medicina natural

#Garcinia for #Weight Loss: Modest Effect With Safety Caveats

Postado em

Gayle N. Scott, PharmD

Question

Is garcinia a safe and effective dietary supplement for patients hoping to lose weight?

Response from Gayle N. Scott, PharmD
Assistant Professor, Department of Physiological Sciences, Eastern Virginia Medical School, Norfolk, Virginia

Garcinia became a rock star in the dietary supplement world after a 2012 endorsement by television host Dr Mehmet Oz, who called it a “revolutionary fat buster.” (The endorsement was removed from the Dr Oz website following a Senate hearing on questionable weight loss products.[1]) Described as the “Oz effect,” Dr Oz’s endorsement of a dietary supplement usually has a substantial impact on product sales,[2,3,4] even when scientific evidence is not favorable.

Garcinia (Garcinia gummi-gutta, formerly known as Garcinia cambogia) is a small- to medium-sized tree native to India, Nepal, and Sri Lanka. Other common names include brindleberry, Malabar tamarind, and kudam puli (pot tamarind).[2] In the United States, garcinia products derived from the fruit are available as dietary supplements that are often promoted for weight loss. The major organic acid in the fruit is hydroxycitric acid (HCA), which is thought to account for the pharmacologic effects of garcinia. Animal research suggests that HCA may inhibit enzymes that synthesize fatty acids.[2]

A 2011 meta-analysis[3] reviewed nine clinical trials of garcinia extract (HCA) for weight loss; little research has been published since. The meta-analysis revealed a small yet statistically significant difference in weight loss in favor of HCA over placebo (mean difference: -0.88 kg; 95% confidence interval, -1.75 to -0.00, P < .05). This corresponds to about a 1% body weight loss in the HCA group compared with placebo,[3] in contrast to an average 3% weight loss in patients taking orlistat compared with placebo.[4] The study design showed considerable heterogeneity, and the duration of treatment and the dose of HCA used in the different trials varied widely. Two of the studies lasted 12 weeks, and the rest lasted 2-8 weeks. The persistence of weight loss and long-term safety with garcinia are unknown.[3]

The most common adverse effects reported were headache, nausea, and upper respiratory and gastrointestinal tract symptoms, but most of the trials reported no significant differences in adverse events between HCA and placebo.[3]

However, multiple case reports have implicated HCA-containing products in serious adverse reactions.[5] Hepatitis and hepatic failure requiring transplantation have been described in several case reports.[6,7,8] Serotonin toxicity in a 35-year-old woman who was also taking escitalopram has been reported.[9] Animal research suggests that HCA may increase serotonin levels.[10] Mania in patients with and without a history of psychiatric illness has been reported.[11]

The dietary supplements associated with these adverse effects often contained multiple ingredients, including HCA. For example, previous formulations of the combination weight loss product Hydroxycut® contained HCA along with various other supplements. Hydroxycut products that contained HCA have been associated with mania,[12] rhabdomyolysis,[13] hepatotoxicity, and other adverse effects.[14,15] Whether HCA or another Hydroxycut ingredient was responsible for the toxicities is unknown.[5]

Currently, not enough research is available to recommend garcinia or HCA-containing products for weight loss.

Currently, not enough research is available to recommend garcinia or HCA-containing products for weight loss. If garcinia or HCA-containing products are beneficial, the effects appear to be modest. Rare but serious adverse effects have been reported, and long-term toxicity is unknown. No published studies have lasted beyond 3 months.

Patients taking medications that affect serotonin (eg, dextromethorphan, selective serotonin reuptake inhibitors, tramadol) should avoid HCA. Given the reports of hepatic toxicity, patients with liver disease or patients taking potentially hepatotoxic drugs (eg, carbamazepine, isoniazid) should not take HCA.

Anúncios

#Los sabios #“remedios de la abuela”

Postado em

Antes de ser médicos, durante la carrera e incluso tras finalizar esta, una vez que nos hemos colgado el fonendo al cuello, con frecuencia hemos oído hablar de los “remedios de la abuela”. Son esos consejos que algunas veces nos daba la propia abuela pero que, en otras ocasiones, provenían de nuestra madre o padre, de una tía y hasta de un vecino. “Remedios de la abuela”, sí: dichos, costumbres y aforismos de la medicina popular que todos hemos puesto en práctica en alguna ocasión. Y que también, muy probable, hayamos recetado a nuestros pacientes.

Estos remedios suelen ser bastante inocentes y, como muchas medicinas alternativas, no sabemos si realmente producen efectos positivos, pero es muy posible que tampoco nos dañen. Eso sí, basta con que nos lo diga nuestra madre para que le hagamos caso y para que, además, nos sintamos mejor. Antes de reflexionar sobre su posible utilidad, recordaremos algunos de estos consejos.

Cuando caemos enfermos siempre hay que tomar vitamina C, vehiculada a través de un zumo de naranja. No puede faltar nunca, puesto que es beneficiosa para casi todo: para las defensas (estas en cursiva, en su acepción popular que las considera como una protección general e inespecífica del organismo), para recuperarse, para el catarro y hasta para el estreñimiento. Para que los niños crezcan lo que tienen que hacer es dormir; dormir mucho, y sabiendo que después de estar malitos, los niños dan un estirón, por lo que “no hay mal que por bien no venga”.

En los casos de bronquitis y laringitis (y para la tos en general) es mandatorio tomar una sopa o un zumo de cebolla, porque “hidrata” las mucosas y ayuda a expectorar. Ante la faringitis, la laringitis y la afonía, un vaso de leche caliente con miel, porque “calma la garganta”, lo mismo que hacer gárgaras con agua tibia y sal, que ayuda, además, a “desinfectar”. Y si hay congestión nasal, los vapores con eucalipto obran milagros, máxime si se les añade tomillo.

Las infusiones son muy recomendadas por nuestros mayores. Para la “retención de líquidos” (imaginamos que son los edemas) el té, porque es diurético; mientras que para la ansiedad la infusión es de tila, y para conciliar el sueño el remedio más eficaz es la valeriana.

Para los traumatismos varios (en especial para los chichones) lo indicado por la abuela es un vendaje compresivo con una moneda empapada en aceite, presionando la zona del trauma para evitar que el chichón crezca; aunque hay abuelas que también recetan la colocación de un bistec de carne cruda. Las picaduras de avispa mejoran con la aplicación de ajo (bueno para casi todo en la medicina popular española), un poco de barro o vinagre.

En las zonas rurales de España se ha usado, en tiempos pasados, la urea (la orina) aplicada sobre heridas incisas y para evitar las grietas de las manos. Recordemos aquí al entrañable Azarías, personaje de Los Santos Inocentes (1981), obra maestra de Miguel Delibes, encarnado magníficamente en la película de Mario Camus por Paco Rabal. Azarías no dejaba pasar la oportunidad de orinar para rociarse las manos con urea.

Ya sabemos lo importante que es esperar dos horas después de comer, y entrar al baño poco a poco para que no se “corte la digestión” (hidrocución, en términos médicos). Para hacer bien la digestión, o para el empacho, qué mejor que tomar un “digestivo”, que puede ser desde un licor de hierbas hasta un Pedro Ximénez o un orujo; y si están fresquitos, aún mejor. Efectivamente, después de comer un suculento chuletón con patatas y un arroz con leche, lo recomendado para digerirlo es añadir alcohol al tubo digestivo…

Para las verrugas y los callos, un diente de ajo, mucho mejor que la crioterapia; y aceite para las quemaduras del sol. Para el acné adolescente, además de no tomar chocolate, hay que evitar la masturbación… Y podríamos seguir un amplio recorrido por todos y cada uno de los sistemas y aparatos encontrando, en la sabiduría popular transmitida por nuestros mayores, todo un tratado de medicina interna de la talla de un Harrison o el mismísimo Farreras.Aunque estos remedios no podemos equipararlos al hecho, por ejemplo, de acudir a Lourdes para sanar o bien rezar tres padrenuestros para aprobar el MIR, al menos hemos de que cuestionarlos. Como hemos señalado, en general son inofensivos, y no pasa nada si alguien se unta ajo en la picadura de una avispa, si toma un vaso de leche caliente con miel en una faringitis o una infusión de té para la “retención de líquidos” (salvo si bebe dos litros y realmente tiene edemas por una patología médica). Sin embargo, más allá de su inocencia, resulta difícil calibrar su verdadera eficacia.

Sin que se pueda descartar que alguna de estas medidas tenga un efecto terapéutico (efectivamente, si presionamos con una moneda un chichón, es posible que crezca menos, pero puede ser peor el remedio que la enfermedad), lo más probable es que el beneficio real se deba al efecto placebo y al bienestar que produce aplicar estas medidas.

Se trata muchas veces de remedios inocuos para males menores y, como señalaba Voltaire, “el arte de la medicina consiste en entretener al paciente mientras la naturaleza cura la enfermedad”. Si mientras la naturaleza cura, nuestra abuela nos ha preparado con todo cariño un vaso de leche con miel o nuestra madre nos dice que hagamos gárgaras con agua y sal, pasaremos mucho mejor el trance de la enfermedad. Porque, parafraseando a Schopenhauer, ”la salud no lo es todo, pero sin ella todo lo demás es nada”, y cuanto antes y mejor superemos la afección, mucho mejor. En una cosa sí estamos completamente de acuerdo con las abuelas, las madres y los vecinos: para las ojeras, lo mejor es dormir.

#Acupuntura para #dor crônica: avanços sem precedentes

Postado em

Pauline Anderson

SAN DIEGO — As últimas duas décadas viram “avanços sem precedentes” no uso da acupuntura para tratar a dor, com um “aumento rápido” no número e na qualidade de estudos relacionados publicados, de acordo com um médico que é praticante experiente de acupuntura.

“No momento, temos uma base bem sólida para a eficácia da acupuntura” para cefaleia, osteoartrite (OA) e condições musculoesqueléticas, disse Farshad M. Ahadian, professor de anestesiologia da University of California, em San Diego.

“Eu acho justo dizer que a acupuntura está aqui para ficar. Será uma adição permanente às nossas opções de recursos”.

O Dr. Ahadian apresentou os dados no 28º Encontro Anual da Academy of Integrative Pain Management (AIPM).

Crise dos opioides

Para alcançar seu “potencial total”, os clínicos precisam “integrar completamente” a medicina convencional com terapias alternativas, o que inclui a acupuntura, disse o Dr. Ahadian aos presentes no encontro.

Ela pode ser cada vez mais importante devido a dois “desafios críticos realmente importantes”: a crise dos opioides e o envelhecimento da população.

“A epidemia de opioides está em curso há duas décadas e não se vislumbra um fim. E não acredito que acordamos para as implicações que o envelhecimento da população tem para a prevalência de dor crônica”.

Durante a apresentação o Dr. Ahadian revisou parte da extensa literatura sobre acupuntura para dor crônica. Entre 1997 e 2010, mais de 600 estudos clínicos relacionados foram publicados.

Uma revisão recente, que o Dr. Ahadian descreveu como “uma das análises mais academicamente rigorosas”, foi financiada independentemente pelo National Institute for Health Research, no Reino Unido.

Após triar quase 1000 publicações, os pesquisadores selecionaram 29 dos ensaios clínicos randomizados controlados de maior qualidade. Os estudos compararam acupuntura verdadeira com acupuntura simulada (agulha que não penetrou na pele ou agulha nos pontos errados) ou ausência de acupuntura (tratamento médico padrão) em quase 18 mil pacientes.

Os autores realizaram uma meta-análise individual de dados de pacientes, que o Dr. Ahadian disse ser “única” para esse tipo de pesquisa.

“Em vez de 29 pontos de dados, eles realmente tinham quase 18.000 pontos de dados, então foi um meio muito mais poderoso de coleta dados”.

A análise mostrou que a acupuntura foi estatisticamente superior tanto à acupuntura simulada quanto à não realização de acupuntura em várias condições que cursam com dor, incluindo dor cervical e lombar, osteoartrite (OA) do joelho, cefaleia e migrânea (todos os P para o efeito geral = 0,001).

O tamanho do efeito para a acupuntura simulada foi “um pouco menor” do que para a não realização de acupuntura, disse o Dr. Ahadian.

“Isso ressalta o poderoso efeito do placebo associado a qualquer tipo de modalidade física, incluindo a acupuntura”, afirmou. Ele acrescentou que isso apresenta “desafios para a pesquisa de acupuntura”.

A análise também confirmou que a acupuntura teve “efeitos clinicamente significativos, o que é importante”, disse o Dr. Ahadian.

Resultados clinicamente significativos

Outras pesquisas já mostraram que a acupuntura aumenta a conectividade funcional.

“A dor crônica pode levar a padrões anormais ou a desregulação da conectividade funcional em vários centros cerebrais”, explicou o Dr. Ahadian. Ele acrescentou que a acupuntura “pode ajudar a modular e a normalizar” a conectividade funcional.

Ele destacou outro estudo que incluiu pacientes com OA do joelho, de moderada a grave, que nunca haviam realizado acupuntura e não haviam realizado nenhuma intervenção nos últimos seis meses. Os pacientes foram aleatoriamente designados para receber acupuntura verdadeira ou acupuntura simulada.

Cada participante recebeu seis tratamentos em um período de um mês. Eles também foram submetidos a ressonância magnética funcional.

Usando uma escala validada, a pontuação de desfechos em lesão e OA do joelho (sigla em inglês, KOOS), os pesquisadores descobriram que a interação entre grupos (real em relação a simulada) e tempo (início do estudo em relação ao desfecho) foi significativa para as pontuações da subescala KOOSpara dor (P = 0,025), função em esporte (P = 0,049) e qualidade de vida (P = 0,039).

A análise demonstrou melhorias estatisticamente significativas na conectividade funcional na rede frontal parietal direita e na rede de controle executivo, “que são os centros cerebrais que se acredita desempenharem um papel significativo no processamento da dor”, disse o Dr. Ahadian.

Ao mesmo tempo, houve uma redução na conectividade da rede motor sensorial, disse ele. “Estes são padrões esperados com o melhor controle da dor”.

Os resultados foram clinicamente significativos, observou o Dr. Ahadian. O estudo descobriu que após o tratamento, o aumento da conectividade funcional foi correlacionado positivamente com as alterações nos escores de dor de KOOS.

Na medicina tradicional chinesa, acredita-se que dor e doença são causadas por uma obstrução ao fluxo normal de qi (energia vital). Pode ser que a conectividade funcional esteja relacionada com o qi, disse o Dr. Ahadian.

“Será que, quando falamos sobre a remoção essas obstruções, o que estamos falando é na verdade melhorar a conectividade funcional?”

O Dr. Ahadian enfatizou que encontrar terapias alternativas eficazes para tratar a dor crônica é cada vez mais importante em uma era caracterizada por aumento significativo de mortes relacionadas a opioides. Em 2015, houve 33.091 casos no Estados Unidos, disse ele.

Outro fator que deve estimular a pesquisa de terapias efetivas para dor é o aumento da população idosa. A porcentagem daqueles com idade igual ou superior a 65 anos foi de 13% em 2012, mas espera-se que aumente para 20% em 2050. A incidência de dor crônica aumenta com a idade.

Treinamento

Ao abordar uma pergunta de um membro da audiência sobre treinamento, o Dr. Ahadian fez referência à American Academy of Medical Acupuncture (AAMA), a sociedade profissional de médicos que incorporaram a acupuntura na prática clínica.

De acordo com o site da AAMA, os requisitos de adesão foram estabelecidos de acordo com as diretrizes de treinamento criadas pela Federação Mundial de Sociedades de Acupuntura-Moxabustão reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Outros membros ficaram curiosos sobre o número ótimo de tratamentos de acupuntura e tempos de resposta.

Enquanto alguns especialistas aconselham aos pacientes que eles precisam realizar até 20 sessões para saber se o tratamento está funcionando, “na minha experiência, se não for observada alguma resposta positiva dentro de cerca de quatro ou cinco sessões, talvez seja necessário pensar duas vezes” disse o dr. Ahadian.

Ele observou que “nem todo mundo responde bem à acupuntura”.

Alguns fatores podem reduzir a “capacidade de resposta à acupuntura. A acupuntura depende de um sistema nervoso intacto para promover seu efeito, portanto, se os pacientes tiverem neuropatia periférica significativa ou outras neuropatias, podem não ser tão responsivos”, disse ele.

Uma vez que os pacientes respondem, o Dr. Ahadian disse que tenta aumentar o intervalo entre tratamentos enquanto mantém os resultados.

“Nosso objetivo na medicina não é ‘casar’ o paciente com nosso consultório e fazê-los consultar o tempo todo”, disse ele.

“Se eu não conseguir uma eficácia persistente, ou uma eficácia razoável, que dure um mês, então eu posso desaconselhar ou talvez precise descobrir como mudar minha terapia”.

Em um discurso em outro local do encontro da AIPM, o coronel aposentado do Exército dos EUA, Gregory D. Gadson, que perdeu as duas pernas devido à explosão de uma bomba, enquanto ele servia em Bagdá, em 2007, e agora sofre de dor crônica, disse que ainda recebe ocasionalmente “acupuntura de campo de batalha”.

Quando perguntado pelo Medscape sobre “acupuntura de campo de batalha”, o Dr. Ahadian explicou que a modalidade envolve uma breve sessão usando agulhas pequenas na pele da orelha, para bloquear a dor. O tratamento pode ser administrado em apenas cinco minutos, e está sendo usado para tratar membros feridos do exército dos EUA.

Dr. Ahadian relatou que recebe apoio de pesquisa como pesquisador principal de Boston Scientific e Mainstay Medical.

28º Encontro Anual da Academy of Integrative Pain Management (AIPM). Apresentado em 22 de outubro de 2017.

#Do folclore à farmácia: #remédios naturais que se tornaram #medicamentos

Postado em

Jennifer Leavitt; Leanne Saladino  

Slides 1

Origens farmacêuticas

Por milhares de anos, pessoas em todo mundo trataram doenças com formas integrais ou extratos de flores, cascas, ervas e microrganismos benéficos. Eles vêm sendo usados desde muito tempo antes do surgimento do método científico, mas é importante lembrar que dentre esses remédios estão alguns que originaram alguns dos produtos farmacêuticos mais importantes da atualidade.

Imagem: Adobe Stock. Dados de Gurib-Fakim A, 2006.[1]

Slides 2

Da casca de cinchona à quinidina, um antiarrítmico e antiparasitário

A cinchona cresce nas florestas tropicais do Peru. Um derivado dela, a quinina, foi introduzido na Europa em 1640, e foi utilizado por muitos anos após para tratar a malária e outras doenças. Em 1912, um paciente descobriu inadvertidamente que a quinina melhorava sua arritmia. Seis anos depois, Walter von Frey, em Berlin, escreveu em um periódico médico vietnamita que a quinidina, um esteroisômero da quinina, era mais efetivo que qualquer outro alcaloide da cinchona para o controle de arritmias atriais.[2,3]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Sneader W, 2005.[3]

Slides 3

Muito tempo antes da penicilina, mofo caseiro

Antes dos registros históricos de medicina, o mofo era utilizado para tratar infecções na Grécia, no Egito e na Índia. Na Polônia, nos anos 1600, uma mistura de pão úmido com teias de aranha era usada pelo mesmo motivo, uma técnica citada no livro de 1884 de Henryk Sienkiewicz, Com Fogo e Espada. Entre 1870 e 1928, vários médicos diferentes observaram que um mofo em particular, Penicillium, poderia combater infecções. Mas em 1928, Alexander Fleming percebeu que era na verdade um bioproduto do mofo que matava as bactérias. Uma década mais tarde, Ernst Chain e Howard Florey isolaram e purificaram a penicilina, o primeiro antibiótico verdadeiro.[4,5]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Dougherty TJ, Pucci M, 2011 [4]; Wainwright M, 1989.[5]

Slides 4

Remédio floral se torna medicamento cardíaco

Por muitos anos, botânicos utilizaram a dedaleira contra uma variedade de doenças, de edema a tuberculose, até que ela foi identificada como um tratamento viável para insuficiência cardíaca congestiva. Derivados da planta foram transformados em drogas de prescrição, incluindo digoxina para fibrilação atrial e flutter atrial com resposta ventricular rápida.[6]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Hande KR, 1998.[6]

Slides 5

Teixo do pacífico leva ao paclitaxel

Nativos americanos da região noroeste usavam agulhas esmagadas do Teixo do Pacífico para realizar tratamentos anti-inflamatórios. Os responsáveis pelos medicamentos tomavam muito cuidado porque a árvore era tóxica e suas sementes eram letais para humanos. Na década de 1960, cientistas que exploravam potenciais fontes naturais para o tratamento do câncer realizaram testes com a casca da árvore. Os resultados laboratoriais mostraram atividade citotóxica significativa. O paclitaxel foi isolado e a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou o medicamento para tratamento do câncer de ovário em 1992. Logo após, ele foi aprovado para tratar câncer de mama avançado, sarcoma de Kaposi relacionado à aids, e outras malignidades.[7]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Goodman J, Walsh V, 2001.[7]

Slides 6

Salgueiro e rainha-dos-prados, o AAS de antigamente

O salgueiro branco se origina da Europa e de partes da China, e foi comercializado para o Egito, Suméria e Assíria. As pessoas mastigavam a casca desta árvore para diminuir a sudorese e reduzir a febre desde 400 a.C., e o sucesso no tratamento da malária com o salgueiro branco foi documentado em 1763. A rainha-dos-prados era uma das ervas mais sagradas utilizadas pelos druidas celtas para patologias semelhantes. Eventualmente, o ácido salicílico, um composto derivado da salicina, foi isolado do salgueiro branco e da rainha-dos-prados, e mais tarde serviu como base para o ácido acetilsalicílico.[8]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Norn S et al, 2009[8]

Slides 7

Arroz vermelho fermentado, a estatina original

Fabricado a partir da fermentação de Monascus purpureus, uma levedura, derramada sobre arroz vermelho, o arroz vermelho fermentado tem sido usado há centenas de anos na China, tanto como alimento quanto como medicamento para o sistema cardiovascular. Pesquisadores descobriram que ele contém um composto semelhante à estatina, assim como ácidos graxos insaturados, fitoesterois e isoflavonas. Embora o processo de descoberta e de aprovação pela FDA não tenha sido linear ou solitário, está claro que os chineses entendiam como cuidar do coração mesmo muito tempo antes do colesterol ser identificado no organismo humano.[9,10]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Endo A, 2004[9]; Gerards MC et al, 2015.[10]

Slides 8

Maçã-de-maio dá origem ao etoposídeo, para câncer de pulmão

A mandrágora americana, ou maçã-de-maio, foi utilizada como medicamento por nativos americanos e estudada posteriormente, no século XIX, por suas propriedades curativas, particularmente contra verrugas. Em 1835, o Dr. John King identificou seus compostos resinosos ativos, a partir dos quais o etoposídeo foi sintetizado pela primeira vez, em 1966. Ele recebeu aprovação da FDA em 1983 como tratamento quimioterápico para câncer de pulmão, assim como sarcoma de Kaposi, câncer testicular, sarcoma de Ewing, leucemia não linfocítica, linfoma e glioblastoma multiforme.[11]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Chabner BA, et al, 2011.[11]

Slides 9

A infame papoula

Por todo o mundo, folhas e sementes de papoula têm sido usadas desde a antiguidade para controlar a dor, promover o sono, e instilar um sentimento de paz. É amplamente conhecido que o ópio extraído da papoula é responsável por seu efeito sedativo, pois contém pequenas quantidades de codeína e morfina. Esta última foi isolada pela primeira vez no final do século XIX. Ela foi o primeiro alcaloide, ainda é a principal medicação para dor no pós-operatório, e é a base original de todos os medicamentos opioides da atualidade. Em países latinos, barris de folhas de papoula (veja imagem acima) são comuns nos mercados.[12]

Slides 10

Efedra e efedrina

A efedra já era utilizada pelo menos 5000 anos atrás na China, onde sua haste era conhecida como ma Huang e era um importante tratamento para febre, resfriados e asma. Hoje, alcaloides naturais de efedra são usados em medicamentos para tratar doenças respiratórias, incluindo asma. Diversos outros tratamentos para essas patologias foram inspirados pelas propriedades da efedra, e desenvolvidos para alcançar os mesmos resultados.[13]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Ehlers BE, 2001.[13]

Slides 11

Cânfora, ontem e hoje

Em diversos países a cânfora era utilizada para reduzir a inflamação e tratar entorses. Na Índia, era chamada de Karpüra e era comumente utilizada na medicina Äyurveda para tratar febre e diarreia. Também era um analgésico, um expectorante e um remédio para tosse bastante popular. A cânfora foi utilizada com sucesso para tratar a cólera em Nápoles, em 1854-1855. No século XX, era usada para aliviar a fadiga e sintomas cardíacos leves. Atualmente, a cânfora é mais bem conhecida como o ingrediente ativo de diversas pomadas com ação por vapor.[14]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Mann JC et al, 1994.[14]

Slides 12

As mães da anestesia geral

Se o álcool não tivesse sido um agente de libação social essencial e um sedativo médico por séculos, a humanidade poderia nunca ter se aventurado na arte de inalar éter para produzir efeitos semelhantes, e posteriormente usar o óxido nitroso para os mesmos fins. Nós poderíamos nunca ter aprendido a usar os inalantes como anestésicos com sucesso. Felizmente, em 1831, o éter se tornou o primeiro grande avanço na anestesia, e o óxido nitroso o seguiu em 1844. Ambos se provaram mais potentes que o álcool. Atualmente, o éter é combinado com outros anestésicos para facilitar um estado conhecido como “anestesia balanceada”, na qual a lenta indução de inconsciência pelo éter tem um benefício central. O uso de óxido nitroso é também prevalente na anestesia.[12]

Imagem: Adobe Stock. Dados de Toski JA et al, 2001.[12]

Slides 13

A próxima geração de medicamentos?

Alguns antigos remédios populares compartilham as mesmas indicações que o arsenal terapêutico da atualidade. De forma alternativa, novos e significativos usos foram encontrados para remédios tradicionais. Em outros tempos, as propriedades de tratamentos nativos serviram como catalizador e como inspiração para um medicamento moderno. Todos esses exemplos nos trazem a importante lembrança de que a medicina folclórica, por mais mística e não científica que possa soar para os pesquisadores modernos, pode valer uma boa análise no laboratório.

Imagem: Adobe Stock. Dados de Kei C, Bei Y, 1999.[15]


.

#Identificando lesões em #peles não-brancas

Postado em

Dra. Carly A Elston, Dr. Dirk M Elston 

Slides 1

Em um mundo globalizado, é imperativo que médicos se familiarizem com variações em prevalência, apresentação clínica e tratamento de doenças dermatológicas em negros, asiáticos e hispânicos[1,2]. Algumas diferenças intrínsecas da pele de coloração mais escura contribuem para estas variações. Por exemplo, Por exemplo, o cabelo curvo é associado com o desenvolvimento da pseudo foliculite da barba (mostrada acima à esquerda) em indivíduos negros que se barbeiam. Além disso, a maior quantidade de melanina não somente aumenta a incidência da hiperpigmentação pós-inflamatória, mas também pode dificultar a identificação do eritema nas doenças inflamatórias da pele[1,2]. As imagens à direita e abaixo mostram a dermatose papulosa nigra, uma condição cutânea benigna que afeta até 35% dos indivíduos com tons de pele mais escuros [3].

Slides 2

Queloides

A fisiopatologia da formação da cicatriz queloide ainda não é bem entendida, porém muitos fibroblastos multinucleados, que estão presentes em tons de pele mais escuros, podem contribuir para esta maior propensão[4]. Em contraste com as cicatrizes hipertróficas, que são confinadas às margens da ferida original, as queloides exibem uma extensão semelhante a uma garra, além do sítio de lesão inicial, adentrando a pele normal adjacente (figura acima).

O manejo da queloide é difícil, e as recorrências são comuns[5]. O tratamento mais efetivo usa uma combinação de modalidades terapêuticas[4], incluindo injeção intralesão de corticoides e 5-fluorouracil (FU), laser de corante pulsado, e excisão com laser de dióxido de carbono (CO2) seguida de radiação[5]. Estudos também têm indicado creme imiquimode e mitomicina C como opções para prevenir recorrência[6].

Slides 3

Melanoma lentiginoso acral

O aumento da dispersão e do tamanho dos melanosomas e do conteúdo de melanina protegem a pele do sol, levando à redução do fotoenvelhecimento e a menores índices de câncer de pele em pessoas de pele negra[1]. Ainda assim, melanomas podem ocorrer em indivíduos negros, hispânicos e asiáticos.

Indivíduos com pele pigmentada geralmente não desenvolvem melanoma relacionado ao sol, embora a incidência esteja aumentando nesta população[4]. No entanto, melanoma lentiginoso acral ocorre em regiões não expostas ao sol, como unhas, palmas e solas (mostradas acima), resultando em um número desproporcional de melanomas em asiáticos, hispânicos e indivíduos negros[1].

O melanoma lentiginoso acral localizado é um diagnóstico difícil. Portanto, a avaliação clínica, histopatológica, e dermatoscópica, em conjunto, são essenciais para a acurácia do diagnóstico e para a detecção precoce[7]. O melanoma lentiginoso acral é tipicamente tratado com excisão cirúrgica, porém a margem da excisão cirúrgica ainda permanece em debate[7].

Slides 4

Melanoníquia estriada

Melanoníquia estriada, em que há uma coloração marrom/preta na placa ungueal ocorre mais comumente em pessoas não-brancas, especialmente afro-caribenhos e japoneses[8,9]. Esta condição pode resultar da hiperplasia do melanócito, ou ativação dos melanócitos por gravidez, trauma, doença inflamatória da pele, endocrinopatias e certas medicações. Medicações comumente implicadas são hidroxiureia, bleomicina, ciclofosfamida, 5-FU e agentes antimaláricos[9,10].

Proliferações melanocíticas benignas podem se dar na matriz da unha, com lentigos ocorrendo mais comumente em adultos, e nevos ocorrendo mais frequentemente em crianças[9,10]. Estas lesões tipicamente não requerem tratamento. No entanto, a extensão da pigmentação para o hiponíquio ou prega ungueal proximal, ocorrência denominada sinal de Hutchinson (mostrado acima), com uma pigmentação irregular e com largura maior que 3 mm leva à suspeita de melanoma na matriz da unha[8-10]. Achados clínicos combinados com histopatologia e características da dermatoscopia ajudam no diagnóstico[8-10]. Mutações ativas em c-KIT foram encontradas particularmente em melanomas que crescem em certos locais anatômicos, incluindo melanoma acral e da mucosa[11], permitindo terapia específica com inibidores anti-KIT como imatinibe, nilotinibe, desatinibe e sunitinibe[12]. Melanoma in situ é tratado com excisão completa do aparato da unha ou cirurgia micrográfica de Mohs; melanoma invasivo necessita de amputação da falange distal[9,10].

Slides 5

Melanocitose da derme (Manchas Mongólicas)

Manchas de coloração de azul a cinza nas nádegas dos pacientes e na pele da região sacral são consistentes com a Mancha Mongólica. A coloração azulada da pele resulta do efeito Tyndall de difusão da luz[13].

A melanocitose da derme é mais comuns em asiáticos, hispânicos, negros, e em populações nativas[13,14]. Geralmente é presente ao nascimento, e tende a regredir durante a infância, embora as lesões, especialmente as que são extra-sacral, podem persistir na idade adulta em alguns indivíduos[13]. Em geral, tratamento não é necessário.

Bebês com melanocitose extensa devem ser avaliados para a presença de lesões vasculares, que são sugestivas de facomatose pigmentovascular (malformação capilar e lesões melanocíticas) bem como para potenciais diagnósticos de erros inatos do metabolismo[13]. Lesões extensas acometendo as costas devem solicitar avaliação radiológica imediata para descartar tumor ou anomalia meníngica da coluna.

Slides 6

Hipopigmentação

Dermatites espongiáticas
As dermatites espongiáticas, como por exemplo a dermatite atópica, podem ser rosadas ou eritematosas na pele clara, e frequentemente hipopigmentados em indivíduos com pele mais escura, como mostrado na imagem da criança com pitiríase alba (acima).

Pitiríase alba
A pitiríase alba é causada por uma dermatite eczematosa de baixo grau[15] que prejudica a transferência dos melanosomas dos melanócitos para os queratinócitos, resultando em manchas hipopgmentadas mal-definidas e com escamas finas, bem características. Acentuação perifolicular e eczema papular são características comuns do eczema em pele de tons mais escuros[16]. O diagnóstico é feito clinicamente[17], embora a exclusão de outras doenças com hipopigmentação inclua exame com luz ultravioleta, raspagem da pele para micologia e/ou coloração com hidróxido de potássio e/ou biópsia da pele[15,17]. Tipicamente o tratamento envolve o cuidado da pele com emoliente ou calmante (hidrocortisona tópico para reduzir o eritema, descamação e prurido se presente)[15].

Dermatite atópica
A dermatite atópica (eczema) é uma doença crônica, inflamatória e pruriginosa da pele[18] que tem alta prevalência e gravidade em negros e populações miscigenadas, provavelmente devido a combinação de fatores ambientais e intrínsecos[19]. Mostrou-se que a pele negra tem maior perda de água trans-epidérmica e menor quantidade de ceramidas em sua composição, que são importantes componentes da barreira lipídica da camada córnea da epiderme[1]. O diagnóstico é tipicamente clínico e o tratamento inclui umidificação da pele e esteróides tópicos; antibióticos podem ser necessários para infecções e para doença aguda[18]. O tratamento da doença grave pode ser feito com agentes imunossupressores e fototerapia[18].

Slides 7

Processo Inflamatório

Distúrbios pigmentares são uma complicação comum da doença inflamatória da pele muito pigmentada e podem ter um importante impacto psicológico nos pacientes. A hipomelanose pós-inflamatória é uma causa comum de condições adquiridas de hipopigmentação, particularmente quando a inflamação cutânea grave está presente[20,21]. Esta condição pode ser vista junto com arranhado crônico, como visto nos pacientes com líquen plano[20] e usualmente coexiste com lesões inflamatórias. Contudo, em alguns pacientes, a hipopigmentação pode ser a única manifestação da doença[21]. O teste da luz ultravioleta e a avaliação histológica podem ser úteis para estabelecer o diagnóstico[21]. O tratamento envolve primeiramente o manejo da condição de base[20,21].

Slides 8

Hiperpigmentação

A hiperpigmentação pós-inflamatória resulta da destruição da camada basal da epiderme, tal como ocorre nas dermatoses liquenoides, como o líquen plano (figura acima), a erupção por drogas e o lupus eritematoso sistêmico (LES)[22,23]. O pigmento de melanina que está normalmente presente na camada basal é liberado e preso dentro da derme, resultando na hiperpigmentação da pele[22,23].

Embora a hiperpigmentação inflamatória eventualmente desapareça com o tempo, o processo pode levar de meses a anos em pessoas com tom de pele escuro, o que pode ser psicologicamente angustiante[22,23]. A exposição ao sol pode também acentuar a hiperpigmentação, portanto os pacientes devem ser aconselhados a usar rigorosamente protetor solar. O manejo primário envolve tratamento da condição de base. Preparações tópicas contendo hidroquinona, retinoides, ácido azeláico ou corticoides, isolados ou em combinação, podem ser adjuntos úteis[22,23,24].

Slides 9

Uma mulher de 32 anos, com história recente de infecção do trato urinário  tratada com ciprofloxacina, apresenta-se com achado clínico mostrado acima. Uma lesão similar ocorreu no mesmo sítio anos atrás, também após uma infecção de trato urinário. Qual das opções seguintes é o melhor diagnóstico?

  1. Picada de aranha marrom
  2. Eritema multiforme
  3. Eritema migrans
  4. Erupção fixa por droga
Slides 10

Reposta: 4. Erupção fixa por droga

O paciente tem uma placa eritematosa, hiperpigmentada, oval, fortemente demarcada, que é consistente com erupção fixa por droga[25,26]. A história de recorrência no mesmo sítio é uma pista importante para o diagnóstico. Como outras reações a drogas, causas comuns incluem antibióticos, anticonvulsivantes, analgésicos e relaxantes musculares[25,26]. Erupções fixas e não-pigmentadas por reação a drogas têm sido reportadas após ingestão de pseudoefedrina, tadalafil, sorafenibe, cotrimoxazol e piroxicam[27]. O tratamento tipicamente consiste em identificar, remover e evitar o agente causador, assim como a adoção de cuidados sintomáticos[25,26].

  1. A opção picada por aranha marrom está incorreta. O envenenamento pela aranha marrom mais comumente resulta em uma vesícula clara ou hemorrágica no local da picada, com surgimento de eritema ao redor, com progressão para uma escara necrótica e ulceração profunda[28].
  2. Eritema multiforme também está incorreto. Eritemas multiformes usualmente se apresentam como uma lesão alvo espalhada com três zonas de distintas colorações, geralmente menores que a lesão mostrada na figura acima[29]. As lesões geralmente começam nas extremidades, incluindo palmas das mãos e plantas dos pés, e se espalham em direção ao centro. São mais comumente associadas com a infecção pelo vírus herpes simples (HS), embora também tenham sido observadas em infecções pelo vírus Epstein-Barr (EB), na histoplasmose e na exposição a drogas[29].
  3. Eritema migrans está incorreto porque ele é um sinal precoce da doença de Lyme, e se apresenta como uma lesão de pele eritematosa anular, que se espalha gradualmente e tem um pequeno centro (como um alvo, como círculos concêntricos) que é o local da picada do carrapato Ixodes infectado com Borrelia burgdoferi[30]. O rash cutâneo pode aparecer em qualquer lugar anatômico e se resolver de forma espontânea em semanas ou meses.
Slides 11

Um homem negro de 32 anos apresenta-se com um quadro de dois meses de evolução de pápulas hipopigmentadas, pruriginosas e puntiformes no pênis (figura acima). Qual das opções abaixo é o diagnóstico mais provável?

  1. Pápulas peroladas do pênis
  2. Dermatite de contato alérgica
  3. Líquen nítido
  4. Condiloma acuminata
Slides 12

Resposta: 3. Líquen nítido

Líquen nítido é uma condição autolimitada, de etiologia desconhecida, caracterizada por numerosos grupos de pápulas hipopigmentadas, puntiformes, geralmente presentes nas superfícies flexoras dos braços, no peito, na genitália e no abdome, embora rosto, pernas, palmas das mãos e plantas dos pés também possam ser acometidas[31]. O tratamento é sintomático.

  1. Pápulas peroladas do pênis são assintomáticas, em forma de cúpula, com pápulas cor-da-pele, localizadas na coroa do pênis ou no sulco da glande do pênis[32]. Elas são uma variante anatômica normal que persiste por toda a vida.
  2. A dermatite de contato alérgica se apresenta como pápulas eritematosas (que frequentemente se agregam como placas) em vez de parecer pápulas hipopgmentadas[33].
  3. Condiloma acuminata está incorreto. As lesões presentes no condiloma são pápulas úmidas, cor-da-pele ou rosadas, tipicamente maiores do que as vistas na imagem acima[34].
Slides 13

Uma mulher negra de 36 anos apresenta-se com história de lesões de pele (mostradas acima), um quadro que persiste pelos últimos cinco anos. As lesões acometem braços, face e couro cabeludo. Qual das opções abaixo apresenta a probabilidade de esta mulher desenvolver Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES)?

  1. 0%
  2. 5-15%
  3. 50%
  4. 75%
Slides 14

RESPOSTA: 2. 5-15%.

Esta mulher apresenta manchas espalhadas hipopigmentadas, com bordas circundantes hiperpigmentadas, o que é característico do Lúpus eritematoso discoide[35]. Pacientes com lúpus discoide têm entre 5% e 15% de risco de desenvolver LES[35,36], e lesões discoides são um dos 11 critérios para o diagnóstico do LES[35,36]. O risco de progressão pode ser maior em pacientes com doença disseminada.

Slides 15

Esta mulher negra de 47 anos há dois meses apresenta as lesões assintomáticas mostradas acima. A biópsia da asa nasal mostraria qual das características abaixo?

  1. Banda liquenoide de inflamação linfocítica, cristas epiteliais em dente-de-serra, hiperqueratose e hipergranulocitose
  2. Granulomas não caseosos com pouca infiltração linfocítica
  3. Dermatite de interface vacuolar, com intensa inflamação linfocítica e entupimento folicular
  4. Pústula subcorneal com cocos gram-positivos
Slides 16

Resposta: 2. Granulomas não caseosos com pouca infiltração linfocítica

Esta paciente tem placas avermelhadas e roxas no nariz, o que é característico do lúpus pérnio, uma das apresentações mais comuns da sarcoidose cutânea[38]. O lúpus pérnio tem predominância maior em mulheres (2:1), e é mais comum em grupos éticos africanos do que em indivíduos brancos. Em cerca de três quartos dos pacientes o lúpus pérnio está associado ao acometimento pulmonar sarcoide e metade dos pacientes tem acometimento do trato respiratório superior[38].

A avaliação diagnóstica para os pacientes com suspeita de lúpus pérnio inclui radiografia de tórax, teste de função pulmonar e eletrocardiograma. Os níveis de acetilcolinesterase, cálcio e fosfatase alcalina podem estar elevados. O tratamento é feito com base na gravidade e na extensão da doença, e o objetivo é prevenir desfiguração e tratar um possível acometimento de órgãos essências à vida. Para a doença limitada e cutânea, opções de tratamento incluem esteroides orais e aplicação tópica intra-lesional de esteroides de alta potência. Para a doença sistêmica, opções de tratamento incluem imunomoduladores ou agentes imunossupressores[38].

  1. A opção banda liquenóide de inflamação linfocítica, cristas epiteliais em dente de serra, hiperqueratose e hipergranulocitose está incorreta, estes são achados característicos de líquen plano[39].
  2. Dermatite de interface vacuolar, com intensa inflamação linfocítica e entupimento folicular também está incorreta. Estes achados são característicos do lúpus discoide, não da sarcoidose[35].
  3. Pústula subcorneal com cocos gram-positivos está incorreta, pois estes achados são característicos do impetigo bolhoso[40].
Slides 17

Esta jovem de 16 anos previamente hígida apresenta ao longo da vida a lesão de pele mostrada acima. Qual das opções abaixo é a provável causa?

  1. Fitofotodermatite
  2. Desenvolvimento normal
  3. Dermatite flagelada (alergia ao cogumelo shitake)
  4. Incontinência pigmentar
Slides 18

Resposta: 2. Desenvolvimento normal

A imagem mostra linhas de demarcação pigmentar, também conhecidas como linhas de Futcher ou Voigt, causadas pelo padrão normal de pigmentação fisiológica, em que as superfícies dorsais são relativamente mais hiperpigmentadas do que as superfícies ventrais[41]. Estas linhas simétricas e bilaterais são de mais fácil visualização em indivíduos com tons de pele mais escuros, e podem ser observadas na região posteromedial das pernas (mostrada acima), anterolateral dos braços, e também no centro do peito e no meio das costas[41,42].

  1. Fitofotodermatite está incorreta. O contato com plantas contendo fucocumarinas (ex: salsinha, nabos, limão, aipo, figo e cenoura) podem causar reação fototóxica na pele dentro de 24 a 48 horas após exposição solar[43]. Os pacientes em geral apresentam uma hiperpigmentação pós-inflamatória em distribuição linear porém irregular, que frequentemente corresponde ao formato da mancha de seiva ou suco que atingiu a pele, o que é diferente da demarcação suave vista na imagem acima[43]. A hiperpigmentação pós-inflamatória linear não estaria presente desde o nascimento.
  2. A alergia ao cogumelo shitake (ou dermatite flagelada) está incorreta. A ingestão de cogumelos shitake crus pode resultar em dermatite linear composta por pápulas pruriginosas e, algumas vezes, vesículas, que terminam em uma hiperpigmentação pós-inflamatória flagelada[44]. Esta erupção é disseminada, acomete extremidades superiores, face, costas e peito[44], em contraste com a lesão localizada de transição suave da pigmentação clara para a escura na figura acima.
  3. A incontinência pigmentar está incorreta, pois ela é uma síndrome neurocutânea ligada ao X dominante, com lesões características que se apresentam ao nascimento ou na infância, e seguem as linhas de Blaschko (acredita-se representar os caminhos da migração/proliferação das células epidermais fetais[45])[46]. As lesões progridem para vesículas, verrugas, com fases hiperpigmentadas e hipopigmentadas. Pacientes afetados têm disseminação para hiperpigmentação de Blaschkoid ou hipopgmentação de estágios 3 e 4, além de associação com anomalias neurológicas, oculares e dentárias[42,46], quando comparada com a lesão pouco demarcada da figura acima.
Slides 19

Esta mulher de 32 anos apresenta manchas sem pigmentação há dois anos, que iniciaram nas juntas e progrediram para o acometimento do corpo inteiro. Qual das condições abaixo ela tem maior risco de desenvolver?

  1. Anemia perniciosa
  2. Doenças autoimunes
  3. Uveíte
  4. Todas as acima
Slides 20

Resposta: 4. Todas as acima

Vitiligo é um distúrbio adquirido da pigmentação da pele e das mucosas, caracterizado por máculas despigmentadas bem demarcadas, circundadas por pele saudável[47]. Esta condição tem sido associada a genes de predisposição autoimune envolvidos em condições como anemia perniciosa, doença autoimune da tireoide, diabetes autoimune de início na idade adulta, lúpus eritematoso sistêmico (LES), artrite reumatoide, psoríase e doença de Addison[48].

A síndrome de Vogt-Koyanagi-Harad é um distúrbio autoimune sistêmico multi-órgãos, no qual os pacientes desenvolvem vitiligo na cabeça, no pescoço, no ouvido interno e nas meninges[49]. Além do vitiligo, os indivíduos afetados também desenvolvem uveíte grave, meningite asséptica, disacusia, zumbido, poliose e alopecia[47].
A figura acima mostra máculas despigmentadas que se agrupam em manchas grandes, características do vitiligo. Note que elas poupam a pele perifolicular (seta), o que é comum no vitiligo. O vitiligo exibe o fenômeno de Köebner com lesões de pele em áreas primeiro afetadas no trauma, tais quais as pontas dos dedos e proeminências ósseas[47].

O diagnóstico do Vitiligo é tipicamente clínico[47]. Os testes laboratoriais podem ser úteis para identificar quaisquer condições autoimunes associadas. O tratamento pode ser desafiador e deve ser individualizado; as opções incluem fototerapia sistêmica, terapia a laser, corticoides e/ou terapias tópicas. Face, tronco e extremidades proximais geralmente respondem bem ao tratamento[47], enquanto extremidades distais e lábios apresentam piores respostas.

Slides 21

Este menino negro de cinco anos de idade apresenta, há duas semanas, placas alopecias escamosas no couro cabeludo e linfadenopatia cervical posterior. Qual dos seguintes organismos é mais provável de crescer em cultura da lesão?

  1. Microsporum canis
  2. Microsporum audouinii
  3. Trichophyton violaceum
  4. Trichophyton tonsurans
Slides 22

Resposta: 4. Trichophyton tonsurans

O T. tonsurans é a principal causa de tinea capitis (tinha de cabeça) nos Estados Unidos, e afeta predominantemente crianças negras[50,51] nas quais a tinha mais comumente se apresenta com escamas seborreicas e perda de cabelo, em vez de apresentar kerion (abscessos profundos gravemente inflamados)[50]. O .T tonsurans causa uma infecção caracterizada pelo fungo dentro da haste do cabelo, levando a uma quebra da fibra capilar que é vista como pontos pretos na superfície do couro cabeludo (“tinha da cabeça de ponto preto”) e alopecia[50].

O diagnóstico da tinea capitis é feito com achados clínicos e identificação laboratorial do patógeno na cultura de esfregaço da pele, ou raspagem da pele, ou com fios de cabelo coletados da área das lesões[50]. O tratamento depende da espécie fúngica, do grau de inflamação, e algumas vezes do estado nutricional e imunológico do paciente.

  1. Microsporum canis está incorreta. É a segunda causa mais comum de tinea capitis nos Estados Unidos[51], caracterizada pela infecção do tipo ectothrix, que é a infecção na superfície da haste do cabelo[50].
  2. Microsporum audouinii está incorreta. É uma causa de tinea capitis que está ressurgindo nos Estados Unidos, mas não é a mais comum[52].
  3. Trichophyton violaceum está incorreta. O T. violaceum é endêmico da África, e parece ser menos comum em certas áreas geográficas dos Estados Unidos[50].
Slides 23

Homem negro de 42 anos de idade apresenta história de nódulos não endurecidos secretivos (do tipo goma) localizados no couro cabeludo, há cinco anos. Qual das opções abaixo é o diagnóstico mais provável?

  1. Celulite dissecante
  2. Furunculose
  3. Kerion
  4. Acne keloidalis nuchae
Slides 24

Resposta: 1. Celulite dissecante

Celulite dissecante, também conhecida como perifoliculite capitis abscedens et suffodiens (PCAS) de Hoffman é uma doença inflamatória crônica do couro cabeludo que leva à alopecia cicatricial[52,53]. Esta condição afeta predominantemente homens negros entre 20 e 40 anos de idade, e é parte da tríade que inclui oclusão folicular, hidradenite supurativa e acne conglobata, ou tétrade que inclui cistos pilonidais[52,53].

A avaliação inclui culturas bacteriológicas da secreção purulenta das lesões e possivelmente uma cultura fúngica para excluir Kerion. O tratamento da celulite dissecante é desafiador. Remissão foi reportada com uso de isotretinoina[52,53], mas recorrências são comuns. Melhora tem sido reportada com uso de inibidor do fator de necrose tumoral-alfa (TNF-α), corticoide intralesional, tetraciclina oral e excisão cirúrgica[52,53].

  1. Furunculose está incorreta. A furunculose geralmente envolve infecção por estafilococos, e as lesões são mais macias, eritematosas e agudas[54]. Embora a celulite dissecante possa desenvolver co-infecção, a patogênese é relacionada a hiperqueratose folicular, oclusão e inflamação, em vez de infecção[52].
  2. Kerion (tinha da cabeça) usualmente se apresenta de forma mais aguda do que a celulite dissecante, com placas alopécicas purulentas e multiformes, que frequentemente associam-se a sintomas sistêmicos[50].
  3. A acne keloidalis nuchae apresenta-se como um pápula queloidal dura na região occipital do couro cabeludo e posterior do pescoço, não como nódulos drenantes ou como trato sinusal mostrados na figura acima.
Slides 25

Esta imagem mostra uma alopecia cicatricial progressiva em um paciente com acne keloidalis nuchae e foliculite decalvante. Note a pápula queloidal dura na região occipital do couro cabeludo e as placas alopécicas atróficas cicatriciais.


.

#Auriculoterapia: o que o médico precisa saber

Postado em

mulher com dor no ouvido

Auriculoterapia: o que o médico precisa saber

auriculoterapia constitui uma parte importante da Medicina Tradicional Chinesa, sendo atualmente um ramo na especialidade da Acupuntura, e foi oficializada pela Organização Mundial de Saúde como uma terapia de microssistema.

É um método que conseguiu impor-se pelos resultados obtidos e por ser pouco invasivo, o que faz com que seja bem aceito pelos pacientes. Consiste na estimulação mecânica de pontos específicos do pavilhão auricular para aliviar dores e/ou tratar problemas físicos e psíquicos. Além disso, pode ajudar a diagnosticar doenças através da observação de alterações nestes pontos.

O pavilhão auricular é considerado uma parte muito importante do corpo humano por constituir um microssistema, podendo refletir todas as mudanças fisiopatológicas dos órgãos e vísceras, dos membros, tronco, dos tecidos e dos órgãos dos sentidos. Quando se produz um estado patológico em qualquer parte do corpo humano isto é refletido na orelha com reações positivas de caráter e localidades diferentes, específicos a cada enfermidade.

Pontos auriculares são zonas específicas distribuídas na superfície auricular que refletem fielmente a atividade funcional de todo o organismo. A maioria desses pontos tem a característica de tornarem-se reativos ante um processo patológico em sua zona correspondente no corpo. Todas as regiões e órgãos do corpo humano estão representados então na orelha, como se a orelha fosse um feto em posição cefálica (de cabeça para baixo).

Na prática clínica, podemos observar uma grande diversidade de pavilhões auriculares que variam quanto ao tamanho e a forma, mas em todos se encontram distribuídos os pontos auriculares, seguindo os mesmos princípios.

Em caso de doença, reações se manifestam fielmente no ponto ou área específica da região comprometida, através de mudanças morfológicas, da coloração da pele, dor à exploração táctil, presença de edemas ou cordõeszinhos detectados na palpação, mudanças na resistência elétrica, eczemas ou telangiectasias.

Todas estas reações podem aparecer antes que a enfermidade se manifeste e também desaparecer depois da cura da doença. Os pontos diagnosticados como positivos são selecionados para o tratamento, utilizando a estimulação mecânica.

O tratamento consiste na colocação, após assepsia rigorosa, de um material esférico e de superfície lisa, que pode ser um pequeno cristal ou mais comumente sementes de mostarda, presos à pele com pequenos pedaços de esparadrapo, de forma que façam pressão nos pontos auriculares.

Na prática clínica, tem se verificado que ao estimular um ponto auricular podemos nos deparar com diferentes manifestações sentidas pelo paciente, como sensação de corrente, energia que corre pelo corpo, calor que corre pelo pavilhão da orelha e que se reflete em partes específicas do corpo. O paciente deve estimular as esferas várias vezes ao dia, evitando molhar e deslocar o esparadrapo. As esferas assim colocadas podem permanecer por um período máximo de sete dias, e observa-se um período mínimo de 24 horas com a orelha livre para refazer o tratamento.

Esta técnica não deve ser empregada caso o pavilhão da orelha esteja machucado, com úlceras ou eczemas, e o paciente deve ser orientado a procurar o médico caso ocorra dor acentuada, prurido, sangramentos e edemas. É preciso observar também os cuidados de higiene geral do paciente, pois vivemos num país quente e úmido, o pavilhão auricular é muito sensível e o material orgânico utilizado (sementes) pode facilitar a proliferação bacteriana.

A auriculoterapia é especialmente indicada quando o paciente não deseja ou está impedido de usar agulhas de acupuntura por qualquer motivo, e também como complemento à terapia com agulhas para continuar o tratamento em casa. De todas as formas, é sempre bom enfatizar que a acupuntura, qualquer que seja a técnica empregada, é uma terapia complementar e não substitui o tratamento convencional da medicina ocidental.

 

Autora:

#El #brócoli puede ser beneficioso para prevenir #problemas intestinales

Postado em

Científicos de la Penn State University, en Estados Unidos, han descubierto que el consumo habitual de brócoli u otras verduras, como el repollo o las coles de Bruselas, puede ser beneficioso para prevenir problemas intestinales, según los resultados de un estudio en ratones cuyos resultados se publican en el Journal of Functional Foods.

“Hay muchas razones por las que queremos ayudar a la salud gastrointestinal, tanto para quienes ya tienen problemas como para evitar otras patologías también relacionadas con la inflamación intestinal, como la artritis o las enfermedades cardiovasculares”, ha señalado Gary Perdew, principal autor del estudio.

Cuando la función de la pared intestinal está sana el órgano está protegido de toxinas y otros microorganismos que puedan ser perjudiciales, al tiempo que permite a los nutrientes continuar su recorrido.

Según Perdew, la clave del proceso puede ser un receptor en el intestino llamado receptor de hidrocarburo Aryl o AHR, que ayuda al cuerpo a regular su reacción a ciertos contaminantes ambientales, así como a desencadenar otras respuestas a la exposición a toxinas.

En su investigación, Perdew y su equipo observaron que algunas verduras como el brócoli, las coles de Bruselas o el repollo contienen un compuesto químico orgánico llamado indol glucosinolato, que se descompone en otros compuestos entre los que se encuentra el indolocarbazol (ICZ) en el estómago.

Cuando el ICZ se une y activa el receptor de hidrocarburo Aryl (AHR) en el revestimiento intestinal, ayuda a mantener un equilibrio saludable en la flora intestinal y la vigilancia inmunológica, y mejora la función de barrera ante los organismos huéspedes, según los investigadores.

Esto puede ayudar a prevenir determinadas patologías como algunos tumores o enfermedad de Crohn, causada por la inflamación en el revestimiento del intestino.

Según Perdew, la hiperactivación de la AHR puede causar toxicidad, pero el uso de brócoli para activar el receptor localmente -en el intestino- en lugar de sistemáticamente podría ayudar a evitar algunos de estos problemas.

“La dioxina, por ejemplo, activa este receptor, y si lo hiperactiva con dioxina, causará toxicidad. Pero lo interesante es que activándolo localmente y de forma natural no causa una activación sistémica”, ha explicado.

Los investigadores usaron dos líneas genéticas de ratones en el estudio para centrarse en la AHR. Una línea tenía una baja capacidad para unir ICZ a la AHR, mientras que la otra línea tenía una alta capacidad.

Añadieron un 15% de brócoli a las dietas de ambos grupos de ratones. Y después de añadir una sustancia que causa problemas digestivos, los investigadores dijeron que los ratones con una mayor capacidad para unir ambos compuestos estaban protegidos contra un producto químico que indujo problemas digestivos.

La cantidad utilizada en el estudio equivaldría a 3,5 raciones de brócoli al día, según Perdew. “Ahora parece mucho, pero en realidad no es una gran cantidad si se tiene en cuenta que otras verduras pueden ejercer el mismo efecto”, ha apuntado.