Pneumologia

#La #vitamina D protege frente a ataques de #asma severos

Postado em

 

Un estudio británico concluye que tomar suplementos orales podría reducir a la mitad el riesgo de exacerbaciones que requieren asistencia hospitalaria.
Tomar suplementos orales de vitamina D, además de la medicación habitual para el asma, podría reducir a la mitad el riesgo de ataques de asma que requieren asistencia hospitalaria, según una investigación de la Universidad Queen Mary de Londres , Reino Unido.
El asma afecta a más de 300 millones de personas en todo el mundo y se estima que causa casi 400.000 muertes al año. Las muertes por asma surgen principalmente durante las exacerbaciones, que son comúnmente desencadenadas por infecciones respiratorias superiores.
Se piensa que la vitamina D protege contra estos ataques aumentando respuestas inmunitarias a los virus respiratorios y amortiguando la inflamación de las vías aéreas. El nuevo estudio, financiado por el Instituto Nacional de Investigación en Salud y publicado en The Lancet Respiratory Medicine , recogió y analizó los datos individuales de 955 participantes en siete ensayos controlados aleatorios, que probaron el uso de suplementos de vitamina D.
En general, los investigadores encontraron que la suplementación de vitamina D dio lugar a una reducción del 30% en la tasa de ataques de asma que requieren tratamiento con tabletas o inyecciones de esteroides, de 0,43 eventos por persona al año a 0,30, y una reducción del 50% en el riesgo de sufrir por lo menos un ataque de asma que requiriera asistencia y/u hospitalización en los servicios de urgencias, del 6% de las personas que sufren un evento de este tipo al 3%.
La suplementación con vitamina D resultó ser segura a las dosis administradas. No se observaron casos de niveles excesivamente altos de calcio ni cálculos renales y los eventos adversos graves se distribuyeron uniformemente entre los participantes que tomaron vitamina D y los que recibieron placebo.
El investigador principal, Adrian Martineau, apunta que “estos resultados se suman a la creciente evidencia de que la vitamina D puede respaldar la función inmune, así como la salud ósea. En promedio, tres personas en Reino Unido mueren de ataques de asma todos los días. Tomar vitamina D es seguro y relativamente barato, por lo que la suplementación representa una estrategia potencialmente costo-efectiva para reducir este problema”.
El uso de datos individuales de los participantes del equipo también les permitió preguntarse hasta qué punto diferentes grupos responden a la suplementación con vitamina D, con más detalle que los estudios anteriores. En particular, detectaron que la suplementación con vitamina D tenía un efecto protector fuerte y estadísticamente significativo en los participantes que presentaban bajos niveles de vitamina D al inicio. Estos participantes vieron una reducción del 55% en la tasa de exacerbaciones de asma que requieren tratamiento con tabletas o inyecciones de esteroides, de 0,42 eventos por persona por año a 0,19.
Sin embargo, debido a un número relativamente pequeño de pacientes dentro de los subgrupos, los investigadores advierten que no encontraron evidencia definitiva para demostrar que los efectos de la suplementación con vitamina D difieren según el estado basal de la vitamina D.
Anúncios

#Ceftazidima + avibactam pode ser nova opção para tratamento da tuberculose

Postado em

medicamentos brancos sob luz azul

Ceftazidima + avibactam pode ser nova opção para tratamento da tuberculose

Existem atualmente muitos pacientes com tuberculose resistente a medicamentos, e o desenvolvimento de uma nova droga pode levar anos. Pensando nisso, pesquisadores dos EUA e África do Sul testaram todos os antibióticos em uso atual e os examinaram para uso na doença. Os resultados foram publicados essa semana no Science Advances.

Nem a ceftazidima, nem o avibactam sozinhos demonstraram atividade bactericida, mas uma combinação dos dois foi altamente bactericida in vitro contra cepas de Mycobacterium tuberculosis(MTB), tanto em fase log de crescimento em caldo, quanto intracelularmente em monócitos derivados de humanos.

A atividade bactericida da combinação ceftazidima + avibactam foi maior do que a pirazinamida e a isoniazida.

Os efeitos bactericidas foram reproduzidos usando um modelo de sistema de fibra oca que replicou a farmacocinética do pulmão humano da ceftazidima + avibactam. Os isolados de MTB resistentes a essa combinação foram capazes de ser induzidos, e a sequenciação genômica relevou que as mutações de resistência envolvem principalmente os genes que codificam a proteína de ligação à penicilina PonA1, sugerindo que as drogas matam as cepas de MTB por interferência na remodelação da parede celular.

Outros estudos semelhantes mostraram que as concentrações intracelulares de ceftazidima e avibactam foram maiores do que as concentrações extracelulares.

Os pesquisadores conseguiram também identificar doses para uso clínico imediato como terapia para adultos e crianças pequenas.

 

 

Referências:

Early exposure to pet and #pest allergens may prevent #asthma in children

Postado em

The new findings suggest exposure to certain allergens early in life may prevent asthma from developing.
Children exposed to high indoor levels of pet or pest allergens during infancy have a lower risk of developing asthma by seven years of age, new research reveals. The findings, published in the Journal of Allergy and Clinical Immunology , may help to inform strategies to prevent asthma from developing.
While previous studies have established that reducing allergen exposure in the home helps control established asthma, the new findings suggest that exposure to certain allergens early in life, before asthma develops, may have a preventive effect.
The observations come from the large US Urban Environment and Childhood Asthma (URECA) study, which is investigating risk factors for asthma among children living in urban areas, where the disease is more prevalent and severe.
Among 442 seven-year-old children, 130 children (29%) had asthma. Higher concentrations of cockroach, mouse and cat allergens present in dust samples collected from the children’s homes during the first three years of life were linked to a lower risk of asthma by age seven years. There was a similar association for dog allergen, although it was not statistically significant. Additional analysis indicated that exposure to higher levels of these four allergens at age three months was associated with a lower risk of developing asthma.

#Asthma symptoms can be improved by #diet and #exercise in #non-obese patients

Postado em

 

High intensity exercise was found to be safe and beneficial in non-obese patients with asthma.
Non-obese people with asthma could reduce their symptoms and improve their quality of life through diet and exercise, according to research presented at the European Respiratory Society International Congress 2017.
The study randomly assigned 149 patients with asthma to one of four groups. One group was asked to follow a high-protein, low glycaemic index (GI) and have at least six portions of fruit and vegetables per day. Another group took part in exercise classes three times a week. The third group took part in the exercise classes and followed the diet, while the remaining control group did neither.
At the end of the study, the researchers found that not only was high intensity training safe, but the combination of diet and exercise also improved symptom control and quality of life, as well as improving fitness. On average, those who took part in the exercise and followed the diet rated their asthma symptom score 50 per cent better compared to the control group. Those patients who only followed either the exercise programme or the diet programme on average rated their asthma symptom score 30 per cent better compared to the control group, but this result did not reach statistical significance.

#HRT slows #lung function decline in #middle-aged women

Postado em

 

Data presented at the European Respiratory Society congress suggests hormone replacement therapy may preserve lung function during reproductive aging.
Hormone replacement therapy (HRT) can slow lung function decline in middle-aged women, according to new research presented at the European Respiratory Society International Congress today (Tuesday, 12 September 2017).
Evidence from a study that followed 3,713 women for approximately 20 years from the early 1990s to 2010, showed that those who took HRT for two years or more performed better in lung function tests than women who never took HRT.
Dr Kai Triebner, co-author of the study emphasised that the results should not be considered as advocating for or against the use of HRT, nor for thinking that using HRT might compensate for a smoking habit.
“Women, as well as physicians, need to be better informed about health changes during the post-menopausal period. This study provides more information, which represents another building block and, together with other existing studies, it can pave the way to the right decision for each individual woman. Women with existing health problems, for instance, asthma need to be followed more thoroughly through the menopausal transition and be provided with advice on medications that take the changing hormone levels better into account, ideally with a personalised approach,” he said.

#Menos #sono REM pode aumentar significativamente #risco de #demência

Postado em

Pauline Anderson

Menos tempo no estágio de sono REM (do inglês rapid eye movement,ou “movimento rápido dos olhos”) parece aumentar o risco de demência, de acordo com uma nova pesquisa.

A associação entre o sono REM e a demência pode ser parcialmente explicada pelo distúrbio respiratório durante o sono, sugere o estudo.

“Se você observar nosso artigo no contexto de outros artigos que estão sendo publicados, parece que há uma relação entre o distúrbio respiratório durante o sono e o possível aumento no risco de demência. Então é importante resguardar e gerenciar isto de forma apropriada”, disse ao Medscape Matthew P. Pase, PhD, pesquisador sênior, Swinburne University of Technology (Austrália) e investigador no Framingham Heart Study.

O estudo foi publicado on-line em 23 de agosto, na Neurology.

Framingham Heart Study

A análise incluiu 321 participantes na coorte de descendentes (offspring cohort) do Framingham Heart Study (FHS). O estudo atual incluiu participantes com 60 anos de idade ou mais (67 anos em média) para os quais os dados de demência incidente estavam disponíveis.

Em um ciclo de exames do estudo (de 1995 a 1998), a coorte completou uma polissonografia noturna. Os pesquisadores investigaram o percentual de tempo no estágio 1, no estágio 2, no sono profundo (do inglês, slow-wave sleep ou SWS: estágios 3 e 4 combinados) e no sono REM.

Durante o estágio de sono REM em que ocorrem os sonhos, os olhos se movem rapidamente e a atividade cerebral aumenta, acompanhada de um aumento na temperatura corporal, e uma pulsação e respiração mais rápidas.

Pessoas adormecidas geralmente passam pelos cinco estágios do sono em um padrão cíclico – do estágio 1 ao REM – e depois retornam ao estágio 1. Conforme a noite progride, o tempo no sono REM aumenta. Então os indivíduos geralmente permanecem cerca de 20% do tempo total de sono no estágio REM, afirma o Dr. Pase.

Pesquisadores também examinaram o tempo total de sono, a latência do início do sono, a eficiência da latência do sono REM, acordar após começar a pegar no sono, e o índice de apneia-hipopneia.

No FHS, a triagem cognitiva é realizada a cada ciclo de exame, usando o Miniexame do Estado Mental. Testes neuropsicológicos extensos são realizados em ciclos de exames selecionados.

Durante um acompanhamento médio de 12 anos, houve 32 casos de demência incidental, 24 dos quais foram causados por doença de Alzheimer (DA). Após o ajuste em relação à idade e ao sexo, um percentual menor de sono REM foi associado a um risco anual aumentado de demência (hazard ratio, HR, de 0,91; intervalo de confidência, IC, de 95%, 0,86 – 0,97; P = 0,004) e de Alzheimer (HR de 0,92; IC de 95%, 0,86 – 0,99; P = 0,02).

Os resultados permaneceram significativos após o ajuste adicional em relação a fatores que poderiam afetar o risco de demência ou o sono, incluindo índice de massa corporal, educação, status APOE ε4, tabagismo, pressão arterial sistólica, diabetes, doença cardíaca, depressão, e uso de remédios para dormir, antidepressivos, ansiolíticos e anti-hipertensivos.

Os autores descobriram que cada percentual de redução do sono REM estava associado a 9%, em média, do aumento do risco de demência.

Distúrbio respiratório durante o sono

A exclusão de casos de comprometimento cognitivo leve, e de participantes que desenvolveram demência em três anos de acompanhamento, não mudou significativamente a associação. Ter um cronótipo antecipado ou tardio – um ritmo circadiano fora do normal – também falhou em explicar a associação entre o sono REM e a demência. No entanto, os autores não tiveram informações sobre o trabalho em turnos, o que poderia ter esclarecido melhor o efeito de ritmos circadianos variados.

A latência do sono REM também foi ligada à demência. Comparado com o maior tercil de latência do sono REM, o menor terço foi associado a um risco anual menor de demência depois de realizados os ajustes de idade e sexo (HR de 0,37; IC de 95%, 0,14 – 0,97) e após ajustes adicionais para fatores de risco vasculares, sintomas de depressão, e uso de medicação (HR de 0,26; IC de 95%, 0,08 – 0,85).

“Descobrimos que aqueles que demoraram mais para chegar ao sono REM tiveram maior risco de demência, o que complementa ou concorda com a nossa outra descoberta”, de uma ligação entre o percentual de sono REM e a demência, disse o Dr. Pase.

Uma maior incidência de despertar após o início do sono, que é uma medida de dificuldade em manter o sono, também foi associada com um aumento no risco de demência no modelo estatístico totalmente ajustado. Por outro lado, os estágios do sono REM não foram associados à demência.

“Esperávamos visualizar uma relação entre o tempo em sono profundo e o risco de demência, mas não foi o que descobrimos. Os resultados sugerem que talvez exista algo que não estamos entendendo muito bem sobre o sono REM e que é importante”, disse o Dr. Pase.

O sono REM pode ser interrompido por um distúrbio de sono não tratado. Os autores descobriram que a associação entre o sono REM e a demência foi parcialmente explicada por hipopneias. Após a exclusão de participantes com alto índice de despertar durante o sono REM devido à hipopneia, a associação entre a baixa quantidade de sono REM e a demência foi reduzida (HR de 0,94) mas não foi significativa (P = 0,17).

“Então pode haver algum papel na associação entre o distúrbio respiratório durante o sono, mas ele não parece explicar todo o quadro”, explicou o pesquisador

Ele ressaltou a dificuldade de examinar distúrbios do sono “detalhadamente” sem amostras de tamanhos muito grandes.

Ansiedade e estresse podem desempenhar papel

Apesar de mecanismos que ligam o sono REM com a demência não serem totalmente compreendidos, a perda de função colinérgica pode estar envolvida, afirmam os autores.

Os neurônios colinérgicos são determinadores importantes do sono REM, com uma atividade colinérgica baixa durante o sono profundo e alta durante o sono REM. Além disso, a DA está associada com a perda de função colinérgica.

O sono REM pode ajudar a manter as comunicações do cérebro que são interrompidas pela demência, disse o Dr. Pase. Os autores originalmente acreditavam que a baixa quantidade de sono REM poderia ser um indicador de alterações cerebrais que ocorrem nos estágios iniciais da demência, explicou ele.

“Mas descobrimos que a baixa quantidade de sono REM estava prevendo o risco de demência em longo prazo. Então não parece uma explicação para nossas descobertas.”

O fato de que a associação entre a baixa quantidade de sono REM e a demência não foram impulsionados naqueles indivíduos com comprometimento cognitivo leve não confirma a ideia de que falta de sono REM é um indicador de demência. A ansiedade e o estresse podem desempenhar um papel no aumento do risco de demência ou na restrição de sono REM. O Dr. Pase sugeriu uma possível relação cíclica.

“Você pode ter este efeito de, digamos, altos níveis de estresse interrompendo seu sono e contribuindo para a demência. Então o sono interrompido pode aumentar o risco de demência. Poderia existir uma relação cíclica entre o estresse e um sono ruim, e sono ruim e mais estresse, etc.”

Enquanto as descobertas são interessantes de um ponto de vista biológico, não há implicações clínicas imediatas, exceto pelo conselho óbvio de melhorar o sono REM de alguma forma, afirmou o Dr. Pase.

“Cabe aos pesquisadores entender por que observamos esta associação e aprofundar; isto então deveria levar a mais recomendações clínicas para os médicos.

Enquanto isso, porém, se o estresse ou o distúrbio respiratório estiverem desempenhando um papel durante o sono, “lidar com os distúrbios do sono e controlar a ansiedade poderá ajudar” a reduzir o risco de demência, explicou.

A equipe de pesquisa deseja combinar seu grupo de estudos com outras coortes semelhantes para assim criar uma amplitude maior de dados que permitiria uma análise mais detalhada, por exemplo, do envolvimento do distúrbio respiratório durante o sono.

Fator de risco modificador

Comentando as descobertas para o Medscape, Heather Snyder, PhD, diretora sênior de relações médicas e científicas da Alzheimer’s Association, afirmou que os autores do estudo tiveram sorte de aproveitar os dados do FHS.

“Um dos pontos fortes do estudo foi que os pesquisadores têm um grupo muito forte de indivíduos que foram observados por um longo período de tempo, e sobre os quais há muitas informações.”

O novo estudo “se soma a um conjunto de evidências que continuamos vendo aparecer no campo”, afirmou Heather.

A primeira evidência de uma ligação entre o sono e a demência tardia começou a aparecer, talvez há cinco ou seis anos, explicou ela.

“Ao longo dos anos observamos refinamentos destes estudos, e conseguimos adquirir informações mais detalhadas sobre qual a característica do sono” pode afetar na demência.

Heather mencionou uma pesquisa apresentada na Alzheimer’s Association International Conference deste ano que ligou o sono interrompido ao acúmulo de amiloide e tau, duas características da DA.

No entanto, ela ressaltou que a ligação ainda é uma associação, e que “não sabemos se há uma causa e um efeito”.

Ainda assim, o interesse atual em compreender o papel do sono na demência pode estar estimulado pelo fato de que os distúrbios no sono são tratáveis.

“Se você se refere ao distúrbio respiratório durante o sono, ou à apneia do sono obstrutiva, há tratamentos potenciais”, disse Heather.

“Se você realmente conseguir tratar o distúrbio do sono, pode conseguir prolongar sua vida em longo prazo, se existir essa relação de causalidade aqui.”

O estudo foi apoiado pelo National Heart, Lung, and Blood Institute , pelo National Institute on Aging , e pelo National Institute for Neurological Disorders and Stroke . O Dr. Pase e Heather não revelaram conflitos de interesses relevantes.

Neurology . Publicado on-line em 23 de agosto de 2017. Resumo

#Ceftazidime-avibactam effective against #highly drug-resistant TB

Postado em

 

The authors say the combination could be a safer option for pregnant women and HIV-infected patients.
Pairing the antibiotic ceftazidime with the enzyme inhibitor avibactam may be an effective treatment for drug-resistant tuberculosis (TB), a new study reports. The combination therapy, which is already in clinical use for gram-negative bacterial infections, could help stem the growing global drug-resistant TB crisis.
According to the World Health Organisation, 10.4 million people worldwide contracted TB and 1.8 million died from the disease in 2015. While newer antibiotics like bedaquiline and delamanid have improved patient outcomes, these therapies are still associated with a 24-month treatment failure rate of 38 per cent in those with extensively drug-resistant disease.
Searching for a path to immediately deploy new treatments, researchers examined the TB-fighting potential of currently marketed compounds. They studied commercially available ceftazidime-avibactam and compared its effectiveness to other first-line regimens using a hollow fibre system model, which allows for a quick examination of drug efficacy based on human lung pharmacokinetics.
They found that multidrug-resistant and extensively drug-resistant clinical isolates demonstrated good ceftazidime-avibactam susceptibility profiles and were inhibited by clinically achievable concentrations. Presenting their results in the journal, Science Advances , the authors say the combination could be a safer option for pregnant women and HIV-infected patients.