Últimas notícias do evento

Bem Vindos

Postado em Atualizado em

Bem Vindos

Na época tecnológica em que vivemos, a partilha de informação da mais popular até a

científica é um dado adquirido.

Pensamos que a nossa área profissional a da Saúde, seja um dos temas mais debatidos

no planeta, devido às implicações que tem com o nosso dia -a -dia.

Não existia até agora um local onde verdadeiramente pudéssemos trocar opiniões,

expor atualizações e falar da Saúde em geral para todo o mundo, desde técnicos a

leigos, vamos debater e partilhar informação na área da Saúde de uma forma honesta,

séria e global…

Bem Vindos ao Blog : maismaismedicina.ga

Enviar artigos ao e-mail: cjldo2013@gmail.com.

Esperamos a vossa colaboração

Carlos Dinis MD

Juan Ortiz Rubio MD

#The Power of Flowers May Ease #Fibromyalgia Symptoms

Postado em

Participating in a flower-arranging course may improve both pain and psychiatric symptoms for patients with fibromyalgia, new research suggests.

The findings highlight the potential benefits of floristry as occupational therapy to improve the quality of life of patients with fibromyalgia.

Coinvestigator Howard Amital, MD, head of the Center for Autoimmune Diseases, Sheba Medical Center, Tel-Hashomer, and professor of medicine at the Sackler Faculty of Medicine, Tel-Aviv University, Israel, noted that flower arranging is particularly effective because it’s a “multistimulation therapy.”

It affects different senses that “all coincide and produce a very positive effect on the patient,” Amital told Medscape Medical News.

He added that it’s important for clinicians to hear about nonpharmacologic therapies for fibromyalgia, which is why he sought to have the study published in a medical journal.

The findings were published online in the July issue of the Israel Medical Association Journal.

Creating Bouquets

Fibromyalgia is characterized by chronic, widespread pain and fatigue and is often accompanied by somatic syndromes such as irritable bowel and migraines. Patients may also present with mood and anxiety disorders.

Worldwide, fibromyalgia affects 2% to 4% of the population. It mostly affects women.

Little is known about the pathogenesis of the syndrome, so treatments primarily focus on alleviating pain and improving quality of life. Experts recommend a multimodel approach that includes aerobic exercise and cognitive-behavioral therapy in addition to pharmacologic regimes.

The current observational study included 61 adult female patients (mean age, 51 years) who had been diagnosed with fibromyalgia.

 

The women completed a 12-week flower design course that included weekly sessions under the supervision of a trained florist. The participants learned to create flower bouquets that they could take home.

Two consecutive groups participated in the study. The first group participated from week 1 to week 12, and the second, from week 12 to week 24.

At baseline, 12 weeks, and at study completion (week 24), the researchers measured a number of fibromyalgia disease-activity indices. Assessment tools included the 36-item Short Form Survey (SF-36), the Brief Pain Impact Questionnaire (BPI), the Visual Analogue Scale (VAS), tender-point count, and the Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQ).

The study also assessed depression, using the Hamilton Depression Rating Scale (HDRS), and anxiety, using the Hamilton Anxiety Rating Scale (HAMA).

The two groups were similar with regard to mental and physical health at baseline, but the VAS score was significantly higher in group 1, the first group to complete the course, than in group 2 (mean, 8 vs 7, respectively; P = .01).

There were no between-group differences in use of serotonin-norepinephrine reuptake inhibitors, selective serotonin reuptake inhibitors, or pregabalin(Lyrica, PF Prism CV). However, the participants in group 1 reported significantly higher use of cannabis (46.7% vs 13.3%; P = .010).

“Quite Amazing”

Results showed statistically significant improvements in the SF-36 physical and mental health components, VAS scores, FIQ scores, and HAMA and HDRS scores for the entire study population (all, P < .05), which Amital said is “quite amazing.”

However, tender-point counts remained unaffected, which was not surprising, Amital noted. Tender points “are not discriminatory enough” and reflect a limited aspect of the syndrome, which also includes unrefreshing sleep, fatigue, and cognitive impairment, he added.

When evaluating the groups separately, the researchers found a significant improvement in all study measures except tender-point count during the course. There was a slight decline in improvement in group 1 after their course ended (weeks 12 to 24), but the measurements did not return to starting levels.

“These study participants still kept the positive effect,” said Amital.

However, he added that, as with any intervention, especially for patients with fibromyalgia, “you need to do maintenance” to preserve the optimal effect.

Participating in a floristry course combines art therapy with exposure to a natural element, flowers, both of which have been shown to be beneficial.

For example, studies have shown that self-expression through creative art therapy alleviates psychiatric symptoms for patients presenting with trauma and depression. Engaging with natural elements — for example, flowers and houseplants indoors and parks and forests outdoors — is believed to promote relaxation, reduce blood pressure and heart rate, and improve stress levels and mood.

Amital is now planning to start a flower arranging course for patients with fibromyalgia and other rheumatic conditions at the Sheba Medical Center, which is the largest hospital in Israel.

“I thought it would be a good platform to show that even though it’s a bit different from the conventional way of education and thinking that we physicians are usually exposed to, it does have a positive effect and has no side effects,” he said.

Shows Promise

Commenting on the findings for Medscape Medical News, Clayton Jackson, MD, former president of the Academy of Integrative Pain Management and clinical assistant professor of family medicine and psychiatry, University of Tennessee College of Medicine, Memphis, noted that the study had some limitations, including its small size and its observational, nonblinded design.

However, he said the intervention shows promise, and the results “add to the evidence base that there are multiple interventions that can be helpful for patients with chronic pain.”

Jackson, who was not involved with the research, stressed that fibromyalgia is “particularly problematic” with respect to symptom relief.

“This study is interesting because it’s a non-opioid and nonpharmacological approach to a difficult pain management problem in patients with fibromyalgia,” Jackson said. “Anything nonpharmacological that can be shown to work is incredibly interesting because it might have implications for other pain syndromes.”

Unlike other types of occupational therapy, floral design “might be multisensory in its effect” in fibromyalgia, Jackson added.

“There’s social contact, there’s visual stimulation from the flowers, there’s tactile stimulation of arranging in certain ways, and then there’s potentially an element of aromatherapy, because flowers are aromatic,” he said.

One theory of pain is that “pleasant sensory experiences may help to block unpleasant sensory experiences,” said Jackson.

Amital and Jackson have disclosed no relevant financial relationships.

Isr Med Assoc J. 2019;21:449-453. Full article

 

#Mulheres com #baixa libido: diagnóstico e potenciais benefícios da #testosterona tópica

Postado em

 

A disfunção sexual feminina é um problema recorrente, que pode ter impacto negativo na saúde e qualidade de vida da mulher. Uma categoria diagnóstica que faz parte do espectro desta condição é o Transtorno do desejo sexual hipoativo feminino (TDSH). Ele é caracterizado por deficiência ou ausência de fantasias sexuais e desejo por atividade sexual que causa sofrimento acentuado ou dificuldade interpessoal.

A testosterona é um dos principais hormônios sexuais envolvidos na regulação do desejo sexual. Embora estudos de alta qualidade em mulheres na pré-menopausa sejam escassos, evidências de estudos prévios apoiam a eficácia da testosterona transdérmica. Ela aumenta os níveis de andrógenos, para melhorar o desejo e satisfação sexual em mulheres com TDSH. Embora o tema ainda esteja permeado por muita polêmica e controvérsias, não sendo seu uso autorizado em muitos países, sob o argumento de que os dados de segurança de longo prazo são inadequados para apoiar a aprovação.

Diagnóstico do TDSH

O diagnóstico do TDSH pode ser realizado durante consulta médica, quando houver história clínica compatível ou demanda das pacientes, por meio de um instrumento de triagem. Para auxiliar no diagnóstico, usa-se um screening de Desejo Sexual Diminuído, que é um questionário validado de 5 itens projetado para a prática clínica (Quadro 1) e que está disponível online.

Se a triagem sugere a presença do transtorno, os próximos passos devem incluir a solicitação de informações mais detalhadas das pacientes sobre sua experiência de baixo desejo, incluindo início, duração, adaptação e nível de sofrimento. Avaliação cuidadosa do histórico médico do paciente (incluindo história reprodutiva), comorbidades (incluindo distúrbios endócrinos, neurológicos, cardiovasculares e psiquiátricos), uso de medicamentos e um exame físico direcionado.

Transtornos psiquiátricos, em particular depressão e ansiedade, também devem ser considerados no diagnóstico diferencial como potenciais fatores contribuintes para o baixo desejo. Os testes laboratoriais são, geralmente, de utilidade limitada no estabelecimento de um diagnóstico de TDSH. Embora testes específicos possam ser justificados com base no histórico do paciente e exame físico, como achados físicos sugestivos de doença tireoidiana ou hiperprolactinemia.

 

Potenciais benefícios da Testosterona no TDSH

Dependendo da fase particular da vida reprodutiva que uma mulher está experimentando, diferentes recomendações são feitas. Várias opções no tratamento de TDSH em mulheres incluem mudanças no estilo de vida, tratamento de distúrbios médicos ou psiquiátricos coexistentes, troca ou descontinuação de medicamentos que possam afetar o desejo sexual, a terapia hormonal e a terapia conjugal.

A testosterona transdérmica parece exercer um efeito positivo sobre desejo sexual em mulheres com TDSH. No entanto, requer cautela e critérios em sua gestão. Os principais efeitos colaterais da terapia com testosterona em mulheres estão relacionados a sintomas masculinizantes e sangramento endometrial anormal. Mas o câncer de mama e o risco cardiovascular também são motivo de preocupação. Os efeitos são dose-dependentes e doses suprafisiológicas devem sempre ser evitadas.

Uma revisão sistemática recente sobre o tema, evidenciou que todos os estudos selecionados tiveram resultados semelhantes, sugerindo alta efetividade para o uso de 300 µg/dia testosterona transdérmica, associado ou não a estrogênio, para mulheres com TDSH com efeitos colaterais mínimos. Um estudo mostrou uma tendência para maior risco de câncer de mama em uso a longo prazo (0,37%).

As recomendações do Departamento de Endocrinologia Feminina e Andrologia (DEFA) da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, por meio de consenso lançado em 2019 sobre o tema, comenta que a testosterona parece exercer um efeito positivo sobre o desejo sexual em mulheres com TDSH. Mas a DEFA reforça a falta de dados de segurança de longo prazo e evidências insuficientes para ampla recomendação de terapia com testosterona. As formulações de testosterona aprovadas para homens não são recomendadas para uso por mulheres. Portanto, ao considerar a terapia com testosterona, todos riscos e benefícios devem ser cuidadosamente discutidos o paciente antes da prescrição.

Autor: 

Fernando Costa Araújo

Médico com residência em Endocrinologia e Clínica Médica pelo Hospital Universitário João de Barros Barreto da UFPA ⦁ Professor de Habilidades Médicas no Centro Universitário do Pará (CESUPA) ⦁ Mestrado em Saúde na Amazônia pelo Núcleo de Medicina Tropical, Belém/PA ⦁ Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Pará

Referências:

  • Clayton AH, Kingsberg SA, Goldstein I. Evaluation and Management of Hypoactive Sexual Desire Disorder. Sex Med. 2018 Jun; 6(2): 59–74.
  • Ganesan,K, Habboush Y, Sultan S. Transdermal Testosterone in Female Hypoactive Sexual Desire Disorder: A Rapid Qualitative Systematic Review Using Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation. Cureus. 2018 Mar; 10(3): e2401.
  • Weiss RV et al. Testosterone therapy for women with low sexual desire: a position statement from the Brazilian Society of Endocrinology and Metabolism. Arch Endocrinol Metab. 2019;63/3

#Sete em cada dez pacientes recebem #informações falsas de #diagnósticos na internet

Postado em

pfizer pro

 

É muito comum o atendimento a pacientes que já trazem de casa uma série de informações (muitas vezes falsas) sobre os sintomas que estão sentindo ou o nome da provável doença que pensa possuir, não é verdade?

Hoje em dia, o chamado “Dr. Google” é um fenômeno mundial, que atrai também os brasileiros. Basta uma dor de cabeça ou um mal-estar para as pessoas acessarem a internet para pesquisar sobre o tema.

Mas, o que pode parecer uma facilidade em conseguir informações sobre doenças também é um dos maiores vilões. Uma vez que a pessoa lê as informações, se identifica com os sintomas descritos e, por conta disso, acredita que a condição ou enfermidade abordada ali corresponde ao seu caso, isso se torna um problema. E isso é altamente perigoso porque estimula a prática da automedicação, entre outros riscos.

Pesquisa Doctoralia

A Doctoralia, plataforma líder global do setor de agendamento de consultas, realizou pesquisa com 570 médicos registrados. Ela mostrou que 73% deles receberam algum questionamento de seus pacientes no último ano sobre saúde que, ao final, descobriu-se ser apenas um boato. Mais do que isso, 72% dos médicos notaram um aumento desses casos. Ou seja, cada vez mais as pessoas procuram diagnósticos na internet e recebem informações que não são verdadeiras.

Por exemplo, uma simples dor de cabeça pesquisada em sites da internet pode trazer diversos diagnósticos. Por exemplo, febre, dengue, meningite, AVC e tantas outras patologias que podem preocupar sem necessidade ou passar uma falsa sensação de tranquilidade ao paciente.

E esse comportamento está fazendo com que os médicos fiquem cada vez preocupados com os conhecidos como “cibercondríacos”. Ou seja, os pacientes que se autodiagnosticam por meio de pesquisas na internet.

“Os riscos vão desde a redução da taxa de vacinação, fato que pode ser observado em vários países, até ao aumento das compras de substâncias sem utilidade prática para a melhoria da saúde da família. Além de outros efeitos colaterais que os profissionais de saúde tentam resolver em suas consultas”, destaca Carlos Eduardo Spezin Lopes, CEO da Doctoralia.

Ao tomar as informações obtidas em fontes duvidosas da Internet como verdade, os pacientes podem ter conclusões erradas a respeito do seu quadro de saúde. Além disso, podem atrasar a ida a uma consulta médica, a conclusão de um diagnóstico correto e o início do tratamento adequado.

 

Cinco especialidades mais buscadas em 2018

  1. Ginecologia.
  2. Psicologia.
  3. Dermatologia.
  4. Endocrinologia.
  5. Psiquiatra.

Dez doenças mais buscadas na Doctoralia Brasil em 2018

  1. Câncer de estômago.
  2. Mioma.
  3. Depressão.
  4. Fígado gorduroso.
  5. Pólipos do intestino grosso (cólon e reto).
  6. Dor no nervo ciático.
  7. Anemia.
  8. Galactorreia.
  9.  Nódulo Pulmonar.
  10. Dermatite.

Como escolher a fonte de consulta na internet?

“Todo site sério sobre saúde ressalta, de uma forma ou outra, que as informações contidas ali não substituem uma consulta médica. E as informações sobre doença disponíveis online, muitas vezes, são tratadas como diagnóstico pelo usuário”, aponta Frederic Llordachs, médico cofundador da Doctoralia.

Ainda de acordo com a pesquisa, 87% dos médicos atribuem esse aumento aos novos canais de comunicação imediatos (WhatsApp, redes sociais, etc) que permitem a difusão mais rápida dos boatos. Os motivos que levam as pessoas a pesquisarem os seus sintomas na internet vão desde a comodidade até a ansiedade, passando pela dificuldade de atendimento.

Sobre as maiores dúvidas, os médicos puderam escolher mais de um tema na resposta, e entre os entrevistados, os maiores boatos surgem sobre as terapias alternativas. Nesse contexto, 62% dos profissionais são procurados por dúvidas dessa natureza. Em segundo lugar, ficam as dúvidas sobre alimentação (45%), seguidas de questões sobre câncer (38%), efeitos adversos de medicamentos (34%), sexualidade (15%), dores (11%), intoxicação por medicamentos (10%) e outras naturezas que somam 7% dos questionamentos.

 

Entretanto, nove a cada dez médicos acreditam que os pacientes deveriam receber formação para distinguir os boatos das informações verdadeiras. “Além de informações que podem estar erradas, ainda há casos em que a informação passada por um parente ou amigo ganha um ar de credibilidade falso e perigoso. Mesmo quando um diagnóstico é realizado em consultório, nem sempre é conclusivo e rápido, ou seja, a saúde merece atenção e cuidado”, explica Frederic Llordachs

A plataforma alerta que o serviço não substitui uma consulta médica, mas conectando pacientes e profissionais de saúde, proporciona o acesso seguro à informação sobre saúde na internet.

Referências:

 

#Detectado el mecanismo por el que algunos #fármacos disminuyen el peso

Postado em

Un estudio, publicado en Nature Metabolism, relaciona la activación de un receptor de la dopamina en ciertas neuronas con la grasa parda.

Equipo investigador

Investigadores del CIBER de Obesidad y Nutrición (CIBEROBN), pertenecientes al Instituto de Investigación Sanitaria de Santiago y a la Universidad de Santiago de Compostela (USC), han coordinado un estudio que ha descubierto un mecanismo mediante el cual algunos fármacos utilizados para el tratamiento de otras enfermedades disminuyen también el peso corporal.

Estos fármacos son la bromocriptina (aprobada para el tratamiento de la diabetes tipo 2 en EEUU) y la cabergolina(fármaco utilizado para el tratamiento de prolactinomas) que activan la vía de señalización de la dopamina. El estudio demuestra con experimentos farmacológicos y con ensayos genéticos que la activación de un receptor de la dopamina en ciertas neuronas del cerebro es capaz de activar un mecanismo que finalmente activa la grasa parda.

Los resultados del trabajo, realizado principalmente en ratones, han sido también corroborados en pacientes tratados con cabergolina

El trabajo acaba de ser publicado hoy por la revista Nature Metabolism y ha sido coordinado por Rubén Nogueiras y Luisa Seoane, directores de tesis, en su momento, de Cintia Folgueira, primera firmante del artículo. Además han colaborado otros grupos de la USC (José Luis Labandeira, Miguel López y Carlos Diéguez), de la Clínica Universitaria de Navarra (concretamente el grupo de Gema Frühbeck y Javier Salvador) y diversos grupos internacionales de Lille y Montpellier (Francia), Ginebra (Suiza), Utrecht (Holanda) y Cambridge (UK).

Corroborado en pacientes

Esta grasa parda, al contrario que la grasa blanca, es la encargada de gastar calorías para generar calor, y por tanto, al aumentar el gasto energético se ayuda a disminuir el peso corporal. Además, todo esto ocurre sin que los fármacos cambien la ingesta de alimentos.

Los resultados del trabajo, realizado principalmente en ratones, han sido también corroborados en pacientes tratados con cabergolina. Esto ha sido posible por la colaboración del grupo de Gema Frühbeck y Javier Salvador, pertenecientes a la Clínica Universitaria de Navarra y también adscritos al CIBEROBN, quienes observaron que pacientes tratados durante un año con este fármaco mostraban un incremento del gasto energético y una pérdida de peso.

#Nexo #intestino-Parkinson: más evidencias refuerzan la hipótesis

Postado em Atualizado em

¿Puede iniciarse la enfermedad de Parkinson en el intestino? Esta hipótesis, que no es nueva, se ve reforzada con el reciente desarrollo de un modelo experimental.

Representación gráfica de la microbiota intestinal

El origen de la enfermedad de Parkinson puede estar en el intestino, desde donde se extendería al cerebro a través del nervio vago. Esta hipótesis se confirmaría en un modelo de ratón, desarrollado por un grupo de investigadores de la Universidad Johns Hopkins.

Entre los principales rasgos característicos de la enfermedad de Parkinson se encuentra  la agregación de formas mal plegadas de la proteína neural alfa-sinucleína y la muerte selectiva de las neuronas dopaminérgicos en la sustancia negra compacta.

Fue un neuroanatomista alemán, Heiko Braak, quien propuso en 2003, a partir de sus investigaciones sobre el cerebro humano post mortem, que la patología de la alfa-sinucleína puede propagarse desde el tracto gastrointestinal a través del nervio vago, hasta la sustancia negra compacta, donde eliminaría las neuronas dopaminérgicas. Desde entonces, se han publicado varios estudios que apoyan la idea, pero aún no se había mostrado en un modelo animal.

Finalmente, el grupo de científicos de la Universidad Johns Hopkins, encabezado por el profesor de Neurología Ted Dawson, ha desarrollado el modelo murino que respalda la tesis de Braak. Su descripción se ha publicado en Neuron.

Para ello, los autores inyectaron en ratón fibrillas preformadas de alfa-sinucleína en músculo gastrointestinal inervado por el nervio vago. “Al ver que los experimentos iniciales funcionaban, nos quedamos totalmente sorprendidos”, dice Dawson. “Ahora es una rutina para nuestro equipo”.

Un mes después de la inyección, la alfa-sinucleína patológica se había diseminado al núcleo dorsal del vago; a los tres meses, dicha proteína se había extendido del tronco cerebral al núcleo azul (locus cerúleo) e incluso alcanzó la amígdala, el hipotálamo y la corteza prefrontal. A los siete meses, ya se había extendido a otras regiones cerebrales, como el hipocampo, el cuerpo estriado y el bulbo olfatorio.

En este momento, se produjo una pérdida significativa de neuronas productoras de dopamina en la sustancia negra compacta y el cuerpo estriado. Además de las deficiencias motoras, los ratones de este modelo experimental exhibieron signos de depresión y ansiedad, alteraciones en el sistema olfativo y deficiencias cognitivas.

Modelo experimental del ratón, donde se observa la pérdida de cuerpo estriado.

En los ratones de este experimento a los que se practicó una vagotomía, no se registró la transmisión de la proteína patológica desde el intestino al cerebro, ni la muerte neuronal ni tampoco tales síntomas.

“Hay al menos tres implicaciones importantes en este estudio”, explica Dawson. “Uno: es probable que galvanice futuros estudios que exploren la conexión entre el intestino y el cerebro. Dos: estimulará las investigaciones centradas en los factores, moléculas o infecciones que podrían iniciar el plegamiento incorrecto y la propagación de la alfa-sinucleína. Y tres: sugiere tratamientos que podrían estar dirigidos a prevenir la propagación de la proteína patológica desde el intestino al cerebro”. Sobre este último punto, de hecho, ya existen estudios clínicos que han demostrado que una vagotomía troncal, un procedimiento quirúrgico específico en el nervio vago que generalmente se usa para tratar la úlcera, puede reducir el riesgo de enfermedad de Parkinson.

Estudio de ratones vagotomizados

Para María Gómez Eguilaz, del Servicio de Neurología del Hospital San Pedro, en Logroño, “quedan muchas incógnitas por aclarar, pero artículos como este ayudan a ir conociendo un poco más de la enfermedad de Parkinson”. La neuróloga resume a DM que el trabajo “apoya la teoría propuesta por Braak sobre la posibilidad del origen de la enfermedad de Parkinson en el intestino. Incluso va un paso más allá al estudiar a ratones vagotomizados, demostrando que en éstos no se produce la propagación de la alfa-sinucleína, por tanto, exponen la necesidad de integridad del vago como medio para que se produzca esa propagación. Y también muestran que es necesaria la presencia de alfa-sinucleína endógena para la producción de alfa-sinucleína patológica. En resumen, los autores proponen que el origen de la enfermedad estaría en el intestino y la necesidad de integridad de la vía intestino-cerebro para la producción de la enfermedad”.

 

La neuróloga reconoce que estos investigadores se plantean varias hipótesis sobre cómo se produciría esta conexión, “que no llegan a resolver”. Y entre ellas, alude a las que “implican a la microbiota que tan de moda está”. La especialista recuerda que “hay estudios previos que relacionan la microbiota con la producción de agregados de alfa-sinucleína mediados probablemente por diferentes mecanismos inflamatorios. Lo cierto es que aún quedan muchos interrogantes abiertos”.

La propuesta de que la enfermedad se origina en el intestino abre puertas, no obstante, a posibles futuros tratamientos, según se vayan esclareciendo las diversas hipótesis etiológicas. “Y serían diferentes a los prescritos actualmente, ya que en base a este artículo, actualmente estaríamos tratando tarde y quizás no sea impensable poder tratar en un futuro con probióticos o incluso con agentes contra la inflamación”.

#Estudo sugere que 4400 passos por dia bastam para reduzir risco cardiovascular

Postado em Atualizado em

exercicios

Estudo sugere que 4400 passos por dia bastam para reduzir risco cardiovascular

 

Quando se trata de viver mais tempo e melhor, alcançar a meta dos 10 mil passos por dia pode não ser mais necessário. Essa é uma informação gerada de um estudo observacional publicado recentemente no JAMA Internal Medicine.

Ainda de acordo com o novo estudo, as mulheres mais velhas que andaram mais do que os seus companheiros tiveram taxas de mortalidade menores. Elas deram apenas 4400 passos por dia para se exercitar.

Mas, de onde saiu esse número?

Curiosamente, o número tem como origem uma campanha de marketing do Japão dos anos 1960. Na preparação para a Olimpíada de 64, em Tóquio, uma empresa criou um dispositivo voltado aos consumidores preocupados com a saúde. Ele era chamado de Manpo-Kei, que significa “medidor de 10 mil passos”.

O aparelho foi um dos primeiros podômetros, baseado no trabalho do médico Yoshiro Hatano, do Departamento de Saúde e Bem-Estar da Universidade Kyushu.

Por que isso importa?

A maioria das pessoas, independentemente de sua idade ou nível de condicionamento físico, pode andar em seu próprio ritmo, tornando essa forma de atividade física amplamente acessível.  Mas para muitos idosos, a ideia de dar 10 mil passos todos os dias pode parecer assustadora, podendo desencorajá-los a caminhar mais.

Com tudo isso em mente, o Comitê Consultivo de 2018 sobre atividades físicas solicitou mais pesquisas sobre a relação dose-resposta entre passos diários e uma boa saúde.

Metodologia

Ao longo de uma semana, 16. 741 mulheres com idade média de 72 anos usaram acelerômetros durante suas horas de vigília. Os pesquisadores coletaram dados ao longo de quatro a sete dias. As mulheres foram divididas em quatro grupos, com base enquanto caminhavam. Os pesquisadores rastrearam quantas mulheres morreram em cada quartil durante uma média de 4,3 anos de acompanhamento.

Resultados

  • As mulheres tomaram uma média de 5499 passos por dia. Foi um pouco mais do que a média dos Estados Unidos, medida por smartphones, de 4800 passos. Durante o seguimento, 504 mulheres morreram;
  • Mulheres com média de, aproximadamente, 4400 passos diários tiveram taxas de mortalidade menores do que aquelas que tomaram cerca de 2700 passos por dia;
  • Houve uma resposta à dose, particularmente no extremo inferior ou inativo do espectro;
  • Houve declínios adicionais na mortalidade entre as mulheres que andaram mais. Mas apenas até cerca de 7.500 passos diários. Além desses, as taxas de mortalidade se estabilizaram;
  • Andar mais rápido ou mais devagar não pareceu afetar as taxas de mortalidade quando o número de passos foi calculado.

Uma advertência

Este tipo de estudo não pode provar definitivamente que andar mais ajuda as pessoas a viver mais. É possível que as mulheres que estavam doentes no estudo tenham reduzido os seus passos, por exemplo.

No entanto, os pesquisadores controlaram muitos fatores que poderiam ter influenciado os resultados. Incluindo o estado de saúde, a idade, a dieta e o estilo de vida.

Também foram analisados novamente os dados, com resultados semelhantes, após a exclusão de mulheres que podem não estar em boa saúde com base em fatores como diabetes, câncer ou baixo peso.

O que os pesquisadores dizem?

Os resultados provavelmente se aplicam a todos os indivíduos que não são muito ativos, incluindo homens e mulheres mais jovens. Essa informação veio do principal autor do estudo, I-Min Lee, MD, ScD, do Hospital Brigham and Women e Harvard Medical School, em Boston.

“Dê mais passos, até mesmo um número modesto de etapas está associado a uma mortalidade mais baixa. Todas as etapas contam, não apenas as tomadas durante o exercício”, disse I-Min Lee.

 

PebMed

Autora: 

Jornalista carioca. Diretora executiva do Digitais do Marketing, colunista de cultura e maternidade dos sites Cabine Cultural e Feminino e Além, respectivamente.

Referências:

#O que causa a esclerose múltipla?

Postado em

Fonte de imagem: Medical News Today

Uma equipa de investigadores conseguiu um avanço científico que poderá conduzir ao desenvolvimento de tratamentos preventivos para a esclerose múltipla.

Num estudo internacional liderado por investigadores da Universidade de British Columbia, Canadá, foram identificadas mutações em 12 genes que se pensa estarem estreitamente envolvidos no desencadeamento da esclerose múltipla em famílias com membros diagnosticados com a doença.

“Esses genes são como um farol que ilumina a raiz da causa da EM [esclerose múltipla]”, comentou Carles Vilariño-Güell, investigador que liderou o estudo.

A esclerose múltipla afeta o sistema nervoso central, onde as células do sistema imunitário atacam e danificam a mielina, a camada protetora das células nervosas no cérebro e espinal-medula. O paciente fica frequentemente com incapacidade e com uma qualidade de vida bastante inferior.

Para a sua investigação, a equipa de Carles Vilariño-Güell fez o sequenciamento de todos os genes conhecidos em três ou mais pacientes com esclerose múltipla pertencentes a 34 famílias e analisaram as variantes genéticas em familiares, tanto afetados como não afetados pela doença.

Foram analisados genes de um total de 132 pacientes, o que permitiu identificar as 12 mutações genéticas mencionadas que podem tornar o sistema imunitário excessivamente ativo, atacando a mielina.

Os investigadores sugerem que dos pacientes diagnosticados com esclerose múltipla, apenas 13% terão uma forma genética da doença, mas os que apresentam as mutações identificadas neste novo estudo terão uma possibilidade de até 85% de desenvolverem a doença ao longo da vida.

Carles Vilariño-Güell indicou que o objetivo é agora desenvolver modelos celulares e animais com as mutações identificadas para simular os processos biológicos responsáveis pelo desencadeamento da esclerose múltipla em pacientes, no sentido de eventualmente se desenvolver tratamentos preventivos para a doença.

Os tratamentos atualmente disponíveis atuam sobre os sintomas e não sobre as causas da doença.