Últimas notícias do evento

#High-Intensity Exercise May Cut #Parkinson’s Motor Symptoms

Postado em

 

High-intensity exercise may be safe and effective in slowing the progression of motor symptoms in patients with newly diagnosed Parkinson’s disease (PD) and who haven’t yet started medication, new research suggests.

The phase 2 randomized, multisite Study in Parkinson Disease of Exercise (SPARX) included 128 patients with de novo PD. Results showed that those who participated in high-intensity treadmill exercise (defined as exercise at 80% to 85% of maximum heart rate) up to 4 days a week had significantly less change from baseline to 6 months on the Unified Parkinson’s Disease Rating Scale (UPDRS) motor score compared with those receiving usual care — the primary clinical outcome.

Although the patients who were assigned to moderate-intensity treadmill exercise (defined as 60% to 65% maximum heart rate) did not have 6-month scores that differed significantly from those in the usual-care group, principal investigator, Margaret Schenkman, PhD, professor in the School of Medicine and associate dean for physical therapy education at the University of Colorado, Aurora, told Medscape Medical News that doesn’t mean only high-intensity exercise is beneficial.

Dr Margaret Schenkman

“What we know from a whole huge body of work is that doing anything is better than doing nothing. If I were recommending to a person with Parkinson’s what to do, I’d recommend they try high-intensity exercise three times a week; but I wouldn’t say, ‘Don’t exercise at moderate intensity.’ Something is always better than nothing,” she said.

“The higher intensity is probably better, but it’s important to keep moving and to keep exercising at whatever intensity.”

Dr Schenkman noted that SPARX was designed as a futility trial to see whether the effect of endurance exercise on PD severity was worth continued assessment in a larger phase 3 study. The researchers are now in the beginning stages of planning for the funding of such a trial.

The study was published online December 11 in JAMA Neurology.

First Study of Its Kind

Although many studies over the years have suggested that exercise is beneficial for patients with PD, showing improved gait and muscle strength, improved balance, and improved quality-of-life scores, as well as a reduction in falls, Dr Schenkman said this is the first PD study to look at doses of exercise vs “not doing anything or just doing what one usually does” in modifying disease severity. And it’s the first to assess this in patients with a new PD diagnosis.

“One of the pressing questions has been: What dose of exercise do people with Parkinson’s really need? We have very little information about how intense, how long, how much. It’s been hard to answer what the right prescription is,” she said.

SPARX trial participants aged 40 to 80 years were enrolled between May 2012 and November 2015 at sites in Denver, Colorado; Pittsburgh, Pennsylvania; or Chicago, Illinois. Although 384 patients were initially screened by phone, 154 were found to be eligible. As a result, 128 were included in the three-group randomization (mean age, 64 years; 57% men).

All patients had received a diagnosis of PD at Hoehn and Yahr stage 1 or 2 less than 5 years previously and were “not expected to need dopaminergic medication within 6 months.” This criterion was used in order to remove it as a potential confounder, write the investigators.

The patients were assigned to one of the following regimens for 6 months: high-intensity treadmill exercise 4 days per week (n = 43); moderate-intensity treadmill exercise 4 days per week (n = 45); or usual care (n = 40), which meant that participants were told to engage in their usual exercise habits.

Each exercise group started 5 to 10 minutes of warm-up and cool-down wrapped around 30 minutes of treadmill exercise at the targeted heart rate. Exercise intensity was measured using a heart rate monitor, which had downloadable data.

In addition to the clinical outcome measure of UPDRS motor score at 6 months, trial feasibility outcomes included safety and adherence to targeted exercise intensity at least 3 days per week. Exercise frequency determined adherence rates.

“Nonfutility Threshold” Reached

The mean change in UPDRS motor score was 0.3 (95% confidence interval [CI], –1.7 to 2.3) for the high-intensity group vs 3.2 (95% CI, 1.4 – 5.1) for the usual-care group (P = .03).

The 6-month score for the moderate-intensity group was 2.0 (95% CI, 0.38 –  3.7), which did not differ significantly from the score in the usual-care group.

“The high-intensity group, but not the moderate-intensity group, reached the predefined nonfutility threshold compared with the control group,” write the researchers.

Both exercise intensity standards were safe and feasible. The high-intensity group had a mean maximum heart rate of 80.2% (95% CI, 78.8% – 81.7%) compared with  65.9% (95% CI, 64.2% – 67.7%) in the moderate-intensity group.

The mean exercise frequency was 2.8 and 3.2 days per week, respectively, “with a slight negative trend over time,” the investigators report.

“Anticipated adverse musculoskeletal events were not severe,” they add. There were 15 musculoskeletal and connective-tissue events in the high-intensity group, 6 in the moderate-intensity group, and 2 in the usual care group. The numbers of these events that were classified as greater than mild were 10, 4, and 2, respectively.

Thirteen adverse events of any type related to exercise occurred in the high-intensity group and 8 in the low-intensity group. Only 9 and 4 of these events, respectively, were greater than mild in severity.

In addition, one each of the serious advent events gastrointestinal tract disorders and renal and urinary tract disorders developed in the moderate-intensity group, but neither was deemed to be exercise related.

More Research Needed

Finally, secondary outcomes included UPDRS total and other subscores, the Movement Disorders Society UPDRS (MDS-UPDRS) subscores, maximal aerobic power (mL of oxygen consumed per kg of body weight per minute; VO2max), and total daily step count by accelerometry.

The only significant between-group differences were 6-month change on the MDS-UPDRS motor subscore, which was 4.0 less for patients undergoing high-intensity exercise vs usual care (P = .03), and improved VO2max (P < .001).

Study limitations noted by the investigators include that only treadmill training was measured and that other types of endurance exercise should be assessed in future research.

In addition, “outcomes such as gait speed, gait endurance, and movement economy were not measured,” write the researchers, adding that factors such as cognition and sleep were also not compared between the groups.

“Investigations are needed to determine the combination of interventions that have the greatest effect on motor and other symptoms in patients with de novo Parkinson disease,” they write. While a larger efficacy trial is now warranted, in the meantime, “clinicians may safely prescribe exercise at this [high] intensity level for this population.”

Dr Schenkman added, though, that a clinician should discuss what’s appropriate for an individual patient. “We want people to be safe. So if you have a lot of health conditions that make high-intensity exercise not good for you, by all means do something a little less intense.”

Overall, “the take-away message is that this type of exercise is important; it’s safe; people can do it; and, to the extent it’s possible, it should be at high enough intensity to reach 80% to 85% max heart rate and done on a regular basis,” she said.

“Adds to Growing Evidence”

Asked for comment, Ray Dorsey, MD, professor of neurology and director of the Center for Health + Technology at the University of Rochester Medical Center, New York, told Medscape Medical News that this was a large and rigorous study “that adds to the growing body of evidence” showing that exercise is beneficial for patients with PD.

However, “I’m not convinced that there’s no benefit for moderate-intensity exercise. I think there was just stronger evidence that the higher-intensity was more beneficial in this study,” said Dr Dorsey, who previously directed the Movement Disorders Division at Johns Hopkins University School of Medicine, Baltimore, Maryland.

He noted that the main outcome measure was a physician-administered rating scale, which has a high degree of inter-rater variability. Also, he pointed out that participants were observed for 6 months, which is a short period for seeing significant disease progression, “especially because all of these patients had relatively mild Parkinson’s disease.”

“So their ability to see a difference in a group of people with mild disease using a subjective, rater-dependent outcome measure…is limited,” said Dr Dorsey. “It’s not a great assay for measuring the effects of an intervention, generally speaking. It’s just not a very sensitive assay.”

In the investigators’ upcoming phase 3 study, he noted he would like to see patients’ overall activity measured, not just that done in the clinic. “And I’d like to see if people’s mobility increases the more they exercise and are more active in the rest of their lives than a group who is more sedentary.”

Still, “I advise almost all my patients to exercise. That’s usually my number 1 recommendation,” said Dr Dorsey. “There’s an increasing amount of evidence that exercise is beneficial for Parkinson’s disease and even other neurodegenerative conditions.”

The study was supported by grants from the National Institute of Neurologic Disorders and Stroke, the University of Pittsburgh Clinical and Translational Science Institute, the University of Colorado Clinical and Translational Science Award program, the Nutrition and Obesity Research Center, and the National Institutes of Health. It also received support from the Parkinson’s Disease Foundation. Dr Schenkman and the other study authors have disclosed no relevant financial relationships.  

JAMA Neurol. Published online December 11, 2017.  Abstract

Anúncios

#Congresso discute preservação da #fertilidade e avanços em #radioterapia no #câncer de colo do útero

Postado em

Rio de Janeiro — O aumento da incidência do câncer de colo do útero em mulheres jovens tem provocado o debate sobre as vias terapêuticas nos casos iniciais da doença. Com o desenvolvimento de novos equipamentos, a histerectomia minimamente invasiva é a proposta cada vez mais utilizada nos principais centros de referencia do país. A técnica, entretanto, apresenta resultados semelhantes ao procedimento com incisão abdominal. A constatação foi feita pelo professor de ginecologia e obstetrícia da Faculdade de Medicina da UFMG, Dr. Agnaldo Lopes da Silva Filho, durante o 20º Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica, realizado no final de outubro, no Rio de Janeiro.

“A discussão de hoje é ‘qual seria a vantagem da cirurgia?’[1,2]. Obviamente, a via minimamente invasiva está associada a menor morbidade pós-operatória, menor perda sanguínea e menor tempo de internação. Mas, do ponto de vista de sobrevida dessas pacientes, temos uma segurança considerável em qualquer serviço, com todas as outras vias, mesmo em tumores maiores”, afirmou o médico.

Mas, mesmo sendo feita por via minimamente invasiva, a histerectomia radical ainda envolve a remoção do útero e paramétrio, da parte superior da vagina e linfonodectomia pélvica. A boa notícia é que já há outro procedimento que possibilita a preservação da capacidade reprodutiva das pacientes. “Nós sabemos que a possibilidade da traquelectomia radical (que mantém o corpo do útero), desenvolvida pelo médico francês Dr. Daniel Dargent (falecido em 2005) é uma realidade. Há vários bebês nascidos devido a essa técnica. Toda mulher jovem que tem alguns critérios favoráveis em relação a isso, especialmente tamanho tumoral, é candidata a uma cirurgia com preservação reprodutiva”, disse o especialista, destacando que, com relação ao controle oncológico, traquelectomia radical com linfonodectomia é similar à histerectomia radical.

Por outro lado, o médico também fez duas importantes ressalvas: a primeira é que a fertilidade preservada é ainda uma “realidade distante” no país, uma vez que a maioria dos casos é diagnosticada em estágios avançados da doença. Ele afirmou que a preservação do útero não significa que a mulher irá, de fato, engravidar.

“A taxa de infertilidade ainda é muito alta nessas pacientes. Além disso, acredito que devemos caminhar para outro lado. Apesar de a traquelectomia radical ser uma cirurgia que preserva a fertilidade, ela ainda envolve a remoção do paramétrio, e grande parte da morbidade está associada à remoção desta estrutura. Em algum momento, vai-se definir a possibilidade de uma intervenção menos radical para essas mulheres”, disse.

Para o ginecologista, o ponto de destaque em se tratando da terapêutica em câncer de colo do útero inicial está em torno da biópsia de linfonodo sentinela, já bem definida em melanoma e câncer de mama, mas que cada vez mais tem sido testada em endométrio e colo.

“A grande questão que a gente tem caminhado sobre o linfonodo sentinela é além de permitir uma avaliação acerca do status linfonodal, ele também atua como um marcador de doença parametrial. Linfonodo sentinela negativo significa paramétrio negativo, o que poderá nos ajudar na possibilidade de evitar a parametrectomia em uma série de pacientes”, disse.

Diminuição da toxicidade em radioterapia

Mesmo nos estágios iniciais do câncer de colo do útero a radioterapia está inserida como tratamento adjuvante à cirurgia. Ela pode ser emitida por teleterapia ou por meio de inserção de material radioativo – braquiterapia. Com o avanço tecnológico, passa-se cada vez mais a discutir quais são os pontos críticos na busca de maior excelência no tratamento radioterápico. De acordo com o radio-oncologista Dr. Robson Ferrigno, presente à sessão, três pontos podem influenciar o resultado: a técnica de radioterapia externa, o planejamento da braquiterapia e o tempo total do tratamento.

“A técnica ideal é a radioterapia de intensidade modulada (IMRT) para diminuir a toxicidade. Quando houver condição anatômica, a braquiterapia deve ser realizada com imagem 3D, para maximizar a qualidade da entrega da dose. E o tempo total de tratamento em radioterapia deve estar dentro do limite de sete semanas”, disse.

O Dr. Ferrigno citou as próprias publicações[3,4] e, em especial, o estudo comparativo entre as técnicas TRC pélvica e IMRT[3], no qual foi constatada diminuição da toxicidade gastrointestinal, o que reduziu a necessidade de administração de cloridrato de loperamida de 70% para 40%, por exemplo, entre os pacientes tratados com a radioterapia de intensidade modulada (IMRT).

A terapia convencional ainda é a mais frequente no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), uma vez que a IMRT é complexa e envolve um número multidisciplinar de profissionais capacitados.

“Há muito tempo não utilizo a terapia convencional. Evoluímos agora para fazer os planejamentos baseados em imagem. Então, sabe-se agora o local onde vamos ‘entregar’ a dose, faz-se o delineamento do tumor, protege-se os tecidos adjacentes e obtém-se uma segurança muito maior”, disse o médico.

Para dar uma ideia aproximada do que considera excelência em radioterapia, o especialista fez algumas recomendações: “Para cada inserção fazer uma tomografia. O padrão-ouro para manter as semanas de tratamento é: cinco semanas de radio com a químio da cisplatina e a braquiterapia. É importante fazê-la após a radioterapia externa, porque se atinge a menor quantidade de tumor possível e aí, depois, faz-se uma avaliação”.

#Oncologistas dizem que proibição de #cigarros eletrônicos no Brasil pode ter sido precipitada

Postado em

Rio de Janeiro — O Brasil é um exemplo com relação às políticas antitabaco. Segundo pesquisa publicada no periódico Lancet, de 195 países avaliados, o Brasil foi o que apresentou maior redução na prevalência de fumantes entre os anos de 1990 e 2015[1]. No entanto, para o Dr. Riccardo Polosa, da University of Catania (Itália), é preciso avançar mais e passar a oferecer uma alternativa para as pessoas que não querem parar de fumar. Em simpósio satélite da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), realizado durante o 20º Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica, o médico e colegas discutiram o uso de dispositivos de liberação de nicotina sem combustão.

Os cigarros eletrônicos são um tipo de dispositivo eletrônico para fumar (DEF) e popularmente são conhecidos como Electronic Nicotine Delivery Systems (ENDS), e-cigarettes, e-cigs, ou vapes. Eles entregam a nicotina na forma de aerossol, embora haja também alguns sem nicotina. São alimentados por uma bateria de lítio e têm no interior espaço para inserção de um cartucho ou refil, no qual a nicotina líquida fica armazenada. Um atomizador aquece e vaporiza a nicotina[2]. O cigarro eletrônico atualmente não tem sua comercialização autorizada  no Brasil.

Segundo o Dr. Polosa, a nicotina em si não causa câncer de pulmão: “a combustão é o principal problema”, disse ele, enfatizando que “a oferta de mecanismos que não produzem combustão aos fumantes pode salvar vidas”.

Segundo o Dr. Polosa, pesquisa desenvolvida por ele e equipe com indivíduos que trocaram o cigarro tradicional por cigarros eletrônicos mostra que essa mudança traz benefícios. Aqueles que trocaram completamente o cigarro tradicional pelo eletrônico apresentaram melhora progressiva nas medidas do exalado respiratório, com normalização da fração expirada de óxido nítrico (FeNO) e de monóxido de carbono exalado (eCO). A avaliação prospectiva foi realizada no período de um ano[3].

Em outra investigação, Dr. Polosa e colegas monitoraram possíveis modificações no hábito de fumar de 40 tabagistas regulares que experimentaram o e-cigarette. Houve queda global de 88% no número de cigarros/dia na 24ª semana de avaliação. Os autores notaram ainda diminuição na taxa de irritação na boca e na garganta, e de tosse seca[4]. Para o médico italiano, esses novos dispositivos representam uma revolução.

O Dr. José Gomes Temporão, ex-ministro da Saúde, que também já presidiu o Instituto Nacional do Câncer (Inca), afirmou durante o simpósio que ainda não há consenso sobre o assunto.

“Defendo que o tema precisa ser abordado com cuidado e prudência. Atualmente, vários países já adotaram esse dispositivo, entre eles, Nova Zelândia, Canadá, Estados Unidos e União Europeia, porém, no Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabelece regras mais rígidas para o cigarro eletrônico do que para o cigarro tradicional”, afirmou.

Segundo o Dr. Temporão, embora o Brasil tenha alcançado uma redução importante na prevalência de tabagismo, a queda na mortalidade associada ao fumo e a doenças relacionadas ainda é lenta.

“Somos o segundo maior exportador do mundo de tabaco”, disse ele, afirmando que a substituição do fumo pelo cigarro eletrônico é uma das estratégias possíveis.

“No entanto, o e-cigarette não é inócuo, também contém cancerígenos, e ainda é necessário mais tempo para avaliar seu impacto sobre a mortalidade”, disse.

Além disso, esses dispositivos podem funcionar como uma “porta de entrada” para o tabagismo posterior entre os mais jovens. Outro ponto relevante para o Dr. Temporão é a atual falta de padronização desses produtos.

“Precisamos lembrar que a indústria não quer reduzir danos ao fumante, mas sim aumentar as vendas. Qualquer mudança precisa ser feita com cautela”, considerou. Ele acrescentou que medidas que atualmente são válidas para os cigarros tradicionais deveriam ser também adotadas para os cigarros eletrônicos, por exemplo, proibição de propaganda, de aditivos, de venda para menores de idade e taxação.

“Ou seja, esses produtos deveriam ser regulados como produtos de tabaco”, afirmou o Dr. Temporão.

Para o Dr. Carlos Gil Moreira Ferreira, do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, frequentemente os oncologistas negligenciavam se o paciente com câncer de pulmão permanecia fumando ou não.

“Durante algum tempo, não havia dados comparando os resultados de sujeitos que continuavam fumando e aqueles que cessavam esse hábito, porém estudos mostraram que pacientes que mantêm o tabagismo têm desfechos piores[5]”, disse durante o simpósio.

Mas mesmo sabendo do pior prognóstico e estando ciente dos prejuízos que o tabagismo causou, o paciente, segundo o Dr. Ferreira, ainda tem dificuldade para interromper essa prática.

Não existem atualmente, segundo o médico, dados inquestionáveis que atestem que a nicotina é carcinogênica: “À luz do que sabemos, ela não é carcinogênica”, afirmou. Desde o final da década de 1990 tem-se observado um aumento no número de casos de câncer de pulmão entre não tabagistas, fato que intriga os pesquisadores[6].

“Atualmente, nos Estados Unidos, os não tabagistas já representam 20% dos diagnosticados com câncer de pulmão. Em algumas áreas da Ásia, a taxa chega a 50%. Entre os não fumantes, essa neoplasia é mais frequente em mulheres e em indivíduos com 80 anos”, disse o médico.

O tabagismo passivo é um dos fatores que vem sendo estudado como uma das possíveis causas, porém o Dr. Ferreira destacou que ainda são necessários estudos mais consistentes.

“É possível que os cigarros eletrônicos possam ter também um efeito positivo sobre aqueles que não fumam, porém também precisamos de pesquisas nesse campo”, considerou.

Para o Dr. Ferreira, a proibição desses dispositivos pela Anvisa foi uma decisão precipitada.

“Precisamos discutir o tema. A questão já está presente, e o momento representa oportunidade para gerar mais informação. Minha sugestão é que a comunidade médica coordene uma discussão nesse sentido, pois, mesmo que se chegue à decisão de banir o produto, essa medida deve ser baseada em dados”, afirmou, encerrando a sessão que foi moderada pelo Dr. Denizar Vianna Araujo, professor da Uerj.

#Seasonal Flu Deaths More Common Worldwide Than Expected

Postado em Atualizado em

#Seasonal Flu Deaths More Common Worldwide Than Expected

Marcia Frellick

Resultado de imagem para flu virus

 

Between 291,000 and 646,000 people die each year globally from seasonal influenza-related respiratory illnesses, according to new estimates from the Centers for Disease Control and Prevention (CDC) and global health partners.

The new estimates are higher than the previous estimate of 250,000 to 500,000 deaths annually. The estimates were calculated using data from 47 countries between 1999 and 2015, and exclude deaths during pandemics.

Adults aged over 75 years and adults in low-income countries in sub-Saharan Africa and Southeast Asia were hardest hit, note A. Danielle Iuliano, PhD, from the CDC’s Influenza Division in Atlanta, Georgia, and colleagues.

“These findings remind us of the seriousness of flu and that flu prevention should really be a global priority,” Joe Bresee, MD, associate director for global health in the CDC’s Influenza Division and a study coauthor, said in a press release.

Previous mortality estimates for global influenza were calculated more than a decade ago and details on methods were lacking. Now, more countries are able to calculate numbers of deaths from seasonal flu. Additionally, this survey provides age- and country-specific data.

Rates Highest in 75-Plus Group

Authors found average excess mortality rates ranged from 0.1 to 6.4 per 100,000 in people younger than 65 years to 2.9 to 44  per 100,000 for the 65-74 group and 17.9 to 223.5 per 100,000 for those older than 75.

By region, the highest mortality rates were in sub-Saharan Africa (2.8 to 16.5 per 100,000 people) and Southeast Asia (3.5 to 9.2 per 100,000).

“Often, no mortality estimates are available for low-income and lower-middle-income countries, where limited healthcare infrastructure and the competing demands of other communicable and, increasingly, non-communicable diseases might dominate allocation of health resources,” she said.

She notes that the authors recommend wider use of vaccines, but that is more realistic in high-income countries, which are more likely to have influenza vaccination programs and policies in place, she says.

The WHO recommends vaccinating people most susceptible to influenza infection, including older adults.

“However, current influenza vaccines are imperfect and the expected benefits of vaccination programmes might be overstated, especially in elderly people,” she writes. She notes that previous modelling has shown that at least some of the reason for the low efficacy of vaccines in the elderly may be due to repeated vaccinations instead of age.

 Nonrespiratory Causes Need Study

Dr Sullivan also notes that,  even with the higher estimates, the new study may underestimate the true death toll from influenza because it doesn’t include deaths attributable to nonrespiratory causes. The authors also note that those causes need to be investigated because influenza can create or make worse other factors such as cardiovascular disease or diabetes, which are then listed as cause of death on death certificates.

Dr Iuliano and colleagues say that information from the survey can help countries better understand the burden of the infections and importance of detection, prevention, and control.

Dr Sullivan agrees: “The study by Iuliano and colleagues has clearly highlighted the considerable mortality burden associated with seasonal influenza and the need for effective prevention strategies. What is less clear is whether our current prevention strategies are adequate to reduce this burden.”

Statistical modeling from data from 33 of the 47countries was used to generate an estimate of deaths for 185 countries across the world. Data from the other 14 countries were used to validate estimates.

Coauthors report grants from the CDC, National Institute of Allergy and Infectious Diseases, the Health and Medical Research Fund of Hong Kong, Harvard Center for Communicable Disease Dynamics, the National Institute of General Medical Sciences, and the University Grants Committee of Hong Kong during the conduct of the study; grants from Sanofi Pasteur and the Foundation for Influenza Epidemiology; and travel expenses paid for by the Global Influenza Initiative and Parexel outside the submitted work.

Dr Sullivan has disclosed no relevant financial relationships.

Lancet. Published online December 13, 2017.

#Mulher com útero transplantado dá à luz pela primeira vez nos Estados Unidos

Postado em

Mulher com útero transplantado dá à luz pela primeira vez nos Estados Unidos

Reuters Health

Imagem relacionada

13 de dezembro de 2017

(Reuters) – Pela primeira vez nos Estados Unidos, uma mulher com útero transplantado tem um parto, afirmam autoridades em um hospital de Dallas.

O nascimento de um menino saudável, que não teve data de nascimento e peso divulgados, foi confirmado por um porta-voz do Baylor University Medical Center.

A mulher que deu à luz pediu para permanecer anônima, disse Craig Civale, porta-voz do Baylor and Baylor Scott & White Research Institute.

Embora este nascimento de um bebê saudável de uma mulher com útero transplantado tenha sido o primeiro caso nos Estados Unidos, ele vem após oito partos de mulheres com útero transplantado feitos no Sahlgrenska University Hospital em Gotemburgo (Suécia), disse Civale.

 Os médicos envolvidos no transplante realizaram uma coletiva de imprensa para comentar este marco médico.

A Dra. Liza Johannesson, cirurgiã de transplantes da Baylor, que também fez parte da equipe que realizou os primeiros transplantes do útero na Suécia, disse à revista Time que cirurgiões veteranos estavam chorando quando a criança nasceu. A revista foi a primeira a publicar a notícia do nascimento.

Uma enfermeira de 36 anos que tem dois filhos doou o útero à paciente, segundo a Time.

Um programa de transplante de útero na Baylor está em andamento desde o ano passado, e os cirurgiões completaram oito de 10 transplantes em um estudo clínico, de acordo com a Time. Dos oito, três falharam e um resultou em outra gestação, informou a revista.

O primeiro parto após o transplante de útero ocorreu em setembro de 2014, de uma mulher com 35 anos que recebeu o útero de uma mulher de 61 anos.

A primeira tentativa de transplante de útero nos Estados Unidos, em fevereiro de 2016, na Cleveland Clinic, em Ohio, de uma doadora falecida, falhou por causa de uma infecção fúngica.

Quando uma mulher tem um útero transplantado, a fertilização in vitro é a única maneira de engravidar porque os ovários não estão conectados ao útero transplantado.

A Dra. Liza disse à Time: “Muitas pessoas subestimam o impacto que a infertilidade pode ter no bem-estar de uma pessoa. Pode ter um impacto muito profundo”.

Reportagem de Bernie Woodall em Fort Lauderdale, Flórida; editado por Cynthia Osterman

© 2017  Reuters Ltd.

#Hepatite B: nova diretriz para vacinação e rastreio do vírus

Postado em

virus hepatite b

Hepatite B: nova diretriz para vacinação e rastreio do vírus

Como já se sabe, vacinação e screening podem reduzir o peso da infecção crônica pelo vírus da hepatite B (VHB). O American College of Physicians (ACP) e o Centers for Disease Control and Prevention (CDC) desenvolveram uma nova diretriz com recomendações para hepatite B. Os keypoints são:

1) Devem receber a vacinar contra o VHB:

  • Todos os adultos não vacinados (incluindo mulheres grávidas) em risco de infecção devido à exposição sexual, percutânea ou mucosa;
  • Trabalhadores de saúde e segurança pública em risco de exposição;
  • Adultos com doença hepática crônica, doença renal terminal (incluindo pacientes em hemodiálise) ou infecção por HIV;
  • Viajantes para as regiões endêmicas;
  • Adultos que procuram proteção contra a infecção.

2) O rastreamento (antígeno de superfície da hepatite B, anticorpos contra o antígeno de superfície da hepatite B e anticorpos contra o antígeno central da hepatite B) para o VHB deve ser realizado em pacientes de alto risco, incluindo:

  • Pessoas nascidas em países com prevalência de VHB igual ou superior a 2%;
  • Homens que têm relação sexual com homens;
  • Usuários de drogas;
  • HIV positivos;
  • Indivíduos que têm contatos domésticos e sexuais com pessoas infectadas com VHB;
  • Pessoas que necessitam de terapia imunossupressora;
  • Pacientes com doença renal terminal (incluindo aqueles em hemodiálise);
  • Doadores de sangue e tecido;
  • Pessoas infectadas com o vírus da hepatite C;
  • Indivíduos com níveis elevados de alanina aminotransferase (≥19 UI/L para mulheres e ≥ 30 UI/L para homens);
  • Prisioneiros;
  • Mulheres grávidas e bebês nascidos de mães infectadas com o VHB.

3) Médicos devem fornecer ou indicar um especialista que forneça a todos os pacientes identificados com VHB aconselhamento pós-exames e cuidados dirigidos contra a hepatite B.

 

Referências:

  • Abara WE et al. Hepatitis B vaccination, screening, and linkage to care: Best practice advice from the American College of Physicians and the Centers for Disease Control and Prevention. Ann Intern Med 2017 Dec 5; 167:794 | http://dx.doi.org/10.7326/M17-1106

#Terapia hormonal na pós-menopausa: nova diretriz indica as melhores condutas

Postado em

medico segurando uma prancheta durante o atendimento com paciente

Terapia hormonal na pós-menopausa: nova diretriz indica as melhores condutas

Em 2010, um estudo da Women’s Health Initiative (WHI) indicou que a terapia hormonal está associada a efeitos adversos graves em mulheres na pós-menopausa. Desde então, o uso dessa terapia durante a menopausa diminuiu.

Com base nessa e outras evidências mais recentes, A US Preventive Services Task Force (USPSTF) atualizou suas diretrizes de 2012 sobre o uso de terapia hormonal para prevenção primária de condições crônicas em mulheres na pós-menopausa.

As recomendações são:

1) A USPSTF não recomenda o uso de estrogênio e progesterona combinados para a prevenção primária de doenças crônicas em mulheres na pós-menopausa (recomendação D – moderada).

2) A USPSTF não recomenda o uso exclusivo de estrogênio para a prevenção primária de doenças crônicas em mulheres pós-menopáusicas que tiveram uma histerectomia (recomendação D – moderada).

Veja a publicação completa nesse link.

Referências:

  • Hormone Therapy for the Primary Prevention of Chronic Conditions in Postmenopausal WomenUS Preventive Services Task Force Recommendation Statement. JAMA. 2017;318(22):2224–2233. doi:10.1001/jama.2017.18261