Últimas notícias do evento

Bem Vindos

Postado em Atualizado em

Bem Vindos

Na época tecnológica em que vivemos, a partilha de informação da mais popular até a

científica é um dado adquirido.

Pensamos que a nossa área profissional a da Saúde, seja um dos temas mais debatidos

no planeta, devido às implicações que tem com o nosso dia -a -dia.

Não existia até agora um local onde verdadeiramente pudéssemos trocar opiniões,

expor atualizações e falar da Saúde em geral para todo o mundo, desde técnicos a

leigos, vamos debater e partilhar informação na área da Saúde de uma forma honesta,

séria e global…

Bem Vindos ao Blog : maismais medicina.wordpress.com

Enviar artigos ao e-mail: cjldo2013@gmail.com.

Esperamos a vossa colaboração

Carlos Dinis MD

Juan Ortiz Rubio MD

La lactancia materna puede reducir el ataque cardiaco de una madre y el riesgo de accidente cerebrovascular (J Am Heart Assoc)

Postado em

Cada seis meses más de lactancia, un 4% menos de riesgo cardiaco.

Cada seis meses más de lactancia, un 4% menos de riesgo cardiaco.

La lactancia materna no sólo es saludable para los bebés, sino que también puede reducir el riesgo de una madre de tener un ataque al corazón o un derrame cerebral más adelante en la vida, según revela una nueva investigación publicada en “Journal of the American Heart Association”.

Estudios previos han sugerido que las madres obtienen beneficios de salud a corto plazo de la lactancia materna, como la pérdida de peso y la reducción del colesterol, la presión arterial y los niveles de glucosa después del embarazo. Sin embargo, los efectos a largo plazo de la lactancia materna sobre el riesgo de desarrollar enfermedades cardiovasculares en las madres no están claros. Un nuevo estudio en China encontró que las mujeres que amamantaron a sus bebés tuvieron un 10% menos de riesgo de desarrollar enfermedad cardiaca o accidente cerebrovascular.

Investigadores de la University of Oxford, la Academia China de Ciencias Médicas y la Universidad de Pekín analizaron datos de 289.573 mujeres chinas (edad media de 51 años) que participaron en el estudio de China Kadoorie Biobank que proporcionó información detallada sobre su historia reproductiva y otros factores de estilo de vida. Casi todas eran madres y ninguna tenía enfermedad cardiovascular cuando se inscribieron en el estudio.

Después de ocho años de seguimiento, hubo 16.671 casos de enfermedad coronaria, incluyendo ataques al corazón, y 23.983 casos de accidente cerebrovascular. En comparación con las mujeres que nunca habían amamantado, las madres que amamantaron a sus bebés tenían un 9% menos riesgo de enfermedad cardiaca y un 8% menos riesgo de accidente cerebrovascular. Entre las madres que amamantaron a cada uno de sus bebés durante dos años o más, el riesgo de enfermedad cardiaca fue 18% menor y el riesgo de ictus fue un 17% menor que entre las madres que nunca amamantaron.

Cada seis meses adicionales de lactancia materna por bebé, se vincularon con un 4% menos riesgo de enfermedad cardiaca y un 3% menos riesgo de accidente cerebrovascular. Los investigadores consideraron una gama de factores de riesgo para la enfermedad cardiovascular, como fumar, la tensión arterial alta, la obesidad, la diabetes y la actividad física, que podrían generar resultados sesgados.

“Aunque no podemos establecer los efectos causales, los beneficios para la salud de la madre de la lactancia materna puede explicarse por un reajuste más rápido del metabolismo de la madre después del embarazo. La gestación cambia el metabolismo de una mujer dramáticamente a medida que almacena la grasa para proporcionar la energía necesaria para el crecimiento del bebé y la lactancia materna una vez que el bebé nace. La lactancia materna podría eliminar la grasa almacenada más rápido y más completamente”, apunta la coautora, Sanne Peters, investigadora de la University of Oxford, en Reino Unido.

Los autores señalaron que las mujeres que amamantan pueden ser más propensas a participar en otros comportamientos beneficiosos de salud que disminuyen su riesgo de enfermedad cardiovascular en comparación con las mujeres que no amamantan. Debido a que este estudio fue observacional, basándose en la información proporcionada por las madres sobre sus historias de lactancia materna, no demuestra causa y efecto y sus hallazgos deben confirmarse con otro tipo de estudios que demuestren que un comportamiento puede llevar a un resultado.

Una mayor diversidad de emociones positivas lleva a indicadores más bajos de inflamación sistémica (Emotion)

Postado em

  • Las emociones contribuyen a la susceptibilidad a la enfermedad.

Las emociones contribuyen a la susceptibilidad a la enfermedad.

Las personas que experimentan no sólo emociones positivas, sino una diversidad de emociones positivas, parecen tener niveles más bajos de inflamación sistémica, lo que puede reducir su riesgo de patologías crónicas como la diabetes y las enfermedades del corazón, según concluye una investigación publicada en la revista “Emotion”.

“Existe una creciente evidencia de que las respuestas inflamatorias pueden ayudar a explicar cómo las emociones se ponen bajo la piel, por así decirlo, y contribuyen a la susceptibilidad a la enfermedad”, afirma el autor principal del trabajo, Anthony Ong, de Cornell University y Weill Cornell Medical College.

“Nuestros hallazgos sugieren que tener una vida emocional positiva rica y diversa puede beneficiar a la salud por los bajos niveles circulantes de inflamación”, añade.

Ong y sus colegas buscaron investigaciones previas que sugerían que las personas que experimentan emociones más positivas tienden a registrar mejores resultados de salud a lo largo del tiempo.

Específicamente, trataron de determinar si el rango y la variedad de emociones que los individuos experimentan –lo que denominaron “emodiversidad”– estarían relacionados con un indicador biológico objetivo, es decir, la inflamación.

Los altos niveles de inflamación sistémica se han asociado con enfermedades crónicas (por ejemplo, aterosclerosis, diabetes tipo 2, osteoporosis) y un mayor riesgo de muerte prematura, apunta Ong.

Los científicos siguieron a 175 participantes, de 40 a 65 años, del área metropolitana de Phoenix durante 30 días, tiempo en el que los participantes usaron una tableta que se les dio con el fin de mantener un registro diario de sus experiencias emocionales.

Seis meses después, se tomaron muestras de sangre y se analizaron marcadores de inflamación (es decir, IL-6, CRP, fibrinógeno).

“Una mayor diversidad en el día a día de emociones positivas se relacionó con una inflamación sistémica inferior –explica Ong–.

Esta asociación siguió siendo significativa después de explicar los niveles medios de emociones positivas o negativas, diferencias en características demográficas, índice de masa corporal, personalidad, uso de medicamentos y enfermedades médicas”.

Es importante señalar que este efecto sólo se encontró para la diversidad de emociones positivas, según Ong, un hallazgo que fue sorprendente para los investigadores, ya que se esperaba encontrar relaciones similares para la diversidad negativa y emocional general también.

Para determinar la diversidad emocional positiva, los investigadores pidieron a los participantes que indicaran su experiencia de 16 emociones positivas diferentes (entusiasmado, interesado, decidido, excitado, divertido, inspirado, alerta, activo, fuerte, orgulloso, atento, feliz, calmado) a través del periodo de 30 días.

Se midió la diversidad no sólo por el número de emociones discretas experimentadas, sino por la distribución global y el número de veces que se experimentó cada emoción.

“Específicamente, la baja emodiversidad se caracteriza por experiencias emocionales relativamente homogéneas y concentradas en unas pocas categorías emocionales, mientras que la elevada emodiversidad refleja experiencias emocionales relativamente diversas y distribuidas de manera más uniforme entre las categorías”, dice Ong.

Aunque estudios previos han examinado el papel independiente de las emociones positivas y negativas en la inflamación, Ong cree que esto puede ser el primero en examinar el papel de la diversidad de la emoción.

Sin embargo, advierte que los hallazgos, que se centran específicamente en individuos de mediana edad de un área geográfica única, necesitan replicarse en muestras más grandes y culturalmente más diversas.

Medicine information leaflets ‘impenetrable’ and ‘unreadable’

Postado em

A new report calls for major changes to medicine patient information leaflets.

A new report has highlighted significant difficulties patients and some healthcare professionals face in using evidence from research to judge the benefits and harms of medicines.

The report by the Academy of Medical Sciences  was initiated following public debate around the benefits and harms of treatments such as statins, hormone replacement therapy , and Tamiflu.

The report highlights the role of healthcare professionals in communicating evidence, risk and uncertainty around medicines, and in discussing these in the context of the patient’s understanding of their illness and treatment. To this end, it says there should be better use of medical appointment times to help patients make better informed decisions about whether to take a medicine or not.

It also raises issues around patient information leaflets which, it says, were described by the public as being ‘impenetrable’ and ‘unreadable’. The report has called for substantial changes to the information contained in such leaflets at European and national levels. In particular, it recommends that a balanced appraisal of the medicine’s potential benefits and risks is made accessible in these documents, in a similar way to the Drug Facts Box initiative in the US.

Insulina , Cortisol e Queima de Gordura

Postado em

 

O cortisol é o que chamamos de hormônio Jekyll & Hyde. Para aqueles que não são 100% familiarizado com a história do Dr. Jekyll e Mr. Hide, aqui vai um resumo:

Dr. Jekyll era um homem de natureza boa e um cidadão íntegro. Mas ele estava incomodado com pensamentos sombrios de uma “natureza luxuriosa e impertinente”. Isso o preocupava tanto que ele desenvolveu um soro para tentar separar-se destes impulsos obscuros. O soro funcionou, mas apenas parcialmente, e trouxe à tona o alter ego do Dr. Jekyll, o perverso Mr. Hyde. A história é sobre a luta entre o lado bom e equilibrado, Dr. Jekyll, e o lado extremamente mau, Mr. Hyde.

Compreender essa história é instrutivo para a compreensão do cortisol. Muitas pessoas vêem o cortisol como um hormônio do “mal” que causa armazenamento de gordura e perda de massa muscular. Na verdade, ele não é, sendo necessário para uma boa saúde, boa condição física e perda de gordura. Ele pode se tornar destrutivo, sob certas circunstâncias, especificamente quando é cronicamente elevado ou continuamente suprimido. Quando é muito alto ou muito baixo, ele se transforma em Mr. Hyde. Quando se é equilibrado, o cortisol é mais como Dr. Jekyll.

Então, vamos passar por alguns fatos sobre o cortisol para ajudá-lo a entender ainda mais.

1) O cortisol promove tanto o armazenamento quanto liberação de gordura.

Causa o armazenamento de gordura, porque como a insulina, ele aumenta a atividade da principal enzima de armazenamento de gordura, a Lipase lipoproteica (LPL, do inglês, Lipoprotein Lipase).

Causa a queima de gordura, porque aumenta a atividade da principal enzima na queima de gordura, a lipase sensível a hormônio (HSL, do inglês, Hormone-sensitive Lipase).

É bom salientar que a principal enzima na queima de gordura em nosso corpo é chamada de lipase sensível a HORMÔNIO e não de lipase sensível à CALORIA. Isto já dá uma dica de que ambos, calorias e hormônios são importantes na perda de gordura e não apenas calorias como sempre escutamos.

HSL é melhor descrita como uma enzima de liberação de gordura do que uma enzima de queima de gordura. Isto porque a gordura liberada ainda precisará ser queimada em outro lugar no corpo, de outro modo corre o risco de ser novamente armazenada. Elevações agudas no cortisol ajudam a queimar gordura.

Excesso de elevações prolongadas no cortisol pode causar alterações nos neurônios simpáticos que levam a um aumento da produção de neuropeptídeo Y (NPY, do inglês, Neuropeptide Y). O NPY liberado de neurônios simpáticos periféricos estimulam o crescimento de células de gordura.

Elevações crônicas no cortisol, especialmente na ausência de construção muscular ou manutenção de hormônios, pode levar à perda de massa muscular.

2) Os hormônios são como pessoas e se comportam de forma diferente dependendo de com quem eles estão associados.

Quando o cortisol é associado com a insulina, é mais provável que se transforme em Mr. Hyde e cause o armazenamento de gordura. Isto é porque a insulina e cortisol são antagonistas do outro. A insulina e cortisol juntos aumentam a LPL muito mais do que qualquer um sozinho, e a insulina ainda suprime a ação do cortisol na HSL.

Isto significa que a insulina acentua o efeito LPL do cortisol e amortece o seu efeito HSL aumentando o armazenamento de gordura, ao mesmo tempo que diminui a sua libertação.

 

A insulina também afeta de forma negativa a queima de gordura diretamente, diminuindo a gordura queimada através da supressão indireta de uma importante enzima na queima de gordura chamada CPT-1.

CPT1A

O cortisol também torna o corpo mais resistente à insulina. Isto significa que o corpo terá de liberar mais insulina para realizar o mesmo trabalho. Isto pode levar a um maior armazenamento de gordura, e a libertação lenta de gordura também reduza.

O Cortisol não causa a gordura da barriga, mas quando é associado com a insulina, desempenha um papel enorme no processo.

3) Quando o cortisol é associado com HGH (Hormônio de Crescimento Humano), catecolaminas (adrenalina e noradrenalina), e níveis mais baixos de insulina, atua mais como Dr. Jekyll, aumentando a perda de gordura.

Isso ocorre porque esses hormônios em combinação aumentam a velocidade de liberação da gordura e elevam a sua queima.

“Este estado de cortisol elevado com HGH e catecolaminas, juntamente com baixa insulina, é extremamente benéfico para a perda de gordura.”

Este estado ocorre em jejum de curto prazo e exercício de alta intensidade e curta duração.

É por isso que, jejuns curtos durante a noite ou jejuns de dia (12-24 horas), e exercícios de alta intensidade e curta duração (20 minutos de treinamento de corrida) são muito benéficos para muitos, em seus objetivos de perda de gordura.

Reduzir o cortisol durante o exercício não é sábio, mas suprimi-lo após o exercício pode ajudar no equilíbrio catabólico-anabólico no corpo. Comer logo após o exercício, fazer atividade relaxante após movimento intenso, e o uso de suplementos como BCAA e/ou proteína de soro funcionam melhor juntas para alcançar o efeito desejado.

4) O cortisol contribui e pode diretamente causar desejos.

Os hormônios do estresse estão associados com o que os neurocientistas chamam de “transtornos de desejo” do cérebro. Este é um estado que é frequentemente ativado sob estresse, onde os centros de recompensa de curto prazo, do cérebro, são ativados e os centros de motivação são suprimidos.

O cortisol interage direta ou indiretamente com o neuropeptídeo Y (NPY), estimulando o apetite.

O cortisol está associado ao desejo por alimentos doces, salgados e gordurosos.

5) O cortisol está intimamente relacionado com a função da tireóide.

Cortisol é necessário para sensibilizar os receptores da tiróide ao hormônio tireoidiano. Portanto baixo cortisol atrapalha sinalização normal da tireóide levando a hipotireoidismo.

 

Síntese da T3 Reversa a partir de T4 por deiodinação. Síntese de T3 e T2 também são mostradas

Altos níveis de cortisol diminuem a conversão de tiroxina (T4) a triiodotironina (T3) e aumenta os níveis de hormônio da tireóide reversa (rT3). Juntos, isso significa menor a função da tireóide e hipotireoidismo.

Para a função tireoidiana ideal você não deve ter cortisol muito alto ou muito baixo.

6) Aumentam o cortisol

  • Exercício de alta intensidade e de curta duração.
  • Exercício de moderada intensidade e de longa duração.
  • Pular refeições pode aumentar o cortisol. Na alimentação, o que se acredita é que seja uma resposta imunitária protetora. No caso de falta de refeições, ele é liberado para ajudar liberação de gordura e açúcar. O grau de tais respostas é variável de pessoa para pessoa. No jejum intermitente temos elevação de cortisol com diminuição de insulina e elevação de hormonio do crescimento o que favorece queima de gordura
  • Privação do sono, estresse de curto prazo
  • As respostas imunes de infecção ou inflamação podem causar altos níveis de cortisol.
  • A raiz de alcaçuz ou Licorice aumenta a meia-vida de cortisol no organismo e é frequentemente usada por médicos alternativos em pessoas com baixas reservas de cortisol.
  • Hidrocortisona ou cortisol derivado de planta (Isocort) são ambos frequentemente utilizados para aqueles com baixos níveis de cortisol.
  • O uso de álcool
  • Café
  • Vitamina B5,

7) Reduzem  e modulam o cortisol

  • Caminhada por lazer, não andando por andar. (Especialmente na floresta).
  • O sono, cochilos e massagem.
  • Descanso, relaxamento e riso.
  • Meditação, tai chi, yoga restauradora/alongamento (não a power yoga).
  • Afeição física, o tempo com os entes queridos e animais de estimação.
  • Sauna, banhos quentes, e terapias de spa.
  • Chás GABAérgicos de ervas (erva-cidreira, maracujá, valeriana, camomila, calota craniana, Yogi da Bedtime Tea).
  • Comer. Tudo o que eleva a insulina irá suprimir o cortisol em algum grau. Por isso os alimentos ricos em amido e alimentos ricos em proteínas pode m diminuir o cortisol
  • Proteína Whey e suplementos de BCAA
  • Fosfatidil Serina e Relora (um complexo de extratos específicos de Phellodendron amurense e de Magnolia officinalis, utilizado para regular os níveis de cortisol).
  • Magnésio. Por via oral ou através de banho (ou seja, sais de Epsom)
  • Chá verde (teanina)

8) Equilibram o cortisol e a função do estresse adrenal.

  • Os ginsengs: Ginseng Asiático (Panax), ginseng siberiano (Eleutherococcus)
  • Rhodiola Rosea
  • Shizandra (ginseng chinês)
  • Ashwagandha (ginseng indiano)
  • Maca (ginseng peruano)
  • Tulsi (Manjericão)
  • Sódio, vitamina C, zinco, magnésio

9) Dosagem do cortisol.

  • Melhor avaliado através da saliva, de modo a captar o hormônio livre e capturar o seu ritmo circadiano natural mas pode ser mensurado no sangue ate´1 hora depois de acordar em jejum de 8 horas
  • Pode se fazer a curva de cortisol na saliva com 3 a 4 dosagens ao longo do dia. A resposta natural é elevado pela manha e diminuído a noite
  • Inversão nesta curva pode indicar fadiga adrenal crônica principalmente se tivermos sintomas como fadiga matinal persistente pela manha com melhora da energia a noite

10) Outros fatos interessantes.

– A doença que cursa com baixíssimo nível de cortisol é chamada “Doença de Addison”. É um doença auto imune onde as glândulas supra renais passam a produzir quantidades muito diminuídas de cortisol. Cortisol no sangue dosado pela manha abaixo de 3 associado a fadiga extrema merece melhor investigação por endocrinologista. Uso prévio de corticóides sintéticos como dexametasona, prednisona, prednisolona e betametasona por exemplo podem deixar o cortisol baixo ao fim do uso e falsear o resultado

– A doença que cursa com elevado nível de cortisol é chamada “Doença de Cushing”. Os indivíduos tendem a ter um rosto redondo, o acúmulo de gordura na parte superior das costas, e uma grande barriga redonda. Eles também tendem a desenvolver “estrias roxas” ou estrias. Esta doença é causada por um tumor produtor de cortisol.

– 11-Beta hidroxiesteróide desidrogenase tipo 1 (11-beta-HSD1) é uma enzima presente na gordura e outras células que convertem cortisona inativa em cortisol ativo. Isto é importante, porque significa que o tecido adiposo pode produzir o seu próprio cortisol.

– Por causa da ação da 11-beta HSD-1 , os indivíduos podem estar sofrendo os efeitos de níveis elevados de cortisol em áreas locais, tendo perfis hormonais normais de cortisol.

– A curcumina é um potente inibidor de HSD-1 em modelos animais, e é usada na clínica de efeito metabólico, em obesidade e gordura da barriga clinicamente resistente.

FONTES:

http://www.metaboliceffect.com/hormones-stress-cortisol/

-http://www.aboutcushings.com/pt/understanding-cushings-disease/causes-and-differences.jsp

http://www.news-medical.net/health/Addisons-Disease-Symptoms-(Portuguese).aspx

http://shop.metaboliceffect.com/products/20-train-your-mind-change-your-body.aspx

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19804814

http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0049976

Acréscimo de ovos à dieta pode impulsionar o crescimento dos bebês em situação de risco

Postado em

Marilynn Larking

NOVA YORK (Reuters Health) – A introdução de ovos na alimentação melhorou substancialmente o crescimento dos bebês entre seis e nove meses de idade no Equador, e pode fazer o mesmo em outras regiões com escassez de recursos, afirmam pesquisadores.

“Globalmente, existem 162 milhões de crianças com atraso no desenvolvimento, o que as coloca em risco de ter um desenvolvimento cerebral insuficiente, de contrair doenças infecciosas e de morte”, disse à Reuters Health a Dra. Lora Iannotti, da Washington University, em St. Louis, Missouri.

“Em nossa opinião”, disse ela por e-mail, “a principal descoberta neste estudo foi o aumento importante do crescimento linear de 0,63 da pontuação Z do comprimento comparado à idade (curva de crescimento da OMS) e uma redução de 47% na prevalência de atraso ou parada do crescimento – mais de um terço acima do que tem sido observado em todo o mundo com as estratégias de alimentação complementar”.

“As intervenções nutricionais convencionais, como o consumo de suplementos ou alimentos enriquecidos, não surtiram um efeito dessa magnitude”, acrescentou a Dra. Lora. “Os ovos fornecem muitos nutrientes, como a colina e outros fatores de crescimento, em matrizes de alta biodisponibilidade”.

A Dra. Lora e colaboradores randomizaram bebês de seis a nove meses para comerem um ovo por dia durante seis meses (83 bebês) ou não receberem nenhuma intervenção (controle, 80 bebês). Ambos grupos receberam mensagens de marketing social incentivando sua participação. Todas as famílias foram visitadas semanalmente para a distribuição dos ovos, e para o monitoramento do consumo de ovos (apenas para o grupo recebendo os ovos) e dos sinais e sintomas de morbidade.

Conforme informado on-line em 7 de junho no periódico Pediatrics, a intervenção com os ovos aumentou o valor da pontuação Z do comprimento comparado à idade em 0,63 e a pontuação Z do peso para idade em 0,61. A prevalência de atraso ou parada do crescimento foi reduzida em 47% dos casos, e a de baixo peso em 74% dos casos.

As crianças no grupo da intervenção comeram mais ovos do que os controles. Ao longo do tempo, os dois grupos aumentaram o consumo de alimentos ou bebidas açucaradas e refrigerantes. No entanto, no grupo recebendo os ovos, a prevalência do consumo referido de alimentos como chocolate, doces, bolos e biscoitos, foi 29% menor do que no grupo controle (P = 0,032) ao final do estudo.

O consumo de refrigerantes não foi significativamente menor no grupo recebendo ovos (10% contra 14%, P = 0,137).

Não foram observadas diferenças significativas entre os grupos em termos de consumo de outros alimentos, e não houve registro de alergia a ovo.

A campanha de marketing social foi uma das chaves para o sucesso da intervenção, disse a Dra. Lora. “Mensagens e símbolos culturalmente apropriados foram cuidadosamente elaborados e direcionados para a comunidade indígena mista. Apesar de ter havido uma erupção vulcânica no meio do ensaio clínico, tivemos apenas 7% de perda de acompanhamento”.

“Outro fator fundamental de sucesso foi a introdução precoce de ovos no período da alimentação complementar, dos seis aos nove meses”, acrescentou. “O Ministério da Saúde Pública do Equador recomendara anteriormente a introdução alimentar de ovos após um ano de idade”.

“Com os resultados do nosso estudo, e as evidências crescentes na literatura mitigando as questões relacionadas com as alergias e com o colesterol”, observou a Dra. Lora, “a orientação foi modificada para incentivar a introdução dos ovos aos sete meses de idade”.

“Nesta população andina, e em outras ao redor do mundo, os ovos são apreciados e reconhecidos como um alimento de baixo custo e de alta qualidade. As descobertas sugerem que os ovos podem contribuir consideravelmente para os objetivos da ONU de reduzir o atraso ou a parada do crescimento e de enfrentar a fome oculta”, concluiu a médica.

A Dra. Lona Sandon, professora-assistente de nutrição clínica no UT Southwestern Medical Center, em Dallas, observou que o estudo “foi feito em uma população com baixa segurança alimentar, com dificuldade para obter comida suficiente (calorias e proteínas) para uma saúde e crescimento ideais”.

“É notável que algo tão simples como o acréscimo de um ovo por dia à dieta possa levar ao aumento do crescimento”, disse a Dra. Lona à Reuters Health.

“Os ovos são uma ótima fonte de proteínas e uma das fontes proteicas de menor custo, o que os torna um alimento de acesso fácil para as pessoas que vivem em situação de baixa segurança alimentar”, disse ela por e-mail. “Os ovos são um alimento básico incluído nos pacotes dos programas alimentares para mulheres, bebês e crianças nos EUA”.

“A preocupação com a alergia ao ovo pode não se justificar nesta população”, disse a Dra. Lona. “A prevalência de alergias alimentares parece ser menor nas populações de baixa renda por razões não completamente entendidas. Além disso, as pesquisas atuais com outros alimentos que causam alergias sugerem que a introdução alimentar precoce pode ajudar a sensibilizar as crianças, prevenindo futuras reações alérgicas “.

“A conclusão”, disse a Dra. Lona, “é que os ovos podem ser introduzidos precocemente de forma segura, e são uma maneira barata de fornecer nutrientes de qualidade que podem ajudar a reduzir o atraso ou a parada do crescimento, melhorando assim o crescimento e o desenvolvimento da criança”.

Na época do estudo, dois coautores trabalhavam para o financiador do estudo, The Mathile Institute.

Fonte: http://bit.ly/2qXAL3v

Pediatrics 2017.

Single-gene mutations that lead to atopic dermatitis identified

Postado em

 

The findings suggest some the genetic defects underpinning atopic dermatitis could be corrected by glutamine supplementation.

Scientists have identified mutations in the CARD11 gene that lead to atopic dermatitis and say their research suggest a potential therapeutic target.

Through next-generation sequencing on a cohort of patients with severe atopic dermatitis, scientists from the National Institute of Allergy and Infectious Diseases in the US identified eight individuals, from four unrelated families, with novel heterozygous mutations in CARD11. Each of the four families had a distinct mutation that affected a different region of the CARD11 protein, but all the mutations had similar effects on T-cell signalling.

The scientists determined that the mutations led to defective activation of two cell-signalling pathways, one of which is typically activated in part by glutamine. They found growing cultured T-cells from patients with CARD11 mutations with excess glutamine boosted rapamycin complex 1 (mTORC1) activation, suggesting the potential to partially correct the cell-signalling defects that may contribute to atopic dermatitis.

A new study is now planned to assess the effect of supplemental glutamine and leucine, which also activates mTORC1, in people with atopic dermatitis with and without the single gene mutations.

The findings are published in Nature Genetics .

Prior stroke more common in asymptomatic vs symptomatic A.fib

Postado em

Asymptomatic patients were twice as likely to have had a previous stroke compared to symptomatic patients, despite a similar number of risk factors.

Experts have identified an urgent need for public programmes to detect atrial fibrillation in the general population.

It follows the publication of results from the Global Registry on Long-Term Oral Antithrombotic Treatment in Patients with Atrial Fibrillation (GLORIA- AF) presented at the European Heart Rhythm Association EUROPACE – CARDIOSTIM 2017 this week, which showed that newly diagnosed asymptomatic atrial fibrillation patients have a higher rate of previous stroke than those with symptoms.
The study included 6,011 consecutively enrolled patients with non-valvular atrial fibrillation in Western Europe. Asymptomatic patients were twice as likely to have permanent atrial fibrillation (15.8 per cent versus 8.3 per cent) and more than twice as likely to have had a previous stroke (14.7 per cent versus 6.0 per cent) than patients in the symptomatic group. Asymptomatic and symptomatic patients had a similar number of stroke risk factors.

Lead author, Dr Steffen Christow, said the finding of a higher rate of previous stroke in the asymptomatic patients despite no differences in the number of stroke risk factors may be explained by a longer but undiagnosed history of atrial fibrillation. “Without detection, patients may not receive appropriate preventive therapy and remain at increased risk of stroke,” he said.