#8 Possible Causes of Nose Bleeding

Postado em

8 Possible Causes of Bleeding When You Blow Nose

Traveling outside home can be strenuous. Even for those who do it on a regular basis and have the routine so set that they can accomplish it on auto-pilot, a change in routine can be disconcerting and throw off the whole morning. When seasons change and your body reacts, issues can result. For example, imagine you are standing on the train, awaiting your stop, when a sudden sneeze leads to nose blowing, and you look down to see that there was blood. This can be a slight abnormality that is no cause for concern if you are generally in good health. However, it can be a precursor for the discovery of serious issues.

Why Is There Blood When Blowing Nose?

1. Chronic Congestion

For those who deal with congestion on a regular basis, the tissue lining the passages of the nose can become inflamed. When this occurs, blowing the nose can lead to some minor damage to the tissue and result in a tiny amount of blood being excreted. This is what leads to blood in the tissue after you blow your nose. This tends to not repeat or cause increasing amounts of blood. Therefore, this issue is not cause for serious concern.

2. Broken Capillaries

The capillaries are small blood vessels in the nose that provide oxygen to the organ. Capillaries are needed to keep the internal surface of the nose alive, and therefore are close to the surface. This means they can break easily. For individuals on blood-thinners like Plavix or Coumadin, this occurs even more regularly and the severity of the nosebleed is increased. Therefore, individuals on these medications are advised to avoid blowing their nose whenever possible.Cold and dry weather increases the issues with capillaries and their tendency to burst.

3. Infection

If blood when blowing nose appears in conjunction with crusting on the inside of the nose, a slight infection may be present in the lower nostrils. These blood vessels can become inflamed and bleed, sometimes extensively, when one blows their nose. It can require cauterization to deal with the problem. This will require a visit to the doctor and a discussion of how often the bleeding occurs.

4. Allergies

Congestion in the morning typically points toward an allergic reaction to something in the air. The inflammation associated with this can be called vasomotor rhinitis. This issue can occur during specific seasons of the year, when pollen is more prevalent, or it can be the result of a change in the bedroom environment, i.e. a new pillow or blanket. Identifying the cause can help resolve this particular issue, with no trip to the doctor necessary.

5. Weather

Dry air and sudden drastic changes of temperature can lead to issues with blood when blowing nose. Therefore, while these are not preventable, you can influence the humidity levels in the house and keep them at a level where your nasal tissues do not dry out and crack. If the weather changes quickly, investing in nasal drops and saline sprays can help resolve the damage to your nasal tissue.

6. Acute Bronchitis

While rare, the appearance of blood while blowing nose can indicate a case of acute bronchitis, where the airways that branch out from the trachea are inflamed. This can be caused by a bacterial infection or a viral infection. It can also present with a case of fever. An upper respiratory tract infection or a nasopharyngeal infection can also occur when someone is dealing with acute bronchitis, and these conditions can lead to bleeding when blowing nose as well.

7. Tuberculosis

A bacterial disease that requires aggressive antibiotics for treatment, tuberculosis can show up as blood in the mucus when blowing one’s nose. Even if not infected, a person may have the bacteria that cause tuberculosis, and that can lead to blood in the mucus. If this occurs at the same time as night sweats or fever, weakness and weight loss, it may be wise to consult a doctor.

8. Pulmonary Embolism

This possibility holds the most danger for the individual, if it is the cause of blood in the mucus. In this case, a blood clot develops somewhere in the body and travels until it becomes stuck in one of the arteries in the area of the lungs. Chest pain and shortness of breath that does not resolve with a period of rest are indications this condition is present. If not addressed immediately, a pulmonary embolism can be fatal. Therefore, consult a doctor if there is any possibility this is the reason for the bleeding when blowing nose.

What Can Be Done?

There are some things you can do to prevent or at least minimize the chance of blood when blowing nose. In order to avoid this condition, consider the following options:

  • Taking 25 micrograms of vitamin K twice each day can help blood clot more efficiently. This can help quickly resolve extensive and/or recurring nosebleeds. The vitamin K should be taken for a period of a month before expecting to see results.
  • Avoid blood thinners. Likewise, the use of vitamin E, aspirin and ginseng can thin the blood and increase the chance of bleeding when blowing nose. Therefore, avoid these if prudently possible. If you are prescribed blood thinners, let your doctor know you are having issues with nosebleeds.
  • Low humidity in the home can lead to more nosebleeds and mucus when blowing one’s nose. Therefore, consider increasing the humidity to between 60 and 64 degrees. This should be done especially for the bedroom. Keeping the home dry or too warm leads to drying up the mucous membranes in the nose.
  • Citrus can also be helpful when dealing with repetitive episodes of blood in nasal mucus. Eating more citrus means you get more bioflavonoid, which helps prevent mucus appearing when blowing your nose.

When to Worry

For those who deal with blood in the mucus on a regular basis after blowing their nose, consulting a doctor is a surefire way to help address the issue quickly and efficiently. While the cause is typically allergy or sinus congestion, consulting the doctor can rule out the more serious possibilities and give you peace of mind while addressing the actual cause.

Another definite warning that you should see the doctor is if you continually have issues getting the bleeding to stop. Seeing a doctor can determine the reason for this and help you get back to better health and life without frequent and long-lasting nosebleeds.

Remember to see the doctor immediately if:

  • A nosebleed continues for 20 minutes or more
  • A head injury occurs and the nosebleed is a result of that injury. X-rays can eliminate the possibility that a skull fracture is the cause of the nosebleed.
  • Frequent recurrence of a nosebleed is experienced, i.e. more than once a week.
  • For children with repetitive nosebleeds, a visit to the doctor is recommended in order to ensure no serious medical conditions are being experienced.

#Tuberculose latente: qual opção de tratamento é mais eficaz?

Postado em

vacinas e ampolas com medicamentos

Tuberculose latente: qual opção de tratamento é mais eficaz?

tuberculose continua sendo mundialmente um importante problema de saúde, exigindo o desenvolvimento de estratégias para o seu controle. Diagnosticar e tratar de forma correta e prontamente os casos de tuberculose pulmonar são as principais medidas para o controle da doença.

É uma doença curável em praticamente 100% dos casos novos, sensíveis aos medicamentos antituberculose, desde que obedecidos os princípios básicos da terapia medicamentosa e a sua adequada operacionalização. O tratamento da infecção latente da tuberculose é um componente importante de seu controle. Uma atualização de uma metanálise em rede, publicada no início de agosto de 2017, confirmou a eficácia de vários regimes terapêuticos.

A busca bibliográfica foi conduzida até maio deste ano nas seguintes bases: Pubmed, Embase e Web of Science. Adicionalmente, foram consultados registros de ensaios clínicos e abstracts. Não foram realizadas restrições de idioma.

Foram incluídos ensaios clínicos randomizados que avaliaram os tratamentos da infecção latente da tuberculose e que avaliaram hepatotoxicidade e/ou prevenção da tuberculose ativa.

Oito artigos foram selecionados e utilizados para atualizar ou adicionar aos 53 estudos incluídos na revisão original. Quatro dos novos artigos continham dados sobre hepatotoxicidade e todos avaliaram o desenvolvimento de tuberculose ativa.

Em comparação ao placebo, a análise mostrou que os seguintes regimes são eficazes:

  • Regimes contendo isoniazida para 6 (odds ratio [OR]: 0,65; intervalo de credibilidade [ICr]: 0,50 a 0,83) ou 12 a 72 (OR: 0,50; ICr: 0,41 a 0,62) meses de duração;
  • Regimes de apenas rifampicina (OR: 0,41; ICr: 0,19 a 0,85);
  • Regimes de rifampicina-isoniazida de 3 a 4 meses (OR: 0,53; ICr: 0,36 a 0,78);
  • Regimes contendo pirazinamida: rifampicina-isoniazida-pirazinamida (OR: 0,35; ICr: 0,19 a 0,61) ou rifampicina-pirazinamida por 12 meses (OR: 0,53; ICr: 0,33 a 0,84).

Também foi observada a eficácia dos regimes semanais de rifapentina-isoniazida em comparação com nenhum tratamento (OR: 0,36; ICr: 0,18 a 0,73). Em relação ao status do HIV, este não demostrou efeito significativo na eficácia do regime.

Esta revisão confirma que os regimes recomendados atualmente são seguros e eficazes. O estudo mostrou, portanto, evidências para a eficácia e segurança da monoterapia com isoniazida, monoterapia com rifampicina e terapias combinadas com 3 a 4 meses de isoniazida e rifampicina.





  • Zenner D et al. Treatment of latent tuberculosis infection: An updated network meta-analysis. Ann Intern Med 2017 Aug 1; 167:248. (

#Los pacientes con #enfermedad de Chagas tienen doble riesgo de presentar #estrongiloidiasis (PLoS Neglect Tropical Dis)

Postado em

  • Noticias Médicas

Los pacientes con enfermedad de Chagas tienen el doble de riesgo de padecer una infección por el helminto intestinal Strongyloides stercoralis, según un estudio liderado por el Instituto de Salud Global de Barcelona (ISGlobal), publicado en PLoS Neglected Tropical Diseases.

La enfermedad de Chagas, causada por el parásito Trypanosoma cruzi, y la estrongiloidiasis, causada por el helminto S. stercoralis, son enfermedades tropicales desatendidas que comparten una carga epidemiológica similar en Latinoamérica y resultan en infecciones crónicas con alta morbilidad y mortalidad.

En este estudio retrospectivo, los autores buscaron evaluar la asociación entre ambas infecciones en una cohorte de migrantes latinoamericanos atendidos en el Hospital Clinic de Barcelona entre enero 2013 y abril 2015. Los resultados obtenidos a partir de 361 individuos muestran que el 14% de ellos resultó positivo para estrongiloidiasis y el 49% para T. cruzi.

Asimismo, los investigadores han evidenciado que la infección por T. cruzi se asocia a un riesgo dos veces mayor de padecer estrongiloidiasis en migrantes latinoamericanos que consultan en un servicio de enfermedades tropicales, incluso tras ajustar por otras variables epidemiológicas.

“Hemos demostrado ya el beneficio de hacer un cribado sistemático para Chagas en adultos latinoamericanos que viven en Europa, aunque no tengan síntomas”, ha explicado el director de la Iniciativa de Chagas en ISGlobal y coautor del estudio, Joaquim Gascón.

Por ello, los autores han comentado que, dada la alta prevalencia de estrongiloidiasis en pacientes infectados por T. cruzi, debe considerarse la posibilidad de realizar un cribado combinado para los adultos latinoamericanos que viven en Europa.


#Authorities investigating outbreak of #norovirus at #Winter Olympics

Postado em

Authorities in Korea including the PyeongChang Organizing Committee for the 2018 Olympic & Paralympic Winter Games (POCOG), the Korean Centers for Disease Control and Prevention (KCDC), and the PyeongChang County Public Health Center are conducting joint epidemiological investigations in response to an outbreak of norovirus at the site of the Winter Olympics.

A total of 177 cases of norovirus were confirmed at the site between February 1 and 11. Forty-two new cases were confirmed alone on February 8, most of which were among security staff at the Horeb Youth Centre. On February 9, 11 new cases were confirmed, with 19 cases confirmed on both February 10 and 11.

It comes as thousands of people descend on Korea to attend the games, which continue until February 25. The Winter Paralympics take place from March 9 to 18.

Authorities have implemented a number of preventive measures such as distribution of hand sanitisers to help stop the spread of infection, sanitary inspections of communal dining areas, and monitoring of patients with suspected infection. Two polyclinics and 52 medical stations have been established to provide medical care for athletes and visitors to the games.

#Low-level viraemia associated with increased hazards of #virological failure

Postado em


Antiretroviral therapy (ART) that enables suppression of HIV replication has been successfully rolled out at large scale to HIV-positive patients in low-income and middle-income countries. WHO guidelines for these regions define failure of ART with a lenient threshold of viraemia (HIV RNA viral load ≥1000 copies per mL). We investigated the occurrence of detectable viraemia during ART below this threshold and its effect on treatment outcomes in a large South African cohort.


In this observational cohort study, we included HIV-positive adults registered between Jan 1, 2007, and May 1, 2016, at 57 clinical sites in South Africa, who were receiving WHO-recommended ART regimens and viral load monitoring. Low-level viraemia was defined as the occurrence of at least one viral load measurement of 51–999 copies per mL during ART. Outcomes were WHO-defined virological failure (one or more viral load measurement of ≥1000 copies per mL) and switch to second-line ART. Risks were estimated with Cox proportional hazard models.


70 930 patients were included in the analysis, of whom 67 644 received first-line ART, 1476 received second-line ART, and 1810 received both. Median duration of follow-up was 124 weeks (IQR 56–221) for patients on first-line ART and 101 weeks (IQR 51–178) for patients on second-line ART. Low-level viraemia occurred in 16 013 (23%) of 69 454 patients, with an incidence of 11.5 per 100 person-years of follow-up (95% CI 11.4–11.7), during first-line ART. Virological failure during follow-up occurred in 14 380 (22%) of 69 454 patients on first-line ART. Low-level viraemia was associated with increased hazards of virological failure (hazard ratio [HR] 2.6, 95% CI 2.5–2.8; p<0.0001) and switch to second-line ART (HR 5.2, 4.4–6.1; p<0.0001]) compared with virological suppression of less than 50 copies per mL. Risk of virological failure increased further with higher ranges and persistence of low-level viraemia.


In this large cohort, low-level viraemia occurred frequently and increased the risk of virological failure and switch to second-line ART. Strategies for management of low-level viraemia need to be incorporated into WHO guidelines to meet UNAIDS-defined targets aimed at halting the global HIV epidemic.



#Drones carregados de mosquitos podem auxiliar na #luta contra o# Zika

Postado em Atualizado em


TEPIC, México (Thomson Reuters Foundation) – A liberação de milhares de mosquitos estéreis de drones especialmente adaptados poderia ser uma maneira custo-efetiva de reduzir o número de insetos e de inibir a disseminação da zika e de outras doenças transmitidas por mosquitos, dizem os desenvolvedores da tecnologia.

WeRobotics, uma organização sem fins lucrativos que está estudando o método, pretende iniciar testes com a liberação de mosquitos em breve na América Latina.

A organização recentemente encontrou formas de transportar medicamentos e amostras na região amazônica do Peru e na República Dominicana utilizando veículos aéreos não tripulados. Mas dessa vez a carga será de insetos frágeis, que precisam sobreviver ao processo.

“Não faz sentido liberar mosquitos que estejam 90% mortos ou danificados – nós precisamos nos certificar de que a qualidade do mosquito seja muito elevada, para que possam competir pelas fêmeas”, disse o fabricante de drones Adam Klaptocz, co-fundador da WeRobotics, com base na Suíça e nos Estados Unidos.

“O objetivo final é integrar os drones nas campanhas futuras de controle de vetores”, disse ele à Thomson Reuters Foundation.

Programas de controle de mosquitos com o uso de insetos estéreis geralmente confiam em caminhões para a dispensação dos insetos, ou em pessoas que os liberam de mochilas. Ambas alternativas são métodos que consomem tempo, e são inapropriados para locais de difícil acesso.

Com a disseminação aérea, os insetos estéreis precisam ser resfriados antes de serem empacotados no recipiente do drone de onde serão expelidos em altitude, disse Klaptocz.

No teste, os mosquitos foram marcados, aprisionados e inspecionados para avaliar o quanto sobrevivem e quão distante se dispersam, disse ele. Os drones custam cerca de 5.000 dólares cada.

Se a liberação tiver sucesso, os machos estéreis de Aedes aegypticompetiriam com insetos selvagens pelo cruzamento com as fêmeas, eventualmente suprimindo os números e ajudando a impedir a disseminação de doenças como zika, explicou Klaptocz.

Gestantes infectadas com zika têm risco de terem bebês com malformações congênitas como microcefalia, que é definida por um perímetro cefálico pequeno, podendo resultar em alterações do desenvolvimento e outras anormalidades cerebrais graves. A epidemia de zika que atingiu o Brasil em 2015 afetou milhares de bebês.

Usualmente encontrado em áreas urbanas e semi-urbanas, o mosquito Aedes aegypti também transmite dengue, chikungunya e febre amarela.

Dois ou três drones poderiam controlar os mosquitos por toda uma cidade, substituindo algumas centenas de caminhões e a equipe necessária para a operação, disse Klaptocz.

“Essa tecnologia (drone) poderia beneficiar uma população maior”, disse ele.

WeRobotics, que está trabalhando com a agência de desenvolvimento dos EUA USAID e com a International Atomic Energy Agency (IAEA), está aguardando a aprovação final para o teste futuro com os drones, antes de anunciar onde ele será realizado, acrescentou ele.

Primeiro pergunte

Além da permissão legal, um laboratório local é necessário para esterilizar os insetos usando radiação. Obter a colaboração da comunidade, explicando o método para líderes locais e autoridades de saúde, também é fundamental, diz Klaptocz.

“Você jamais entra, comanda os drones, larga os mosquitos e pergunta depois”, disse ele.

“Não se trata de tecnologia, não se trata de drones, trata-se de menos pessoas ficando doentes – e isso é muito compreendido pelas comunidades”.

Bombardear repetidamente uma área com mosquitos estéreis poderia ajudar a suprimir as populações dentro de meses, disseram especialistas.

Quando os machos estéreis são introduzidos, “eles são como pequenos mísseis que rastreiam alvos por emissão de calor, procurando fêmeas que irão então induzir uma drástica redução populacional”, disse Conor McMeniman, professor-assistente da John Hopkins Bloomberg School of Public Health, que não está envolvido no projeto.

Liberar insetos estéreis já ajudou a reprimir pragas, incluindo moscas-da-fruta e moscas tsé-tsé, informou a AIEA, que também trabalha com a U.N. Food and Agriculture Organization para reduzir a malária com mosquitos Anophelesestéreis.

O recurso do drone, no entanto, precisaria ser combinado com outros controles, como fumigação e remoção de água parada, já que o Aedes aegypti pode colocar ovos em qualquer fonte de água parada, de pneus de carros usados e lixo, até tampas de garrafas, disse McMeniman.

Exames de sangue

Além da dispersão de mosquitos, os drones têm enorme potencial para ajudar pessoas que vivem em lugares remotos, com acesso limitado aos hospitais, disse Klaptocz, da WeRobotics.

Na região amazônica peruana, ensaios recentes usaram drones para enviar suprimentos – incluindo antiveneno para mordidas de cobras – para comunidades isoladas, e transportar amostras de sangue de pacientes que, de outra forma, teriam de viajar horas de rio até o hospital.

“Se, em vez disso, você puder pegar o sangue, colocá-lo em um drone e, em seguida, enviá-lo para um hospital a 50 km de distância, ele chega lá em uma hora, o sangue é testado e os resultados são enviados de volta por SMS”, disse Klaptocz.

Na República Dominicana, a WeRobotics e parceiros locais usaram drones para testar entregas de suprimentos médicos.

Em outros lugares, dispositivos não tripulados mapearam e identificaram partes propensas a desastres no Haiti, no Nepal e na Tanzânia.

Treinar pilotos locais é essencial para a viabilidade em longo prazo de qualquer programa de drone, disse Klaptocz.

“Estamos muito focados em tecnologias que fazem sentido, e duram além do final do nosso projeto”, acrescentou ele.

© 2018 Reuters Ltd.

Citar este artigo: Drones carregados de mosquitos podem auxiliar na luta contra o Zika – Medscape – 7 de fevereiro de 2018.

#Tuberculose: a importância do rastreio de contactantes

Postado em

medica examina paciente resfriada

Tuberculose: a importância do rastreio de contactantes

tuberculose está entre as dez maiores causas de morte. No mundo, a doença teve uma diminuição de 3% na mortalidade e de 2% na incidência. Porém, no Brasil, essa incidência tem aumentado. No Estado do Rio de Janeiro, os números são ainda mais alarmantes e dados atualizados apontam uma incidência de 92/100 mil. O New England Journal of Medicine publicou esse mês um estudo vietnamita sobre a importância do rastreio de contactantes para o controle global da tuberculose.

Estudo vietnamita

A busca ativa de casos é uma prioridade para o controle global da tuberculose, mas não há evidências de sua  efetividade em configurações de alta prevalência. O estudo buscou avaliar a eficácia da investigação dos contatos domiciliares, em comparação medidas passivas individuais.


Foi realizado um ensaio randomizado de clusters em clínicas em 70 distritos em oito províncias do Vietnã. Trabalhadores de saúde em cada clínica distrital ou hospital foram designados para realizar qualquer intervenção de contato doméstico, além da descoberta de caso passivo padrão (grupo de intervenção) ou achado de caso passivo inidvidual (grupo de controle). Nos distritos de intervenção, os contatos familiares dos pacientes com resultados positivos para a tuberculose com baciloscopia positiva foram convidados para avaliação clínica e radiografia de tórax na linha de base e aos 6, 12 e 24 meses. O resultado primário foi a incidência cumulativa de casos de tuberculose entre contatos familiares de pacientes com tuberculose durante um período de 2 anos.


Em 70 distritos selecionados, foram inscritos 25.707 contatos familiares de 10.964 pacientes que apresentaram tuberculose pulmonar com baciloscopia positiva. Nos 36 distritos incluídos no grupo de intervenção, 180 de 10.069 contatos foram registrados como tendo tuberculose (1.788 casos por 100.000 habitantes), em comparação com 110 de 15.638 contatos (703 por 100.000) no grupo controle (risco relativo do resultado primário no grupo de intervenção 2,5; Intervalo de confiança de 95% [IC], 2,0 a 3,2; P <0,001); risco relativo de doença com baciloscopia positiva entre os contatos domésticos o grupo de intervenção foi de 6,4 (IC 95%, 4,5 a 9,0; P <0,001).


A investigação do contato domiciliar com a descoberta de casos passivos padrão foi mais efetiva do que os casos passivos encontrados isoladamente para a detecção de tuberculose em região de alta prevalência.

Voltando à realidade carioca…

Este estudo reforça a necessidade da pesquisa de contactantes quando um diagnóstico de tuberculose é fechado. Esta pode ser uma das chaves para o combate eficaz à tuberculose no Rio de Janeiro.

Recentemente, o CREMERJ debateu em uma plenária a situação do Estado e foi ressaltada a importância capacitação de profissionais, com treinamento específico e continuado, um redimensionamento no número de tisiologistas, além garantia de adequada infraestrutura ambulatorial e hospitalar. Foram incentivadas ainda inovações ligadas a novas pesquisas no combate à doença, como os escores de suspeição da tuberculose, os pareceres à distância com base informatizada, a estruturação de indução de escarro e o uso de mensagens eletrônicas para lembretes ao paciente sobre exames, consultas e medicação.