Oftalmologiia

#La exposición de los ojos al sol sin protección provoca #cataratas

Postado em

Es importante utilizar gafas de sol.

Es importante utilizar gafas de sol.

El especialista del servicio de oftalmología de Quirónsalud Campo de Gibraltar, Dr. Víctor Pérez Moreno, ha relatado que la exposición de los ojos a la radiación ultravioleta del sol sin la protección adecuada puede provocar cataratas, degeneración macular o melanomas coroideos.

Además, las patologías más frecuentes en verano son las conjuntivitis, bien de tipo alérgico o de tipo infeccioso por bacterias, hongos o virus (estas últimas las más frecuentes). Se manifiestan como enrojecimiento, picor, sensación de arenilla, sensibilidad a la luz y lagrimeo. Estas patologías representan aproximadamente un 60% de los pacientes atendidos en un servicio de urgencias oftalmológicas.

“Otras patologías frecuentes”, ha continuado Pérez Moreno, “son la oftalmia o fotoqueratitis, causada por la exposición continuada a la radiación solar, que como principales síntomas presenta picor, lagrimeo, intensa fotofobia e incluso disminución de la visión; y el orzuelo, que se produce por una obstrucción (por un exceso de sebo y sudor) de las glándulas situadas en el párpado, provocando una infección bacteriana aguda, y se manifiesta como una lesión sobreelevada dolorosa a la palpación y purulenta”.

De igual manera, ha continuado explicando que “lo que no podemos olvidar es que la exposición de los ojos a la radiación ultravioleta (UV) del sol sin la protección adecuada puede provocar desde patologías oftalmológicas más banales, como una fotoqueratitis, a otras más graves que pueden acarrear un deterioro de la visión, como la catarata, la degeneración macular o melanomas coroideos, ya que estos efectos son acumulativos con el paso del tiempo”, explica Pérez Moreno.

Pérez Moreno ha apuntado que es importante utilizar gafas de sol. Todos utilizamos protector solar para la piel, así que es importante no olvidarse de los ojos. Debemos usarlas con filtros solares homologados por la CE, que permitan una protección UV del 100% (UVA y UVB) y a ser posible que sean gafas envolventes, ya que evitan la filtración por los laterales. Y mejor si son polarizadas para neutralizar los reflejos solares.

Además de gafas, es recomendable utilizar un sombrero o gorra para aumentar la protección. Estas medidas son incluso más importantes en bebes y niños, sobre todo en las horas de mayor incidencia solar.

El cloro es un agente desinfectante utilizado en piscinas que, en pequeñas cantidades, suele ser inocuo, pero su uso en mayor cantidad en piscinas públicas se convierte en un gran irritante para los ojos. Además, el agua puede estar bien regulada, pero a veces puede verse alterada por otros factores, como la orina, cremas protectoras, saliva o sudor de los propios bañistas.

Es fundamental el uso de gafas de natación en piscinas para evitar el contacto con el cloro y posibles gérmenes. Además, es importante recalcar que está totalmente desaconsejado utilizar lentillas de contacto mientras nos bañamos, ya que estas están en contacto directo con la córnea, lo cual produce unas condiciones de oxigenación que favorecen infecciones por hongos, protozoos y bacterias que pueden ser muy graves.

Del mismo modo, las altas temperaturas provocan una rápida evaporación de las lágrimas, generando sequedad ocular, provocando picor, enrojecimiento, sensación de arenilla. Además, favorecen los niveles de contaminación, facilitando la aparición de conjuntivitis alérgicas. Después de nadar, es importante enjuagar los ojos con agua fría para eliminar los residuos de cloro o sal que puedan quedar y luego secarlos con una toalla suave.

Pérez Moreno apostilla que si se siente irritación, sequedad o pesadez es recomendable utilizar lágrimas artificiales (sin conservantes). Si aun así los síntomas continúan o empeoran, debemos acudir a un especialista para una adecuada valoración y tratamiento. Otros factores que debemos vigilar para cuidar nuestros ojos en vacaciones.

Por otra parte, es necesario tener cuidado con la excesiva exposición a aires acondicionados y ventiladores en espacios cerrados, ya que producen una mayor evaporación de las lágrimas, ocasionando sequedad e irritación. Debemos asegurarnos que las cremas que usamos para protegernos del sol sean hipoalergénicas, ya que podrían causarnos alergias e irritación de los párpados.

Por último, el viento fuerte también es perjudicial para los ojos, ya que arrastra gran cantidad de partículas (polvo, arena, contaminante, etcétera), ocasionando irritación o cuerpos extraños enclavados.

#Caffeine may serve as an opioid adjuvant in patients with #chronic pain

Postado em

Caffeine was associated with improvements in pain and other symptoms in patients with fibromyalgia-like chronic pain receiving opioids.

Caffeine may act as an opioid adjuvant in fibromyalgia-like chronic pain patients, new research suggests. The data, published in the Journal of Pain Research , suggest caffeine consumption concomitant with opioid analgesics could provide therapeutic benefits not seen with opioids alone.

Caffeine’s properties as an analgesic adjuvant with nonsteroidal anti-inflammatory drugs/paracetamol have already been documented. However, little clinical research has explored caffeine’s effects on opioid analgesia. This latest study assessed the effects of caffeine consumption on pain and other symptoms in 962 opioid-using and non-opioid-using patients with chronic pain.

In opioid users, caffeine consumption had modest but significant effects on pain, catastrophising, and physical function. Lower levels of pain interference were associated with low and moderate caffeine use compared to no caffeine intake. Lower pain catastrophising and higher physical function were observed in all caffeine dose groups relative to the no caffeine group. Lower pain severity and depression were observed only in the moderate caffeine group. In opioid non-users, low caffeine intake was associated with higher physical function; however, no other significant effects were observed.

The authors concluded that the absence of effects in opioid non-users suggests caffeine exhibits a weak but significant opioid analgesic adjuvant effect.

Prevalence of #vision impairment increasing

Postado em

 

Forecasts predict that there will be almost 115 million cases of blindness and 588 million people with moderate to severe vision impairment in 2050.

New figures published in The Lancet Global Health this week show blindness now affects an estimated 36 million people globally, with the greatest burden occurring in developing countries in Asia and sub-Saharan Africa.

The findings follow an analysis of the prevalence of blindness and vision impairment in 188 countries between 1990 and 2015. Global blindness crude prevalence declined from 0.75 per cent in 1990 to 0.48 per cent in 2015, while the rate of moderate to severe vision impairment reduced from 3.83 per cent to 2.90 per cent.
Despite these reductions, the authors said the growth and ageing of the world’s population is causing a substantial increase in the number of people affected by vision impairment. The study projections suggest that prevalence rates could see an upturn by 2020, to 0.50 per cent for blindness and 3.06 per cent for vision impairment.
This has prompted the authors to call for increased vision impairment alleviation efforts. “With the number of people with vision impairment accelerating, we must take action to increase our current treatment efforts at global, regional and country levels,” said lead author Professor Rupert Bourne, Anglia Ruskin University, UK.

EMA approves new treatment for# vernal keratoconjunctivitis

Postado em

 

The orphan drug is intended for the treatment of severe vernal keratoconjunctivitis in children and adolescents.

The European Medicines Agency (EMA) has recommended granting a marketing authorisation in the European Union (EU) for Verkazia (ciclosporin), intended for the treatment of severe vernal keratoconjunctivitis (VKC).

Verkazia , which was designated as an orphan medicinal product on 6 April 2006, was reviewed under the EMA’s accelerated assessment programme. The full indication is: “treatment of severe vernal keratoconjunctivitis in children from four years of age and adolescents”. Treatment with Verkazia must be initiated by an ophthalmologist or a healthcare professional qualified in ophthalmology.

The EMA’s recommendation is mainly based on data from one phase III clinical trial involving 169 patients with severe VKC. The study showed that, after four months, more patients treated with Verkazia than with placebo had an improvement in corneal health while requiring no additional corticosteroid medication. After four months of treatment, all main VKC symptoms studied (light sensitivity, itching, tearing and mucous discharge) improved.
The orphan designation afforded to Verkazia will now be reviewed to determine whether the information available to date supports maintaining the orphan status and granting this medicine 10 years of market exclusivity.
The EMA opinion will now be sent to the European Commission for the adoption of a decision on an EU-wide marketing authorisation.

#Zika: investigue lesão ocular em todos os bebês potencialmente expostos ao vírus

Postado em

Marcia Frellick

Todos os bebês com possível exposição materna ao vírus Zika devem ser submetidos a exame oftalmológico, independentemente do momento da exposição, da confirmação laboratorial ou de apresentarem anomalias de sistema nervoso central, sugere uma nova pesquisa.

As alterações oculares podem ser o único sinal inicial da infecção congênita pelo vírus Zika, o que é importante porque algumas diretrizes recomendam exames oftalmológicos somente se os bebês tiverem microcefalia ou confirmação laboratorial do vírus.

A Dr. Andrea A. Zin, Ph.D., médica do Departamento de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional de Saúde da Mulher no Rio de Janeiro, e colaboradores, informaram suas descobertas em um artigo publicado on-line em 17 de julho no periódico JAMA Pediatrics.

Os pesquisadores avaliaram crianças cujas mães tiveram infecção pelo vírus Zika, confirmada por reação em cadeia da polimerase por transcrição reversa, de janeiro a outubro de 2016. Uma equipe contando com a participação de um oftalmologista pediátrico examinou os bebês até um ano de idade.

Dos 112 bebês, 24 (21,4%) apresentaram alterações oculares que ameaçavam a visão (a mediana da idade no primeiro exame ocular foi de 31 dias; o intervalo foi de 0 a 305 dias). As mais comuns foram as anomalias do nervo óptico e da retina. Dez crianças com alterações oculares (41,7%) não tinham microcefalia e oito (33,3%) não apresentaram anomalias de sistema nervoso central (SNC).

As alterações oculares foram mais comuns quando as mães se infectaram durante o primeiro trimestre, mas também ocorreram nos casos de infecção a qualquer momento da gestação. Quatorze bebês com alterações oculares (58,3%) nasceram de mulheres infectadas durante o primeiro trimestre, oito (33,3%) de mães infectadas durante o segundo trimestre e duas (8,3%) de infectadas durante o terceiro trimestre.

As alterações oculares foram muito mais prováveis ​​nos bebês com microcefalia (odds ratio, OR = 19,1; intervalo de confiança, IC, de 95%, de 6,0 a 61,0), outras anomalias de sistema nervoso central (OR = 4,3; IC de 95%, de 1,6 a 11,2) e artrogripose (OR = 29,0; IC de 95%, de 3,3 a 2 55,8).

O estudo foi realizado no Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro, um centro de referência para mulheres com gravidez de alto risco e crianças com doenças infecciosas.

Esta pesquisa, bem como trabalhos anteriores, constatou que as alterações oftalmológicas ocorreram não apenas nos lactentes com microcefalia, o que é importante porque as diretrizes do Ministério da Saúde do Brasil só recomendam rastreamento com exames oftalmológicos para bebês nascidos nas áreas de endemia do vírus Zika em caso de microcefalia.

Quando as alterações oculares foram descritas pela primeira vez nos casos dos bebês com microcefalia e infecção presumida por Zika, não estava claro se estas alterações foram secundárias à microcefalia ou se estavam diretamente ligadas ao vírus Zika, observam os autores.

Este estudo relata que “10 de 24 alterações oculares (41,7%) ocorreram na ausência de microcefalia em casos confirmados de infecção pelo vírus Zika por reação em cadeia de polimerase por transcriptase reversa. Assim, parece que o vírus Zika pode ser considerado diretamente relacionado com os achados patológicos oculares”.

Os pesquisadores também observaram que achados oftalmológicos foram observados em bebês sem anomalias de sistema nervoso central.

“Se a presença de anomalias do sistema nervoso central fosse utilizada como critério de rastreamento para a realização do exame oftalmológico em nossa população, três bebês com anomalias ao exame ocular não teriam sido identificados”, escrevem os autores.

As diretrizes de prevenção dos Centers for Disease Control and Prevention norte-americanos recomendam o rastreamento oftalmológico somente se houver algum resultado de exame laboratorial confirmando infecção congênita pelo vírus Zika. Como esses testes nem sempre estão disponíveis, as alterações oculares podem não ser identificadas, explicam os autores.

As limitações do estudo compreendem um viés para microcefalia e outras características da infecção pelo vírus Zika, visto que o centro estudado era um centro de referência. O estudo também não incluiu nenhum grupo de controle.

Os autores reconhecem que “não podemos afirmar com absoluta certeza” que todos os achados oftalmológicos eram relacionados com a infecção pelo vírus Zika”.

Este estudo foi subsidiado pelo Conselho Nacional Brasileiro de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, pelo National Institute of Allergy and Infectious Diseases e pelo National Eye Institute. Um coautor foi financiado, em parte, por uma bolsa irrestrita de Research to Prevent Blindness concedida pelo Stein Eye Institute. Outro coautor foi financiado em parte pelo Thrasher Research Fund. Os autores informaram não possuir nenhum conflito de interesses relativo ao tema.

JAMA Pediatr. Publicado on-line em 17 de julho de 2017. Artigo

#Vegetais folhosos são bons para os olhos e também para a função cerebral de crianças

Postado em

Batya Swift Yasgur

Altos níveis de carotenoides na retina estão associados com conquistas acadêmicas superiores e maior eficiência na realização de tarefas cognitivas, mostra uma nova pesquisa.

Uma equipe de pesquisadores liderada por Naiman Khan, professor de cinesiologia e saúde comunitária, juntamente com Anne Walk, discente do pós-doutorado, ambos da University of Illinois em Urbana-Champaign, conduziu dois estudos que utilizaram a densidade óptica de pigmentos maculares (DOPM) para medir as concentrações de luteína e zeaxantina, ambos carotenoides da retina, nos olhos.

Em um estudo, pesquisadores mediram a densidade óptica de pigmentos maculares em 56 crianças (com idades de oito a nove anos), avaliaram desempenho acadêmico, e mediram o consumo dietético de luteína e zeaxantina delas por três dias.

Eles descobriram que a luteína e zeaxantina retinianas estão positivamente relacionadas a conquistas acadêmicas, mesmo quando controlando para outros fatores, como condicionamento aeróbico, composição corporal e quociente de inteligência (QI).

Outro estudo investigou a relação entre densidade óptica de pigmentos maculares e desempenho em uma tarefa cognitiva desafiadora em 49 crianças (com idades de oito a 10 anos).

Os pesquisadores descobriram que crianças com uma maior densidade óptica de pigmentos maculares responderam a tarefas cognitivas de forma mais eficiente, especialmente naquelas que requeriam controle da atenção. Os achados fornecem um “novo suporte” para a influência neuroprotetora dos carotenoides retinianos durante a pré-adolescência.

“A luteína é conhecida por acumular na retina e em várias outras regiões do cérebro, e mostrou-se que ela protege contra doenças oculares e preserva a função cognitiva em adultos mais velhos. Esses estudos são importantes porque demonstram que a influência benéfica da luteína é evidente na infância”, disse Khan ao Medscape.

“Nós também sabemos que esses pigmentos são encontrados em grandes quantidades no cérebro de crianças pequenas. Isso sugere que são importantes de alguma forma para o desenvolvimento cerebral”, disse Anne em uma declaração à imprensa.

O primeiro estudo foi publicado on-line em 23 de maio na Nutritional Neuroscience. O segundo estudo foi publicado na edição de agosto do International Journal of Psychophysiology.

Melhora do desempenho acadêmico

Em ambos estudos os pesquisadores ressaltaram que trabalhos prévios já haviam demonstrado o papel potencial da luteína e da zeaxantina no combate ao declínio cognitivo em idosos. No entanto, sabe-se muito pouco sobre o potencial de melhoria cognitiva ou efeitos neuroprotetores desses carotenoides em crianças.

Estudos prévios mostraram que a luteína e a zeaxantina são encontradas no cérebro de crianças, com um acúmulo preferencial de luteína. De fato, “a contribuição relativa da luteína para os carotenoides totais encontrados no cérebro infantil é quase duas vezes maior do que em adultos, correspondendo a 59% versus 34%, respectivamente, sugerindo um papel seletivo da luteína no desenvolvimento neural precoce”.

Para investigar o impacto potencial de carotenoides da retina na cognição de crianças, os pesquisadores nos dois estudos recrutaram participantes do FITKids, um grande ensaio longitudinal randomizado e controlado de uma intervenção envolvendo atividade física em crianças.

As duas pesquisas mediram a densidade óptica de pigmentos maculares porque ela é um indicador da xantofilia retiniana, está correlacionada ao nível cerebral de luteína, e é uma “boa prova” da quantidade cerebral de luteína e zeaxantina. Além disso, a avaliação da densidade óptica de pigmentos maculares é não invasiva.

A equipe de Khan avaliou os participantes (n = 49) em dois dias. No primeiro dia as crianças foram solicitadas a completar o Woodcock Johnson Tests of Cognitive Abilities para fornecer uma estimativa de QI, e passaram pelo Kaufman Test of Academic and Educational Achievement II (KTEA II) para avaliar conquistas acadêmicas.

O peso e estatura das crianças foram medidos, e um teste de consumo máximo de oxigênio (VO2max) foi utilizado para avaliar o condicionamento aeróbico. Os guardiões legais forneceram informações a respeito da demografia, histórico de saúde e desenvolvimento puberal das crianças.

Depois da primeira consulta, as crianças receberam formulários para registrar em casa os alimentos que consumiram por um período de três dias.

Na segunda consulta, as crianças completaram uma avaliação da composição corporal por absortometria radiológica de dupla energia. Nas duas visitas a densidade óptica de pigmentos maculares foi avaliada. Os pesquisadores realizaram uma média dos dois valores de densidade óptica de pigmentos maculares e utilizaram modelos de regressão hierárquica para determinar a relação entre a densidade óptica de pigmentos maculares média e os testes de conquista acadêmica, após ajustes para covariáveis-chave (por exemplo, sexo, condicionamento aeróbico, composição corporal e QI).

Os pesquisadores encontraram uma correlação positiva entre o consumo dietético de luteína e zeaxantina e densidade óptica de pigmentos maculares (r = 0,39; P = 0,02).

Na análise de correlação bivariada, QI, VO2max, e a massa livre de gordura se correlacionaram positivamente com a pontuação composta de conquistas (r = 0,62, P < 0,01; r = 0,33, P = 0,01; e r = 0,26, P = 0,05, respectivamente).

O índice de massa corporal (IMC) e o percentual de gordura corporal estiveram negativamente correlacionados com a pontuação composta de conquistas (r = -0,37, P < 0,01; r = -0,30, P = 0,03, respectivamente).

As análises de regressão mostraram que a densidade óptica de pigmentos maculares melhorou o modelo para conquistas acadêmicas em geral (ΔR2 = 0,10, P < 0,01), matemática (ΔR2 = 0,07, P = 0,02), e pontuações padrão compostas para linguagem escrita (ΔR2 = 0,15, P < 0,01), mesmo considerando as covariáveis.

“O maior achado foi de que crianças com valores maiores de densidade óptica de pigmentos maculares tiveram desempenho superior em medidas acadêmicas, particularmente em matemática e linguagem escrita”, escrevem os pesquisadores.

Os achados destacam “a importância do consumo habitual” de luteína e zeaxantina para melhora do desempenho acadêmico, acrescentam.

“Os resultados não foram surpreendentes para nós”, disse Khan. “Havíamos levantado a hipótese de um efeito positivo entre a luteína ocular e a função cognitiva e habilidades acadêmicas das crianças”.

Efeito antioxidante?

A equipe de Anne avaliou o desempenho cognitivo das crianças (precisão de resposta e tempo de reação) usando uma versão modificada da Eriksen Flanker Task, uma atividade cognitivamente desafiadora na qual os participantes respondem a direção de uma imagem de localização central de um peixe, apresentado entre várias imagens distratoras de peixes irrelevantes para a tarefa, que podem ser congruentes (na mesma direção) ou incongruentes (na direção oposta).

Os pesquisadores registraram a atividade eletroencefalográfica (EEG) das crianças durante a tarefa – em particular, o componente P3 da onda de potencial relacionado a eventos (PRE).

Os participantes foram submetidos a duas sessões de testes. Na primeira, os guardiões legais completaram um questionário sobre informações demográficas e de saúde. Na segunda, os participantes completaram as tarefas cognitivas registradas pelo EEG. A densidade óptica de pigmentos maculares foi registrada em ambas sessões, e foi feita uma média dos valores.

Quando foram feitas as análises de correlação bivariadas, os pesquisadores descobriram que a acurácia de resposta esteve significativamente relacionada a valores de densidade óptica de pigmentos maculares para desafios incongruentes, mas apenas moderadamente relacionada para desafios congruentes (r = 0,341, P = 0,017, intervalo de confiança, IC = 0,124 – 0,542; e r = 0,243, P = 0,093, IC = 0,024 – 0,454, respectivamente).

A densidade óptica de pigmentos maculares não esteve relacionada a tempo médio de reação (r ≤ 106, P ≥ 0,235). Os intervalos de confiança para correlações significativas e moderadas não passaram pelo 0, “sugerindo correlações moderadas confiáveis”, escrevem os pesquisadores.

“Esses resultados indicam que as crianças com maiores valores de densidade óptica de pigmentos maculares têm maior probabilidade de exibir um melhor desempenho na tarefa de flanqueamento e que isso foi particularmente evidente quando foram necessários níveis mais altos de controle de atenção”, escrevem. No entanto, maiores valores de densidade óptica de pigmentos maculares não aumentaram a velocidade de realização da tarefa.

“A hipótese de que valores de densidade óptica de pigmentos maculares estariam positivamente relacionados ao desempenho da tarefa de flanqueamento teve suporte. Assim, os efeitos benéficos dos carotenoides da retina parecem ser globais no processamento de controle cognitivo, embora o maior benefício seja observado quando as demandas de controle cognitivo são maiores”, escrevem os autores.

Os pesquisadores acrescentam que esses dados não mostraram uma relação significativa entre densidade óptica de pigmentos maculares e o tempo de reação, “indicando que os benefícios da luteína no controle cognitivo em crianças têm efeito preferencial na precisão em vez de na velocidade de processamento”.

Discutindo esses achados, Khan sugeriu que “um mecanismo potencial para os benefícios neurocognitivos da luteína e da zeaxantina poderia ser pelos efeitos antioxidantes da luteína, que podem se estender além do olho e proteger também o tecido cerebral”.

“É também possível que a luteína facilite os efeitos neuroprotetores de outros nutrientes que seriam benéficos para a função cognitiva e saúde cerebral, como o ácido docosa-hexanoico”. No entanto, ele alertou, “pesquisas adicionais são necessárias para determinar o mecanismo exato pelo qual a luteína tem impacto no cérebro e na função cognitiva”.

Estímulo à alimentação saudável

Comentando os estudos para o Medscape, Elizabeth Johnson, do Jean Mayer USDA Human Nutrition Center on Aging, Tufts University, Boston, Massachusetts, disse que os estudos “são consistentes com o que sabemos sobre a luteína e a zeaxantina de estudos intervencionais em adultos, nos quais ao aumentar esses componentes na dieta, há melhora da função cognitiva”.

Ela alertou que “os achados podem demonstrar apenas associação, mais do que causa e efeito”.

Ainda assim, esses estudos são valiosos e “de particular interesse porque a luteína e a zeaxantina não são consideradas nutrientes ‘essenciais'”, então “não existem políticas solicitando que programas de alimentação escolar devam conter uma certa quantidade deles”.

No entanto, “embora não sejam ‘essenciais’, são benéficos, então é importante avaliar os fitonutrientes de plantas, frutas, vegetais e nozes e recomendar às pessoas quais devem ser os alvos para que obtenham uma boa saúde”.

Ela recomendou que psiquiatras indaguem sobre a nutrição de seus pacientes. “Se uma pessoa está comendo para melhorar a função cerebral, isso também ajuda a saúde em geral porque a mesma dieta – frutas, vegetais, pouca gordura, boas gorduras, número apropriado de calorias e exercícios – que é boa para o cérebro é boa também para tudo o que está abaixo dele”.

Khan acrescentou que “encorajar crianças a comerem mais alimentos ricos em luteína, como vegetais folhosos e frutas, podem melhorar a condição cognitiva delas, e certamente não fará mal”.

Essa pesquisa faz parte de um ensaio controlado randomizado maior, com apoio dos National Institutes of Health e Abbott Nutrition por meio de um Centro de Nutrição, Aprendizado e Memória financiado pela University of Illinois. Khan e Anne declararam não possuir conflitos de interesses relevantes.

Nutr Neurosci. Publicado on-line em 23 de maior de 2017. Resumo

Int J Psychophysiol. 2017;118:1-8. Resumo

Más del 70% de los españoles padece # síndrome visual informático por el uso diario de dispositivos electrónicos

Postado em

 

Los usuarios de videojuegos, los más afectados.

Los usuarios de videojuegos, los más afectados.

Más del 70% de la población española sufre síndrome visual informático por el uso diario de dispositivos electrónicos, el cual se caracteriza por dolor de cabeza, fatiga visual, sequedad ocular, picor, enrojecimiento de los ojos y visión borrosa.

Y es que, tal y como ha comentado la óptico-optometrista y doctora en Ciencias de la Visión, del Hospital Universitario Miguel Servet de Zaragoza, Irene Altemiry, cuando se mira un teléfono móvil o una pantalla de ordenador, el ojo enfoca gracias al llamado sistema acomodativo, si bien en estas situaciones debe hacer un trabajo extra, provocando así la aparición del síndrome visual informático.

Además, la elevada concentración a la que exponen las tareas frente a pantallas digitales hace que disminuya el número de veces que se parpadea por minuto. Un importante problema si se tiene en cuenta que el parpadeo sirve, entre otras cosas, para mantener el ojo hidratado y, por ende, tener una visión nítida.

Ahora bien, las personas más afectadas por este síndrome son los jugadores de videojuegos, que se cree que en España ya rondan los 15 millones y que suelen jugar una media de 6,5 horas semanales. En estas personas, el número de parpadeos por minuto se suele reducir a la mitad e, incluso, hasta tres veces menos cuando son videojuegos de acción.

“Este menor número de parpadeos provocará una mayor sensación de sequedad en los ojos, de picor o de irritación. Los jugadores de videojuegos debido a la gran cantidad de horas que pasan delante de monitores tienen más posibilidades de sufrir síntomas. Por eso es importante concienciarles de la importancia de hacer un buen uso”, ha confirmado Altemiry.

Asimismo, la experta ha aconsejado revisar la visión regularmente para ajustar la graduación, ya que se ha demostrado que la miopía o pequeños grados de astigmatismo son un desencadenante de los síntomas del síndrome visual informático cuando se realizan tareas con pantallas digitales.

Por ello, y con el objetivo de minimizar los riesgos de padecer molestias relacionadas con el uso de pantallas digitales, la compañía Bausch + Lomb, en colaboración con profesionales de la visión y la Liga de Videojuegos Profesional, ha desarrollado la primera guía de salud visual para ‘gamers’.

“Para Bausch + Lomb es clave ofrecer productos que ayuden a los usuarios de dispositivos como lágrimas artificiales, toallitas para la higiene de los párpados o tratamientos para terapia con frío y calor. Además, con la elaboración de esta Guía queríamos ir más allá en el cuidado total de la visión, ofreciendo consejos para ayudar y concienciar a la población de la importancia de cuidar la visión y así evitar las molestias relacionadas con el uso de dispositivos digitales”, ha zanjado el responsable de Relaciones Profesionales de Bausch + Lomb, Diego Ramos.