Últimas notícias do evento

Bem Vindos

Postado em Atualizado em

Bem Vindos

Na época tecnológica em que vivemos, a partilha de informação da mais popular até a

científica é um dado adquirido.

Pensamos que a nossa área profissional a da Saúde, seja um dos temas mais debatidos

no planeta, devido às implicações que tem com o nosso dia -a -dia.

Não existia até agora um local onde verdadeiramente pudéssemos trocar opiniões,

expor atualizações e falar da Saúde em geral para todo o mundo, desde técnicos a

leigos, vamos debater e partilhar informação na área da Saúde de uma forma honesta,

séria e global…

Bem Vindos ao Blog : maismais medicina.wordpress.com

Enviar artigos ao e-mail: cjldo2013@gmail.com.

Esperamos a vossa colaboração

Carlos Dinis MD

Juan Ortiz Rubio MD

Anúncios

#Hypothyroidism Related to Cancer Treatment Linked to #Increased Survival

Postado em

Nancy A Melville

VICTORIA, British Columbia — Patients with advanced nonthyroid cancers who experience the common side effect of hypothyroidism during cancer treatment with tyrosine kinase–inhibitor (TKI) therapy show significantly increased survival compared with those who have normal thyroid levels.

“In this largest cohort analysis of its kind to date, we found that tyrosine kinase inhibitor–induced hypothyroidism occurred in 40% of [initially] euthyroid patients…and incident overt but not subclinical hypothyroidism was associated with greater overall survival,” first author Trevor E Angell, MD, of the division of endocrinology, diabetes, and hypertension, at Brigham and Women’s Hospital, in Boston, Massachusetts, said in presenting the findings here at the 2017 Annual Meeting of the American Thyroid Association.

Thyroid dysfunction is known to occur with TKI treatment, and while there have been some reports of potential survival benefits with resulting hypothyroidism, data on the issue have been lacking.

Angela M Leung, MD, an assistant professor of medicine with the division of endocrinology, diabetes, and metabolism at the University of California, Los Angeles David Geffen School of Medicine, who comoderated the session, gave her views.

“Tyrosine kinase–inhibitor therapies are increasingly being used in the treatment of various cancers, [and] it is recognized that the development of different types of endocrine dysfunction are associated with use of these agents, in part due to immune destruction,” she told Medscape Medical News.

“This study adds further understanding to the available literature on this topic, specifically examining the incidence of thyroid dysfunction and survival rates following use of a tyrosine-kinase inhibitor among patients with malignancy.”

Women More Likely to Develop Hypothyroidism After TKI Treatment

To explore the relationship, Dr Angell and colleagues evaluated 1120 adult patients with advanced nonthyroid cancer who were treated with tyrosine-kinase inhibitors between 2000 and 2017 and had available thyroid-function testing results.

After exclusions for factors including thyroid cancers and preexisting thyroid disease, 538 patients were included in the study.

Among the patients, 321 had normal thyroid levels; 144 (27%) developed overt hypothyroidism with TKI therapy, defined as thyroid-stimulating hormone (TSH) levels of 10 mIU/L or higher and low free T4; and 71 (13%) developed subclinical hypothyroidism, defined as TSH levels of 5 to 10 mIU/L or higher TSH if free T4 was normal.

The majority of patients (>95%) had advanced disease (stage III and IV), and there were no differences between the groups in terms of cancer stage, Eastern Cooperative Oncology Group (ECOG) performance score, or race.

There was a statistically significant increase in overall survival over 14 years among those who developed hypothyroidism compared with those who remained euthyroid, with the survival benefit after adjustment for variables predominantly seen in the overt hypothyroidism group (P < .0001) rather than in the subclinical hypothyroidism group (= .16).

In terms of factors associated with the development of hypothyroidism, no significant link was observed between cumulative TKI exposure, the number of tyrosine-kinase inhibitors received, age, or race.

The leading factor that was independently associated with a risk of hypothyroidism was female sex (odds ratio [OR], 1.99; < .01), while factors associated with a decreased risk included treatment with a non-TKI — for example, a vascular endothelial growth factor (VEGF) inhibitor (OR, 0.43; P < .01).

Patients treated with multiple tyrosine-kinase inhibitors were more likely to develop hypothyroidism while on their initial drug than a subsequent drug, and patients developed hypothyroidism after a median of 85 exposure days with exposure to one tyrosine-kinase inhibitor and after a median of 74 days with multiple agents.

Factors associated with an increased risk of death included older age at baseline and certain cancer types, such as gastrointestinal stromal tumors (GIST) or sarcoma.

Results Provide Better Understanding of Hypothyroidism With TKI Treatment

The findings provide a better understanding of hypothyroidism in relation to TKI treatment, Dr Angell told Medscape Medical News.

“Previous studies had demonstrated hypothyroidism occurring during treatment with tyrosine-kinase inhibitors, but our understanding of clinical risk factors and the survival benefit in initially euthyroid subjects when accounting for other variables has been limited,” he explained.

He noted that mechanisms speculated to play a role in the development of hypothyroidism with TKI treatment include direct toxicity to the thyroid gland, destructive thyroiditis, and increased thyroid-hormone clearance.

Dr Angell speculated that hypothyroidism during TKI treatment could also be an indication of efficacy of this class of drugs.

“While we do not have answers yet, it may be that the drug effects on the thyroid are a reflection of how much the drug is also affecting the cancer cells,” he suggested.

And he noted that treatment of the TKI-related hypothyroidism did not appear to change the results.

“More than 90% of patients with overt hypothyroidism were treated, but in our evaluation of those who were and were not treated, we found no difference in survival,” he said.

More Research Needed

Dr Leung said these latest results should prompt additional research into the issue.

“The findings showing that incident overt hypothyroidism in this sample was associated with increased overall survival is interesting.”

Further research is needed to look at this and to “better understand the mechanism of increased overall survival in patients who develop overt hypothyroidism following tyrosine kinase–inhibitor use, whether this may involve immune activation or other pathways,” she concluded.

The authors and Dr Leung had no relevant financial relationships.

2017 Annual Meeting of the American Thyroid Association. October 19, 2017; Victoria, British Columbia. Abstract 1.

 

 

#Violência doméstica na #gestação aumenta risco de comprometimento do #desenvolvimento intrauterino

Postado em

Teresa Santos (colaborou Dra. Ilana Polistchuck)

Em estudo feito com gestantes atendidas em serviços públicos de saúde da periferia paulistana, pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram que violência doméstica e transtornos mentais durante a gravidez aumentam o risco de o bebê apresentar resultados negativos. A pesquisa foi publicada esse ano no BMC Pregnancy and Childbirth[1]. O pediatra Dr. Alexandre Archanjo Ferraro, primeiro autor do trabalho, falou sobre o estudo em entrevista ao Medscape.

O trabalho analisou dados da coorte de nascimento do Butantã, estudo de base populacional que vem acompanhando mães e filhos desde a 28ª semana gestacional. As 775 mulheres incluídas na pesquisa fizeram o pré-natal entre 2010 e 2012 em cinco unidades da atenção primária da região do Butantã, um distrito de saúde da cidade de São Paulo considerado área de vulnerabilidade social, apesar de apresentar boa cobertura da Estratégia Saúde da Família. Todas as participantes deram à luz em maternidades.

Psicólogos treinados coletaram dados durante as visitas de rotina do pré-natal. A presença de violência doméstica foi avaliada a partir do WHO Domestic Violence Questionnaire, um instrumento da Organização Mundial da Saúde (OMS), enquanto transtornos mentais foram avaliados por meio da ferramenta Mini International Neuropsychiatric Interview (MINI), sendo que ambas escalas foram previamente adaptadas para a população brasileira.

Altas taxas de violência doméstica e transtornos mentais

O estudo mostrou que 27,15% das mulheres investigadas experimentaram violência doméstica, e 38,24% foram diagnosticadas com transtornos mentais. Com relação ao tipo de violência, predominaram violência psicológica (24,77%), seguida por física (13,46%) e sexual (2,23%). Entre os transtornos mentais, 29,97% das mulheres apresentaram transtornos de humor, 16,26% transtorno de ansiedade, 4,52% transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), 4,13% dependência química, 3,61% transtorno psicótico e 2,19% transtorno de personalidade antissocial.

O Dr. Ferraro explica que a prevalência de violência doméstica e de transtornos mentais varia em função do tipo de população analisada. “O desenho do nosso estudo permite extrapolar os resultados para todas as mulheres que tenham condição semelhante, ou seja, gestantes, mais perto do final da gestação, e que são acompanhadas pelo SUS”, afirma.

Comparando os valores com os observados em outros estudos, nota-se que as taxas são semelhantes às de outros países em desenvolvimento: “Índia e China, por exemplo, apresentam estimativas semelhantes às que encontramos”, diz o Dr. Ferraro, porém o quadro parece ser um pouco diferente do observado em países desenvolvidos.

“Esses eventos representam um fenômeno que ocorre em todo o mundo, mas em países de maior renda a frequência é menor. A violência doméstica, por exemplo, varia de 2% a 20% em países desenvolvidos[2]. Na nossa população a taxa era de  27%”, diz ele, acrescentando que “o fato de termos estudado as participantes em seus próprios bairros (e não só na maternidade) faz com que as taxas observadas estejam provavelmente bem próximas da realidade”.

Sobre os transtornos mentais, a OMS reconhece, segundo o médico, que as doenças mentais são o grupo que gera maior consequência na esfera das doenças crônicas. “Do ponto de vista fisiológico, a probabilidade de aparecimento de doença mental aumenta durante as fases de gestação e puerpério. Além disso, sabe-se que a prevalência de transtornos mentais é alta nas periferias de grandes cidades brasileiras”, diz o Dr. Ferraro.

A pesquisa com a coorte de São Paulo mostrou ainda que violência doméstica contra a mulher esteve fortemente relacionada à presença de transtornos mentais na gestação. Das participantes que disseram ter sido vítimas de violência nos últimos 12 meses, 62,9% foram diagnosticadas com transtorno mental, enquanto no grupo das que não reportaram experiência de violência essa taxa foi de apenas 28,7%.

Segundo o Dr. Ferraro, o desenho do estudo não permite determinar se a violência doméstica causou o transtorno mental ou vice-versa. “Nós avaliamos essas duas condições ao mesmo tempo e, de fato, quando havia violência, a probabilidade de ter também transtorno mental era muito maior. Mas essa associação é compreensível, pois na violência doméstica o agressor é o parceiro íntimo, ou seja, o perpetuador da violência compartilha a mesma casa, a mesma cama, então é natural que em uma experiência assim haja algum grau de impacto sobre a saúde mental da mulher. Por isso, já esperávamos algo nesse sentido, mas não imaginávamos que a correlação seria tão forte”, diz.

Impacto direto no feto em desenvolvimento

Ansiedade e violência física estiveram associadas à taxa de nascimento de bebês pequenos para a idade gestacional. Além disso, a combinação de ansiedade e violência sexual esteve associada com comprimento ao nascimento, e o diagnóstico de transtorno de personalidade antissocial dobrou o risco de nascimento pré-termo.

A pesquisa mostrou ainda que gestantes com transtorno mental e vítimas de violência doméstica foram mais propensas a pertencer a classes de menor renda e reportar mais tabagismo e alcoolismo. No entanto, a investigação revelou que comportamentos maternos como tabagismo, alcoolismo, cuidado pré-natal inadequado e ganho de peso inadequado não foram suficientes para explicar as associações, o que sugere que esses fatores psicossociais podem estar sob influência de mecanismos biológicos.

“Do ponto de vista analítico, desenhamos um estudo para avaliar as formas pelas quais principalmente a violência leva ao comprometimento do crescimento intrauterino do feto. Vimos que, depois de descartar álcool, tabaco, ganho de peso na gravidez, qualidade do pré-natal, existência de restrição socioeconômica, a violência continuou associada a um atraso de crescimento intrauterino. Isso indica que a violência gera um estresse que aciona mecanismos hormonais que atuam na placenta da mulher, levando ao comprometimento do crescimento do feto. A violência pode sim usar outras trajetórias para comprometer o feto (tais como os fatores psicossociais), mas o trabalho mostra que, tirando esses eventos, ela tem também um impacto direto”, diz o Dr. Ferraro.

Violência doméstica como hipótese diagnóstica

Para o especialista, a formação médica e os próprios médicos normalmente consideram pouco os transtornos mentais, e praticamente nunca a experiência da violência. “Se um médico não pensa em uma hipótese diagnóstica, ele nunca vai verificar se ela está presente ou não. A percepção de que a presença dessas condições (transtorno mental e violência) impacta de forma tão importante a saúde do bebê mostra que é mandatório que as mesmas sejam consideradas na avaliação clínica”, defende.

A saúde mental apresenta um cenário um pouco melhor, pois já existem instrumentos que avaliam esse quesito, e os profissionais investigam com mais frequência depressão e ansiedade durante o pré-natal. No entanto, violência ainda é pouco investigada. “Em geral é muito delicado conversar sobre o tema, e a própria mulher se sente desconfortável para falar sobre o assunto, especialmente se o médico for do sexo masculino. A paciente se sente sem esperança, e crê que não há muito a ser feito”, destaca o Dr. Ferraro.

Mas o médico lembra que há uma série de sinais indiretos que acompanham a experiência de violência e/ou depressão/ansiedade, e os profissionais precisam estar atentos a eles.

“Quando esses quadros estão presentes, é comum a presença de queixas orgânicas repetidas. Também é possível que a mulher esteja descuidando de si, seja em relação à alimentação, seja no acompanhamento pré-natal, e que frequentemente seja acometida por infecções. Quando um médico encontra um quadro assim, precisa suspeitar que, por trás, pode existir uma experiência de violência. Se ele não considera essa possibilidade de primeira instância, pelo menos deve considerá-la nos casos que estão tendo uma evolução mais complicada”, diz.

A coorte de mães e bebês avaliada na pesquisa ainda está sendo acompanhada. Segundo o Dr. Ferraro, já há dados sobre a saúde dos bebês aos seis meses, um ano e dois anos de idade, mas as informações dos dois últimos seguimentos ainda não foram analisadas. “Já foi possível notar que aqueles bebês cujas mães sofreram violência na gestação tiveram crescimento e peso inferior, e apresentaram mais atraso cognitivo do que os demais aos seis meses de idade.

Estes novos dados, diz o pesquisador, serão publicados em breve. “A investigação continuará, pois o objetivo é verificar até quando dura o efeito deletério da exposição à violência, depressão e ansiedade”.

O estudo foi financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). O Dr. Ferrarro e os demais autores da pesquisa declararam não possuir conflitos de interesses relevantes.

#Tratamento de boa aceitação no #câncer faríngeo HPV positivo

Postado em

SAN DIEGO, Califórnia ― O Dr. Daniel Ma, da Mayo Clinic em Rochester, Minnesota, trata vários pacientes relativamente jovens com tumores de orofaringe relacionados ao papilomavírus humano (HPV) que são curados por várias combinações-padrão de cirurgia, radioterapia e quimioterapia, e ainda têm “uns 30 a 40 anos de vida pela frente”.

Mas essa expectativa de vida pode ser impactada pelos “efeitos adversos que pioram a qualidade de vida” do tratamento padrão, incluindo xerostomia, perda do paladar e, em cerca de metade dos pacientes, dificuldade de deglutir, disse ele.

Esses pacientes inspiraram a gênese do estudo de fase 2 do Dr. Ma de uma “redução agressiva de dose” na radioterapia adjuvante neste contexto, contou ele.

Os pesquisadores avaliaram doses experimentais de radiação de 30 Gy a 36 Gy, o que corresponde a uma redução de 50% do padrão atual de 60 Gy a 66 Gy.

Em uma mediana de dois anos de acompanhamento entre 80 pacientes, a redução de dose do tratamento resultou em taxas de controle local e regional comparáveis com controles históricos, baixa toxicidade e, talvez o mais notável, ausência de comprometimento na deglutição ou na qualidade de vida, relatou o Dr. Ma no Encontro Anual de 2017 da American Society for Radiation Oncology (ASTRO).

Os resultados de toxicidade e deglutição são os “dados mais animadores”, disse o Dr. Ma a uma multidão em uma sessão do congresso.

“É o primeiro ensaio clínico no câncer de cabeça e pescoço que demonstrou ausência de comprometimento da deglutição após a irradiação”, disse ele ao Medscape. Em outras palavras, a capacidade de deglutição do paciente não piorou após o tratamento.

Na verdade, a capacidade de engolir melhorou ligeiramente com um ano após a radioterapia em comparação a antes do tratamento (P = 0,03).

“É um conceito animador. Todos vão querer saber mais sobre o assunto”, disse o Dr. Thomas Galloway, do Fox Chase Cancer Center na Filadélfia, Pensilvânia, que foi solicitado a comentar sobre o estudo.

“Essa não é uma mudança gradual”, disse ele ao Medscape. “É uma mudança radical do padrão de tratamento atual”.

O Dr. Galloway e o Dr. Ma disseram que os cânceres de cabeça e pescoço positivos para o HPV estão exigindo mudanças, porque os pacientes com esses tumores são mais jovens e saudáveis do que os pacientes sem o vírus, cujos cânceres de cabeça e pescoço são tipicamente causados pelo consumo de álcool e tabaco.

Alguns pacientes HPV positivos estão sendo tratados sem cirurgia. “Qual é o esquema perfeito para o tratamento, ninguém sabe com certeza”, disse o Dr. Galloway ao Medscape sobre combinações de tratamento.

O Dr. Paul Harari, da University of Wisconsin, em Madison, disse que os cânceres de cabeça e pescoço positivos para o HPV, incluindo o câncer orofaríngeo, “garantem diferentes abordagens de tratamento”. O tratamento padrão é tóxico – “pode estar certo disso”, comentou o Dr. Harari enquanto atuava como moderador em uma coletiva de imprensa sobre o estudo de redução da dose.

No entanto, cortar a dose da radioterapia, disse ele, leva a uma “pergunta importante: você consegue manter a taxa de cura?”

A resposta ainda não é conhecida, mas os resultados de dois anos do Dr. Ma são encorajadores.

Os dados de dois anos indicam que, após o tratamento com dose reduzida, a taxa de controle local e regional do tumor foi de 95%, o que é comparável aos resultados com a dose de radiação padrão (60 Gy) do estudo 0234 do Radiation Therapy Oncology Group (RTOG 0234).

No estudo da Mayo Clinic, três pacientes tiveram recorrência local e um paciente apresentou uma recorrência linfonodal.

O Dr. Galloway, do Fox Chase, também observou que no novo estudo, os pacientes receberam 30 Gy administrados em 1,5 Gy duas vezes ao dia durante 12 dias (juntamente com docetaxel semanal, 15 mg/m², dias 1 e 8). Doze dias é muito menos do que o padrão de seis semanas para a terapia de 60 Gy, mas o esquema de duas vezes ao dia pode não ser adequado para todos os pacientes, destacou ele.

A redução de dose da radioterapia é experimental, mas um estudo de fase 3 que busca confirmar a abordagem, conhecido como estudo DART-HPV, está em andamento.

Mais detalhes do estudo, incluindo toxicidade

Cerca de metade dos pacientes do estudo, todos com carcinoma de células escamosas de orofaringe, foram submetidos ao esquema de tratamento acima descrito de duas semanas de duração. Mas 43 pacientes apresentaram extensão extracapsular, um marcador de doença agressiva e, assim, receberam um aumento na radiação nas áreas afetadas, para uma dose total de 36 Gy.

Os dados para ambos grupos de pacientes foram combinados nas análises estatísticas.

Todos os pacientes do estudo tinham ausência de evidência de doença residual após a cirurgia, e um histórico de tabagismo mínimo (por exemplo, menos de um maço por dia por 10 anos ou menos). A mediana de idade dos pacientes foi de 60,5 anos. Todos os pacientes tinham doença em estágio III ou IV.

Houve também uma “redução muito dramática” nos efeitos colaterais, em comparação com o tratamento padrão, disse o Dr. Ma. Nenhum paciente precisou de gastrostomia endoscópica percutânea (GEP); em contraste, com a radioterapia tradicional, de um quinto a um terço dos pacientes são submetidos a GEP.

O tubo de alimentação de GEP é inserido através do abdome no estômago. Normalmente, entre um quinto e um terço dos pacientes receberá esse tubo de alimentação durante o tratamento padrão para câncer orofaríngeo, disse ele.

A taxa de toxicidade de grau ≥ 2 após dois anos da radioterapia foi de 10%. Novamente, isso se comparou favoravelmente com a taxa de 55% relatada no RTOG 0234.

Nenhum paciente apresentou toxicidade grau 3 ou maior após um ou dois anos do tratamento.

Todos os 14 pacientes (18%) que tiveram toxicidade cumulativa grau 3 ou maior o fizeram dentro de três meses após o tratamento, e todos os casos tiveram resolução seis meses após o tratamento. Um paciente apresentou toxicidade aguda grau 4 relacionada a uma reação à quimioterapia, de rápida resolução.

A qualidade de vida dos pacientes melhorou ou não mudou após o tratamento, exceto em relação à xerostomia. Os pacientes relataram pior fluxo salivar após o tratamento (P < 0,0001).

Dr. Ma, seus colaboradores, Dr. Galloway e Dr. Harari declararam não possuir conflitos de interesses relevantes.

Encontro Anual de 2017 da American Society for Radiation Oncology (ASTRO). Resumo LBA-14, apresentado em 26 de setembro de 2017.

#Sanidad subraya la importancia de una #vida saludable en el #embarazo

Postado em

La Agencia Española de Consumo, Seguridad Alimentaría y Nutrición, (Aecosan), dependiente del Ministerio de Sanidad, ha lanzado la campaña “Gracias por esos 1.000 primeros días”, donde recuerda la importancia de una vida saludable en el embarazo y en los dos primeros años de la vida de los niños.

“Es un periodo clave en el que hay una gran oportunidad de prevenir obesidad y diversas enfermedades ya desde los inicios de la vida porque hay probabilidad conseguir efectos positivos para la salud que perduren durante la vida adulta”, afirman.

En línea con la Organización Mundial de la Salud, desde la Aecosan quieren poner en valor con esta campaña la importancia del entorno familiar, laboral y social, para facilitar los hábitos saludables de las madres y padres. También destaca el apoyo de los profesionales sanitarios relacionados con las embarazadas y los bebés en esta promoción de hábitos saludables, ya que suponen un gran referente a lo largo de toda la vida, y especialmente durante la infancia y la juventud.

En los primeros 270 días que son los del embarazo, recomienda llevar una alimentación saludable; comer pensando en dos pero no comer por dos; cuidar que la alimentación sea segura durante tu embarazo; realizar una actividad física moderada; y decir adiós a los hábitos nocivos.

Durante el primer año de vida, destaca la importancia de la lactancia materna exclusiva durante los 6 primeros meses de vida de tu bebé; leer en la etiqueta nutricional el contenido de azúcares, sal y grasas de aquellos productos que se le de al bebé por recomendación médica; y recuerda que los bebés deben experimentar con una amplia variedad de sabores y alimentos saludables y nutricionalmente adecuados.

Durante el segundo año de vida, aconseja incorporar a los bebés a la mesa familiar y al ocio activo, porque de forma divertida aprenderá y adquirirá hábitos saludables; y recomienda no olvidar que lo que aprenda de buenos hábitos durante la infancia “le beneficiará mañana y perdurará a lo largo de toda su vida”.

#El excesivo consumo de #ácidos grasos omega-6 puede acelerar el #envejecimiento

Postado em

El presidente de la Inflammation Research Foundation de Estados Unidos, Barry Sears, alerta de un consumo “en exceso” de ácidos grasos omega-6 que provoca inflamación celular y un envejecimiento acelerado, y por ello pide compensarlo con un mayor consumo de omega-3 para “envejecer de manera sana prolongando la vida lo máximo posible sin enfermedades”.

Así lo ha asegurado durante el XVI Congreso Internacional de la Sociedad Española de Medicina Antienvejecimiento y Longevidad, celebrado en Madrid, en el que ha recordado que el organismo no es capaz de sintetizar los omega-6 y, por tanto, se debe limitar su presencia mediante la alimentación.

“En la actualidad existe un desequilibrio entre el consumo de omega-6 y el de omega-3. Las recomendaciones de los expertos indican que deberíamos consumir una relación de 2 partes de omega-6 por cada una de omega-3. El problema es que, en la actualidad, la población española sitúa esta proporción en 16:1”, ha alertado.

Un desajuste, según aclara, que provoca inflamación celular, el verdadero germen de las enfermedades inflamatorias y metabólicas como la obesidad, la diabetes o las cardiopatías.

Este bioquímico recuerda que los ácidos grasos omega-6 son una grasa barata que encontramos en múltiples productos, como en los aceites vegetales (girasol, colza, maíz) y en los alimentos precocinados, como el pan de molde, las galletas y la bollería industrial en general.

“Si reducimos la ingesta de omega-6 y aumentamos el consumo de omega-3 reduciremos la inflamación celular y estabilizaremos los niveles de glucosa en sangre, eliminando el exceso de grasa corporal y mejorando nuestra energía física y agudeza mental”, explicó este experto.

“Lo ideal sería consumir diariamente al menos 2,5 gramos de ácidos grasos omega-3 de cadena larga para ayudar a mantener la visión en condiciones normales, lograr niveles medios de tensión arterial y controlar los niveles de triglicéridos”, según recomendó.

Sobre todo, por su aporte se ha relacionado además con el aumento de la saciedad, que tiene una acción antiinflamatoria y regula la glucemia, lo que es clave en la pérdida de peso y en el control de la diabetes.

#Increased #microglial activation detected in patients #IRBD

Postado em

Background

Findings from longitudinal follow-up studies in patients with idiopathic rapid-eye-movement sleep behaviour disorder (IRBD) have shown that most patients will eventually develop the synucleinopathies Parkinson’s disease, dementia with Lewy bodies, or multiple system atrophy. Neuroinflammation in the form of microglial activation is present in synucleinopathies and is a potential therapeutic target to halt or delay the neurodegenerative process. We aimed to investigate whether neuroinflammation is present in patients with IRBD and its possible relation to nigrostriatal dopamine function.

Methods

In this prospective, case-control, PET study, patients with IRBD and no clinical evidence of parkinsonism and cognitive impairment were recruited from tertiary sleep centres in Spain (Barcelona) and Denmark (Aarhus). We included patients with polysomnography-confirmed IRBD according to established criteria. Healthy controls were recruited through newspaper advertisements. Controls had no motor or cognitive complaints, a normal neurological examination, and a mean group age similar to the IRBD group. In patients with IRBD, we assessed microglial activation in the substantia nigra, putamen, and caudate with ¹¹C-PK11195 PET, and dopaminergic axon terminal function in the putamen and caudate with ¹⁸F-DOPA PET. Controls underwent either ¹¹C-PK11195 PET or ¹⁸F-DOPA PET. We compared ¹⁸F-DOPA uptake and ¹¹C-PK11195 binding potential between groups with an unpaired, two-tailed Student’s t test.

Findings

Between March 23, 2015, and Oct 19, 2016, we recruited 20 consecutive patients with IRBD and 19 healthy controls. ¹¹C-PK11195 binding was increased on the left side of the substantia nigra in patients with IRBD compared with controls (Student’s t test, mean difference 0·153 [95% CI 0·055 to 0·250], p=0·003), but not on the right side (0·121 [–0·007 to 0·250], p=0·064). ¹¹C-PK11195 binding was not significantly increased in the putamen and caudate of patients with IRBD. ¹⁸F-DOPA uptake was reduced in IRBD in the left putamen (–0·0032 [–0·0044 to –0·0021], p<0·0001) and right putamen (–0·0032 [–0·0044 to –0·0020], p<0·0001), but not in the caudate.

Interpretation

In patients with IRBD, increased microglial activation was detected by PET in the substantia nigra along with reduced dopaminergic function in the putamen. Further studies, including more participants than were in this study and longitudinal follow-up, are needed to support our findings and evaluate whether the presence of activated microglia in patients with IRBD represents a marker of short-term conversion to a clinically defined synucleinopathy in the near future.

Funding

Danish Council for Independent Research, Instituto de Salud Carlos III (Spain).

#START Prompted New #HIV Guidelines: Did Treatment Deliver?

Postado em

Heather Boerner

MILAN — Evidence from the Starting Antiretroviral Treatment Early Improves Outcomes for HIV (START) trial showed that treating people for HIV immediately after they test positive could ease the burden of the disease around the world. Now, 2 years later, at the European AIDS Conference, researchers will report just how far Europe has come.

“Most European guidelines changed in 2015, to a great extent based on START,” said Jens Lundgren, MD, from the University of Copenhagen.

“For the first time ever, there are emerging data on declines in the number of new diagnoses among men who have sex with men in several European countries,” he told Medscape Medical News.

Fulfilling the Promise of START

The first of these data were published earlier this year (Euro Surveill. 2017;22:30553), and new data on whether that trend has continued will be presented by Noel Gill, head of the HIV and STI Department at Public Health England.

The meeting will also feature presentations on randomized, controlled trials — such as the dual-therapy SWORD-1, SWORD-2, and GESIDA 9717 studies — and additional data from the PROUD study on pre-exposure prophylaxis (PrEP) and the LATTE-2 study of long-acting-injectables.

But “the real world is so different from clinical trials,” said Fiona Mulcahy, MD, from St. James’s Hospital in Dublin, who is president of the European AIDS Clinical Society.

“We, as clinicians, are now asking ourselves: What models of care will be relevant going forward?” she explained. “How do we best deliver HIV care to patients who are, for the most part, doing relatively well on treatment, but whom we want to make sure won’t fall out of care?”

There is hope that the real-world data to be presented — from the National Health Service in the United Kingdom and other programs — will shed light on how to make healthcare nimble enough to respond to the changing needs of patients, she said.

In addition, results from cohort studies will reveal the real-world effectiveness and adverse effects of tenofovir alafenamide (TAF), and resistance to and adverse events related to integrase inhibitors.

A variety of studies testing treatment switches, simplifications, and maintenance therapies — already in use or in clinical trials — will be presented, as will cohort studies that are consolidating the results of practices such as the prescription of dual-maintenance therapy.

“Our major focus is on clinical impact. Most presentations are from clinicians per se, who report on the real world and what’s happening in the reality of each country,” said Dr Mulcahy.

Women Making WAVEs

New this year will be a noncommercial preconference workshop called Women Against Viruses in Europe (WAVE). Models of care that work especially well for women living with HIV will be described, and PrEP for women will be discussed. The registration-only workshop has already elicited so much interest that meeting organizers have moved it to a larger venue.

Also drawing a lot of attention is a session on breast-feeding by women living with HIV, which was precipitated by the controversial Swiss decision that women who are virally suppressed should be allowed to breast-feed, said Dr Mulcahy.

“The rest of Europe is waiting to see,” she explained. “Most people are behind it in the right circumstances.” The real question is what to do when the circumstances are not perfect, she added.

HIV and the Comorbidities of Aging

“As patients get older, the big question is: Should HIV physicians be looking after non-HIV conditions?” said Dr Mulcahy.

As part of a session on geriatric conditions in patients living with HIV, clinicians will learn what new data — updated from a recent study (J Infect Dis. 216;5:545-553) — reveal about the management of stroke, as well as the management of osteoporosis and bone loss in menopausal women.

Again, the point here is to provide information that clinicians can use to change their practice and manage older patients, said Dr Mulcahy. “Unless you’re up on the management of stroke, menopause, dementia, and Alzheimer’s disease, you can’t do that effectively.”

Dr Mulcahy and Dr Lundgren have disclosed no relevant financial interests.