-

ginecologia / obstetricia

#La #microgravedad no afecta al #esperma humano congelado

Postado em

Un experimento preliminar avala la viabilidad de crear bancos de gametos en el espacio, dentro de un proyecto que investiga las posibilidades de reproducción de la especie humana fuera de nuestro planeta.

Laboratorio de Andrología.

Si en algún momento el ser humano coloniza el espacio, tendrá que plantearse cómo asegurar la procreación. Los estudios sobre la reproducción en la gravedad cero no abundan y se basan en datos obtenidos de animales. El efecto gravitacional altera diferentes sistemas del organismo, como el cardiovascular, músculo-esquelético, nervioso y endocrino, entre otros. En cuanto al sistema reproductor y en concreto las células germinales (espermatozoides y óvulos) hay menos información, aunque parece que la variación del eje gravitatorio puede dificultar que la fecundación se alcance de forma natural. De ahí que se empiece a estudiar la viabilidad extraterrestre de las técnicas de reproducción asistida.

Con ese objetivo, un grupo de investigadores de Dexeus Mujer de Barcelona, en colaboración con ingenieros de la Universidad Politécnica de Cataluña-BarcelonaTech, ha demostrado en un estudio piloto que las condiciones de ingravidez que se dan fuera de la Tierra no afectan al esperma humano congelado. La coordinadora de esta investigación y directora de los Laboratorios del Servicio de Medicina de la Reproducción de Dexeus Mujer, Montserrat Boada, apunta que “este trabajo es un granito de arena. De momento, los resultados abren una puerta a la posibilidad a transportar de forma segura esperma al espacio y crear bancos de semen fuera de nuestro planeta”.

La principal conclusión de este experimento, que se acaba de presentar en el 35º Congreso de la Sociedad Europea de Reproducción Humana y Embriología (Eshre), en Viena, es que la microgravedad no afecta a la viabilidad del esperma humano congelado, y que no muestran alteraciones significativas respecto al esperma congelado almacenado en condiciones de gravedad terrestre.

Para simular la microgravedad, los científicos recurrieron a los vuelos parabólicos en los que se generan condiciones similares a las que se dan en el espacio exterior. Así se analizaron diez muestras de semen de otros tantos voluntarios sanos. Cada una de ellas se dividió en dos fracciones; una para realizar el estudio en condiciones de microgravedad y otra se dejó en condiciones terrestres (sirvieron como controles). Todas se congelaron en nitrógeno líquido a -196º C y se almacenaron hasta el día del experimento.

La avioneta realizó 20 parábolas durante un período corto de tiempo (8 segundos en cada parábola) utilizando la técnica de la caída libre. “Esta maniobra produce unas condiciones de ingravidez totalmente equiparables a las que se dan en vuelos espaciales y que experimenta un astronauta en órbita”, explica el profesor Antoni Pérez-Poch, experto en microgravedad de la UPC, que ha participado en la investigación. “Técnicamente, nunca se llega a la gravedad cero debido a las vibraciones y a la fricción que ejerce la atmósfera; por este motivo se habla de condiciones de microgravedad o hipogravedad”.

Tras las maniobras, el esperma fue descongelado y analizado, y se compararon las fracciones de cada donante. “Realizamos un estudio muy exhaustivo, además de la movilidad, observamos la vitalidad, la concentración, la fragmentación del ADN espermático, y la apoptosis, entre otros elementos, de manera que comprobamos que en condiciones de microgravedad, no se aprecia ninguna alteración”, destaca Boada.

La investigadora añade que “la concordancia en la vitalidad y la fragmentación del ADN fue del 100%;, de un 90% en la movilidad y la concentración, de acuerdo con los estándares establecidos por la Organización Mundial de la Salud (OMS), y de  un 80% en la morfologíam y las pequeñas diferencias detectadas están probablemente más relacionadas con la heterogeneidad de las muestras de esperma que con la exposición a las condiciones de microgravedad”.

Adelantarse a la NASA

Este es el primer estudio preliminar sobre los efectos de la microgravedad en muestras de esperma humano congelado, recuerda la investigadora. La NASA comunicó a la prensa el pasado abril la puesta en marcha de un estudio en esta línea, denominado Micro-11, para investigar el efecto de la gravedad en la Estación Espacial Internacional, pero todavía no se han expuesto los resultados de esa investigación en ninguna reunión o revista científica.

“Nuestro trabajo es un paso más dentro de un proyecto más amplio, cuyo objetivo es estudiar más a fondo la viabilidad de los gametos humanos fuera de la Tierra. Esperamos continuar con una muestra más amplia y, por supuesto, analizar los efectos de la microgravedad en ovocitos y embriones, pero para ello tendremos que contar con el permiso de la Comisión Nacional de Reproducción Humana”, aclara Boada.

Uno de los escasos experimentos sobre reproducción mamífera en el espacio, encabezado por la científica de la NASA April Ronca, puso en órbita a roedores en plena gestación. De vuelta a la Tierra, los animales parieron camadas aparentemente sanas, aunque análisis posteriores desvelaron alteraciones en el vestíbulo auditivo, lo que se asocia al sistema de orientación y al equilibrio. Más reciente, otro trabajo llevado a cabo por investigadores de la Agencia Aeroespacial japonesa desveló la viabilidad de obtener embriones a partir de esperma congelado de ratón, que llevaba almacenado nueve meses en el espacio.

Piel con piel: Elevar la #cama materna 45° ayudaría a reducir el riesgo de #colapso neonatal súbito

Postado em

Los beneficios del contacto piel con piel en las dos primeras horas tras el nacimiento son innumerables. Sin embargo, no debe descuidarse la vigilancia del bebe y la madre, pues se han descrito casos de colapso neonatal durante estas horas. Para reducir su incidencia, un estudio en diez hospitales españoles recomienda inclinar la cama materna 45°.

La frecuencia de episodios de saturación de oxígeno inferior a 90%, en las dos primeras horas de vida del recién nacido, se reduce en un tercio en los niños cuyas madres están incorporadas a 45 grados sobre el plano horizontal de la cama en comparación con los niños cuyas madres están incorporadas a 15 grados. Esta es la conclusión de un estudio multicéntrico realizado en 10 hospitales españoles y coordinado por Carmen Pallás, jefa del Servicio de Neonatología del Hospital 12 de Octubre, de Madrid.

“Aumentar el ángulo de inclinación de la cama de la madre mientras realiza el contacto piel con piel con el recién nacido en las primeras dos horas de vida, podría favorecer la estabilidad hemodinámica y respiratoria del recién nacido contribuyendo así areducir la aparición los colapsos neonatales súbitos e inesperados durante este procedimiento”, ha asegurado Isabel Izquierdo, portavoz de muerte súbita del Comité de Promoción de la Salud de la Asociación Española de Pediatría (AEP).

El contacto ‘piel con piel’ debe supervisarse

“Al menos el 80% de los recién nacidos, por parto vaginal o cesárea sin anestesia general, son colocados en contacto piel con piel de forma inmediata o en los primeros 5 minutos tras el parto.  Los beneficios descritos de este primer contacto entre madre e hijo son innumerables, por lo que se debe estimular su práctica de manera segura y supervisada: favorece la adaptación a la vida extrauterina, disminuye el estrés, facilita la regulación térmica, la glucemia y la estabilidad cardiorrespiratoria, disminuye el tiempo de llanto, fomenta el establecimiento del vínculo, beneficia el agarre al pecho, disminuye la ansiedad materna y aumenta la frecuencia y la duración de la lactancia materna, entre otros”.

 

Sin embargo, la implantación del contacto piel con piel como práctica habitual en los paritorios y maternidades, ha puesto de manifiesto la aparición de episodios de colapso postnatal súbito e inesperado que, aunque continúan siendo un fenómeno muy poco frecuente, puede tener consecuencias graves. Los datos sobre la incidencia, tendencia, evolución y pronóstico son variables debido a la falta de consenso en su diagnóstico, considerándose actualmente una infraestimación de los casos.

“Las horas más críticas son especialmente las dos primeras horas de vida del bebé, aunque podríamos extender este tiempo hasta las 24 horas. De ahí la necesidad de protocolizar el contacto piel con piel”, ha añadido Izquierdo, que explica cómo debe realizarse esta beneficiosa práctica en los recién nacidos a término sanos: “En primer lugar es fundamental informar correctamente a los padres y contar con su consentimiento y colaboración”,  ha explicado Izquierdo.

Asimismo, el secado y estabilización del bebé se realizará sobre el vientre materno, se comprobará el llanto, la respiración, el tono el color del bebe, se realizará el test de Apgar al minuto y a los cinco minutos de vida, y se realizará el pinzamiento del cordón umbilical. “Es fundamental, llegado a este punto colocar a la madre y al recién nacido en una posición correcta que evite la obstrucción de las vías respiratorias del bebé”.

Posición de seguridad del recién nacido durante el contacto piel con piel

  • Cara del recién nacido visible, nariz y boca descubiertos.
  • Cabeza del recién nacido inclinada y girada hacia un lado
  • Cuello recto, no doblado
  • Hombros del recién nacido rectos contra la madre
  • El recién nacido se encuentra pecho con pecho con la madre
  • Se pueden sentir los movimientos torácicos y la respiración
  • Cubrir la espalda del recién nacido con una manta
  • La piel del recién nacido está sonrosada y caliente
  • Madre reclinada, No tumbada
  • Supervisión de ambos si se quedan dormidos en contacto piel con piel

Responsabilidad clínica y medicación

El 67º Congreso de la AEP celebrado en Burgos ha tratado, entre otros temas, de la responsabilidad clínica y social del pediatra de ofrecer una atención segura y de calidad desde el nacimiento del niño: “Atender a los más pequeños es una enorme responsabilidad, no solo clínicamente hablando, sino también socialmente. Estamos tratando a las futuras generaciones y del pediatra, como médico experto en su cuidado, depende que dicha atención se enmarque en unosparámetros excelentes de seguridad y calidad”, ha dicho Josefa Rivera, presidente del Comité Científico de la Asociación Española de Pediatría (AEP).

En la línea de fomentar una práctica clínica y asistencial segura y de calidad que redunde en la salud de los más pequeños, Enrique Villalobos, responsable de Seguridad del Paciente del Servicio de Pediatría del Hospital Niño Jesús(Madrid) y vicepresidente de la Sociedad Española de Pediatría Hospitalaria (SEPHO), ha abordado en el congreso de manera práctica la necesidad de protocolizar el manejo seguro de la medicación de alto riesgo.

Villalobos ha puesto de manifiesto la importancia de formar de manera continuada a los profesionales implicados en la prescripción y administración de fármacos en Pediatría. “Existen medicamentos que, a simple vista, podría parecer que su administración no ha de conllevar riesgo, sin embargo, conviene recordar que hablamos de fármacos pediátricos, cuya posología depende mucho de la talla y peso del paciente. Existen diversas herramientas que pueden ayudar al profesional a ofrecer una atención segura. En primer lugar, sería ideal que el profesional que prescribe el fármaco recibiera una respuesta sobre la pauta prescrita por parte de farmacia hospitalaria, enfermería pediátrica o incluso los padres en casos de pacientes crónicos, lo que conocemos como un ‘doble check’ que puede ser triple o cuádruple.Cuantos más filtros se pongan entre la prescripción y la administración, mejor”.

Según Villalobos, la prescripción en monodosis, perfectamente identificada y preparada por el servicio de farmacia hospitalaria, sería otra medida a tener en cuenta, aunque este procedimiento es igualmente valido para aquellos fármacos que no pueden darse en monodosis, puesto que al reducirse el número de personas que intervienen, se reduce también el riesgo de errores.

#Saiba como iniciar e quando parar a terapia hormonal no climatério

Postado em

terapia hormonal

Saiba como iniciar e quando parar a terapia hormonal no climatério

 

Fogachos e sudorese noturna estão presentes em cerca de 70% de mulheres de meia idade, podendo comprometer seriamente o sono, a produtividade e a qualidade de vida dessa população. Podem estar acompanhados também de alterações de humor e de sintomas genitourinários. Embora mudança de estilo de vida e opções não hormonais estejam disponíveis, a terapia hormonal (TH) pode trazer grande benefício a mulheres com sintomas vasomotores graves e/ou frequentes.

A decisão de iniciar ou não a TH deve levar em consideração os seguintes fatores: gravidade dos sintomas, certificar-se que não haja contraindicações à terapia (câncer de mama ou de endométrio, doença cardiovascular, doença hepática ativa ou sangramento vaginal de causa desconhecida) e idade da paciente.

Quando aplicar a terapia hormonal

A TH está recomendada para pacientes com idade menor que 60 anos e menopausa há menos de 10 anos, com baixo risco cardiovascular e para CA de mama. A TH pode ser considerada em mulheres com idade maior ou igual a 60 anos ou que tenham entrado na menopausa há mais de 10 anos ou que tenham risco moderado de doença cardiovascular e CA de mama. A TH deve ser evitada em mulheres com alto risco cardiovascular ou de CA de mama e em mulheres com risco moderado que tenham idade maior que 60 anos e início da menopausa há mais de 10 anos.

Os sintomas vasomotores são mais prevalentes na transição menopausal. Mulheres saudáveis nessa fase podem se beneficiar do uso de contraceptivos orais combinados que, além da reposição de estrogênio, reduzem o fluxo menstrual que frequentemente está aumentado e irregular. Em mulheres com fatores de risco para doença cardiovascular ou que sejam tabagistas, essa opção é contraindicada.

Segurança da terapia hormonal

A TH é considerada mais segura em relação à contracepção hormonal pois eleva o estrogênio (que está muito baixo após a menopausa) até níveis fisiológicos, enquanto na contracepção os níveis de estrogênio necessários para supressão da ovulação são supra-fisiológicos. Estudos observacionais não evidenciaram aumento do risco de tromboembolismo com uso de estrogênio transdérmico, mesmo em mulheres obesas ou com trombofilias.

Mulheres histerectomizadas devem receber terapia estrogênica isolada, enquanto mulheres que ainda têm útero devem fazer uso de estrogênio e progesterona a fim de evitar a hiperplasia endometrial. Existem muitas formulações e dosagens diferentes – deve ser utilizada a menor dose que seja eficaz para o alívio dos sintomas. O alívio máximo dos sintomas vasomotores em geral não ocorre antes de três meses de terapia hormonal. Dessa forma, a paciente deve ser orientada de que a resposta ao tratamento não é imediata.

O estrogênio é administrado de forma continua, preferencialmente por via transdérmica (gel ou adesivos contendo estradiol); o estrogênio via oral está associado a maior risco de tromboembolismo e doenças biliares. A progesterona pode ser utilizada por via oral de forma contínua ou cíclica. Ainda há a opção do uso de DIU de levonorgestrel em mulheres na transição menopausal.

Conclusão

Em mulheres não histerectomizadas utilizando TH com estrogênio e progesterona, a redução gradual da dose com o objetivo de suspender ao final de quatro ou cinco anos de uso é uma opção razoável, visto que o risco de câncer de mama aumenta discretamente após esse período. Em mulheres histerectomizadas, em terapia estrogênica isolada, o risco de CA de mama não aumentou após 7 anos de uso, o que torna aceitável o uso mais prolongado da TH nessas pacientes.

 

 

PebMed

Autor:

Referências:

  • Shifren JL, Crandall CJ, Manson JE. Menopausal Hormone Therapy. JAMA. Published online May 30, 2019. doi:10.1001/jama.2019.5346
  • Hoffman et al. Ginecologia de Williams. 2a edição. Porto Alegre: AMGH, 2014.

#Progesterona oral previne parto pré-termo?

Postado em Atualizado em

Progesterona oral

Progesterona oral previne parto pré-termo?

 

Foi publicado no jornal americano de Obstetrícia e Ginecologia em março de 2019 uma revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos randomizados sobre a progesterona oral em comparação com placebo ou outras intervenções para a prevenção do nascimento prematuro em gestações únicas com parto prematuro espontâneo anterior.

O desfecho primário foi parto prematuro com <37 semanas de gestação; os desfechos secundários incluíram taxa de nascimento pré-termo em <34 semanas de gestação, morbidade/morte neonatal e efeitos colaterais maternos.

Metodologia

Pesquisas foram realizadas no PubMed, Scopus, ClinicalTrials.gov, PROSPERO, EMBASE,e Cochrane Register com o uso de uma combinação de palavras relacionadas a “parto prematuro”, “progesterona”, “progestágenos” e”oral” desde o início de cada banco de dados até abril de 2018. Foram incluídos todos os estudos randomizados de gestações únicas, assintomáticas com parto prematuro espontâneo prévio que haviam sido randomizados para tratamento profilático com progesterona oral vs placebo, nenhum tratamento ou outra intervenção de parto prematuro. Os critérios de exclusão incluíram ensaios quase randomizados, ensaios que envolveram mulheres com parto prematuro / ruptura de membrana no momento da randomização ou gestações múltiplas.

Ação da progesterona oral

A estratégia de busca identificou 79 estudos distintos. Três ensaios sobre progesterona oral vs placebo (envolvendo 386 pacientes: 196 em progesterona oral e 190 em placebo) preencheram os critérios de inclusão; Não houve estudos sobre progesterona oral vs outra intervenção que preencheram os critérios de inclusão. A meta-análise demonstrou uma diminuição significativa do risco de parto prematuro com <37 semanas de gestação com progesterona oral em comparação com placebo (42% vs 63%; P = 0,0005; risco relativo de 0,68; intervalo de confiança de 95% 0,55-0,84), parto prematuro com <34 semanas de gestação (29 % vs 53%; P <0,00110; risco relativo, 0,55; intervalo de confiança de 95%, 0,43-0,71) e aumento da idade gestacional do parto (diferença média, 1,71 semanas; intervalo de confiança de 95%, 1,11-2,30).

Houve uma taxa significativamente menor de morte perinatal (5% vs 17%; P = 0,001; risco relativo 0,32; intervalo de confiança de 95%, 0,16-0,63), internação em cuidados intensivos neonatais (risco relativo, 0,39; intervalo de confiança de 95%, 0,25-0,61), síndrome do desconforto respiratório (risco relativo, 0,21; intervalo de confiança de 95%, 0,05-0,93), e maior peso ao nascer (diferença média, 435,06 g; intervalo de confiança de 95%, 324,59-545,52) com progesterona oral. Houve uma taxa mais elevada de efeitos adversos maternas com progesterona oral que incluía tonturas (risco relativo, 2,95; 95% de intervalo de confiança, 1,47-5,90), sonolência (risco relativo, 2,06; 95% de intervalo de confiança, 1,29-3,30), e secura vaginal (risco relativo, 2,37; intervalo de confiança de 95%, 1,10-5,11); Nenhum efeito adverso grave foi observado.

Conclusão

A progesterona oral parece ser eficaz para a prevenção de nascimentos prematuros recorrentes e uma redução nas taxas de morbidade e mortalidade perinatais em gestações únicas assintomáticas com uma história de parto prematuro espontâneo em comparação com placebo. Houve também aumento dos efeitos adversos com a terapia oral de progesterona em comparação com placebo, embora nenhum foi grave. Mais estudos randomizados sobre a progesterona oral, em comparação com outras terapias estabelecidas para a prevenção de nascimentos prematuros recorrentes são necessários.

 

PebMed

Autor:

Referências:

  • Am J Obstet Gynecol MFM. 2019 Mar;1(1):50-62. doi: 10.1016/j.ajogmf.2019.03.001. Epub 2019 Mar 27.Oral progesterone for the prevention of recurrent preterm birth: systematic review and metaanalysis. Boelig RC1, Corte LD2, Ashoush S3, McKenna D4, Saccone G2, Rajaram S5, Berghella V1.

#Aos 40, as mulheres se sentem mais inteiras, mais seguras, e exalam sabedoria

Postado em

Revista Pazes

Texto de Iara Fonseca publicado originalmente em Seu Amigo Guru

Aos 40 anos as mulheres se sentem mais inteiras, mais seguras, exalam uma sabedoria que vai além do que se pode e do que não se pode fazer. Elas cantam, dançam, se divertem, com uma pitada de responsabilidade, mas com muitas sensualidade

Se enchem de entusiasmo e se sentem livres para fazerem escolhas que antes, não se sentiam suficientemente maduras para apostarem. Porque se entendem que a feminilidade não está simplesmente onde se pode ver, mas sim, nas emoções e memórias que carregam no coração.

As mulheres de 40 lidam com a sexualidade de uma maneira singular. Não se importam tanto com o corpo, e com a performance, elas estão mais interessadas na intimidade, naquilo que pode preencher espaços aparentemente vazios, mas que na verdade, já estão completos pelo amor próprio que adquiriram no decorrer do tempo.

Sim, aquelas que chegaram aos 40 são mulheres diferentes. Mulheres que não agem de maneira descontrola por impulso, elas agora se dão o direito de aproveitar mais a vida, de estender um bom papo impondo intenções afetivas ou apenas para satisfazer um desejo, sem culpa, sem expectativas irracionais, sem amor de mentira.

Elas são o que são, e se sentem empoderadas, e foram descritas de forma genial pelo poeta e escritor Fabrício Carpinejar nesse texto de 2014, publicado pela IstoÉ, e que eu disponibilizarei aqui para vocês que estão nessa fase incrível que é ter mais de 40.

Leiam o texto na íntegra, tenho certeza que concordarão comigo que essa é uma das melhores leituras sobre o que acontece com uma mulher de 40.

“A mulher de 40 não diminui o ritmo da intimidade.Pode ler um livro com a intensidade de um momento íntimo. Pode assistir um filme e conversar com a mesma intensidade. Ela não tem um momento para a sensualidade, a sensualidade é todo momento.

Tomar o café da manhã não é apenas um desjejum, tem a sua identidade, o seu ritual, um refinamento da história de seus sabores. Tomar o café da manhã com uma mulher de 40 anos é participar de sua memória, de suas escolhas.

Ela não precisa mais provar nada. Já sofreu separações, e tem consciência de que suporta o sofrimento. Já superou dissidências familiares, e tem consciência de que a oposição é provisória. Já recebeu fora, deu fora, entende que o amor é pontualidade e que não deve decidir pelo outro ou amar pelos dois.

A mulher de 40 anos, cansada das aparências, cometerá excessos perfeitos. É mais louca do que a loucura porque não se recrimina de véspera. É ainda mais sábia do que a sabedoria porque não guarda culpa para o dia seguinte.

A beleza se torna também um estado de espírito, um brilho nos olhos, o temperamento. A beleza é resultado da elegância das ideias, não somente do corpo e dos traços físicos.

Encontrou a suavidade dentro da serenidade. A suavidade que é segurança apaixonada, confiança curiosa.

O riso não é mais bobo, mas atento e misterioso, demonstrando a glória de estar inteira para acolher a alegria improvisada, longe da idealização, dentro das possibilidades.

Não existe roteiro a ser cumprido, mapa de intenções e requisitos.Há a leveza de não explicar mais a vida. A leveza de perguntar para se descobrir diferente, em vez de questionar para confirmar expectativas.

A mulher de 40 é a felicidade de não ter sido. É a felicidade daquilo que deixou para trás, daquilo que negou, daquilo que viu que era dispensável, daquilo que percebeu que não trazia esperança.

Seu charme vai decorrer mais da sensibilidade do que de suas roupas.

O que ilumina sua pele é o amor a si, sua educação, sua expressividade ao falar.

A beleza é vaidosa da linguagem, do bom humor. A beleza é vaidosa da inteligência, da gentileza.

Depois dos 40 anos não há depois, é tudo agora.

*Texto de Fabrício Carpinejar – Publicado na Revista Isto É Gente – Março de 2014 p. 50 – Ano 14 Número 706

A beleza da mulher de 40 é o seu diferencial, carrega nas linhas e expressões bem mais do que uma jovialidade vazia, porque ela se sente mais completa, mesmo acreditando que ainda precisa conquistar e aprender muita coisa, sabe, que já tem dentro de si, uma bagagem valiosa, que não se pode medir, não se pode tocar, mas se pode sentir.

E você, como se sente com 40 anos, nós queremos saber!

#Síncope durante gravidez traz riscos para mãe e feto

Postado em

Síncope

Síncope durante gravidez traz riscos para mãe e feto

 

Um estudo realizado por um grupo de pesquisadores canadenses associa uma síncope que acomete as mulheres grávidas, causando um maior risco para mãe e feto. Os resultados foram publicados em maio deste ano no American Heart Association Journal.

Foram examinadas as tendências temporais, o tempo e a frequência, assim como os resultados neonatais e maternos adversos ocorridos no primeiro ano pós-parto entre as mulheres com síncope durante a gravidez.
A síncope, especialmente quando ocorre durante o primeiro trimestre, pode estar associada a taxas mais altas de resultados adversos, incluindo partos prematuros, anomalias congênitas e aumento da incidência de arritmias cardíacas e síncope no primeiro ano pós-parto.

Metodologia

Todas as gestantes com idade gestacional entre 15 e 43 semanas que tiveram filhos nascidos vivos entre 1º de janeiro de 2005 e 31 de dezembro de 2014 no Alberta Health Care Insurance e seus filhos foram incluídos no estudo. As mulheres com síncope durante a gravidez foram identificadas como aquelas que têm uma Classificação Internacional de Doenças, Nona Revisão (CID-9) código 780.2 ou Décima Revisão (CID-10) código R55 em qualquer campo de diagnóstico da sua internação, ambulatório ou consulta médica durante o período de gestação. Os códigos de síncope da CID-9 e CID-10 têm uma sensibilidade moderada de 63%, alta especificidade de 98% a 99% e um valor preditivo positivo de 83% a 95%

Das 481.930 gestações, 4.667 tiveram um episódio de síncope. A análise de regressão de Poisson encontrou um aumento de 5% / ano (razão de chances, 1,05; 95% CI, 1,04-1,06) na incidência de síncope ajustada por idade. No geral, 1506 (32,3%) dos episódios de síncope ocorreram primeiro no primeiro trimestre, 2058 (44,1%) no segundo trimestre e 1103 (23,6%) no terceiro trimestre; e 8% (n = 377) das gestações tiveram> 1 episódio de síncope. Em comparação com mulheres sem a síncope, as mulheres que apresentaram síncope eram mais jovens (idade <25 anos; 34,7% versus 20,8%; P <0,001) e primíparas (52,1% versus 42,4%; P <0,001).

A taxa de parto prematuro foi maior em gestações com síncope no primeiro trimestre (18,3%), em comparação com o segundo (15,8%) e terceiro trimestres (14,2%) e gestações sem síncope (15,0%; P <0,01). A incidência de anomalias congênitas entre crianças nascidas de gestações com múltiplos episódios de síncope foi significativamente maior (4,9%) em comparação com crianças de gestações sem síncope (2,9%; P <0,01). Dentro de um ano após o parto, as mulheres com síncope durante a gravidez tiveram maiores taxas de arritmias cardíacas e episódios de síncope do que as mulheres sem síncope durante a gravidez.

Causas e manifestações da síndrome

A síncope causa a perda repentina e transitória de consciência que ocorre como resultado da hipoperfusão cerebral global. É um problema clínico relativamente comum, apresentando uma distribuição bimodal, com a maior incidência ocorrendo entre as idades de 10 a 30 anos, e em pacientes com maiores de 65 anos. A causa mais comum da síncope em adolescentes e adultos jovens, incluindo mulheres em idade fértil, é a síndrome vasovagal, incluída no grupo das síncopes reflexas ou neurocardiogênicas..

A síncope pode ser uma manifestação de diversas condições clínicas que ocorrem em um espectro de gravidade, desde doenças cardíacas subjacentes, como arritmia, até condições benignas, como episódios vasovagais. Isso se reflete no prognóstico de estimativas de mortalidade em um ano que variam de 0% para síncope vasovagal até 30% no contexto de síncope cardíaca.

Além disso, tem sido demonstrado que existe uma associação significativa entre a síncope e a presença de doenças cardiovasculares. A grávida sofre várias alterações hemodinâmicas, incluindo resistência vascular sistêmica reduzida, aumento do volume sanguíneo e da frequência cardíaca, e hipertrofia excêntrica do ventrículo esquerdo. Essas mudanças podem induzir a gestante a síncopar.

Atualmente, existem dados limitados sobre a incidência de síncope na gravidez. Além disso, o efeito de uma queda transitória da pressão arterial nos desfechos maternos e fetais não está bem descrito.
Dada essa escassez de evidências, os pesquisadores descreveram as tendências temporais na incidência de síncope durante a gravidez usando uma grande coorte contemporânea e baseada na população de mulheres em uma área geográfica definida com um sistema único de saúde com acesso universal.

Além disso, os resultados neonatais, incluindo as taxas de nascimento prematuro, pequeno para a idade gestacional (SGA), grande para a idade gestacional e anomalias congênitas foram examinados, em geral, e de acordo com o tempo (primeira ocorrência no primeiro, segundo ou terceiro trimestre), e número (≥1) de episódios de síncope durante a gravidez. A frequência de síncope e outros eventos cardiovasculares na mãe um ano após o parto também foi avaliada.

 

PebMed

Autor:

Referências:

https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/JAHA.118.011608

#Dia Mundial Sem Tabaco: fumar duplica risco de morte súbita em bebês

Postado em

Dia Mundial Sem Tabaco

Dia Mundial Sem Tabaco: fumar duplica risco de morte súbita em bebês

Hoje é comemorado o Dia Mundial Sem Tabaco. É importante lembrar nesta data que é papel dos profissionais de saúde alertar todas as gestantes sobre os graves riscos que o tabagismo traz para a saúde da mãe e do bebê.

Um estudo publicado recentemente surge como um alerta importante para as gestantes fumantes. Recém-nascidos de mulheres que fumaram um ou mais cigarros por dia durante a gestação tiveram mais que o dobro do risco de morte súbita, em comparação com aqueles cujas mães não fumaram. E esse risco aumentou a cada cigarro, como mostra o estudo coordenado pela médica Tatiana M. Anderson do Center for Integrative Brain Research, do Seattle Children’s Research Institute, em Washington, nos Estados Unidos. O estudo foi publicado online em abril deste ano, no periódico Pediatrics.

Segundo os resultados, o índice de risco de morte súbita nos bebês caiu quando as mulheres reduziram a quantidade de cigarros ou pararam de fumar. Em comparação com as gestantes que não reduziram a quantidade de cigarros durante a gestação (mais da metade), os bebês das mães que o fizeram por volta do terceiro trimestre tiveram uma pequena queda (17%) do risco de morte súbita. E os bebês das gestantes que pararam de fumar no terceiro trimestre apresentaram uma redução ainda maior (23%) do risco.

Os pesquisadores analisaram dados estatísticos de 20.685.463 nascimentos e 19.127 casos de morte súbita, ajustando os critérios para raça e/ou etnia/origem de mãe e pai, idade da mãe e do pai, estado civil da mãe, escolaridade da mãe, ordem de nascidos vivos, número de consultas pré-natais, idade gestacional em semanas, tipo de parto, sexo do recém-nascido e peso ao nascer.

Vale destacar que a morte súbita inclui a síndrome da morte súbita do lactente, sufocação e estrangulamento acidentais no leito e causas mal definidas.

Comparado com recém-nascidos de mães não fumantes, o índice de risco de morte súbita e inesperada foi mais que o dobro para recém-nascidos de mães que relataram ter fumado durante a gestação.
O risco foi quase duas vezes maior com um cigarro fumado por dia, e aumentou linearmente até o patamar de 3,17 para as que fumaram um maço inteiro (20 cigarros) por dia.

“Essa correlação foi similar para cada trimestre quando modelada independentemente, mas o número médio de cigarros nos três trimestres juntos teve o maior poder preditivo”, explicaram os pesquisadores. Os resultados do estudo indicam que “os esforços de cessação do tabagismo podem ter um impacto maior na diminuição das taxas de morte súbita e inesperada quando direcionadas a pessoas que fumam menos de um maço por dia, em vez das que fumam mais de 20 cigarros por dia, que são os alvos mais tradicionais das campanhas”.

Mais da metade (55%) das mães que fumaram durante a gestação continuaram a fumar a mesma quantidade de cigarros que fumavam antes da gestação. Em média, aquelas que pararam de fumar no começo do terceiro trimestre (20%) reduziram o número de cigarros fumados durante toda a gestação em 58%, e as que reduziram o fumo no terceiro trimestre reduziram o número de cigarros em 33%. Esta foi uma “redução mensurável”, segundo os pesquisadores.

Em comparação com as gestantes que continuaram a fumar, o risco de morte súbita e inesperada foi ligeiramente menor no grupo que reduziu a quantidade de cigarros, mas a maior redução no risco foi observada no grupo que parou de fumar.

Dia Mundial Sem Tabaco

Na comparação com mulheres que não fumaram durante a gestação ou nos três meses anteriores, o risco de morte súbita e inesperada aumentou progressivamente nas mães que fumaram e pararam antes da gestação, naquelas que não fumavam antes, mas fumaram durante a gestação e nas que fumavam antes e durante a gestação.
Para aquelas que somente fumaram antes da gestação, a quantidade de cigarros não pareceu ter efeito sobre o risco de morte súbita e inesperada.

Os pesquisadores acreditam que as estimativas de tabagismo provavelmente são conservadoras porque não avaliaram a exposição ambiental ao fumo durante o pré-natal e o pós-parto, ou o tabagismo paterno, que é um fator conhecido para o risco de morte súbita e inesperada. Além disso, as estimativas de tabagismo dependem dos relatos das mulheres, que podem ter preferido não revelar o seu status de fumante.

“Estimamos que as taxas de morte súbita e inesperada nos Estados Unidos poderiam ser reduzidas em 22% se nenhuma mulher fumasse durante a gestação”, concluem os pesquisadores.

PEBMED

Autor:

Referências:

%d blogueiros gostam disto: