipe. Primeiro, observou-se que a pinça hemostática curva tinha a mesma curvatura da cruz posterior da anti-hélice e que, assim, poderia ser utilizada para criar o trajeto de angulação, macerando a cartilagem auricular, para posterior sutura e dobra, formando o novo contorno da cruz posterior das orelhas.

A segunda tática, criada alguns anos depois, veio da observação de um pequeno ponto de quebra da cartilagem auricular, no encontro das duas cruzes da anti-hélice, por onde se introduzia a pinça hemostática. Por se localizar em numa área bem visível, na porção mediana da orelha, a pequena incisão feita com o bisturi neste trecho da cartilagem era o único ponto que se evidenciava como quebra, desde que, ocasionalmente, não mostrasse um contorno natural.

Assim, passou a ser adotado um novo acesso para a criação da cruz posterior dessa estrutura, sendo encoberto pela curvatura da porção superior da hélice. Existem estudos demonstrando que a área com melhor localização para a incisão está no sulco da dobra da anti-hélice, de acordo com os resultados mais estéticos.

Dentre as diversas técnicas de otoplastia para correção do abano, algumas táticas foram propostas com o intuito de sempre alcançar resultados satisfatórios e naturais, mas que também sejam simples, rápidas, de fácil execução e que utilizem instrumentos cirúrgicos habituais1-5. Por meio dessa proposição, observou-se que a otoplastia pode ser realizada em uma média de 45 minutos e, portanto, não alongou a média de tempo de sua execução.

A pinça hemostática não é um instrumento novo e nem de difícil aquisição. Além disso, apresenta uma curvatura bem semelhante àquela da cruz auricular posterior. Esta coincidência agilizou muito o ato cirúrgico, sendo que as modificações realizadas nessa pinça compensaram tanto as diferenças de largura quanto de força de pressão, tornando-se mais homogênea tanto na base quanto na extremidade do instrumento.

A naturalidade é alcançada desde que a cartilagem auricular seja enfraquecida por movimentos de suave pressão, pelo uso da pinça hemostática modificada, não havendo quebra da sua estrutura, como pode acontecer com o uso do bisturi, raspas de cartilagem ou mesmo cureta6. Além disso, a raspagem da cartilagem não aumenta o índice de complicações cirúrgicas, o que torna a técnica segura.

CONCLUSÃO

As táticas propostas pelo estudo para a cirurgia de otoplastia em abano são simples, de fácil realização, agilizaram o tempo operatório e utilizaram materiais simples, de baixo custo e de fácil aquisição. Foram alcançados resultados estéticos satisfatórios sem se observar os estigmas decorrentes da quebra da cartilagem auricular que ocorre em algumas técnicas e que, por vezes, mantêm as frustrações dos pacientes em não poder expor suas orelhas sem se incomodarem com seus desconfortos ou com os olhares curiosos7. Quando comparada a outros estudos, a técnica proposta demonstrou menor índice de recidivas e melhor localização da cicatriz8.

COLABORAÇÕES

ARHA Análise e/ou interpretação dos dados; análise estatística; aprovação final do manuscrito; concepção e desenho do estudo; realização das operações e/ou experimentos; redação do manuscrito ou revisão crítica de seu conteúdo.

LRCI Análise e/ou interpretação dos dados; análise estatística; aprovação final do manuscrito; concepção e desenho do estudo; realização das operações e/ou experimentos; redação do manuscrito ou revisão crítica de seu conteúdo.

MSDP Análise e/ou interpretação dos dados; análise estatística; aprovação final do manuscrito; concepção e desenho do estudo; realização das operações e/ou experimentos; redação do manuscrito ou revisão crítica de seu conteúdo.

AVCM Análise e/ou interpretação dos dados; análise estatística; aprovação final do manuscrito; concepção e desenho do estudo; realização das operações e/ou experimentos; redação do manuscrito ou revisão crítica de seu conteúdo.

REFERÊNCIAS

1. Furnas DW. Otoplasty. In: Grabb WC, Aston SJ, Smith JW, eds. Grabb and Smith’s Plastic Surgery. Philadelphia: Lippincott Raven; 1997.

2. Mustardé JC. The treatment of prominent ears by buried mattress sutures: a ten-year survey. Plast Reconstr Surg. 1967;39(4):382-6. PMID: 5336910 DOI: http://dx.doi.org/10.1097/00006534-196704000-00008

3. Shokrollahi K, Au-Yeung K, Javed M, Sadri A, Molajo A, Lineaweaver W. The discrete scar in prominent ear correction: a digital 3-dimensional analysis to determine the ideal incision for otoplasty. Ann Plast Surg. 2015;74(6):637-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/SAP.0000000000000421

4. Pitanguy I, Müller P, Piccolo N, Ramalho E, Solinas R. The treatment of prominent ears: a 25-year survey of the island technique. Aesthetic Plast Surg. 1987;11(2):87-93. PMID: 3630840 DOI: http://dx.doi.org/10.1007/BF01575492

5. Stenstrom SJ. A “natural” technique for correction of congenitally prominent ears. Plast Reconstr Surg. 1963;32:509-18.

6. Ruschel FF, Giglio A, Terres M, Weissheimer L, Costa LAL, Ferreira MT, et al. Comparação entre otoplastia com e sem raspagem de cartilagem. ACM Arq Catarin Med. 2007;36(Supl. 1):33-8.

7. Soares PW, Sanches PDC. O uso de condrotripsia na correção da orelha em abano. In: Stocchero IN, Tournieux AB, eds. Atualização em cirurgia Plástica Estética Reconstrutiva. São Paulo: Livraria e Editora Santa Isabel; 1994. p. 255-61.

8. Aki F, Sakae E, Cruz DP, Kamakura L, Ferreira MC. Complicações em Otoplastia: Revisão de 508 Casos. Rev Bras Cir Plást. 2006;21(3):140-4.

1. Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, São Paulo, SP, Brasil
2. Hospital Mater Dei, Belo Horizonte, MG, Brasil

Autor correspondente:
Leandro Ramalho Chaves Isobe
Rua Martin Luther King, 783, Jardim Lago Parque
Londrina, PR, Brasil CEP 86015-300
E-mail: leandro_isobe@hotmail.com

Artigo submetido: 1/3/2016.
Artigo aceito: 21/2/2017.
Conflitos de interesse: não há.

#Night shift work linked to increased #risk for obesity

Postado em

 

Approximately 20 per cent of the overall global workforce is now engaged in a shift work pattern.
Findings from a new analysis of 28 studies have shown that night shift work is associated with a 23 per cent increased risk of obesity or overweight, and a 35 per cent increased risk of abdominal obesity.
The risk was more prominent among long-term night shift workers and a positive gradient was suggested for the relation between obesity/overweight and increasing frequency and intensity of night shift work.
The findings come at a time when shift work schedules are becoming popular among employees because of the high demand for flexibility and productivity. Approximately 20 per cent of the overall global workforce is engaged in a shift work pattern.
Writing in Obesity Reviews, the authors suggest that modifying working schedules to avoid prolonged exposure to long-term night shift work might help reduce the risk of obesity.
“Globally, nearly 0.7 billion workers are engaged in a shift work pattern. Our study revealed that much of the obesity and overweight among shift workers is attributable to such a job nature,” said Dr Lap Ah Tse, senior author of the study. “Obesity has been evident to be positively associated with several adverse health outcomes, such as breast cancer, cardiovascular diseases.”

#Orelhas proeminentes: elas podem ser um problema para crianças e adultos

Postado em

orelha de bebe

Orelhas proeminentes: elas podem ser um problema para crianças e adultos

As orelhas proeminentes, também conhecidas como orelhas em abano, podem se apresentar assim devido ao seu mal posicionamento, alteração de sua forma (anti-hélice discreta ou ausente) e hipertrofia de estruturas.

orelha

Anatomia Normal da Orelha

  • A orelhas possuem, em sua porção lateral, pele densa, aderente e fina.
  • Na porção medial a pele é mais solta, espessa e fibrogordurosa.
  • Em torno dos 3 anos de idade a orelha humana já alcançou 85% do seu tamanho adulto.
  • A orelha atinge sua largura final aos 7 anos de idade nos meninos e aos 6 anos nas meninas.
  • Seu comprimento final é atingido aos 13 anos nos meninos e aos 12 anos nas meninas.
  • Na medida em que envelhecemos a cartilagem da orelha torna-se mais rígida e calcificada.

Epidemiologia

As orelhas proeminentes são, relativamente, comuns com incidência de aproximadamente 5% entre os caucasianos. Tem traço autossômico dominante.

Apesar de não comprometer a fisiologia da audição, inúmeros estudos atestam o estresse psicológico, o trauma emocional e os problemas comportamentais que essa deformidade pode acarretar nas crianças.

Geralmente as orelhas proeminentes decorrem de duas alterações mais comuns:

  1. Não desenvolvimento da dobra da anti-hélice.
  2. Hipertrofia da concha.

Tratamento

As orelhas proeminentes na infância e idade adulta só podem ser eficazmente tratadas por procedimento cirúrgico, conhecido como otoplastia, cujo objetivos são: redução da projeção anterior do 1/3 superior, obtido por meio da confecção (molde) da anti-hélice, a hélice deve parecer sem irregularidades com transições suaves em toda sua extensão, o sulco retro-auricular não deve estar marcado ou distorcido, a orelha não pode ser posicionada muito próxima à cabeça, especialmente em meninos que ficam com as orelhas mais expostas, nos pacientes com hipertrofia de concha pode ser necessária sua ressecção para que a orelha seja reposicionada adequadamente, orelhas direita e esquerda precisam ser simétricas quanto ao posicionamento, tamanho e projeção.

Uma pequena exceção aos tratamentos cirúrgicos pode ser feita entre os recém-nascidos. É possível iniciar técnicas de moldagem da cartilagem auricular nas primeiras 72h de vida, mantendo o procedimento por até 6 a 8 semanas. Os hormônios maternos circulantes tornam as cartilagens mais maleáveis e capazes de serem moldadas, podendo evitar procedimento cirúrgico no futuro. Passado esse período as técnicas de moldagem não se mostram eficazes e, obviamente, as orientações para essa técnica precisam passar por um especialista pois o mal posicionamento das orelhas pode acarretar em sofrimentos dos tecidos trazendo riscos e complicações sérias para os bebês, como a necrose da orelha.

Como por volta dos 6 a 8 anos as orelhas já se encontram praticamente com seu tamanho adulto, procuramos abordar cirurgicamente a partir desse período. Momento que coincide com o ingresso da criança na escola e que pode acarretar em brincadeiras e bullying desencadeando desejo pelo tratamento.

É importante ressaltar que a criança precisa expressar o desejo de operar e possuir maturidade suficiente para entender e aceitar o pós-operatório. Com razoável frequência o especialista é procurado precocemente, devido a ansiedade dos pais em resolver “o problema” e não por uma demanda da criança.

 

Autora:

 – Cirurgia Plástica

#CDC: 40 Percent of Cancers are Tied to Obesity

Postado em

CDC: 40 Percent of Cancers are Tied to Obesity
WRITTEN BY: Xuan Pham
https://assets.labroots.com/_public/_files/system/ck/trending/

Image credit: Pixabay.com

The link between obesity and cancer just got even more real. A recent report finds that over 40 percent of cancer cases are tied to obesity.

The World Health Organization (WHO) estimates that more than 39 percent of adults in the world were overweight in 2014 alone. That’s over 600 million adults. This number is not only expected to rise, but also include more children and adolescents.

Obesity is known to increase a person’s risk for cardiovascular problems, diabetes, and even cancer. In a study last year, researchers found the link between weight and cancer risks are more insidious than previously thought. The study cited 8 more cancers that are more likely to occur with increased weight gain. These include cancers of the gastric cardia, liver, gallbladder, pancreas, ovary, and thyroid, as well as multiple myeloma and meningioma.

Excess weight gain and obesity can be crudely measured by assessing a person’s body mass index (BMI), which takes into account weight and height. Overweight is defined as BMI of greater than 25.0 to 29.9, whereas obesity is defined as having a BMI of greater than 30.0.

To study the relationship between cancer and obesity, researchers from the Centers for Disease Control and Prevention (CDC) analyzed cancer trends from 2005 and 2014. They analyzed a variety of cancer types, including those with known links to obesity (esophageal adenocarcinoma, postmenopausal breast cancer, colorectal cancer, endometrial cancer, gallbladder cancer, and gastric cardia cancer). Other cancers not typically tied to obesity were also included (cancer of the kidney, liver, and thyroid, ovaries, pancreas, blood, and brain).

In 2014 alone, they found 630,000 obesity-related cancers. This is about 40 percent of all cancer diagnosis in a year. When separated by gender, females who were obese were more likely to develop cancer (55 percent), as compared to males who were obese (24 percent). People who were older were also more susceptible to obesity-related cancers: 2 out of 3 of the obesity-related cancers occurred in people between 50 and 74 years old.

The team also found that obesity-related cancers rose by 7 percent between 2005 and 2015. Meanwhile, other cancers not linked to obesity fell by 13 percent in the same period. This suggests that the rise in cancer and obesity are not simply coincidental.

“The burden of overweight- and obesity-related cancer is high in the United States,” the authors wrote.

The study underscores the health consequences of obesity. At the same time, it offers hope that we can take charge of our cancer risks by maintaining a healthy weight

“A majority of American adults weigh more than recommended – and being overweight or obese puts people at higher risk for a number of cancers – so these findings are a cause for concern […] By getting to and keeping a healthy weight, we all can play a role in cancer prevention,” said Dr. Brenda Fitzgerald, the study’s lead author.

Additional sources: MNT

ABOUT THE AUTHOR

Xuan Pham
I am a human geneticist, passionate about telling stories to make science more engaging and approachable. Find more of my writing at the Hopkins BioMedical Odyssey blog and at TheGeneTwist.com.