medicina deportiva

#Correr sólo un minuto al día ya mejora la salud de los #huesos (Int J Epidemiol)

Postado em

 

Realizar diariamente de 60 a 120 segundos de actividad de alta intensidad se traduce en mejor salud ósea.

Científicos de la University of Exeter y de la University of Leicester, en Reino Unido, han descubierto que quienes realizan “breves estallidos” de ejercicio de alta intensidad, como levantamiento de pesas equivalente a una carrera de ritmo medio en mujeres premenopáusicas, o un movimiento lento en mujeres posmenopáusicas, se traduce en una mejor salud ósea.

Utilizando datos del Biobanco del Reino Unido, los investigadores descubrieron que las mujeres que en promedio realizaban de 60 a 120 segundos de actividad de alta intensidad y peso cada día tenían un 4% más de salud ósea que aquellas que hicieron menos de un minuto.

“Todavía no sabemos si es mejor acumular esta pequeña cantidad de ejercicio en bits a lo largo de cada día o realizarlo todo a la vez, y también si una sesión ligeramente más larga de ejercicio en uno o dos días a la semana es tan buena como 1-2 minutos al día. Pero hay un vínculo claro entre este tipo de ejercicios de alta intensidad y pesas y una mejor salud ósea en las mujeres”, ha explicado la autora principal, la Dra. Victoria Stiles, de la University of Exeter.

“Debido a que se trata de un estudio transversal (que evalúa los datos tomados de un subconjunto de la población en un momento en particular en el tiempo) no podemos estar seguros de si la actividad física de alta intensidad llevó a una mejor salud ósea, o si aquellos con mejor salud de los huesos hacer más de este ejercicio –admite la experta–. Pero parece probable que sólo 1-2 minutos de correr un día es bueno para la salud ósea”.

Los investigadores analizaron los datos de más de 2.500 mujeres y compararon los niveles de actividad (medidos con monitores de pulsera) con la salud ósea (medidos mediante una ecografía del hueso del talón).

Además de encontrar un 4% de mejor salud ósea entre las mujeres que hicieron de uno a dos minutos de ejercicio de alta intensidad y pesas, encontraron un 6% mejor de salud ósea entre las que hicieron más de dos minutos al día. El estudio ha sido publicado en “International Journal of Epidemiology”.

Como sugerencia para cualquier persona interesada en aumentar sus niveles cotidianos de actividad, la Dra. Stiles recuerda que “la National Osteoporosis Society del Reino Unido recomienda iniciar la actividad caminando. Más adelante, sugerimos agregar a la caminata algunos pasos corriendo un poco, como para coger un autobús”.

Una buena salud ósea tiene múltiples beneficios para la salud, incluyendo un menor riesgo de osteoporosis y fracturas en la edad avanzada.

Las personas que van en #bicicleta al trabajo tienen menos riesgo de sufrir #estrés (BMJ Open)

Postado em

 

La bicicleta puede ayudar a reducir los niveles de estrés en la población.

La bicicleta puede ayudar a reducir los niveles de estrés en la población.

Las personas que se desplazan en bicicleta para ir a trabajar o a estudiar al menos una vez a la semana tienen 20% menos de riesgo de sufrir estrés que las que se mueven mediante otro medio de transporte, según un nuevo estudio del Instituto de Salud Global de Barcelona (ISGlobal).

La investigación, publicada en la revista “BMJ Open”, constata que las personas que van en bicicleta cuatro días a la semana reducen el riesgo de estrés hasta el 52%, en comparación con las que no pedalean nunca.

Además, los resultados de la investigación muestran que el riesgo de padecer estrés es menor cuando el entorno urbano es más amigable para ir en bicicleta, por ejemplo cuando existen estaciones públicas cercanas y carriles bici.

El trabajo, enmarcado en el proyecto Tapas y que encuestó a 800 personas de entre 18 y 69 años, concluye que un diseño del entorno urbano que tenga en cuenta la bicicleta puede potenciar el uso de este medio de transporte y reducir el riesgo de estrés.

“Se trata del primer estudio que se centra en la relación entre los desplazamientos en bicicleta y el estrés autopercibido”, ha explica la investigadora de ISGlobal y primera autora del estudio, Ione Avila-Palencia.

“Tenemos una sociedad bastante estresada y las conclusiones de esta publicación señalan que la bicicleta puede ayudar a reducir los niveles de estrés en la población”, añade la investigadora.

El director de la Iniciativa de Planificación Urbana, Medio Ambiente y Salud de ISGlobal, Mark J. Nieuwenhuijsen, destaca que “estos resultados sugieren que los responsables políticos deben promover el uso de la bicicleta y priorizarlo en la planificación urbana y de transportes para reducir los niveles de estrés y mejorar la salud pública y el bienestar”.

#Anterior cruciate ligament reconstruction maintains benefits at 10 yrs

Postado em

 

This is the first prospective anterior cruciate ligament reconstruction cohort with over 80 per cent follow-up at 10 years.

Scientists have found that patients are able to perform sports-related functions and maintain high knee-related quality of life 10 years after anterior cruciate ligament (ACL) reconstruction surgery, although activity level declines over time.

For the study, which is the first prospective ACL reconstruction cohort with over 80 per cent follow-up at 10 years, the authors identified and enrolled patients with unilateral ACL reconstruction between 2002 and 2004. Patients were followed at a minimum of two, six, and 10 years post-op.

Marx activity level scores dropped markedly over time, from a median score of 12 points at baseline to 6 points at 10 years. Both International Knee Documentation Committee Subjective Knee Form (IKDC) and Knee injury and Osteoarthritis Outcome Score (KOOS) scores significantly improved after two years and were maintained at six and 10 years. These improvements were noted across a substantial population of 1,320 patients, who made up 83 per cent of the original study group.

The authors say the prognostic information will “undoubtedly aid physician counselling of patients’ expectations after ACL reconstruction at surgery and at two and six years to predict 10 year outcome”.

The findings were presented at the American Orthopaedic Society for Sports Medicine’s Annual Meeting .

#Ejercicio y #dieta saludable durante el #embarazo reducen el riesgo de #cesárea en el parto (BMJ)

Postado em

 

El artículo recoge los resultados del mayor proyecto de investigación del mundo que ha analizado las intervenciones de estilo de vida en el embarazo.

El artículo recoge los resultados del mayor proyecto de investigación del mundo que ha analizado las intervenciones de estilo de vida en el embarazo.

Las mujeres embarazadas que tienen una dieta saludable y realizan ejercicio moderado tienen menos probabilidades de tener una cesárea, ganar peso excesivo o desarrollar diabetes en el embarazo, según ha mostrado un estudio dirigido por la Queen Mary University of London (QMUL) (Reino Unido), en el que han participado más de 12.000 mujeres.

El trabajo, publicado en “The BMJ”, es el mayor proyecto de investigación del mundo que ha analizado las intervenciones de estilo de vida en el embarazo, con la participación de más de 50 investigadores de 41 instituciones.

“Nuestros hallazgos son importantes porque, a menudo, se piensa que las mujeres embarazadas no deben hacer ejercicio porque puede dañar al bebé. Pero hemos demostrado que aporta beneficios como la reducción en el aumento de peso materno o el riesgo diabetes en el embarazo y de cesárea. Por ello, la práctica de ejercicio físico debe ser parte de los consejos de rutina en el embarazo”, ha comentado la especialista del Centro de Investigación para la Salud de la Mujer de QMUL, Shakila Thangaratinam.

En concreto, los investigadores han analizado los datos 12.526 mujeres embarazadas que habían participado en 36 ensayos en 16 países. Los resultados los compararon con los efectos de la dieta (incluyendo la restricción de las bebidas azucaradas, la promoción de productos lácteos bajos en grasa, el aumento de frutas y hortalizas) y actividad física (intensidad moderada incluyendo clases aeróbicas y ciclismo estacionario, y entrenamiento de resistencia para grupos musculares).

De esta forma, los expertos comprobaron que la combinación de dieta y ejercicio físico había reducido significativamente el aumento de peso de la madre durante el embarazo en un promedio de 0,7 kilogramos, en comparación con el grupo control, y en un 10% las probabilidades de que la madre tuviera una cesárea.

“Por cada 40 madres que siguen la dieta saludable y ejercicio moderado, una mujer menos terminará con una cesárea”, han señalado los expertos, para informar de que, además, este estilo de vida provocó una reducción de hasta un 24% en el riesgo de diabetes gestacional.

“A menudo con intervenciones como estas, algunos grupos se benefician más que otros, pero hemos demostrado que la dieta y la actividad física tienen un efecto beneficioso en todos los grupos, independientemente de su índice de masa corporal (IMC), edad o etnia”, ha zanjado Thangaratinam.

El #ejercicio físico de alta intensidad combinado con un estímulo hipóxico reduce la #grasa corporal y mejora la sangre

Postado em

 

Aumenta la masa muscular y la concentración de hemoglobina y hematocrito.

Aumenta la masa muscular y la concentración de hemoglobina y hematocrito.

El ejercicio físico de alta intensidad combinado con un estímulo hipóxico permite reducir la grasa corporal y aumentar la masa muscular y la concentración de hemoglobina y hematocrito, según ha puesto de manifiesto un estudio llevado a cabo por investigadores de la Universidad de Extremadura.

En concreto, los expertos han evaluado la inclusión de la hipoxia, un estado en el que el cuerpo está privado de oxígeno en la sangre, células y tejidos, como parte del entrenamiento de alta intensidad, sometiendo a estudiantes universitarios a intervalos de trabajo a intensidades máximas, con breves descansos de recuperación, con el objetivo fundamental de obtener cambios de una forma más rápida en la composición corporal de personas activas y poder desarrollar así una línea de entrenamiento basado en la hipoxia.

“Para ello, hemos sometido durante un mes a sujetos que habitualmente entrenan 2 o 3 sesiones por semana a este tipo de ejercicios de alta intensidad combinándolo con exposición a un estado de hipoxia (simulando 3.400 metros de altitud), los deportistas han realizado los ejercicios en cámaras de hipoxia en las cuales se crea de forma artificial un entorno hipóxico simulando altitud”, ha explicado Marta Camacho, investigadora principal del estudio.

Además, prosigue, se ha comparado los cambios conseguidos por este grupo con los obtenidos por otro grupo de sujetos que han realizado en el mismo periodo de tiempo el mismo ejercicio pero sin someterles a la exposición a hipoxia. De esta forma, se ha comprobado cómo la población que se sometió a esta nueva forma de entrenamiento conseguía de una forma más rápida disminuir el porcentaje de grasa corporal, más masa muscular y aumentar la concentración de hemoglobina y hematocrito.

“El estudio abre nuevas oportunidades en la forma de entrenamiento, pues hasta ahora la inclusión de un estado hipóxico durante el entrenamiento tan solo se había probado en deportistas de alto nivel, pero gracias a este nuevo estudio en personas activas permite poder abrir un nuevo método accesible a cualquiera, pues es fácil poder implantar en centros de fitness este tipo de sistemas permitiendo obtener resultados en un periodo de tiempo mucho más breve”, ha zanjado la investigadora.

#Contraindicações cardiológicas ao mergulho

Postado em

Dr. Gérald Phan
20 de julho de 2017
Resultado de imagem para mergulho
Contraindicações cardiológicas ao mergulho

Paris, França – As contraindicações cardiológicas ao mergulho submarino foram objeto de um importante trabalho de atualização pelo grupo de trabalho de cardiologia da Fédération Française d’Études et de Sports Sous-Marins (FFESSM, Federação Francesa de Estudos e Esportes Submarinos). O Dr. Gérald Phan, cardiologista em Levallois-Perret, subúrbio de Paris, e médico federado da Fédération Française d’Études et de Sports Sous-Marins, analisa as diferentes situações clínicas.
O mergulho submarino impõe sobrecarga cardíaca (ver Quadro 1). Na maioria dos casos, a anamnese, a avaliação cardiológica convencional, e o teste de esforço bastam para detectar e eliminar alguma doença cardíaca que contraindique este exercício.
Entre as pessoas com doença cardiovascular moderada, as recomendações publicadas pela FFESSM permitem especificar mais precisamente as contraindicações ou as precauções para o mergulho.
Veja a lista de contraindicações ao mergulho da FFESSM
Na maioria dos casos, a anamnese, a avaliação cardiológica convencional e o teste de esforço bastam para detectar e eliminar alguma doença cardíaca que contraindique este exercício.
– A imersão (mesmo no banho) provoca uma redistribuição considerável do volume de sangue circulante em favor do volume sanguíneo central, e o aumento de todos os volumes cardíacos.

– O frio induz a vasoconstrição periférica – aumentando ainda mais a redistribuição e a sobrecarga cardiovascular.

– A pressão desempenha um papel secundário sobre o sistema cardiovascular no mergulho esportivo (a menos de 40 metros), mas em contrapartida influencia grandemente a ventilação pela inalação de ar comprimido. A pressão também promove a dissolução de nitrogênio no organismo, o que será um problema durante o retorno à superfície.

– Na verdade, a descompressão durante o retorno à superfície e a liberação de nitrogênio associada estão na origem dos acidentes de descompressão (ou doença de descompressão – DD) potencialmente graves, 80% dos quais ocorrem na primeira hora após a saída da água.

 

1. Descompressão normal e patológica Na descompressão normal o nitrogênio dissolvido nos tecidos retorna ao sangue causando microbolhas, normalmente removidas durante a passagem do sangue pelo pulmão. Se a descompressão for inadequada – subida demasiado rápida ou estado fisiológico (fadiga, desidratação, etc.) no qual a remoção do nitrogênio é reduzida – as bolhas de nitrogênio serão maiores e/ou mais numerosas. Assim elas podem: – Dilacerar os tecidos, especialmente os músculos (aumento da creatinofosfoquinase ou CPK, do inglês Creatine Phosphokinase) e os tendões que dão origem à dor após o mergulho: acidentes benignos do tipo I (dor, prurido, edema cutâneo e osteoarticular); – Bloquear algum plexo venoso que, se medular, causa lesão neurológica da medula espinhal, indiscutivelmente o mais grave dos acidentes; – Exceder a capacidade de filtração do pulmão e chegar ao coração, causando risco de embolia arterial, em geral na origem dos acidentes, principalmente; – Cocleovestibulares: vertigem rotatória, ataxia e vômitos; – Cerebrais isquêmicos; transitórios ou não, dependendo do tempo transcorrido até o início do tratamento em câmara hiperbárica. É neste momento que a existência de uma comunicação (shunt) do tipo forame oval patente (FOP) aumentaria o risco de doença de descompressão. Forame oval patente e doença de descompressão: o dobro ou o quíntuplo do risco de acordo com diferentes fontes.
2. O forame oval patente
O interesse dos cardiologistas pelo mergulho teve início com a descoberta da associação entre a existência de uma comunicação direita-esquerda, e a ocorrência de doença de descompressão.
Um quarto a um terço da população em geral tem o forame oval patente. Um quarto dos mergulhadores provavelmente mergulham com seu forame oval patente sem necessariamente sofrer acidentes. Os acidentes de descompressão permanecem raros, da ordem de 3,5 casos a cada 10.000 mergulhos, e a existência de um forame oval patente aumenta este risco em quatro a cinco vezes.
Devemos rastrear o forame oval patente?
Não, não no mergulho esportivo… porque o risco absoluto de doença de descompressão é baixo. Além disso, as “tabelas” de descompressão, que calculam o procedimento de subida à superfície adequado dependendo da profundidade atingida e da duração do mergulho, foram validadas em populações não selecionadas, compreendendo, assim, de 25% a 30% dos portadores de forame oval patente.
Deve-se contraindicar o mergulho em caso de descoberta de um forame oval patente, por acaso ou especialmente depois de um acidente de descompressão?
Após o diagnóstico de algum acidente de descompressão compatível com um forame oval patente, podemos propor ao mergulhador alguns procedimentos visando reduzir outros fatores de risco de acidente, para enquadrá-lo de volta na categoria de risco “padrão”.
Veja: Recomendações da FFESSM para os casos de forame oval patente. Não há consenso sobre a conduta diante da identificação casual de um forame oval patente. Sem dúvida, devemos aconselhar cautela aos portadores de um forame oval patente com derivação significativa em ar ambiente, e talvez estender a eles as recomendações para aqueles que já sofreram acidentes de descompressão.
A experiência mostra que os mergulhadores modificam o próprio modo de mergulhar após um acidente, no sentido da segurança, e raramente recidivam.
Edema pulmonar de imersão
Pode ocorrer edema agudo de pulmão na ausência de doença cardiovascular durante a imersão entre os nadadores, os mergulhadores em apneia ou os mergulhadores que usam cilindros ar comprimido.
Estes casos de edema pulmonar foram descritos em triatletas, nadadores de combate e mergulhadores. O mecanismo, ainda não completamente elucidado, implica no aumento do volume sanguíneo central decorrente da imersão, na elevação da pressão vascular pulmonar, e em fenômenos mecânicos, devido às peculiaridades da ventilação em imersão.
Este quadro é favorecido por esforço, frio, estresse e hipertensão arterial. Entre os sintomas está a dispneia, que muitas vezes piora durante a subida e persiste após a saída da água. O exame de imagem revela zonas de edema intersticial, ou alveolar, sendo essencial para confirmar o diagnóstico. Alguns casos têm sido associados à miocardiopatia de Takotsubo, mas na maioria dos casos o ecocardiograma não revela disfunção ventricular esquerda.
O tratamento é a oxigenioterapia normobárica e, em casos mais graves, a ventilação por pressão positiva. Diuréticos não são indicados por conta do estado de desidratação do mergulhador após o mergulho, e pelo consequente risco de precipitar um acidente de descompressão.
As recorrências são possíveis, mas não sistemáticas; se o acidente é na maioria das vezes sem gravidade imediata, já foram descritos casos graves, até mesmo fatais. É necessário proceder a uma avaliação cardiológica completa e obter o parecer de um especialista em medicina hiperbárica antes de discutir a retomada do mergulho.
3. Idoso e/ou portador de doença cardíaca: quais as limitações?
Pode-se solicitar o parecer do cardiologista sobre a possibilidade da prática de mergulho para uma pessoa de mais idade ou com doença cardiovascular.
O idoso saudável e assintomático representa poucos problemas, mas a avaliação da capacidade física dele pela anamnese (prática regular de exercícios), pelo exame físico e, muitas vezes, por um teste de esforço, é desejável.
Nos pacientes com doença cardiovascular, somente as pessoas assintomáticas devem ser avaliadas para o mergulho. Na maioria das vezes será necessário fazer um ecocardiograma e um teste de esforço.
O tratamento com betabloqueadores tem sido há muito considerado como contraindicação ao mergulho. Se bem tolerado no nível respiratório (ausência de obstrução do fluxo de ar) e funcional (capacidade de esforço adequada), o paciente pode mergulhar sem restrição.
A hipertensão arterial pode facilitar a ocorrência de eventos cardíacos, sobretudo o edema agudo de pulmão de imersão. A pressão arterial deve estar bem controlada para permitir o mergulho. A escolha do tratamento é livre, mas os inibidores da enzima conversora de angiotensina (iECA), os antagonistas do receptor da angiotensina II (ARA2) e os bloqueadores do canal de cálcio (BCC) são primeira escolha, devido à ausência de limites ao esforço físico e a ausência de desidratação.
Veja: Recomendações para o mergulho nos casos de hipertensão arterial.
Pacientes assintomáticos com doença coronariana e função ventricular preservada, lesões coronarianas moderadas revascularizadas (exceto no tronco comum e na doença de três vasos), sem sequelas significativas de infarto do miocárdio poderão ser avaliados para a possibilidade de realizar mergulhos. Deve ser observado um intervalo de pelo menos seis meses após o último evento (síndrome coronariana aguda ou revascularização).
O ecocardiograma e o teste de esforço limitado pelos sintomas em tratamento são indispensáveis. Qualquer isquemia, arritmia ou disfunção ventricular residual constitui contraindicação. A avaliação, anual, se faz caso a caso, com a opinião do cardiologista e do médico federado, ou do especialista em medicina hiperbárica.
Veja: Recomendações para o mergulho nos casos de doença coronariana.
As arritmias cardíacas podem causar incapacidade súbita durante o mergulho, e qualquer arritmia paroxística sintomática ou descompensada permanente contraindica o mergulho. No entanto, as arritmias assintomáticas sem alterações hemodinâmicas significativas, sem doença cardíaca subjacente grave podem, em alguns casos, permitir o mergulho. As arritmias curadas por ablação não impedem o mergulho após transcorrido um período de seis meses a um ano. A fibrilação atrial permanente assintomática tratada com anticoagulantes e preservação da capacidade de realizar exercícios adequados permite o mergulho, assim como os portadores de marcapassos (excluindo os desfibriladores de terapia de ressincronização cardíaca ou CRT, do inglês C ardiac Resynchronization Therapy), se não dependerem do estimulador, tiverem boa função ventricular esquerda, e capacidade de exercício satisfatória. No entanto, um estudo mostrou que a maioria dos marcapassos testados sofria distorções, sem apresentar defeitos, abaixo dos 30 metros de profundidade. Recomenda-se o limite de 30 metros nestes casos.
A doença valvar agrava as alterações hemodinâmicas do mergulho e, por conseguinte, deve ser avaliada rigorosamente, caso a caso, em repouso e durante o esforço. As insuficiências valvares moderadas sem disfunção ventricular esquerda ou hipertensão pulmonar, e boa capacidade de exercício, costumam ser compatíveis com o mergulho. A avaliação anual será obrigatória para o acompanhamento da evolução da doença. O caso das estenoses valvares é mais difícil, e a avaliação do gradiente e das pressões pulmonares por ecocardiograma de esforço é recomendada.
A doença da válvula corrigida por valvoplastia, com bons resultados funcionais e anatômicos, muitas vezes permite o mergulho. As próteses biológicas deverão ser avaliadas da mesma forma.
No caso de válvulas mecânicas, além do desempenho hemodinâmico, existe o problema da anticoagulação. Na verdade, o mergulho é contraindicado para os pacientes com indicação de manter o INR (do inglês International Normalized Ratio) > 3,0. As próteses mecânicas mitrais, especialmente nos casos de fibrilação atrial, costumam constituir contraindicação à prática do esporte.
Por fim, algumas cardiopatias congênitas (CC) podem ser compatíveis com esta atividade. As cardiopatias congênitas cianogênicas continuam a ser uma contraindicação formal. O defeito do septo atrial (DSA) também, devido ao risco de inversão do fluxo na derivação durante o mergulho. Os pequenos defeitos do septo ventricular (DSV) não constituem contraindicação. Para outras doenças cardíacas, a avaliação deverá considerar a função dos dois ventrículos, a ausência de derivação direita-esquerda, e as pressões pulmonar e sistêmica (em repouso e durante o exercício). Um resumo destas recomendações está disponível no site do clube dos cardiologistas do esporte.

4. Em resumo: indagar cinco perguntas
O mergulho submarino recreativo é uma atividade popular na França e em todo o mundo. Ele não é reservado a alguns aventureiros, mas destina-se à maioria das pessoas. Entre estes mergulhadores, muitos apresentam ou irão apresentar peculiaridades ou doenças cardiovasculares, e se questionam sobre se devem ou não continuar a mergulhar.
Os acidentes específicos (doença de descompressão, edema pulmonar de imersão) podem ser afetados pelo status cardíaco do mergulhador. A existência de doença cardiovascular pode também causar risco de um ataque cardíaco relacionado com as restrições fisiológicas desse esporte.
Nos últimos anos foram publicadas recomendações práticas para auxiliar o cardiologista solicitado a avaliar o paciente.
Uma primeira abordagem é fazer as seguintes perguntas:
.O paciente é sintomático em repouso ou durante o exercício?
.Existe risco de perda da consciência?
.Existe risco de insuficiência cardíaca?
.A capacidade física é satisfatória?
.A doença dele está descompensada?
Responder “não” a estas cinco perguntas permite se perguntar sobre a aptidão após completar uma avaliação cardiológica completa.

# EXERCÍCIOS ANAERÓBICOS

Postado em Atualizado em

anaerobico1

Dr. Carlos Dinis – Portugal

EXERCÍCIOS ANAERÓBICOS

 O exercício anaeróbico é qualquer atividade física que trabalhe diversos grupos musculares durante um determinado e constante período de tempo, de forma contínua e ritmada. O treino anaeróbico melhora significativamente o funcionamento do coração, pulmões e todo o sistema cardiovascular contribuindo para uma entrega de oxigênio mais rápida por todo o nosso corpo.

Os exercícios anaeróbicos são o contrário dos aeróbicos, compondo-se de alta intensidade e curta duração. Caracterizam-se por não utilizar o oxigênio para a promoção de energia pois é gerada através do tecido vivo. Seu principal público são pessoas em busca de ganho de massa muscular.

Muitos se questionam sobre a diferença entre exercícios aeróbicos e anaeróbicos. No primeiro há um grande gasto calórico, porém com movimentos mais lentos, já na segunda opção os exercícios são mais rápidos com foco no grupo muscular. A origem da energia é o que distingue os dois. Enquanto o aeróbico alimenta-se do ar, o anaeróbio utiliza os hidratos de carbono, o que neste caso, após finalizar atividade as células continuam a queimar calorias. Por isso atividade anaeróbica também é indicada a pessoas que precisam perder peso, pois em sua execução eliminam gordura e adquirem massa magra.

Encontra-se diversas opções de modalidades anaeróbicas, como saltos, pilates, yoga, musculação – uma das mais praticadas, entre outras. Podemos separa-las em dois grupos distintos sendo os de execução lenta, como a ginástica localizada que pode ser realizada com ou sem sobrecarga, e o de movimentos rápidos com os movimentos velozes e curtos da natação e corrida por exemplo. Em todas, a indicação é que seja praticado por um período de uma hora, com uma frequência de duas a quatro vezes por semana.

Exemplos de exercícios anaeróbicos incluem musculação, sprints, saltos; qualquer exercício que consista de movimentos rápidos de alta intensidade. Exercícios anaeróbios são geralmente usados por atletas para desenvolver força e bodybuilders para construir massa muscular. Músculos que são treinados sob condições anaeróbias desenvolvem melhor performance em atividades de curta duração e alta intensidade.

 

Exercícios aeróbicos, por outro lado, incluem atividade realizadas por longos períodos de tempo em menor intensidade. Exercícios como caminhar, correr, nadar e pedalar requerem grande quantidade de oxigênio para gerar energia por período prolongado de tempo.

 

Há dois tipos de sistema de geração de energia anaeróbica: o ATP-CrP, que tem a creatina fosfatada como principal fonte de energia, e o ácido lático (ou glicólise anaeróbia), que usa glicose na ausência de oxigênio. O segundo é um uso ineficiente da glicose e produz sub-produtos que, acredita-se, sejam prejudiciais ao funcionamento muscular.

 

O sistema de ácido lático é o dominante durante exercícios de intensidade alta a máxima, durante curto período de tempo (em torno de um minuto), mas ele também é responsável por uma parte da energia durante exercício aeróbio, uma vez que o organismo é capaz de livrar-se dos sub-produtos anaeróbios até um certo nível. A eficiência da remoção dos sub-produtos pelos músculos melhora através do treinamento.

 

anaerobico2

 

Exercícios Anaeróbicos

 

Muitos se perguntam qual a diferença entre o exercício aeróbico e o anaeróbico. O primeiro nome é o que ouvimos com mais frequência. Enquanto o exercício aeróbico está relacionado com a oxigenação, o anaeróbico é totalmente o contrário.

 

Os Exercícios

Levantamento de peso e ginástica olímpica são dois ótimos exemplos de exercícios anaeróbicos. São estimulantes musculares e aumentam a nossa resistência por fortalecerem os músculos tornando-os mais resistentes e mais fortes. Uma corrida olímpica de 100 metros, por exemplo, é outro grande exemplo desse tipo de exercício, exige força física e todo um preparo muscular e de resistência. Mas ao mesmo tempo em que uma corrida olímpica é do tipo anaeróbico, ela precisa começar com a aeróbica para trabalhar a distribuição do oxigênio no aumento da resistência física. Isso acontece com muitos exemplos do tipo, e profissionais sempre citam que as atividades aeróbicas e anaeróbicas devem sempre trabalhar em conjunto para um melhor resultado.

 

A energia utilizada durante a prática de um exercício anaeróbico é independente do oxigênio e trata-se de uma atividade praticada por menos tempo, porém com maior intensidade.

Variando o tipo de esforço empregado, o exercício também pode sofrer mudanças de aeróbico para anaeróbico. No caso de uma corrida, a intensidade aumenta de forma progressiva. A fonte de energia deixa de ser o oxigênio para ser o ácido lático (glicose anaeróbica – a glicose em forma de glicogênio) ou a creatina fosfatada.

 

O Pilates

O Pilates é um exemplo desse tipo de exercício que com um pouco mais de conhecimento, podemos praticar até em casa mesmo. Por ser uma atividade mais calma, que apesar de exigir trabalho dos músculos, não é de grande esforço físico, o Pilates, praticado em mais ou menos 30 minutos diários, é de grande eficiência para o nosso corpo.

anaerobico3

anaerobico5anaerobico6

 

Nos treinos anaeróbicos alguns aspectos devem ser respeitados por seus alunos, como o intervalo de descanso para as fibras musculares se recuperarem e diminuir o ácido lático produzido. Assim como entender o limite do corpo, principalmente no momento de adicionar uma sobrecarga evitando uma fadiga.

anaerobico7

O treinamento de força é indicado tanto para pessoas que buscam melhorar o condicionamento físico, perder peso ou até mesmo para o trabalho de hipertrofia. Os benefícios da atividade anaeróbica regular são:

 

Promoção da saúde e qualidade de vida: Além de prevenir doenças como diabetes, artrite ou dores lombares, o treino pode auxiliar no tratamento quando o praticante já possui a patologia.

Conservar e ganhar massa muscular: Mesmo após o estágio de envelhecimento do corpo onde perde-se músculo por falta de uso, esse tipo de exercício estimula não só a manter como aumentar massa magra.

Força óssea: A atividade anaeróbica torna os ossos mais fortes, combatendo e evitando a osteoporose.

Acelera o metabolismo: O ganho de massa magra promove o aumento do metabolismo e um maior gasto calórico durante os exercícios.

Boa forma física: O corpo ganha um novo traçado, uma aparência física tonificada. Isso aliado a uma alimentação equilibrada.

 

No nosso dia-a-dia realizamos movimentos que são um misto entre os dois tipos. Um bom programa de exercícios físicos deve conter os dois tipos de atividades para que sejam conquistados benefícios como: melhorar a respiração, fortalecer os músculos, evitar perder massa muscular e óssea, etc. Depois de conhecer um pouco a diferença entre os dois tipos de exercícios, conheça um pouco mais a respeito dos anaeróbicos.

 

Benefícios dos Exercícios Anaeróbicos

 

O treinamento de força é o tipo mais eficaz de exercício anaeróbico. Aqui estão os cinco principais benefícios desse treinamento:

 

Ajuda a prevenir problemas de saúde

 

O treino de força ajuda a prevenir doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, a dor lombar e artrite. Mesmo se você já sofre de uma dessas doenças, o treinamento de força pode ajudar a aliviar a doença, além de fortalecer o sistema imunológico.

 

Constrói e mantém a massa muscular magra

 

A perda de massa muscular magra resulta em uma perda de força e em um metabolismo mais lento. A perda de massa muscular magra não é o resultado normal do envelhecimento, é principalmente o resultado de um estilo de vida sedentário. O treinamento de força é a maneira mais eficaz para construir e manter a massa muscular magra.

 

 

Aumenta a resistência e densidade óssea

 

Milhões de pessoas no mundo sofrem de osteoporose. Consumir produtos lácteos e tomar suplementos de cálcio ajuda, mas não é suficiente. Ossos precisam ser fortalecidos com exercícios de força ou eles se tornarão frágeis e quebradiços.

 

Redução da gordura corporal

 

Treinamento de força é tão importante quanto a nutrição e exercícios aeróbicos quando se trata de perder gordura corporal. O treinamento de força constrói e mantém a massa muscular magra, e quanto mais massa muscular magra você tiver mais rápido será o seu metabolismo.

 

Remodela o corpo

anaerobico8

O treinamento de força é a forma mais eficaz para remodelar seu corpo.

anaerobico9

Exemplos de Exercícios Anaeróbicos

Alguns exemplos de exercícios anaeróbicos incluem: salto, musculação, provas de velocidade (sejam elas a pé, em piscinas ou de bicicleta), flexões, abdominais, agachamentos, levantamento de peso, ginástica olímpica, ou seja, qualquer atividade que seja feita com movimentos rápidos e de alta intensidade.

. Aqui vão os cinco maiores benefícios do treino de força:

  1. Ajuda a prevenir problemas de saúde

O treino de força ajuda a prevenir doenças cardiovasculares, diabetes, artrite e dor nas costas. Mesmo se você já sofre com isso, o treino pode ajudar a aliviar os sintomas e ainda ajudar no sistema imunológico.

  1. Mantém a massa muscular magra

A perda de massa magra pode começar na metade dos vinte anos e resulta na perda de força, em um metabolismo mais lento e menos tônus muscular. Isso não é normal no processo de envelhecimento e é o resultado de um estilo de vida sedentário. Se você não usa seus músculos, eles são desperdiçados. O treino de força é o modo mais eficaz para construir e manter massa magra, se manter forte e em forma.

  1. Aumenta a força e densidade do osso

Milhões de pessoas ao redor do mundo sofrem de osteoporose. Consumir laticínios e tomar suplementos de cálcio para aumentar a densidade dos ossos não é suficiente. Os ossos precisam ser desafiados por exercícios para não se tornarem frágeis. E os exercícios anaeróbicos são ideias para aumentar a força dos seus ossos, mais do que qualquer outro.

  1. Impulsiona o metabolismo

Quanto mais lento seu metabolismo for, mais fácil será ganhar gordura corporal e mais difícil será perdê-la. Treinar com pesos aumenta o metabolismo, porque constrói e mantém massa muscular magra. A massa muscular é um tecido metabolicamente ativo, então, quanto mais dele você tiver, mais rápido seu metabolismo será.

  1. Remodela seu corpo e melhora a aparência

Nenhum outro tipo de exercício consegue remodelar seu corpo e melhorar sua aparência. O treino irá te deixar com o corpo tonificado, firme e com aparência atlética.

Como você pode ver, os benefícios dos exercícios anaeróbicos são impressionantes. Então, não deixe de incluí-los em seu programa.

 

Nota:

Não deixe de consultar o Médico antes de iniciar qualquer programa de atividade física !

 

Carlos Dinis MD – Medicina Desportiva

 

Referências Bibliográficas:

American College of Sports Medicine

http://www.musculacaoecia.com.br/exercicio-anaerobico-tudo-o-que-voce-precisa-saber/

http://www.exerciciosdeacademia.com.br/artigos/exercicios-anaerobicos/

Vanessa Rodrigues Couto -Graduação em Educação Física (Complexo Educacional FMU, 2007)

http://www.mundoboaforma.com.br/5-maiores-beneficios-dos-exercicios-anaerobicos/#UP4XMPLZBTZUXwsA.99