dermatologia

#Propuesta para introducir #departamentos de impresión 3D en los hospitales para producir #tejidos, #órganos y #prótesis

Postado em

 

El Grupo Parlamentario Popular ha presentado una Proposición no de Ley en el Congreso de los Diputados para introducir departamentos de impresión 3D en los hospitales españoles para producir tejidos, órganos y prótesis.

El impulsor de esta iniciativa como portavoz adjunto del Grupo Parlamentario Popular, Teodoro García, ha señalado que, con esta tecnología, se podría ahorrar hasta dos horas en una operación de pelvis si el médico tuviera previamente una réplica del hueso del paciente en 3D.

En concreto, la Proposición pretende impulsar la fabricación aditiva e impresión 3D en los hospitales y el sector sanitario en España, lo que permitiría crear todo tipo de modelos anatómicos y reproducciones del cuerpo humano en tamaño real, así como producir implantes adaptados a cada paciente, placas para el tratamiento de fracturas, guías quirúrgicas e instrumental personalizado, entre otras cosas.

García ha destacado que la fabricación aditiva aplicada a la medicina es un nuevo concepto de producción que consiste en convertir un archivo 3D en un objeto físico como, por ejemplo, una réplica de una pelvis, mediante la adición capa por capa de material plástico, metal o papel, entre otros, lo que está ayudando a tratar enfermedades y diagnósticos graves.

Esta tecnología “reduce los procesos intermedios de fabricación y lo hace hasta un 90% más rápido”, según García, que ha remarcado que, en la actualidad, las tecnologías emergentes “crecen de manera exponencial y ofrecen notables ventajas, no sólo en el sector industrial sino también en el sanitario”.

Entre otras ventajas de la fabricación aditiva en el campo sanitario, García remarca que la complejidad geométrica no encarece el proceso. Y es que la reproducción real de una pieza “no supone una gran dificultad en comparación con los métodos convencionales, que deben superar ciertos retos de fabricación como la esbeltez, el vaciado interior o las formas irregulares a través de procesos de alto coste”.

En segundo lugar, García subraya que la personalización tampoco grava el proceso, ya que este sistema permite fabricar productos sin costes añadidos, con independencia de que se tenga que fabricar un número concreto de piezas iguales o distintas.

Asimismo, remarca que la fabricación aditiva aplicada al campo sanitario posibilita la fabricación competitiva de series cortas de productos sin que aumente su coste. Además, es posible modificar las piezas con facilidad a lo largo de la vida del paciente para adaptarlas a sus circunstancias personales.

“Estas características suponen una verdadera revolución en el ámbito del diseño de los productos sanitarios y una amplia libertad creativa para fabricar cualquier objeto creado por la imaginación humana”, tal y como refleja el PP en su Proposición no de Ley.

La fabricación aditiva “abre un mundo infinito de oportunidades de nuevos modelos de negocio en un futuro inmediato”, según García, que señala que la medicina, junto al sector de la automoción y el de la aeronáutica, es uno de los campos en los que más se utiliza esta tecnología, que avanza día a día de forma “espectacular”.

En el entorno europeo, el PP recuerda que el centro de tecnologías sueco GE Healthcare ha abierto un laboratorio, llamado Innovative Design and Advanced Manufacturing Technology Center for Europe (Centro de diseño innovador y de tecnología avanzada de fabricación para Europa), para acelerar la fabricación de productos innovadores en el sector sanitario a través de la tecnología de impresión 3D y la robótica.

En España, el PP recuerda que la empresa fabricante de impresoras 3D, Abax Innovation Technologies, firmó un acuerdo con la Fundación para la Investigación Biomédica del Hospital Universitario de la Paz y con el Servicio de Radiofísica y Radioprotección para aplicar la impresión 3D en el sector de la medicina.

Asimismo, el Grupo Parlamentario Popular pone de manifiesto que expertos e ingenieros en tecnologías IoT e Industria 4.0., como Javier Sirvent de la empresa Fom AT, ya están trabajando con productos de digitalización en la industria relacionados con fabricación aditiva, robótica colaborativa, realidad aumentada y muchos más.

“Podemos afirmar que las aplicaciones de la fabricación aditiva suponen un gran avance en la salud de las personas y en el conocimiento del cuerpo humano”, según García, que reconoce que esta tecnología “necesita un mayor impulso para superar todos los obstáculos que permitan avanzar en su completa aplicación en el sector sanitario”.

Por todo ello, la Proposición no de Ley del Grupo Parlamentario Popular insta al Gobierno a promover las medidas que sean necesarias para impulsar la fabricación aditiva en el sector sanitario y fomentar la innovación y el conocimiento en este ámbito.

De la misma forma, insta al Ejecutivo a impulsar y apoyar al ecosistema de pymes que promuevan la fabricación aditiva y la impresión 3D en España; así como a facilitar el establecimiento de servicios internos de impresión 3D en los hospitales que sirvan como apoyo a los profesionales sanitarios en el desarrollo de intervenciones quirúrgicas.

Finalmente, pide al Gobierno central que favorezca la formación de ingenieros expertos en fabricación aditiva e impresión 3D con el objetivo de incorporarles a este nuevo servicio de apoyo al sector sanitario en los hospitales.

Anúncios

#Los #adolescentes no se protegen contra las #enfermedades de transmisión sexual durante el #sexo oral

Postado em

Los adolescentes y adultos jóvenes regularmente practican sexo oral, pero rara vez usan preservativos para prevenir la propagación de enfermedades de transmisión sexual, según una investigación reciente.[1]

Esto no sorprendió al investigador que dirigió el estudio. “Muchos estudios muestran que los adolescentes y los adultos jóvenes desconocen los riesgos de salud asociados con el sexo oral”, dijo Giuseppina Valle Holway, profesora de sociología de la University of Tampa, en Florida, Estados Unidos, en un correo electrónico.

Como se informó en versión electrónica el 20 de noviembre en el Journal of Adolescent Health, Holway y su coautora Stephanie Hernández examinaron informes de sexo oral heterosexual y el uso del preservativo en una muestra representativa de más de 7.000 jóvenes estadounidenses, de entre 15 y 24 años de edad. Más de la mitad informó que practicó felación durante el último año, pero solo el 8% de las mujeres y el 9% de los hombres dijeron que usaron un preservativo.

“Muchos adultos jóvenes no perciben el riesgo de contraer una infección de transmisión sexual”, dijo Erin Moore, profesora de sexualidad humana en la Stetson University en Florida, Estados Unidos, quien no participó en el estudio.

La probabilidad de que el sexo oral propague infecciones de transmisión sexual es menor que la de las relaciones sexuales vaginales o anales, dijo, pero el riesgo persiste.

“Si las personas no van a usar preservativos de manera regular, entonces lo más importante que pueden hacer es realizarse pruebas para detectar las infecciones de transmisión sexual y asegurarse que sus parejas estén sanas antes de tener relaciones sexuales orales, vaginales o anales”, dijo Moore en un correo electrónico.

Holway y Hernández sugieren que los médicos discutan los factores de riesgo de las infecciones de transmisión sexual con sus pacientes jóvenes. Los talleres interactivos sobre prácticas de sexo seguro en las universidades también son herramientas educativas valiosas, escriben.

Muchas escuelas estadounidenses no ofrecen educación sexual o solo proveen una educación sexual basada en la abstinencia, la cual desalienta todo contacto sexual hasta el matrimonio, sin educar sobre la prevención de las enfermedades de transmisión sexual, dijo Moore.

“Hay que tener en cuenta que, hace menos de 20 años, algunos estados todavía tenían ‘leyes de sodomía’ que hacían ilegal el sexo oral”, dijo Moore. La Suprema Corte de los Estados Unidos dictaminó que las leyes de sodomía eran inconstitucionales en el 2003 después de un caso en Texas.

Aunque los principales resultados del estudio eran de esperarse, los resultados sobre la raza y la educación materna despertaron el interés para realizar investigaciones adicionales.

Los jóvenes de raza negra tenían menos probabilidades de participar en el sexo oral, halló el estudio, pero eran significativamente más propensos a usar un preservativo. Estudios previos han demostrado que los jóvenes de raza negra son más propensos a usar preservativos durante el coito, según el informe.

Las mujeres cuyas madres tenían niveles más altos de educación tuvieron una mayor probabilidad de haber realizado o recibido sexo oral, y tenían más probabilidades de haber tenido dos o más parejas de sexo oral en el último año. El hallazgo llevó a los investigadores a especular que “el tener metas más altas pueden llevar a las mujeres jóvenes a practicar sexo oral en lugar de sexo vaginal, especialmente si ven las relaciones sexuales como una actividad más riesgosa con consecuencias más graves (por ejemplo, el embarazo) que pueden descarrilar sus planes futuros”.

Moore estaba intrigada por la hipótesis de los investigadores, sugiriendo que la educación materna podría relacionarse con las mujeres jóvenes que tienen una mentalidad orientada hacia metas, la cual puede conducir al sexo oral en lugar del sexo vaginal.

“La investigación anterior destaca que los estudiantes universitarios tienden a estar más preocupados por un embarazo que por contraer una infección de transmisión sexual”, dijo. “Un hijo es visto como un evento transformador de vida mucho más grande”.

El estudio se centró exclusivamente en los preservativos y la felación, y no examinó el uso recomendado de las barreras de látex bucales durante el cunnilingus. Pero investigaciones previas muestran que las personas raramente, o nunca, usan las barreras de látex bucales.

Aumentar el uso de métodos de barrera durante el cunnilingus podría ayudar a disminuir la tasa de infección por el virus del papiloma humano (VPH) y posiblemente la incidencia de cánceres relacionados con el VPH. Aproximadamente uno de cada nueve hombres estadounidenses tiene infecciones orales por tipos de VPH causante de cáncer.

El virus del papiloma humano se encuentra entre las enfermedades de transmisión sexual más comunes. La mayoría de las infecciones son asintomáticas y desaparecen por sí solas. Pero el virus puede causar cánceres de garganta, ano, pene, cuello uterino, vagina y vulva, así como verrugas genitales y lesiones en el tracto respiratorio superior.

Otras enfermedades de transmisión sexual que pueden transmitirse por el sexo oral incluyen gonorrea, sífilis, herpes y virus de la inmunodeficiencia humana (VIH), el virus que causa el SIDA.

#Kids Aren’t Protecting Themselves Against STDs During #Oral Sex

Postado em

 

(Reuters Health) – Adolescents and young adults regularly engage in oral sex but seldom use condoms to prevent the spread of sexually transmitted diseases, new research shows.

That didn’t surprise the researcher who headed the study. “Many studies show that adolescents and young adults are unaware of the health risks associated with oral sex,” said Giuseppina Valle Holway, a sociology professor at The University of Tampa in Florida, in an email.

As reported online November 20 in the Journal of Adolescent Health, Holway and her coauthor Stephanie Hernandez examined reports of heterosexual oral sex and condom use in a nationally representative sample of more than 7,000 U.S. youth between ages 15 and 24. More than half reported engaging in fellatio within the past year, but only 8% of females and 9% of males said they used a condom.

“Many young adults do not perceive they are at risk of contracting a sexually transmitted infection,” said Erin Moore, a professor of human sexuality at Stetson University in DeLand, Florida, who was not involved with the study.

Oral sex is less likely to spread sexually transmitted infections than vaginal or anal intercourse, she said, but the risk remains.

“If people are not going to use condoms consistently, then the most important thing they should do is get tested for sexually transmitted infections and make sure their partners get tested before engaging in oral, vaginal or anal sex,” Moore said in an email.

Holway and Hernandez suggest that doctors discuss the potential for sexually transmitted infections with young patients. Interactive workshops about safe-sex practices on college campuses are also valuable education tools, the authors write.

Many American schools provide no sex education or just abstinence-only sex education, discouraging all sexual contact until marriage without teaching prevention of sexually transmitted diseases, Moore said.

“Keep in mind that, less than 20 years ago, some states still had ‘sodomy laws’ that made engaging in oral sex illegal,” Moore said. The U.S. Supreme Court ruled sodomy laws unconstitutional in a Texas case in 2003.

Though the main findings of the study were expected, results about race and maternal education sparked interest in additional research.

Black youth were less likely to engage in oral sex, the study found, but they were significantly more likely to use a condom. Previous studies have shown that black youth also are more likely to use condoms during intercourse, according to the report.

Females whose mothers had higher levels of education were more likely to have performed or received oral sex – and were more likely to have had two or more oral sex partners in the past year. The finding led researchers to speculate that “higher goals may lead young women to engage in oral sex in place of vaginal sex, particularly if they view intercourse as a riskier sexual activity with more severe consequences (e.g., pregnancy) that could derail future plans.”

Moore was intrigued by the researchers’ hypothesis that maternal education could be related to young women having a goal-oriented mindset that may lead to oral sex instead of vaginal sex.

“Previous research highlights that college students tend to be more concerned about experiencing pregnancy than contracting a sexually transmitted infection,” she said. “A child is viewed as a much more life-changing event.”

The study focused exclusively on condoms and fellatio and did not examine the recommended use of dental dams during cunnilingus. But prior research shows that people rarely, if ever, use dental dams.

Increasing the use of barrier methods during cunnilingus could help to decrease the rate of oral human papillomavirus (HPV) infection and possibly the incidence of HPV-related cancers. Roughly one in nine U.S. men have oral infections of cancer-causing HPV.

HPV is among the most common sexually transmitted diseases. Most infections don’t cause symptoms and go away on their own. But the virus can cause cancers of the throat, anus, penis, cervix, vagina and vulva, as well as genital warts and lesions in the upper respiratory tract.

Other STDs that can be passed on from oral sex include gonorrhea, syphilis, herpes, and HIV, the virus that causes AIDS.

SOURCE: http://bit.ly/2zI9Ot8

J Adolesc Health 2017.

#Psoríase: veja como identificar e a melhor abordagem terapêutica

Postado em

medico segurando uma prancheta durante o atendimento com paciente

Psoríase: veja como identificar e a melhor abordagem terapêutica

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

  • Definição: Doença inflamatória crônica da pele e articulações.
  • Fisiopatologia: Multifatorial, imunomediada. Fatores desencadeadentes específicos (infecções, medicamentos, estresse emocial, etc..) podem abrir o quadro nos pacientes pré-dispostos.

#Campanha nacional de prevenção ao câncer de pele terá consultas gratuitas

Postado em

dermatologista examinando pinta de paciente

Campanha nacional de prevenção ao câncer de pele terá consultas gratuitas

No Dia Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele, que será celebrado esse ano no dia 2 de dezembro, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) promoverá uma campanha nacional com exames preventivos gratuitos para a população.

Segundo informações do site da SBD, 3 mil dermatologistas voluntários realizarão consultas gratuitas para a população em 129 postos de atendimento em todo país, entre 9h e 15h deste sábado. Apenas em Pernambuco, o mutirão de atendimento será realizado na quarta-feira, 6 de dezembro, no mesmo horário.

A previsão da sociedade é que mais de 30 mil pessoas sejam assistidas durante a mobilização. O atendimento será restrito para análise, diagnóstico e tratamento de câncer da pele. No site da SBD é possível consultar pelo CEP ou Estado qual é o posto de atendimento mais próximo.

É fundamental que médicos e outros profissionais de saúde ajudem a disseminar essa mensagem para o maior número de pessoas. Compartilhe com seus pacientes!

Campanha Nacional de Prevenção do Câncer da Pele 2017: ‘Se exponha mas não se queime’

Segundo informações do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de pele é o tipo de câncer com maior incidência no Brasil, chegando a 176 mil casos por ano. Os exames gratuitos fazem parte de uma campanha de conscientização da SBD, que durará durante todo o verão de 2017-2018.

Saiba mais em: http://www.sbd.org.br/controleOsol/exame-preventivo-gratuito/.

#Yael Adler: «Não sei se já reparou, mas toda a gente que usa #cremes para as rugas tem rugas»

Postado em

A dermatologista alemã Yael Adler explora todos os recantos do «tecido» que envolve o corpo humano no seu livro – «O Fascinante Mundo da Pele». Para esta especialista a pele não tem tabus. Com uma linguagem simples e cheia de humor, ela fala do papel que a pele desempenha como extensão do cérebro ou órgão sexual e explica porque os cosméticos não servem para nada. «Não sei se já reparou, mas toda a gente que usa cremes para as rugas tem rugas.»

 

A pele é o nosso segundo cérebro?
É um grande ajudante. Um porteiro, digamos assim, que informa o cérebro sobre tudo o que se passa à sua volta. A pele contém tantas terminações nervosas que permite ao cérebro saber mais sobre o meio envolvente e comunica com quem nos rodeia – amigos, companheiros, família, colegas de trabalho.

Como?
Mudando de cor, ficando com manchas ou prurido, empalidecendo, corando, arrepiando-se… Estes sintomas são provocados pelo sistema nervoso e estão ligados às emoções. A pele existe para sentir o toque, para tocar e ser tocada. Temos 2500 recetores por centímetro quadrado nas pontas dos nossos dedos, ou seja, pode, de facto, ser recolhida informação detalhada quando tocamos. Mas não se trata só de recolher informação. Temos, por exemplo, uma hormona chamada oxitocina, conhecida como «hormona da fidelidade», que é libertada com o toque da pele e tem um papel fundamental na nossa relação com os outros – aproxima-nos, torna-nos mais apaixonados, cria intimidade, torna-nos mais pacientes, mais diplomáticos, menos agressivos e diminui os níveis de cortisol, a hormona do stress.

Hoje, com os smartphones, as redes sociais ou apps como o Tinder e afins, dá ideia que as pessoas estão ligadas a muita gente mas têm cada vez menos contacto físico. Isso é um problema? Torna mais difíceis as relações e a criação de laços?
Completamente. Descobri, por exemplo, que existe agora uma app através da qual pode acariciar-se uma vagina. Isto é muito estranho. Quando a nossa vida sexual passa por bonecas ou apps ou filmes e não por outro ser humano, as informações, não só o toque, mas também o cheiro, as hormonas libertadas, enfim, o diálogo bioquímico desaparece. Por isso, sim, a falta de toque influencia as nossas relações de uma forma negativa. A falta de contacto físico contribui para o aumento das depressões, do stresse da agressividade.

Com tantas ligações da pele ao cérebro, como é que ainda não foi inventado um creme antidepressivo?
O toque tem muito menos efeitos secundário. Porquê inventar um creme, que custaria uma fortuna, se pode ter o mesmo resultado de graça e sem efeitos secundários?

O sexo faz bem à pele. Porquê?
O sexo aumenta as hormonas femininas ou masculinas, o que faz bem à pele, e diminui o cortisol, a tal hormona do stress, que a afeta negativamente. Tenho um paciente de há muitos anos que foi ao meu consultório e eu perguntei-lhe: «Uau, esteve de férias?» Ele respondeu: «Não, estou apaixonado.» A pele dele mudou. Nas mulheres, o aumento dos níveis de estrogénio combate as borbulhas, torna a pele mais macia e fortalece o cabelo. Nos homens, a testosterona fortalece os músculos e a barba, embora faça perder cabelo. Há estudos que mostram que o sémen quando «aplicado» por via intravaginal tem efeitos antidepressivos nas mulheres (não estudaram a administração oral). E sabe-se que o sexo reduz o risco de enfarte do miocárdio e de osteoporose, assim como a intensidade das depressões. A natureza inventou o sexo para que fosse muito praticado, para garantir a continuação da espécie. E faz bem à saúde, física e mental.

A pele pode ser considerada um órgão sexual?
Claro, todo o nosso erotismo está relacionado com a pele. Não há sexo sem pele ou sem toque. E as nossas zonas erógenas, os órgãos genitais, o ânus, os mamilos, etc., todos estão cobertos de pele e é esta que contém os recetores sensoriais e terminações nervosas que proporcionam o prazer. Por isso, para mim, a pele é «o» órgão sexual.

O que é que a pele diz sobre nós?
Se estou chocada, fico pálida, se estou irritada, fico vermelha, se estou excitada, fico com manchas, se estou emocionada, a minha pele arrepia-se, se estou em stress, suo. Isto são as reações agudas. Em geral, uma pele saudável reflete uma alimentação saudável e uma vida feliz. O inverso também é verdadeiro. Há reações crónicas da pele, relacionadas com o stress. O stress é uma boa reação, que foi inventada pela natureza para fugirmos quando se aproximava um urso. Hoje não temos o urso, mas temos impostos, contas, chefes, prazos, vizinhos, diferentes factores de stress, sobretudo em vidas profissionais aceleradas, com e-mails a caírem, todos para responder nos próximos cinco minutos. E reagimos da mesma maneira – libertando cortisol e cortisol e cortisol. Demasiado cortisol conduz ao enfraquecimento do sistema imunitário e a um enorme leque de reações como, por exemplo, herpes, fungos, eczema, acne, prurido, pele seca.

Em Portugal, temos uma expressão para explicar quando adoramos ou detestamos alguém intuitivamente: «É uma questão de pele.» Isto faz sentido?
Faz, claro. Na Alemanha, não dizemos que é só uma questão de pele, mas também de olfato. E isto é importante porque a pele não só tem o seu próprio cheiro, que varia de pessoa para pessoa, como tem olfato. O cheiro da pele de cada um é criado pelas glândulas de odor, influenciadas pelas hormonas, que são diferentes em cada pessoa, e pelas bactérias que vivem na nossa pele e comem o nosso suor e partículas da nossa pele, as digerem e libertam com diferentes odores, que atraem ou repelem. O cheiro transporta informação: por exemplo, quando as mulheres estão a ovular libertam essa informação através do cheiro da pele, daí que a pílula contracetiva altere o odor corporal e o olfato da mulher; da mesma forma, o cheiro evita a atração sexual entre pessoas com grandes semelhanças genéticas, prevenindo o incesto (não a cem por cento, mas em grande medida); outra informação transportada pela pele diz respeito aos nossos grupos sanguíneos, informação que os mosquitos agradecem muitíssimo.

Essa era uma das perguntas que tinha para lhe fazer. Porque é que algumas pessoas são massacradas por estes insetos e outras passam incólumes?
Os mosquitos adoram o grupo sanguíneo 0, adoram mulheres grávidas, adoram suor, adoram alguns perfumes e adoram o CO2 da respiração. Se for uma mulher grávida a fazer desporto numa floresta, com grupo sanguíneo 0 suando e usando determinados perfumes será a vítima perfeita.

No seu livro diz que não precisamos de cosméticos: cremes, sabonetes, champôs, etc. O que devemos então fazer para cuidar da pele e mantê-la saudável?
Devemos lembrar-nos sempre de que o nosso corpo e a nossa pele ainda vivem na idade da pedra. Desde então, não houve grandes alterações em termos genéticos ou das barreiras de proteção. Por isso, a barreira natural que faz a pele proteger-nos de ataques como os alergénios ou o sol ou a desidratação ou bactérias ou germes ou viroses ou químicos é a mesma que não deixa entrar as substâncias antienvelhecimento contidas nos cremes contra as rugas. Estas substâncias nunca chegarão ao segundo nível da pele (a derme), onde seriam necessárias e fariam efeito. E aí a melhor forma de chegar é por dentro, através da alimentação [ver caixa]. Não sei se já reparou, mas toda a gente que usa cremes para as rugas tem rugas.

Afirma então que não há creme que proteja a pele?
Os cremes que não entopem os poros, que não contêm óleos minerais, mas sim lípidos semelhantes aos da pele, assim como os fabricados segundo o princípio DMS (Derma Membrane Structure), uma imitação dos lípidos da epiderme, que os aproxima à barreira protetora natural da pele, são bons. Mas os únicos cremes que podem melhorar a proteção da pele são os protetores solares. Passamos, hoje, mais tempo ao sol e a nossa pele não está preparada para nos proteger deste. Em termos evolutivos, aquilo que nos poderia proteger naturalmente – a produção de melanina e o fortalecimento da superfície da pele – não aconteceu porque andamos vestidos e passamos muito tempo dentro de casa ou do escritório. Daí que os raios ultravioleta entrem na pele e causem danos. Para perceber o que o sol faz à pele, ponha-se em frente ao espelho e compare a pele da cara com a pele do rabo, que está sempre protegida do sol, e perceberá a diferença. O rabo tem a pele lisa enquanto a cara tem vasos e sinais e sardas e borbulhas e rugas – isso tem que ver com a exposição ao sol.

O protetor solar, segundo os especialistas, é o recurso menos eficaz contra o cancro de pele, que tem vindo a aumentar. O que fazer para prevenir?
O mais importante é criar conhecimento, dar informação. As crianças estão em maior risco, porque a sua pele tem menos defesas. Deve evitar-se a exposição ao sol nas horas em que este incide mais diretamente sobre a Terra, e usar roupa, chapéus de aba larga, óculos de sol e protetor solar. A cara é a parte do corpo que está sempre exposta, a vida toda, e é essencial protegê-la com protetor solar. A vitamina D também é muito importante. O corpo produz vitamina D, que nos protege dos UVB, principais responsáveis pelas queimaduras solares e cancro de pele, por isso devemos perceber se os nossos níveis de vitamina D são os necessários para desempenhar esse papel. Se não forem, devemos tomar suplementos desta vitamina. Finalmente, é importante estar atento aos sinais na pele e à sua evolução e verificar periodicamente. Se um sinal é assimétrico, tem contornos irregulares, várias cores e está a crescer deve ser visto por um médico.

A barreira natural que faz a pele proteger-nos de alergénios, sol, desidratação, bactérias, germes, viroses ou químicos é a mesma que não deixa entrar as substâncias antienvelhecimento contidas nos cremes contra as rugas.

Voltando aos cosméticos, não devía­mos tomar banho todos os dias, pelo menos?
Na verdade, não é necessário. Não é preciso tomar banho todos os dias para ter uma pele saudável. Há estudos que provam que não o fazendo não só não desenvolve bactérias nocivas na pele como até desenvolve novas bactérias protetoras, que são eliminadas com o banho. Claro que hoje temos uma relação diferente com o cheiro natural da pele e não queremos tê-lo, mas o mau cheiro é devido sobretudo às roupas que usamos. As fibras sintéticas são mais propícias a criá-lo do que as fibras naturais.

Mas podemos tomar banho todos os dias ou não?
Pode tomar duche todos os dias, desde que o faça sobretudo com água. A água tem um pH neutro e não torna a pele tão seca como os sabonetes, que são alcalinos e destroem a barreira protetora natural da pele. O pH da pele é de 5 e o do sabonete é de 7, 8, 9, o que destrói o pH da pele, abrindo a porta a bactérias nocivas. Se não conseguir deixar de usar sabonete ou gel de banho e champô, deve acautelar que tenham pH ácido e não tenham perfume, corantes e conservantes/parabenos.

Não podemos usar sabonete, mas podemos usar botox?
Sou muito taxativa na recusa de perfumes, solários e tatuagens, mas quanto ao botox não sou tanto. Apesar de ser uma toxina forte, é altamente diluída e usada como medicamento desde os anos 1970 para tratar, entre outros problemas, o estrabismo, o espasmo hemifacial ou o torcicolo, uma vez que diminui a contração muscular. De repente, no final dos anos oitenta descobriu-se que o botox podia corrigir rugas e foi importado da área médica para a área cosmética. É rapidamente absorvido pelo corpo, não fica a destruí-lo e quase não tem efeitos secundários. Na verdade, o pior efeito secundário, quando é usado em cosmética, é que a paralisia afeta a expressão facial e isso pode reduzir a empatia por parte das outras pessoas, que não conseguem perceber na cara o estado de espírito.

Não lhe é estranho isso?
Não, se for bem feito. Mas atenção: eu não acho que as rugas devam ser tratadas. Simplesmente, porque não as acho feias. Nós mudamos e as rugas fazem parte do processo natural de envelhecimento. Devemos dar graças por tê-las, significa que estamos vivos. Uma pessoa com um rosto expressivo é sempre bonita, para mim. Adoro ler as expressões na cara das pessoas. Ter uma cara paralisada é absurdo. E cria distância.

E a sua recusa absoluta das tatuagens deve-se a quê?
As cores usadas nas tatuagens são tóxicas. Umas são mais tóxicas do que outras, mas não existe controlo científico, como existe com os medicamentos. Se injetar um medicamento, sabe quais serão os efeitos secundários nos vários órgãos. Se injetar cores de tatuagem, cheias de substâncias tóxicas como alumínio, arsénico, cádmio, corantes e conservantes, que são cancerígenos, estas entram na segunda camada da pele (a derme), daí seguem para os canais linfáticos e para os órgãos e não há forma de as absorver. É uma bomba relógio dentro do corpo. Já para não falar nas possíveis inflamações ou infeções que podem ser transmitidas pelas agulhas que os profissionais das tatuagens utilizam. Esta não é uma profissão médica e os tatuadores muitas vezes não conhecem os cuidados a ter para prevenir as infeções.

Não quer ter rugas? Coma molho de tomate e beba sumo de cenoura

 

No livro O Fascinante Mundo da Pele, a dermatologista alemã Yael Adler dedica a Parte IV, cerca de 20 páginas, à importância que a alimentação tem na manutenção de uma pele saudável, passando a pente fino macronutrientes, micronutrientes, os alimentos que fazem bem e os que fazem mal e as doenças cutâneas relacionadas com o que comemos. A especialista garante que a melhor proteção da pele e a melhor fórmula antien­ve­lhecimento partem do interior do corpo e conseguem aquilo que nenhum creme consegue: chegar à derme, a segunda camada da pele, onde as substâncias antirrugas podem de facto atuar com resultados. Comer alimentos com muitas cores, como frutas e vegetais, tão presentes na nossa dieta mediterrânica, é uma das melhores formas de proteção. «No que diz respeito à nossa pele, substâncias como o betacaroteno e o licopeno possuem uma espécie de superpoder», diz Yael Adler. «O molho ou sumo de tomate, que tem licopeno, um antioxidante reparador essencial, é mais eficaz para a pele do que qualquer creme caro. E um copo de sumo de cenoura por dia – que torna a pele um pouco mais alaranjada – aumenta em duas ou três vezes o tempo que a pele aguenta de exposição solar.»

#Vacinação contra HPV praticamente erradicou verrugas genitais em países desenvolvidos

Postado em

Teresa Santos (colaborou Dra. Ilana Polistchuck)

Em 2017 o Ministério da Saúde passou a ofertar vacinação contra o papilomavírus humano (HPV) para meninos de 12 a 13 anos de idade. O plano é que, até 2020, a faixa etária masculina seja ampliada gradativamente para meninos a partir de nove anos de idade. Outra novidade desse ano foi disponibilizar essa imunização também para meninos e homens vivendo com HIV/aids (entre nove e 26 anos de idade)[1]. Atualmente, mais de 130 países utilizam vacinas contra o HPV[2]. Em apresentação realizada no 20º Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica, a bióloga Luísa Lina Villa, docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisadora do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), afirmou que os programas de imunização praticamente erradicaram as verrugas genitais[3] e reduziram os índices de neoplasia intraepitelial cervical (NIC)[4,5,6,7].

Além desses dois novos grupos, a população elegível para receber gratuitamente a vacinação contra HPV no Brasil é composta por meninas de nove a 14 anos, mulheres vivendo com HIV/aids de nove a 26 anos, transplantados de órgãos sólidos, de medula óssea e pacientes oncológicos, sendo os três últimos grupos de ambos sexos também na faixa etária de nove a 26 anos.

Segundo Luisa, há benefício também em vacinar mulheres e homens acima dos 15 anos (sexualmente ativos) e grupos especiais, como por exemplo, pessoas com verrugas anogenitais e citologias cervicais anormais, mulheres amamentando, vítimas de abuso sexual e pessoas imunossuprimidas.

Atualmente, existem três vacinas contra HPV licenciadas nos Estados Unidos: bivalente, quadrivalente e nonavalente (9-valente). A vacina bivalente previne lesões pré-cancerosas causadas pelos subtipos 16 e 18 do vírus. A quadrivalente, além de prevenir esses dois subtipos, atua também contra os subtipos 6 e 11. Já a 9-valente tem ação contra esses quatro subtipos e também contra outros cinco: 31, 33, 45, 52 e 58. A nonavalente, no entanto, ainda não foi aprovada no Brasil.

HPV e câncer

Os subtipos 16 e 18 são os mais oncogênicos e, segundo a professora, persistem mais do que os outros subtipos de alto risco. Os HPVs de alto risco causam uma proporção significativa de tumores, tanto em mulheres quanto em homens, e a atividade sexual explica infecções e risco de câncer em diferentes sítios anatômicos.

Além de câncer cervical, os HPVs estão associados com câncer de vulva e de vagina e suas lesões precursoras, bem como a tumores de orofaringe, de ânus e de pênis.

“Estimativas apontam que de 30% a 60% dos tumores da orofaringe são positivos para HPV, principalmente HPV 16. No caso de câncer de ânus, essa taxa é de aproximadamente 80% (principalmente HPV 16), e para o câncer de pênis chega a quase 50% (HPV 16 e 18)”, disse a pesquisadora.

Vacina

Uma revisão sistemática que avaliou o efeito global da vacina quadrivalente revelou que, entre as mulheres australianas de 18 a 24 anos de idade vacinadas, as infecções por HPV 6/11/16/18 diminuíram 86% quando comparadas às mulheres não vacinadas. Nos Estados Unidos, a taxa de redução foi de 89%. Para verrugas genitais, as reduções máximas observadas foram de aproximadamente 90%[4].

Outra pesquisa conduzida na Austrália, onde o programa de imunização foi iniciado em meados de 2007, coletou dados entre 2004 e 2011 de serviços de saúde sexual do país. Em 2007, 11,5% das mulheres com menos de 21 anos foram diagnosticadas com verruga genital. Essa taxa caiu para 0,85% em 2011, representando um declínio de 92,6%. Na faixa de 21 a 30 anos, também houve queda acentuada (72,6%). Quadro semelhante foi observado entre homens heterossexuais com menos de 21 anos (queda de 81,8%) e entre a faixa etária de 21 a 30 anos (queda de 51,1%). Em 2011, nenhum diagnóstico de verruga genital foi feito entre mulheres com menos de 21 anos de idade que reportaram vacinação contra HPV prévia[3].

Com relação às anormalidades cervicais de alto grau (NIC 2/3+), dados da Austrália mostram redução de 53% entre mulheres vacinadas versus não vacinadas de 19 a 22 anos de idade[4,5]. Análise feita na Dinamarca encontrou redução de 73%[6], e a Suécia de 75%[7].

Estimativas norte-americanas indicam que até 2020 os casos de carcinoma espinocelular orofaríngeo HPV positivo devem superar os de câncer cervical nos Estados Unidos. Diante desse achado, pesquisadores destacam a necessidade de reavaliar a relação de custo-eficácia da vacinação de homens contra HPV, uma vez que essa população predomina entre os casos de carcinoma espinocelular orofaríngeo HPV positivo[8].