Últimas notícias do evento

La participación del padre en el cuidado de los niños puede ayudar a prevenir la obesidad infantil (Obesity)

Postado em

Los padres están cada vez más involucrados con la crianza de los niños.

Los padres están cada vez más involucrados con la crianza de los niños.

Los padres están cada vez más involucrados con la crianza de los niños, pero poca investigación ha examinado su asociación con la obesidad infantil. En un estudio reciente, la mayor participación de los padres en el cuidado de los niños se relacionó con una menor probabilidad de que sus hijos se convirtieran en obesos entre los 2 y los 4 años de edad.

En el análisis, que utilizó datos de una encuesta realizada en una muestra nacionalmente representativa de niños en Estados Unidos, el aumento de la participación de los padres en el cuidado físico de los niños (como bañarse y vestir a los niños) y la frecuencia con la que llevan a los niños a dar un paseo y juegan con ellos se vincularon con una menor probabilidad de obesidad en sus hijos pequeños.

Los hallazgos -publicados en la revista “Obesity”– sugieren que alentar a los padres a aumentar su participación en la crianza de los hijos e incluir a los padres en los esfuerzos de prevención de la obesidad infantil puede ayudar a reducir el riesgo de obesidad entre los niños pequeños.

“Cada vez hay más pruebas de la importancia de la participación de los padres en la crianza de los niños en otras áreas del desarrollo de los niños y nuestro estudio sugiere que también puede haber beneficios para la salud infantil -afirma la líder del estudio, la Dra. Michelle Wong, de la Johns Hopkins School of Public Health, en Estados Unidos–. Como debido a las limitaciones de los datos sólo podíamos considerar la participación de los padres, también es importante entender la participación relativa en los cuidados de las madres y los padres”.

Dieta mediterránea y arteterapia, nuevas herramientas para ayudar a niños con déficit de atención e hiperactividad

Postado em

 

En la actualidad, entre el 5 y el 7% de los menores sufren TDAH y, en muchas ocasiones, esta patología se mantiene hasta la edad adulta.

Más de 100 expertos en Psiquiatría y Psicología del niño y adolescente se reunirán el 23 de junio, en Pamplona para exponer las principales novedades y puntos clave en el tratamiento e intervención del trastorno por déficit de atención e hiperactividad (TDAH), en el marco de la XI Jornada de Actualización en Psiquiatría Infantil y Adolescente.

El evento está organizado por la Unidad de Psiquiatría Infantil y Adolescente de la Clínica Universidad de Navarra, la Sociedad Vasco-Navarra de Psiquiatría (SVNP), el Servicio Navarro de Salud, el Centro de Salud Mental Infanto-Juvenil Natividad Zubieta y el Instituto Cultura y Sociedad de la Universidad de Navarra.

Este ciclo de conferencias se dirige a profesionales especializados en Psiquiatría, Psicología y Pediatría, así como a profesores de primaria y secundaria, orientadores, trabajadores sociales y padres de niños que sufren esta enfermedad.

El objetivo de la jornada es poner en común conocimientos para ofrecer una visión integral y avanzar hacia una actuación más coordinada. “En definitiva, este curso pretende aportar una visión unificadora del diagnóstico y tratamiento del TDAH, un trastorno que sufren entre el 5 y el 7% de los niños”, ha explicado el Dr. César Soutullo, director de la Unidad de Psiquiatría Infantil y Adolescente de la Clínica Universidad de Navarra.

Según ha indicado, en la edición de este año se centrarán en la parte biológica (imagen cerebral), pero además realizarán una valoración de los tratamientos que muestran mejores resultados para hacer frente a esta patología.

En este sentido, el especialista se ha referido a los beneficios que aporta para la salud mental el seguimiento de la dieta mediterránea, el tratamiento basado en arteterapia, así como el uso de psicoterapias para el entrenamiento de las habilidades sociales. “Son niños que descuidan su dieta y se han acostumbrado a fracasar, por eso es importante encontrar experiencias de éxito con ellos”, ha destacado.

Además, los ponentes tratarán también las novedades y evidencias en el tratamiento farmacológico y la importancia de la detección precoz para hacer frente a la enfermedad. El TDAH se caracteriza por la hiperactividad, problemas de atención e impulsividad; estos síntomas conllevan una actividad física excesiva, bajo rendimiento escolar, dificultad para inhibir impulsos, trastornos de la conducta y del lenguaje, y un grado de atención muy bajo, que interfieren negativamente en el rendimiento y la progresión académica, la interacción social con otros niños, con adultos y con el ambiente familiar.

Estas complicaciones causan un rendimiento general por debajo de su capacidad intelectual y de su potencial e, incluso, en algunos casos generan depresión y ansiedad.

“Aunque entre un 40 y un 60% de los niños con TDAH seguirá teniendo alguno de los síntomas en la edad adulta, con un diagnóstico precoz sus complicaciones pueden prevenirse o, cuando menos, controlarse”, ha asegurado el Dr. César Soutullo.

Peanuts May Protect Against Death from All Causes

Postado em

 

Resultado de imagem para peanuts

 
A recent study published in JAMA Internal Medicine showed that peanuts may protect against death, especially death from cardiovascular disease. Of the 200,000 people studied from around the world, those who frequently ate peanuts and nuts were considerably less likely to have died from any cause, especially heart disease, compared to people who didn’t include peanuts and nuts in their diets. Another recent study points to how and why peanuts may be offering such substantial cardioprotective benefit.

Peanuts Promote Vascular Function

When included as part of a high-fat meal, peanuts improved post-meal triglyceride levels and maintained endothelial function. Researchers randomly separated 15 overweight men into two groups: a control group that drank a high-fat shake with no peanuts included, and a variable group that drank a high-fat shake with 3 ounces of ground peanuts. Both shakes were matched for calories and macronutrients.

Researchers measured lipid, glucose, and insulin levels 5 times following each meal and also assessed flow-mediated dilation (FMD) to determine vascular function. They did this by cuffing the forearm to restrict blood flow, and then releasing and measuring dilation of the brachial artery.

The control group drinking the peanut-free shake experienced an average 1.2% decrease in FMD. The peanut drinkers, however, exhibited no decrease in vascular function, suggesting that when peanuts are part of a high-fat meal they help protect vascular function.

Vascular function is inextricably linked to cardiovascular health. Vascular dysfunction promotes atherosclerosis (hardening of the arteries) and the development of coronary plaques that pave the way for coronary artery disease. It’s been shown that when you eat a high-fat meal, vascular function is impaired until the fat from your meal clears your bloodstream. Suppressing this effect, as peanuts seem to do according to this most recent study, may help reduce your risk of cardiovascular disease.

Lead researcher Xiaoran Liu, a graduate student in the Department of Nutritional Sciences at Pennsylvania State University, explains: “Previous studies have shown that individuals who consume peanuts more than 2 times a week have a lower risk of coronary heart disease. This study indicates that the protective effect of peanut consumption could be due, in part, to its beneficial effect on artery health.”

Peanut Profile

Peanuts are actually a legume, and quite nutrient-dense. They are a wonderful source of vitamin E (8 grams for every 100 grams of peanuts) and provide 85% of the daily recommend value of niacin. They also boast a nutritional profile rich in protein, fiber, folate, and the minerals manganese, iron, zinc, calcium, selenium, magnesium, and potatssium.

Peanuts owe their heart healthy properties to their high monounsaturated fat content, particularly oleic acid, the celebrated fat found in olive oil. Monounsaturated fats have been proven to help raise HDL “good” cholesterol levels and lower LDL “bad” cholesterol levels. A randomized, double-blind study made up of 22 people showed that a diet high in monounsaturated fats (particularly from peanuts and peanut butter) lowered heart disease risk by 21% compared to the average Western diet.

Peanuts also contain polyphenolic antioxidants like resveratrol, which offers protective benefits against cancers, heart disease, stroke, degenerative nerve disease, Alzheimer’s disease, and viral/fungal infections. Peanuts are also high in p-coumaric acid, which has been linked to a decreased risk for stomach cancer because it helps to suppress the formation of cancer-causing nitrosamines in the stomach.

Tempo de espera aceitável para a colonoscopia

Postado em

 

MGFamiliar ® – Wednesday, June 21, 2017

 

http://www.mgfamiliar.net/images/destaques/

 

Pergunta clínica: O tempo decorrido entre uma pesquisa de sangue oculto nas fezes com resultado positivo e a realização de colonoscopia tem influência no risco e estadiamento do cancro do cólon e recto?

Enquadramento: O cancro do cólon e recto é a segunda causa de morte por cancro nos Estados Unidos da América e uma das mais frequentes no mundo. A realização de rastreio do cancro do cólon e recto mostrou reduzir a mortalidade por esta patologia. A pesquisa de sangue oculto nas fezes é um teste frequentemente usado como rastreio do cancro do cólon e recto. Embora esteja estabelecido que um resultado positivo na pesquisa de sangue oculto nas fezes implica a realização subsequente de colonoscopia, o espaço temporal entre estes não está definido, pelo que o tempo decorrido entre a realização dos dois exames é muito variável, podendo resultar na progressão da doença.

Desenho do estudo: Estudo coorte retrospetivo. Do total de 7,5 milhões clientes de uma empresa seguradora dos Estados Unidos da América selecionaram-se todos os adultos com idade entre 50-75 anos e com pesquisa de sangue oculto nas fezes positiva realizada entre 1 de Janeiro de 2010 e 31 de julho de 2013. Critérios de exclusão: história prévia de cancro do cólon e recto; contrato com a seguradora com duração inferior a um ano após a realização da pesquisa de sangue oculto nas fezes e sem colonoscopia realizada no período segurado; duração de contrato de seguro inferior a um ano antes da realização da pesquisa de sangue oculto nas fezes; suspensão de contrato de seguro superior a 3 meses após a realização da pesquisa de sangue oculto nas fezes ; colonoscopia realizada há menos de 10 anos ou sigmoidoscopia realizada há menos de 5 anos; diagnóstico de cancro do cólon e recto (com ou sem colonoscopia) nos 1-7 dias após pesquisa de sangue oculto nas fezes positiva (nestes casos a pesquisa de sangue oculto nas fezes  poderia ser considerada como teste diagnóstico e não teste de rastreio).  Os outcomes primários foram o diagnóstico imediato ou aos 6 meses após colonoscopia de cancro do cólon e recto de qualquer tipo, de doença avançada (cancro em estadios III e IV) ou de adenomas com histologia de alto grau. Odds-ratio (OR) e intervalos de confiança a 95% (IC) foram ajustados para os dados sociodemográficos e outros fatores de risco.

Resultados: Identificaram-se 81518 doentes elegíveis. Destes, 70124 indivíduos realizaram colonoscopia subsequente (média de idades de 61 anos; 52,7% do género masculino) Foram  identificados 2191 casos de cancro do cólon e recto, dos quais 601 correspondiam a casos de doença em estadio avançado. Em relação ao tempo decorrido até à realização da colonoscopia verificou-se que não existiram diferenças significativas no risco de cancro do cólon e recto ou doença avançada entre a sua realização nos primeiros 8-30 dias, 2 meses, 3 meses, 4-6 meses ou 7-9 meses. Os riscos foram significativamente maiores quando a colonoscopia foi realizada após 10-12 meses quer para o diagnóstico de cancro do cólon e recto (casos de cancro do cólon e recto em 1000=49; OR 1.48 [IC95% 1.05-2.08]) quer para o diagnóstico de doença avançada (casos de cancro do cólon e recto em 1000=19; OR 1.97 [IC95% 1.14-3.42]) e após os 12 meses (n=747) de igual forma quer para o diagnóstico de cancro do cólon e recto (casos de cancro do cólon e recto em 1000=76; OR 2.25 [IC95% 1.89-2.68]) quer para o diagnóstico de doença avançada (casos de cancro do cólon e recto em 1000=31; OR 3.22 [IC95% 2.44-4.25])

Conclusão: Nos doentes que realizaram pesquisa de sangue oculto nas fezes e obtêm um resultado positivo, a realização de colonoscopia subsequente passados mais de 10 meses está associada a um maior risco de cancro do cólon e recto e de doença em estadio avançado no momento de diagnóstico, quando comparada com a sua realização após 8-30 dias. Mais estudos são necessários para estabelecer uma relação de causalidade.

Comentário: Embora nos últimos anos se verifique um aumento da taxa de incidência de diagnósticos oncológicos em Portugal, a mortalidade associada a estes tem vindo a diminuir. No SNS, a acessibilidade à colonoscopia após pesquisa de sangue oculto nas fezes positiva tem vindo a melhorar. Este estudo alerta para a necessidade dos profissionais de saúde e doentes estarem atentos perante a positividade de um teste de pesquisa de sangue oculto nas fezes, de forma a proceder à realização da colonoscopia num período temporal adequado, idealmente nos primeiros 10 meses, e que permita uma deteção precoce e tratamento atempado de qualquer patologia oncológica diagnosticada.

Artigo original: JAMA

Por Carla Martins, USF Vale do Vez

Hipertensão na gestação

Postado em

medidor de pressão

Hipertensão na gestação: visão do clínico

A hipertensão é uma doença comum em gestantes (5% em estatísticas americanas), cuja incidência está crescendo, em parte relacionada com obesidade, gravidez em idade avançada e em mulheres com comorbidades (ex.: DM, doença renal, etc.). Para o leitor que desejar uma revisão profunda do tema, recomendamos duas diretrizes muito boas sobre o assunto: da ACOG/EUA e da ESC/Europa. O nosso foco será a abordagem prática pelo clínico que é chamado a ver uma paciente grávida com PA elevada.

Passo 1: determine a idade gestacional – 20 semanas é seu ponto de corte

< 20 semanas

A elevação da PA (e nem precisamos lembrar que são duas medidas em ocasiões separadas!) que ocorre antes de 20 semanas é chamada de “hipertensão crônica na gravidez”. O seu foco é determinar a presença de lesões de órgão-alvo e a gravidade da elevação da PA. Na gestação como um todo, a HAS estágio 2 e 3, isto é, PAS ≥ 160 mmHg e/ou PAD ≥ 110 mmHg é considerada grave. A presença de hipertensão aumenta o risco de PE após 20 semanas.

> 20 semanas

O objetivo é avaliar se haverá início de pré-eclâmpsia, seja a paciente previamente hipertensa ou não. O aparecimento da PE é mais comum antes do parto, mas pode ocorrer nas primeiras 6 semanas do puerpério. Se não houver pré-eclâmpsia (PE), chama-se hipertensão gestacional (GH, gestational hypertension). Mas o importante não é o nome e sim o seu planejamento terapêutico. A presença de pré-eclâmpsia indica maior risco materno e fetal, impondo maior rigor ao tratamento e a avaliação obstétrica do risco vs benefício de interrupção da gestação. Antigamente, somente a presença de proteinúria > 300 mg/24h indicava PE. Hoje, a ACOG recomenda que qualquer critério de gravidade indique PE (haja proteinúria ou não). O objetivo foi lembrar aos médicos que o importante não é o nome da doença, mas sim a conduta a ser tomada nos casos com pior prognóstico.

Tabela 1. Critérios para PE conforme ACOG

Passo 2: avaliar a presença de órgãos-alvo e estadiar gravidade da PE/GH

A Tabela 2 apresenta os exames a serem solicitados e na Tabela 3 estão os marcadores de gravidade, clínico e laboratoriais. Além dos exames básicos, na presença de HAS estágio 2/3 ou de critérios de gravidade, deve-se associar uma fundoscopia e o ecocardiograma transtorácico.

Tabela 2: exames laboratoriais básicos para um gestante hipertensa

Hemograma TGO
Ureia TGP
Creatinina FAL
Sódio Ácido úrico
Potássio Eletrocardiograma

Tabela 3: critérios de gravidade na PE/GH

PAS ≥ 160 mmHg e/ou PAD ≥ 110 mmHg
Trombocitopenia < 100 mil/mm³
TGO/TGP > 2x normal
Dor quadrante superior direito ou epigástrio
Creatinina > 1,1 mg/dl ou cresceu > 50%
Edema pulmonar
Sintomas visuais (ex: escotomas) ou neurológicos/cerebrais (ex: cefaleia)

Passo 3: determinar o tratamento

Na presença de sinais de gravidade, o obstetra irá avaliar a decisão de interrupção da gestação. Como clínico, seu papel continua, mesmo após o parto, pois principalmente na primeira semana do puerpério é comum haver piora dos níveis tensionais por causa da reabsorção de líquidos. Listamos na tabela 4 as principais drogas disponíveis para o tratamento em gestante. Há divergências na literatura em dois aspectos:

  1. Qual o alvo terapêutico da PA? Sabe-se que está na faixa PAS 140-159 mmHg e PAD 80-99 mmHg, mas o ponto exato diverge entre as diretrizes. Certo é que a redução aguda e excessiva pode reduzir o fluxo placentário e não deve ser realizada.
  2. Qual a droga de primeira escolha? No Brasil, usamos a metildopa, barata e com larga experiência, mas no EUA há o labetalol, não disponível aqui, e cresce o uso do nifedipino de longa duração (nifedipino retard), como nos interessantes artigos de Sibai B et al, do Texas Heart Institute.

Tabela 4: principais anti-hipertensivos para uso na gestação

Droga Via Comentário
Metildopa VO BarataQuestiona-se se teria a mesma eficácia do nifedipino

Xerostomia e aumento TGP/TGO

Hidralazina VO ou EV Muito útil na PE grave para redução imediata da PAPode ocasionar taquicardia reflexa e Lupus induzido por droga
Nifedipino VO Muito potente, deve-se evitar via sublingual pelo risco de redução rápida e excessiva da PAHoje só usada na formulação “nifedipino retard” de longa duração

Pode haver cefaleia, flush facial e edema MMII

Hidroclorotiazida VO Diurético, deve ser evitado antes do parto pelo risco de oligroidramniaPode causar hipopotassemia e hiponatremia
Furosemida VO ou EV Diurético, deve ser evitado antes do parto pelo risco de oligroidramniaPode causar hipopotassemia

Lembramos que iECA/BRA são contraindicados em toda a gestação. No puerpério, a situação muda e é permitido o uso da maioria das drogas anti-hipertensivas.

Autor:

Cardiologia

 

Referências:

Sinais e sintomas da menopausa podem ser piores para mulheres obesas

Postado em

Lisa Rapaport

(Reuters Health) – Mulheres obesas podem ter sinais e sintomas de menopausa mais graves, como ondas de calor e suores noturnos, do que as mulheres mais magras, sugere um estudo brasileiro.

Os pesquisadores compararam os sinais e sintomas da menopausa em mulheres com peso saudável aos em mulheres com excesso de peso ou obesidade, e descobriram que três sinais e sintomas pioraram progressivamente à medida que o peso destas mulheres aumentou: ondas de calor e sudorese noturna, dores mioarticulares e problemas vesicais.

“A intensidade das ondas de calor aumentou proporcionalmente ao aumento do índice de massa corporal (IMC), e a obesidade teve grande impacto nas atividades diárias, como a interrupção involuntária das tarefas de trabalho e a diminuição do desempenho geral”, afirmou a autora do estudo Dra. Lucia Costa-Paiva, da Universidade de Campinas, em São Paulo.

“Houve também menor nível de atividades de lazer entre estas mulheres”, disse a Dra. Lucia por e-mail. “Assim, isto acrescenta fortes evidências para incentivar as mulheres a perderem peso”.

As mulheres entram na menopausa quando param de menstruar, o que geralmente ocorre entre os 45 e 55 anos de idade. À medida que os ovários reduzem a produção dos hormônios estrogênio e progesterona, nos anos que antecedem e sucedem a menopausa, as mulheres podem apresentar sinais e sintomas que variam de ressecamento vaginal a alterações do humor, dor articular e insônia.

Pesquisas recentes descobriram que 57% das mulheres entre 40 e 64 de idade em todo o mundo sentem ondas de calor, 60% se queixam de disfunção sexual, 62% têm dor mioarticular e 50% têm problemas de sono, observam os autores do estudo no periódico Menopause.

Os médicos acreditavam há muito tempo que a obesidade poderia proteger contra as ondas de calor porque o tecido adiposo aumenta a reserva de estrogênio do corpo, hormônio que pode ajudar a contornar a gravidade desses sintomas, disse a Dra. Lucia. Porém, o estudo atual baseia-se em pesquisas mais recentes que apontam na direção oposta, sugerindo que a obesidade pode piorar as ondas de calor porque a gordura funciona como um isolante térmico que retém o calor no corpo, disse a pesquisadora.

Com o objetivo de avaliar a relação entre a obesidade e a gravidade dos sinais e sintomas da menopausa, Dra. Lucia e colaboradores examinaram os dados de questionários de 749 mulheres brasileiras entre 45 e 60 anos de idade. As mulheres graduaram os sinais e sintomas de zero (significando nenhum problema) a quatro pontos (significando problemas muito graves). As participantes tinham cerca de 53 anos de idade, em média, e em geral entraram na menopausa por volta dos 47 anos. Enquanto a maioria das mulheres, 68%, estava no período após a menopausa, cerca de 16% ainda não tinham entrado na menopausa, e outras 16% encontravam-se no meio do processo.

O estudo incluiu 288 mulheres com IMC abaixo de 25, que os pesquisadores classificaram como peso normal ou saudável, 255 mulheres acima do peso (com IMC de pelo menos 25 e menor que 30), e 206 mulheres obesas com IMC igual ou maior que 30. Não foi um estudo controlado projetado para provar se ou como a obesidade altera a frequência ou a gravidade dos sinais e sintomas da menopausa. Outra limitação da pesquisa foi o fato dela ter se baseado na exatidão das lembranças das mulheres e no relato delas sobre experiências pretéritas e sinais e sintomas associados, observam os autores.

“Até o momento, não há evidências de que a perda de peso possa reduzir os sinais e sintomas da menopausa, pois ainda não foi feito nenhum ensaio clínico”, disse a Dra. Susan Davis, pesquisadora de saúde da mulher na Monash University, em Melbourne (Austrália), que não participou do estudo .

“Mas nós incentivamos a perda de peso na meia-idade para as mulheres com sobrepeso no intuito de diminuir os riscos de doenças cardiovasculares, diabetes e câncer de mama”, disse a Dra. Susan por e-mail.

As pesquisas que relacionam a obesidade com a piora dos sinais e sintomas da menopausa começaram a surgir há mais de uma década, observou a Dra. Mary Jane Minkin, pesquisadora em saúde reprodutiva da Yale Medical School em New Haven, Connecticut, que também não participou do estudo.

“A teoria é que o calor é gerado por mecanismos centrais, e as mulheres acima do peso têm maior isolamento térmico, de modo que o calor não pode ser dissipado, e elas ficam mais quentes”, disse a Dra. Mary Jane por e-mail.

Perder peso pode ajudar a diminuir as ondas de calor e as dores mioarticulares associadas à menopausa, que podem ser exacerbadas pelos quilos extras, acrescentou a Dra. Mary Jane.

FONTE: http://bit.ly/2rV8pua

Menopause 2017.

Imobilidade involuntária durante o estupro é comum e está associada a desfechos negativos

Postado em

Tara Haelle

A paralisia temporária, ou “congelamento”, durante uma agressão sexual é muito comum, e aumenta os riscos de síndrome de estresse pós-traumático e depressão grave, relatou um estudo publicado on-line em 7 de junho na Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica.

Os resultados potencialmente complicam uma norma judicial em processos: “O sistema legal busca sinais visíveis de resistência porque, quando isso está ausente, é mais difícil provar uma agressão sexual”, escrevem a Dra. Anna Möller, do Karolinksa Institutet e do Stockholm South General Hospital,na Suécia, e colaboradores.

Embora as respostas às ameaças sejam frequentemente divididas em categorias de “luta ou fuga”, a experiência da imobilidade tônica (IT), já bem estabelecida como possível resposta à ameaça extrema entre animais não humanos, ocorreu entre a maioria das vítimas de estupro na nova pesquisa.

“Nos seres humanos, a imobilidade tônica foi descrita como um estado de inibição motora involuntária e temporária em resposta a situações que envolvem medo intenso”, descrevem os autores.

“Ela foi descrita ainda como um estado semelhante ao estado catatônico com hiper ou hipotonicidade muscular, tremor, falta de vocalização, analgesia e falta de resposta relativa aos estímulos externos”.

O estudo envolveu 298 mulheres que foram a uma clínica de emergência para mulheres estupradas em Estocolmo entre fevereiro de 2009 e dezembro de 2011, no prazo de um mês após a agressão sexual. Os pesquisadores usaram a Escala de Imobilidade Tônica de 12 itens para avaliar a presença do fenômeno no momento da agressão a cada mulher. A média de dias entre o ataque e a avaliação foi de 19,1.

Um total de 69,8% das mulheres relatou ter apresentado imobilidade tônica significativa durante o ataque, e quase metade (47,7%) relatou imobilidade tônica extrema. Oito (81,1%) em 10 mulheres relataram ter sentido medo significativo durante a agressão.

“Legalmente, os tribunais podem estar inclinados a descartar a noção de estupro, já que a vítima parece não ter resistido”, escrevem os autores. “Na verdade, o que pode ser interpretado como um consentimento passivo provavelmente representa reações biológicas normais e esperadas a uma ameaça extrema”.

Os pesquisadores também avaliaram a prevalência de síndrome de estresse pós-traumático e depressão em 189 das mulheres após seis meses. As mulheres tinham probabilidades 2,75 maiores de desenvolver transtorno do estresse pós-traumático (TEPT) e chances 3,42 maiores de desenvolver depressão grave se tiveram imobilidade tônica (odds ratio), OR, de 2,75, P = 0,001 e OR, 3,42, P = 0,003, respectivamente). Um pouco mais da metade (51%) das mulheres que tiveram imobilidade tônica desenvolveu TEPT em comparação com 28% das mulheres que não tiveram, mesmo depois de ajustar para um diagnóstico prévio de TEPT e para fatores de risco relacionados.

No entanto, “A imobilidade tônica foi associada a trauma anterior e TEPT pré-existente, o que nos ajuda a entender melhor como o trauma cumulativo pode funcionar”, escrevem os autores. As chances de uma mulher ter imobilidade tônica durante a agressão mais que dobravam se elas tivessem uma história de trauma (OR de 2,36; P < 0,001). As mulheres também tiveram o dobro de chances de apresentar imobilidade tônica se tivessem um histórico de tratamento psiquiátrico (OR, 2,00; P = 0,003).

“Isso faz com que seja importante na psicoterapia das vítimas de estupro questionar sobre e explicar tais reações, porque de outra forma elas podem causar culpa ou vergonha, o que pode agravar o trauma”, observam os autores. “O aumento do risco de TEPT e depressão grave mostra que essas mulheres precisam de acompanhamento psiquiátrico”.

Os autores reconhecem várias limitações relacionadas ao potencial de viés, incluindo fatores que podem ter contribuído para a perda substancial de acompanhamento após seis meses. Pesquisas anteriores relataram uma menor incidência de imobilidade tônica, mas esses estudos tiveram amostras de pequenos tamanhos e maior risco de viés de memória.

A pesquisa foi financiada pelo Conselho de Pesquisa Sueco e pelo Conselho do Condado de Estocolmo. Os autores declararam não possuir conflitos de interesses relevantes.

Acta Obstet Gynecol Scand. Publicado on-line em 7 de junho de 2017. Resumo