artigos médicos

#Acute and Chronic Leukemia: What Are the Differences?

Postado em

Acute and Chronic Leukemia: What Are the Differences?
Overview

Resultado de imagem para leukemia

 

Leukemia is a cancer of the blood. It forms when blood cells in the bone marrow malfunction and form cancerous cells. The cancerous blood cells then overrun the normal blood cells. This interferes with the body’s ability to fight infections, control bleeding, and deliver oxygen to normal cells. The cancerous cells can also invade the spleen, liver, and other organs.

http://www.doctorsonline.co/wp-content/uploads/2017/11/

Chronic leukemia is a slow-growing leukemia. Acute leukemia is a fast-growing leukemia that progresses quickly without treatment.

Signs and symptoms

Signs and symptoms of chronic leukemia

Chronic leukemia develops slowly, and the early symptoms may be mild and go unnoticed. Acute leukemia develops quickly. This is because the cancerous cells multiply fast.

Chronic leukemia is most commonly diagnosed after a routine blood test. You may have low-level symptoms for years before it’s diagnosed. The symptoms may be vague and could occur due to many other medical conditions. The signs and symptoms may include:

general feelings of malaise, such as tiredness, bone and joint pain, or shortness of breath
weight loss
a loss of appetite
a fever
night sweats
anemia
infections
bruising or bleeding, such as nosebleeds
enlarged lymph nodes that aren’t painful
pain or a full feeling in the upper-left abdomen, which is where the spleen is located
Signs and symptoms of acute leukemia

The common signs and symptoms of acute leukemia are:

low white blood cell counts
infections
tiredness that doesn’t go away with rest
shortness of breath
pale skin
sweating at night
a slight fever
bruising easily
bone and joint aches
slow healing of cuts
tiny red dots under the skin
Causes

No one knows the cause of leukemia or why some people have chronic leukemia and others have an acute form of the condition. Both environmental and genetic factors are thought to be involved.

Leukemia may occur due to changes in the DNA of your cells. Chronic myeloid leukemia (CML) may also be associated with a gene mutation called the Philadelphia chromosome. This gene mutation isn’t inherited.

Some studies show that a combination of genetic and environmental factors are involved in childhood leukemia. Some children may not have inherited the particular version of genes that can get rid of harmful chemicals. Exposure to those chemicals might increase their risk for leukemia.

Risk factors

Possible risk factors for the different types of leukemia exist, but it’s possible to get leukemia even if you don’t have any of the known risk factors. Experts still don’t understand a lot about leukemia.

Some factors for developing chronic leukemia include:

being over age 60
being Caucasian
exposure to chemicals such as benzene or Agent Orange
exposure to high levels of radiation
Some risk factors for developing acute leukemia include:

smoking cigarettes
having chemotherapy and radiation therapy for other cancers
exposure to very high radiation levels
having genetic abnormalities, such as Down syndrome
having a sibling with acute lymphocytic leukemia (ALL)
Having one or more of these risk factors doesn’t mean that you’ll get leukemia.

How is leukemia diagnosed?

All types of leukemia are diagnosed by examining blood samples and bone marrow. A complete blood count will show the levels and types of:

white cells
leukemia cells
red cells
platelets
Bone marrow and other tests will give your doctor further information about your blood to confirm a diagnosis of leukemia. Your doctor may also look at a blood smear under a microscope to see the shape of the cells. Other tests may grow your blood cells to help your doctor identify changes to the chromosomes or genes.

Treatments

Your treatment plan will depend on the type of leukemia you have and how advanced it is at the time of your diagnosis. You may want to get a second opinion before starting treatment. It’s important to understand what your treatment choices are and what you can expect.

Chronic leukemia

Chronic leukemia progresses slowly. You may not be diagnosed until symptoms, such as enlarged lymph nodes, appear. Chemotherapy, corticosteroids, and monoclonal antibodies may be used to control the cancer. Your doctor may use blood transfusions and platelet transfusions to treat the decrease in red blood cells and platelets. Radiation may help reduce the size of your lymph nodes.

If you have CML and also have the Philadelphia chromosome, your doctor may treat you with tyrosine kinase inhibitors (TKIs). TKIs block the protein produced by the Philadelphia chromosome. They may also use stem cell therapy to replace cancerous bone marrow with healthy bone marrow.

Acute leukemia

People with acute leukemia will generally begin treatment quickly following a diagnosis. This is because the cancer can progress quickly. Treatment may include chemotherapy, targeted therapy, or stem cell therapy, depending on the type of acute leukemia you have.

The treatment for acute leukemia is generally very intense in the beginning. The main goal of treatment is to kill the leukemia cells. Hospitalization is sometimes necessary. The treatment often causes side effects.

Your doctor will do regular blood and bone marrow tests to determine how well your treatment is killing the leukemia cells. They may try various mixtures of drugs to see what works best.

Once your blood has returned to normal, your leukemia will be in remission. Your doctor will continue to test you in case the cancerous cells return.

What is the outlook?

Each type of leukemia is different and will require different treatment. The outlook is also unique to the type of leukemia you have and how advanced it is when you begin treatment. Other factors that will affect your outlook are:

your age
your general health
how much the leukemia has spread in your body
how well you respond to treatment
Survival rates for leukemia have greatly improved in the last 50 years. New drugs and new types of treatments continue to be developed.

Your doctor will give you your outlook based on leukemia research findings from the past years. These statistics are based on people who had your type of leukemia, but each person is different. Try not to focus too much on these types of statistics if you receive a diagnosis of leukemia. Your outlook will depend on your age, your overall health, and the stage of your leukemia. The following were the five-year survival rates for people with different types of leukemia in the United States from 2005 to 2011:

CML: 63.2 percent
CLL: 84.8 percent
ALL: 70.1 percent overall and 91.2 percent for those under 15
AML, or acute myeloid leukemia: 26 percent overall and 66.5 percent for those under 15
The outlook for people with any type of leukemia will continue to improve as the research advances. Researchers in many ongoing clinical trials are testing new treatments for each type of leukemia.

Prevention

No early screening tests for leukemia are available. If you have risk factors and symptoms, ask your doctor about blood tests.

It’s important to keep copies of your treatments, the dates, and the drugs that were used. These will help you and your future doctors if your cancer comes back.

Experts haven’t found ways to prevent leukemia. Being proactive and telling your doctor if you notice any symptoms of leukemia may improve your chances of recovery.

DOCTORS-ONLINE

Anúncios

# Sangramentos nasais: conceitos atuais em epistaxe

Postado em Atualizado em

 

Resultado de imagem para epistaxis

Dr. Gordon H. Sun

Pequeno sangramento nasal intermitente
Uma estudante de pós-doutorado de 28 anos deu entrada em um pronto-socorro com sangramento leve nas duas narinas, de forma intermitente, nas últimas duas semanas.
Ela negou ter sofrido traumatismo craniano antecedente ou doença respiratória superior. Ela não teve congestão nasal, coriza, problemas dentários ou dor e pressão nasofaciais, nem qualquer sangramento na parte de trás da garganta. Ela negou ter sofrido contusão ou menorragia. Além disso, ela negou ter sofrido déficits visuais ou otológicos.
O histórico médico e familiar da paciente foi negativo para distúrbios hemorrágicos. Ela não relatou qualquer uso de medicação ou alergias a medicamentos, era não fumante e não consumia bebida alcoólica. Ela não fez viagens recentes e viveu na mesma casa por muitos anos.
A paciente estava cooperativa, alerta e sem sofrimento aparente no exame. Os sinais vitais estavam dentro dos limites normais. Os exames oculares e otoscópicos não foram dignos de nota. Não foi evidenciada dor facial, inchaço ou fraqueza. A rinoscopia anterior demonstrou abrasões recentes no septo nasal anterior bilateralmente, mas sem sangramento ou coágulos ativos. O exame intraoral demonstrou boa dentição, nenhuma inflamação ou edema faríngeo, e nenhuma drenagem ou hemorragia da faringe posterior. O pescoço estava plano e flexível, com amplitude de movimento total e sem massas palpáveis.

Qual das seguintes é a causa mais provável de epistaxe
Trauma digital (rinotilexomania)
Corpo estranho nasal
Doença de von Willebrand
Perfuração septal

Trauma digital (rinotilexomania)
77%
Corpo estranho nasal
1%
Doença de von Willebrand
13%
Perfuração septal
9%

Epistaxe
A epistaxe (hemorragia nasal) tem uma prevalência estimada ao longo da vida de 60%, e cerca de 6% dos pacientes afetados procuram tratamento médico.[1] A incidência da epistaxe é bimodal, atingindo o pico em idades inferiores a 10 anos e superiores a 50 anos, e parece ser mais comum nos indivíduos do sexo masculino.[2]
As quatro opções acima compreendem apenas algumas das muitas causas locais e sistêmicas da epistaxe. No entanto, o trauma digital é considerado a etiologia mais comum da epistaxe, resultando no geral em abrasões e sangramento do septo anterior.[3]
Os corpos estranhos nasais são substancialmente mais comuns em crianças pequenas[4,5], mas também podem ser observados em adultos, em particular entre pessoas com atraso de desenvolvimento ou com doença psiquiátrica grave.[6,7] Um corpo estranho nasal normalmente apresenta coriza unilateral fétida e/ou epistaxe.
A doença de von Willebrand é a coagulopatia hereditária mais comum, com uma prevalência de 0,6% -1,3%.[8] Esta condição é no geral apresentada após um pequeno trauma nas superfícies mucosas (por exemplo, após procedimentos dentários).
A perfuração septal pode causar congestão nasal, sons de “assovio” do nariz, esmagamento e drenagem, e epistaxe periódica. As perfurações septais podem ser causadas por uma variedade de fatores, incluindo o uso de esteroides intranasais, uso de drogas ilícitas (por exemplo, cocaína) e várias condições autoimunes, como a granulomatose de Wegener[9,10]
Sangramentos nasais recorrentes e imprevisíveis
Uma gerente administrativa de 35 anos, em uma cidade de médio porte no sudoeste desértico, apresentou-se à sua enfermeira clínica de assistência básica com hemorragias nasais leves e esporádicas nos últimos dois anos.
Os sangramentos nasais geralmente não duravam mais de 10 minutos depois de aplicar pressão direta ao nariz, mas eram imprevisíveis e ocasionalmente perturbavam os colegas de trabalho quando ocorriam durante uma reunião. O nariz dela coçava às vezes mas, fora isso, ela negava apresentar congestão, dor e pressão nasofaciais, coriza e disosmia. A paciente não relatou problemas nos olhos ou nos ouvidos, dificuldades para respirar ou engolir, ou sintomas constitucionais.
O histórico médico e familiar da paciente não tinha qualquer coisa a ser notada. Ela não tomou qualquer medicamento nem tinha alergias a medicamentos. Ela fumava cigarros ocasionalmente, mas não fazia uso de bebidas alcoólicas.
A enfermeira clínica realizou um exame físico completo, que demonstrou sinais vitais normais e nenhum resultado positivo além de alguns pequenos coágulos de sangue nas narinas. Os coágulos foram aspirados com cuidado, revelando apenas alguma inflamação e irritação do septo nasal anteriormente. Não foi observado qualquer sangramento adicional.

Quais das seguintes medidas de autogestão podem ser úteis para a paciente na redução de episódios futuros de epistaxe?
Aplicação de vaselina levemente aos vestíbulos nasais
Obtenção de um umidificador de ambiente
Evitar fontes de inflamação e trauma local.
Estratégias para evitar o sangramento nasal
A maioria dos sangramentos nasais é leve e se resolve espontaneamente. Mais de 90% dos sangramentos nasais ocorrem dentro da área de Kiesselbach, uma região do septo anterior com vasculatura particularmente rica[1] (Figura). Apertar a parte anterior do nariz de 10 a 15 minutos enquanto está sentado e inclinar-se para frente para evitar aspiração acidental ou deglutição de sangue geralmente é efetivo como tratamento inicial. Os pacientes devem evitar pressionar a pirâmide óssea do nariz, o que não exerce pressão sobre a área de Kiesselbach. O uso de um descongestionante tópico, como a oximetazolina, pode ser eficaz na interrupção de um sangramento nasal leve.[11]

Várias estratégias conservadoras estão disponíveis para reduzir o risco de recorrência local. A hidratação das narinas previne a fissuração e o sangramento das superfícies mucosas, e promove a cicatrização do tecido friável. A hidratação pode ser realizada aplicando uma camada fina de vaselina ou pomada antibiótica sobre a mucosa do septo nasal anterior e do vestíbulo nasal, pulverizando as narinas com solução salina ou um emoliente solúvel em água ou o uso de máquinas umidificadoras domésticas. Finalmente, evitar o trauma nasal e a inflamação (por exemplo, parando de fumar) pode prevenir a ruptura mecânica da mucosa e o sangramento resultante dela.[1,3,12,13,14,15]
Hemorragia na clínica
Uma estudante de odontologia de 24 anos apresentou-se ao médico na clínica de saúde da universidade com episódios repetidos de epistaxe, ocorrendo várias vezes ao longo da semana anterior.
Os sangramentos nasais têm sido frequentes e graves o suficiente para prejudicar a capacidade de atender aos pacientes na clínica de ensino odontológico. Ela não relatou outros sintomas de cabeça e pescoço. O histórico médico e familiar foi benigno. Ela estava tomando uma pílula contraceptiva oral, mas nenhum outro medicamento. Ela negou apresentar alergias médicas ou ambientais. Ela não fumava e não bebia. A análise dos exames de sangue obtidos em um check-up realizado há 2 meses mostrou um nível de hemoglobina de 14,1 g/dL.
No exame, a paciente estava alerta, cooperativa e sem sofrimento agudo. Todos os sinais vitais pareciam estar normais. A paciente teve exames oculares, otoscópicos e intraorais normais. Nenhum sangue foi visto na faringe posterior. No entanto, a rinoscopia anterior demonstrou vários coágulos grandes nas abóbadas nasais. A médica usou cuidadosamente fórceps de baioneta e um espéculo nasal para remover os coágulos, o que resultou em gotejamento de sangue leve, mas constante, das duas narinas. Ao limpar o sangue fresco, a médica acreditou poder ver a fonte do sangramento em ambos lados do septo nasal.

Interrupção do sangramento
A cauterização é geralmente considerada o melhor passo seguinte à pressão direta e se os vasoconstritores tópicos não conseguirem parar a epistaxe anterior.[1,2,3,6] A cauterização química com nitrato de prata (AgNO3) é de execução relativamente fácil e tem baixo custo; é, portanto, uma técnica frequentemente usada por não otorrinolaringologistas.[17] O nitrato de prata é o melhor para pequenos sangramentos nasais, porque um fluxo sanguíneo mais extenso eliminará o nitrato de prata antes que ele possa induzir a coagulação. A cauterização química tem uma taxa de sucesso inicial de 80% ou mais.[18,19,20] A oximetazolina demonstrou algum benefício adicional na interrupção dos sangramentos nasais quando pareada com cauterizador de AgNO3.[11]
A eletrocauterização é, em geral, reservada para casos mais graves de epistaxe anterior. Deve-se ter cuidado para evitar a eletrocauterização excessiva, que pode danificar facilmente o tecido saudável circundante. Para os dois tipos de cauterização é preferível realizar o procedimento em um lado do septo de cada vez, se possível, aguardando de quatro a seis semanas entre os tratamentos, para reduzir o risco de perfuração septal.[1,21] A anestesia tópica pode reduzir o desconforto associado à cauterização, em particular para o tratamento elétrico. Em geral, as técnicas de cauterização são melhor toleradas do que o tamponamento e a cirurgia.[22]
O tamponamento nasal anterior normalmente é considerado o procedimento seguinte a ser realizado caso a cauterização não interrompa a epistaxe. O tamponamento inclui produtos não absorvíveis e absorvíveis. As intervenções não absorvíveis incluem tampões infláveis, gaze de fita revestida com vaselina gelada, esponjas de álcool polivinílico e outros. Todos eles podem ser desconfortáveis para os pacientes, pois a colocação e a remoção podem ser difíceis e, comumente, eles são deixados no local por até cinco dias para confirmar a formação do coágulo. Além disso, esses pacientes necessitam de tratamento antibiótico oral para prevenir a síndrome do choque tóxico.[1,2,3] Outros efeitos adversos conhecidos do tamponamento nasal incluem hematomas septais e abscessos, rinossinusite, perfuração septal, necrose e até síncope.[2]
Os produtos absorvíveis, como a espuma de colágeno, o revestimento de celulose oxidado, ou a gelatina-trombina, tendem a ser melhor tolerados pelos pacientes devido à facilidade de administração e à falta de necessidade de remover o tamponamento em uma data posterior. Vários estudos prospectivos demonstraram que o uso de gelatina-trombina resultou em taxas de controle inicial para a epistaxe anterior acima de 80%.[23,24,25] Esses produtos tendem a ser mais caros do que o tamponamento não degradável, mas esses custos podem ser compensados pelo custo das visitas de acompanhamento e da remoção do tamponamento.[1]
O tamponamento nasal posterior e a ligadura da artéria esfenopalatina são técnicas substancialmente mais invasivas, cada uma associada a várias complicações potenciais graves, e reservada para casos muito graves de epistaxe posterior. Ambos são geralmente realizados por otorrinolaringologistas ou outros especialistas treinados.
Epistaxe que requer hospitalização
Um homem de 45 anos apresentou-se ao pronto-socorro local com sangramento contínuo das duas narinas, além de estar cuspindo sangue durante a última hora e meia.
Ele estava assistindo a um jogo de beisebol e terminando a terceira lata de cerveja quando o sangramento começou. O paciente relatou uma leve dor de cabeça ao início do sangramento. Ele negou ter sentido náuseas, tonturas, alterações de visão, falta de ar ou dor no peito. O histórico médico foi significativo para hipertensão, hiperlipidemia e diabetes tipo 2, e o histórico cirúrgico incluiu uma tonsilectomia e uma apendicectomia durante a infância. O paciente estava tomando hidroclorotiazida, lisinopril e aspirina. Ele negou ter alergias a medicamentos. Ele relatou beber de quatro a seis latas de cerveja diariamente, e fumar um maço de cigarros por dia por cerca de 30 anos.
No exame, o paciente estava ligeiramente ansioso e segurava um punhado de tecidos sangrentos sobre o nariz; fora isso, totalmente alerta e cooperativo com o exame. Ele estava sem febre e sua frequência cardíaca era de 85 batimentos/minuto, a frequência respiratória era de 16 respirações/min, e a pressão arterial era de 196/92 mm Hg. Sua saturação de oxigênio era de 97% no ar ambiente. O exame de cabeça e pescoço foi significativo para sangramentos intensos de ambas narinas, que persistiram apesar da sucção, bem como traços de sangue na parede orofaríngea posterior. Os sons do pulmão estavam limpos e o ritmo cardíaco estava regular. O exame do nervo craniano estava normal.
O médico irrigou de forma suave as passagens nasais do paciente com solução salina quente e pediu que ele gargarejasse água morna. O paciente então voltou a fazer pressão sobre as narinas. Uma enfermeira ajudou no fornecimento de ar umidificado com oxigênio suplementar por máscara facial. O médico então pediu exames de sangue, eletrocardiografia e TC da cabeça, e solicitou consulta tanto de um otorrinolaringologista quanto de um intensivista. O otorrinolaringologista avaliou o paciente e, com a assistência da enfermeira, tampou a nasofaringe com um cateter Foley 14-Fr e as narinas com gaze impregnada de vaselina, o que pareceu interromper o sangramento temporariamente. O intensivista então preparou-se para internar o paciente para tratamento médico e possível embolização arterial em conjunto com o radiologista intervencionista.

Fatores de risco para hospitalização devido à epistaxe
Demograficamente, os homens e os adultos mais velhos (idade > 60 anos) são mais propensos do que as mulheres e as pessoas mais jovens a serem internados devido à epistaxe.[26,27,28] Numerosas condições associadas à epistaxe como diagnóstico primário de admissão são conhecidas. A hipertensão e a coagulopatia são consideradas fatores de risco clássicos para a admissão hospitalar devido à epistaxe, embora não esteja claro se a hipertensão em si, ou as comorbidades relacionadas que requerem terapia antitrombótica, são a causa dessa associação.[29,30] Outras condições cardiovasculares, como fibrilação atrial, doença vascular periférica e doença cardíaca valvar, são prevalentes em pacientes admitidos devido à epistaxe. Abuso de álcool, doença hepática, insuficiência renal, artrite reumatoide, hipotireoidismo e linfoma são outros fatores de risco relatados.[28]
O custo das internações devido à epistaxe é bastante substancial. Uma análise da US National Inpatient Sample de 2008-2012 revelou que o custo médio de hospitalização para 16.828 pacientes admitidos devido à epistaxe foi de US$ 6.925 ou uma estimativa ponderada de mais de US$ 106 milhões por ano.[27] O período médio de permanência dos pacientes hospitalizados com diagnóstico primário de epistaxe é de cerca de três dias.[26,27,31] O abuso de álcool, a doença renal e a doença sinonasal em pacientes admitidos para epistaxe foram associados com custos significativamente maiores e maior tempo de permanência.[27]

MEDSCAPE

#O que é a esquizofrenia?

Postado em

Resultado de imagem para esquizofrenia

 

O que é a esquizofrenia?
A esquizofrenia designa-se como uma doença mental que se caracteriza pela presença de delírios, de alucinações, alterações do pensamento, assim como outras funções cognitivas, isolamento social e alterações psicomotoras. Estima-se que existam milhares de pessoas que padecem deste transtorno e não estão devidamente diagnosticadas.

Quais as causas da esquizofrenia?
A esquizofrenia é uma doença cerebral complexa que resulta da combinação de fatores genéticos e ambientais. A prevalência de esquizofrenia na população geral é de cerca de 1%. Entre os parentes de primeiro grau de um portador de esquizofrenia, este número sobe para 10%. Gêmeos idênticos têm pouco mais de 50% de concordância para o diagnóstico. Estes números são uma evidência clara da influência de fatores genéticos na esquizofrenia.

No entanto, não se sabe ainda quais os genes responsáveis. Quanto aos fatores ambientais, eles incluem a exposição a infecções virais durante a gestação, problemas durante o parto e a exposição a determinados tipos de stress ambiental. O cérebro de pessoas com esquizofrenia apresenta anormalidades tanto macro quanto microscópicas. Os neurotransmissores mais claramente relacionados à doença são a dopamina e o glutamato.
Foram identificadas diferenças na estrutura cerebral de doentes que padecem de esquizofrenia ocorreram durante o desenvolvimento do cérebro mas que apenas se manifestam na puberdade.

Fatores de risco de esquizofrenia:

Estudos apontam que existem alguns fatores importantes para o início das alterações neuroquímicas cerebrais e para o posterior aparecimento dos sintomas da doença no comportamento do indivíduo:

História familiar de esquizofrenia: as chances são de 10% se tiver um irmão com esquizofrenia, 18% se tiver um irmão gêmeo não idêntico com esquizofrenia, 50% se tiver um irmão gêmeo idêntico com esquizofrenia e 80% se os dois pais forem afetados por esquizofrenia
Ser exposto a toxinas, vírus e à má nutrição dentro do útero da mãe, especialmente nos dois primeiros trimestres da gestação
Problemas no parto como falta de oxigênio (hipóxia neonatal)
Ter um pai com idade mais avançada
Uso de drogas, mesmo que sejam ligeiras
Tabagismo.
Quais os sintomas da esquizofrenia?
Um surto de esquizofrenia pode começar abrupta ou insidiosamente. Freqüentemente, há um período prodrômico em que o paciente apresenta uma sensação, um tanto vaga, de que algo estranho está acontecendo ou por acontecer. Pode haver, já nesta etapa, retraimento social ou queda do rendimento na escola ou no trabalho. Quando a doença irrompe por completo há sintomas como:

– delírios: idéias que não correspondem à realidade, mas que, geralmente, são mantidas com forte convicção. Exemplos comuns são os delírios de perseguição. Os delírios podem incluir idéias bastante bizarras, como a de ser comandado por seres de outro planeta ou pelas ondas da televisão;
alucinações: geralmente auditivas ou visuais;
– alterações do pensamento, que pode se tornar pobre, desorganizado, não lógico; o discurso pode apresentar neologismos;
– movimentos anormais, muitas vezes sem sentido aparente;
– dificuldade de expressar sentimentos;
– apatia, dificuldade de iniciar atividades ou de levá-las a cabo.
Por todos estes sintomas, o comportamento do portador de esquizofrenia pode ser um tanto peculiar. Na fase mais aguda, é muito difícil manter um desempenho normal. Conforme os sintomas mais agudos cedem, a apatia pode predominar.

Qual o tratamento da esquizofrenia? Tem cura?
O tratamento da esquizofrenia baseia-se em medicamentos chamados antipsicóticos ou neurolépticos. Estes medicamentos combatem os sintomas agudos da esquizofrenia, em especial os delírios e as alucinações. Uma vez que a fase aguda tenha sido controlada, procura-se incentivar as atividades psicossociais, tomando o cuidado para que estas não se tornem stressantes. Para tanto, pode se recorrer a terapia ocupacional para ajudar o paciente a recuperar a capacidade de cuidar de si mesmo, de realizar as atividades da vida diária, e de interagir com outras pessoas.

Normalmente, o paciente e sua família devem ser educados a respeito da doença e, em casos específicos, pode ser útil a psicoterapia. A esquizofrenia não tem cura, mas atualmente muitos pacientes conseguem retomar os estudos ou ao trabalho e levar vidas independentes.
O paciente não deve jamais parar ou reduzir a medicação sem acompanhamento médico.

A doença acomete que tipo de pessoas?
Ela geralmente incide na adolescência ou começo da idade adulta; tende a começar mais cedo entre homens e um pouco mais tarde entre as mulheres. Também existem formas mais precoces, que tendem a serem mais graves. A esquizofrenia afeta cerca de 1% dos adultos e atinge indistintamente indivíduos de todas as etnias.

Existe algum tipo de prevenção?
Não. Alguns pesquisadores têm tentado desenvolver técnicas que ajudem pessoas possivelmente mais susceptíveis a desenvolver a esquizofrenia (filhos de portadores de esquizofrenia ou portadores de transtorno esquizotípico, por exemplo) a resistir ao stress na esperança de que isto evite o desenvolvimento do transtorno. No entanto, a eficácia destes métodos não é significativa.

Existe um diagnóstico precoce?
O diagnóstico da esquizofrenia é clínico. Não é possível prever quem irá desenvolver a doença.

APQV

#Síndrome de down e puericultura: abordagem inicial ao recém nascido e sua família

Postado em Atualizado em

Síndrome de down e puericultura: abordagem inicial ao recém nascido e sua família
pai segurando a mão de bebe

síndrome de Down (SD) acomete aproximadamente 1:700 nascidos vivos, independente de etnia, gênero ou classe social, sendo a cromossomopatia mais comum em humanos. A idade materna é um conhecido fator de risco associado, embora 80% das crianças com SD sejam nascidas de mães com menos de 35 anos.

Geneticamente, a partir do cariótipo, pode ser classificada em:

1) trissomia do cromossomo 21 (95% dos casos);
2) translocação (5% dos casos), pode estar associado a recorrência em gestações futuras e;
3) mosaicismo (1% dos casos).

Porém, deve-se lembrar que não são atribuídos graus de acometimento clínico. Pela presença de material genético excedente, está associada à conhecidas complicações, como as cardiopatias congênitas, hipotonia, deficiência intelectual, maior frequência de infecções, disfunções de tireoide, malformações gastrintestinais, alterações hematológicas, visuais e auditivas, dentre outras. O manejo clínico, o ambiente doméstico, educação inclusiva e intervenção precoce podem mudar drasticamente a perspectiva física e de neurodesenvolvimento, resultando em melhor qualidade de vida e autonomia.

Idealmente, duas abordagens diferenciadas devem ser incluídas na mesma consulta: a abordagem relativa às condutas iniciais com o recém-nascido; e a abordagem da família com as suas ansiedades e questões ainda em fase de elaboração.

=> O RECÉM-NASCIDO (RN) COM SÍNDROME DE DOWN: normalmente, os bebês chegam ao consultório/ambulatório com diagnóstico pré-natal ou suspeita clínica baseada em seu fenótipo, pois na maioria dos casos, o diagnóstico ainda é pós-natal. Assim, o primeiro passo da consulta pediátrica é averiguar se na maternidade foi colhido o cariótipo e realizado ecocardiograma, visto à frequência das cardiopatias congênitas (50% dos casos) e aumento da gravidade clínica quando há repercussão hemodinâmica neonatal. O cariótipo não é obrigatório para o diagnóstico da SD, mas é fundamental para orientar o aconselhamento genético da família. Na sequência, a abordagem desse RN deve contemplar:

  • Revisão cuidadosa da história familiar, buscando informações de abortos, natimortos ou neomortos;
  • Revisão de informações de pré-natal, incluindo exames de sorologias maternas, ultrassonografias e ecocardiograma fetal;
  • Realização de exame físico minucioso, revendo as características fenotípicas que levaram a suspeita/diagnósticos clínicos, confirmando-as ou não;
  • Avaliação de dificuldades de sucção/deglutição e sua incoordenação com a respiração, lembrando que se trata de um recém-nascido hipotônico e de baixo peso – bebês com SD geralmente nascem com peso abaixo da média para a idade gestacional (IG). Examinar as mamas maternas pois, a presença de alterações em formato de mamilo constitui obstáculo a mais nesse processo; além das condições psíquicas da mãe, que geralmente está insegura, deprimida e assustada nesse início. Logo, a assistência fonoaudiológica torna-se primordial para estabelecimento e manutenção do aleitamento materno.
  • Solicitação de exames de triagem neonatal universal, acrescidos de outros exames que complementam a avaliação inicial em busca de malformações comumente associadas: teste do pezinho ampliado, com pesquisa de imunodeficiências; emissões oto-acústicas (teste da orelhinha) e potencial evocado auditivo de tronco encefálico (BERA/PEATE); avaliação oftalmológica com fundoscopia; ultrassonografia transfontanelar; ultrassonografia abdominal total; coleta de hemograma completo (reações leucemoides ou distúrbios mieloproliferativos transitórios são frequentes no RN, assim como policitemia- 10% dos casos);
  • Orientações à família quanto à maior incidência de infecções respiratórias, refluxo gastro-esofágico, e importância de um posicionamento cervical adequado, para prevenir extensão ou flexão excessivas, protegendo assim a medula cervical (14% dos indivíduos tem instabilidade atlanto-axial);
  • Orientações sobre a estimulação precoce e seus benefícios.

Em 2012, o ministério da saúde publicou as “Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down”, cuja proposta é oferecer orientações às equipes multiprofissionais para o cuidado à saúde da pessoa com SD ao longo de seu ciclo vital. Nessa publicação encontramos as orientações direcionadas para cada fase da vida, constituindo ferramenta de leitura indispensável ao profissional que dá suporte a criança ou adulto com SD. A caderneta de saúde da criança, que é entregue à saída da maternidade também possui informações que são úteis à família para uma orientação inicial.

=> A FAMÍLIA DO RN COM SÍNDROME DE DOWN: o acolhimento dessa família é fundamental para gerar o suporte emocional, possibilitando a reconstrução da imagem do bebê idealizado. Nesse contexto, a postura ética e profissional do médico torna-se o pilar dessa abordagem, só assim é possível validar a relação pediatra-família.

Embora a condição genética da SD seja a mesma desde sua primeira descrição, as possibilidades mudaram muito no decorrer dos últimos 30 anos. As crianças com SD estão sendo alfabetizadas, inseridas no mercado de trabalho e por vezes alcançam a universidade. E é isso que os pais querem e precisam saber, sobre as potencialidades e como podem explorá-las. Como disse Dra. Marylin J. Bull do comitê de genética da Academia Americana de Pediatria, quanto à abordagem familiar, “o objetivo é ser positivo, mas realista”. É importante que os pais recebam suporte de pediatra experiente e que lhes forneça orientações antecipatórias baseadas em evidências e os assista quanto ao entendimento acerca do desenvolvimento das habilidades da criança, enquanto estabelece expectativas com realidade.

Em 2009, Skotko e colaboradores realizaram pesquisa sobre a percepção dos pais ao receber a notícia sobre a síndrome de Down em seu recém-nascido. A maioria expressou descontentamento na forma em que foi abordada pelos profissionais. Suas principais reivindicações consistiram na forma e na qualidade da informação oferecida. A informação passada à família não deve ser vaga ou inconsistente, mas também não pode ser excessiva. Inicialmente o profissional deve se concentrar nos acometimentos com impacto no primeiro ano de vida, ou seja, naquilo que eles devem focar naquele momento. Também deve ser oferecido o contato de associações de pais e familiares de pessoas com SD, pois esses grupos podem dar informações práticas sobre o convívio e situações diárias que envolvem a SD.

Por fim, a abordagem deve ser humanizada e centrada no indivíduo, e não em sua condição genética. Esse recém-nascido vai crescer, se desenvolver, terá sonhos e protagonizará sua história. O papel do profissional será auxiliar na exploração do potencial máximo dessa pessoa, não impondo limitações, mas abrindo horizontes para um viver pleno e saudável.

Autora:

Referências:

  • Bull, M.J., and the committee on genetics. Health supervision for children with Down Syndrome. Pediatrics, July, the 25th, 2011: 393-406.
  • Hobson-Rohrer, W.L.; Samson-Fang, L. Down Syndrome. Pediatrics in review, December 2013, volume 34/ issue 12.
  • Minetto, M.F.J.; Bermudez, B.E.B.V. Bioecologia do desenvolvimento na Síndrome de Down. Práticas de saúde baseadas em evidências. Acompanhamento interdisciplinar. 2017, Editora Íthala.
  • Mustacchi, Z. Guia do bebê com síndrome de Down. São Paulo: Companhia editora nacional.
  • Saul, R.A.; Meredith, S.H. Beyond the Genetic Diagnosis: Providing Parents What They Want to Know. Pediatrics in review, July 2016.
  • Skotko,B.G.; Capone, G.T.; Kishnani, P.S. Postnatal diagnosis of Down Syndrome: synthesis of the evidence on how best to deliver the news. Pediatrics 2009; 124; e 751. DOI: 10.1542/peds.
  • Skotko, B.G.; Levine, S.P.; Goldstein, R. Having a son or daughter with Down syndrome: perspectives from mothers and fathers. Am J. Med. Genet A, 155a(10), 2335-2347. DOI: 10.1002/amjg.a.34293.
  • Smith, P.J.; Goldson, E. Focus on subspecialties: support groups lead effort to educate parents about down Syndrome. AAP News, December, the 21th, 2015.
  • Wyckoff, A.S. AAP updates guidance on caring for children with Down Syndrome. AAP News, July, the 25th, 2011.
  • Wyckoff, A.S. Checklist helps parents, physicians track services needed by children with Down syndrome. AAP News, December, the 30th, 2013.

#Propuesta para introducir #departamentos de impresión 3D en los hospitales para producir #tejidos, #órganos y #prótesis

Postado em

 

El Grupo Parlamentario Popular ha presentado una Proposición no de Ley en el Congreso de los Diputados para introducir departamentos de impresión 3D en los hospitales españoles para producir tejidos, órganos y prótesis.

El impulsor de esta iniciativa como portavoz adjunto del Grupo Parlamentario Popular, Teodoro García, ha señalado que, con esta tecnología, se podría ahorrar hasta dos horas en una operación de pelvis si el médico tuviera previamente una réplica del hueso del paciente en 3D.

En concreto, la Proposición pretende impulsar la fabricación aditiva e impresión 3D en los hospitales y el sector sanitario en España, lo que permitiría crear todo tipo de modelos anatómicos y reproducciones del cuerpo humano en tamaño real, así como producir implantes adaptados a cada paciente, placas para el tratamiento de fracturas, guías quirúrgicas e instrumental personalizado, entre otras cosas.

García ha destacado que la fabricación aditiva aplicada a la medicina es un nuevo concepto de producción que consiste en convertir un archivo 3D en un objeto físico como, por ejemplo, una réplica de una pelvis, mediante la adición capa por capa de material plástico, metal o papel, entre otros, lo que está ayudando a tratar enfermedades y diagnósticos graves.

Esta tecnología “reduce los procesos intermedios de fabricación y lo hace hasta un 90% más rápido”, según García, que ha remarcado que, en la actualidad, las tecnologías emergentes “crecen de manera exponencial y ofrecen notables ventajas, no sólo en el sector industrial sino también en el sanitario”.

Entre otras ventajas de la fabricación aditiva en el campo sanitario, García remarca que la complejidad geométrica no encarece el proceso. Y es que la reproducción real de una pieza “no supone una gran dificultad en comparación con los métodos convencionales, que deben superar ciertos retos de fabricación como la esbeltez, el vaciado interior o las formas irregulares a través de procesos de alto coste”.

En segundo lugar, García subraya que la personalización tampoco grava el proceso, ya que este sistema permite fabricar productos sin costes añadidos, con independencia de que se tenga que fabricar un número concreto de piezas iguales o distintas.

Asimismo, remarca que la fabricación aditiva aplicada al campo sanitario posibilita la fabricación competitiva de series cortas de productos sin que aumente su coste. Además, es posible modificar las piezas con facilidad a lo largo de la vida del paciente para adaptarlas a sus circunstancias personales.

“Estas características suponen una verdadera revolución en el ámbito del diseño de los productos sanitarios y una amplia libertad creativa para fabricar cualquier objeto creado por la imaginación humana”, tal y como refleja el PP en su Proposición no de Ley.

La fabricación aditiva “abre un mundo infinito de oportunidades de nuevos modelos de negocio en un futuro inmediato”, según García, que señala que la medicina, junto al sector de la automoción y el de la aeronáutica, es uno de los campos en los que más se utiliza esta tecnología, que avanza día a día de forma “espectacular”.

En el entorno europeo, el PP recuerda que el centro de tecnologías sueco GE Healthcare ha abierto un laboratorio, llamado Innovative Design and Advanced Manufacturing Technology Center for Europe (Centro de diseño innovador y de tecnología avanzada de fabricación para Europa), para acelerar la fabricación de productos innovadores en el sector sanitario a través de la tecnología de impresión 3D y la robótica.

En España, el PP recuerda que la empresa fabricante de impresoras 3D, Abax Innovation Technologies, firmó un acuerdo con la Fundación para la Investigación Biomédica del Hospital Universitario de la Paz y con el Servicio de Radiofísica y Radioprotección para aplicar la impresión 3D en el sector de la medicina.

Asimismo, el Grupo Parlamentario Popular pone de manifiesto que expertos e ingenieros en tecnologías IoT e Industria 4.0., como Javier Sirvent de la empresa Fom AT, ya están trabajando con productos de digitalización en la industria relacionados con fabricación aditiva, robótica colaborativa, realidad aumentada y muchos más.

“Podemos afirmar que las aplicaciones de la fabricación aditiva suponen un gran avance en la salud de las personas y en el conocimiento del cuerpo humano”, según García, que reconoce que esta tecnología “necesita un mayor impulso para superar todos los obstáculos que permitan avanzar en su completa aplicación en el sector sanitario”.

Por todo ello, la Proposición no de Ley del Grupo Parlamentario Popular insta al Gobierno a promover las medidas que sean necesarias para impulsar la fabricación aditiva en el sector sanitario y fomentar la innovación y el conocimiento en este ámbito.

De la misma forma, insta al Ejecutivo a impulsar y apoyar al ecosistema de pymes que promuevan la fabricación aditiva y la impresión 3D en España; así como a facilitar el establecimiento de servicios internos de impresión 3D en los hospitales que sirvan como apoyo a los profesionales sanitarios en el desarrollo de intervenciones quirúrgicas.

Finalmente, pide al Gobierno central que favorezca la formación de ingenieros expertos en fabricación aditiva e impresión 3D con el objetivo de incorporarles a este nuevo servicio de apoyo al sector sanitario en los hospitales.

#Worrying increase in #Salmonella cases – ECD/EFSA report

Postado em

Cases of Salmonella Enteritidis acquired in the EU have increased by 3 per cent since 2014, according to a new report from the European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) and the European Food Safety Authority (EFSA).

The European Union summary report on trends and sources of zoonoses, zoonotic agents and food-borne outbreaks in 2016, reports that there were 94,530 human cases of salmonellosis reported in the EU in 2016. S. enteritidis was the most widespread type of Salmonella reported, accounting for 59 per cent of all salmonellosis cases originating in the EU. Salmonella bacteria were the most common cause of food-borne outbreaks (22.3%), an increase of 11.5% compared to 2015. Of all food-borne cases, Salmonella was responsible for the highest burden in terms of numbers of hospitalisations (45.6%) and deaths (50%). Salmonella in eggs caused the highest number of outbreak cases (1,882).

“The increase shown by our surveillance data is worrying and a reminder that we have to stay vigilant,” said Mike Catchpole, ECDC’s Chief Scientist. “Even in a state of high awareness and with national control programmes for S. enteritidis in place, there is a need for continuing risk management actions at the Member State and EU level.”

Press release: Salmonella cases no longer falling in the EU. European Centre for Disease Prevention and Control. 12 December 2017. https://ecdc.europa.eu/en/news-events/salmonella-cases-no-longer-falling-eu

#Ejemplos de #innovación digital en el #NHS.

Postado em

Winston Churchill definió en su día al National Health Service, NHS, como la joya de la Corona del Estado del Bienestar británico. El NHS es el ejemplo de un modelo de  sistema nacional de salud, de base solidaria, que garantiza la universalidad de los servicios sanitarios públicos (es decir, a todos los ciudadanos y residentes del Reino Unido), sin pago en el momento de ser utilizado, y financiado por impuestos. Se trata de un sistema que tiene grandes analogías con el Sistema Nacional de Salud de España. Pero precisamente por su carácter esencialmente público, ha estado sujeto a limitaciones presupuestarias correlacionadas con los ciclos económicos, que han condicionado muchas de las líneas de reforma que ha experimentado. Fue a finales de los 90 cuando se inició una línea de trabajo, continuada por gobiernos de diverso signo, que pretendía introducir un modelo de autonomía de los centros (los NHS trusts, de base geográfica) para que estos se responsabilizaran de los resultados y los recursos asignados. Controversias aparte, ha sido un modelo ampliamente estudiado y en parte imitado en otras latitudes. Hoy, desde el NHS se presume -y con razón- de disponer de uno de los organismos más reputados en el campo de la evaluación de tecnologías sanitarias, como es el NICE, del que muchos otros países quieren obtener inspiración.

Pero todavía más recientemente, el NHS se ha mostrado especialmente ávido a la hora de captar oportunidades de mejora provenientes de nuevos servicios modelos asistenciales prestados con la base de las tecnologías digitales. Algunos abordajes que, en otros países, sólo están al alcance de quienes decidan pagarlos. Muchos de ellos se orientan a mejorar los niveles de accesibilidad a sus servicios y prestar recursos de apoyo a los pacientes. Veamos unos ejemplos significativos.

Videoconsulta que se anuncia en el Metro.

Se acaba de presentar una una experiencia pionera integrada en el conjunto de servicios del NHS y denominada “GP at Hand” (el médico en tu mano), que proporciona videoconsulta con un médico. Así se crea un nuevo espacio asistencial, utilizable en todo momento y desde cualquier lugar.

El sistema se basa en una app para móvil que conecta con un centro de primaria y facilita la solicitud de consulta presencial, pero también sirve para realizar una teleconsulta mediante videoconferencia. Este sistema no es totalmente inmediato, sino que ofrece la posibilidad de establecer una comunicación en el plazo máximo de dos horas. Como ventaja añadida, el sistema está integrado con un módulo de receta electrónica, de manera que si se produce una prescripción, ésta se envía de forma telemática al sistema de farmacias. Según afirman desde el mismo NHS, “la mayoría de los problemas médicos se pueden tratar de manera efectiva a través de una consulta por video en su teléfono. Algunas cosas necesitarán una cita cara a cara; para éstas podrá elegir el centro de primaria de su conveniencia”.

La experiencia es todavía limitada y en fase de prueba, a cargo de un número concreto de centros en el área metropolitana de Londres. Las videoconsultas funcionan a través de esa app como muchas otras de las que se nutren plataformas comerciales de este tipo, permitiendo un contacto visual entre el médico y el paciente que da soporte a su diálogo y comunicación interpersonal. La particularidad más relevante es que ha sido adoptada como tecnología referencial por el NHS. Tanto, que incluso se anunciaba en carteles publicitarios en el Metro.

Un robot sanitario en tu móvil.

Como ya comentamos en esta sección hace unos meses, el NHS dispone de una aplicación llamada Your.MD -integrante de su plan de recursos digitales para los pacientes- que permite chatear con un sistema experto en temas de salud, consultar síntomas y acceder a recursos sanitarios. Para su desarrollo se ha contado con el tratamiento previo de numerosa información clínica y de protocolos diagnósticos comúnmente aceptados. Cuando se instala la app, y tras el registro correspondiente, se presenta una pantalla que funciona como interfaz de mensajería -similar al popular Whatsapp- en donde se nos pregunta si queremos hacer una consulta sobre cualquier síntoma, realizar una búsqueda o formular alguna pregunta de manera abierta. Podemos, por ejemplo, poner la palabra “back pain” o utilizar uno de los botones dinámicos que aparecen en la parte inferior del chat para iniciar un diálogo, que no es con un humano sino con un sistema robotizado experto. El sistema nos hará sucesivas preguntas sobre otros síntomas, y de manera progresiva, en un número limitado de pasos, acabará sugiriendo un diagnóstico clínico. Cuando éste se ofrezca, se añadirá un lote de información adicional para que el usuario pueda disponer de ella y utilizarla para conocer mejor lo que le pasa o disponer de un recurso adicional. Por ejemplo, una guía de cuidados básicos o un directorio de centros sanitarios asignados. Otras posibilidades que presenta este sistema de mensajería son las de solicitar información, consultar novedades, conocer los servicios sanitarios disponibles, o incluso jugar a preguntas y respuestas sobre temas de salud. El sistema de mensajería de Your.MD puede funcionar también de manera autónoma, incluso sin la app, tomando como base otras plataformas comunes como Facebook Messenger, Slack o Telegram.

El acelerador de la innovación.

El NHS cuenta con su propio acelerador de iniciativas en el campo de la salud digital. Lanzado por primera vez en enero de 2015, el NHS Innovation Accelerator (NIA) es una iniciativa desarrollada en conjunto con más de 15 redes académicas de ciencias de la salud que existen en Inglaterra, y su objetivo es crear las condiciones y el cambio cultural necesarios para que las innovaciones se validen y se adopten más rápidamente y de manera más sistemática. También se pretende aterrizar la innovación en condiciones de uso real, y conseguir ejemplos prácticos de uso para pacientes. Entre otras actividades, ofrece para quienes quieran desarrollar sus proyectos a través de esta plataforma acceso a la tutoría con una variedad de expertos y mentores de alto perfil, contactos con otras iniciativas dentro del sector de la salud, asesoría y programas de formación, eventos expositivos, reuniones con especialistas clínicos e incluso acceso a financiación.

Hoy, el NHS es de nuevo una referencia internacional por cómo está entendiendo y adoptando tecnologías digitales de nueva generación, y aplicando modelos de innovación basados en formas diferentes de ofrecer recursos y servicios sanitarios.

GP at hands.

https://www.gpathand.nhs.uk/

 

Your.MD

https://www.your.md/

 

The NHS Innovation Accelerator (NIA).

https://nhsaccelerator.com/

 

NHS Digital – our role in the health and care system

https://digital.nhs.uk/transforming-health-and-care-through-technology/fit-for-2020-report/our-role-in-the-health-and-care-system

 

Can innovation help us deliver an NHS for the 21st century?

http://bjgp.org/content/67/657/152.short