-

Odontologia

#Los #adolescentes no se protegen contra las #enfermedades de transmisión sexual durante el #sexo oral

Postado em

Los adolescentes y adultos jóvenes regularmente practican sexo oral, pero rara vez usan preservativos para prevenir la propagación de enfermedades de transmisión sexual, según una investigación reciente.[1]

Esto no sorprendió al investigador que dirigió el estudio. “Muchos estudios muestran que los adolescentes y los adultos jóvenes desconocen los riesgos de salud asociados con el sexo oral”, dijo Giuseppina Valle Holway, profesora de sociología de la University of Tampa, en Florida, Estados Unidos, en un correo electrónico.

Como se informó en versión electrónica el 20 de noviembre en el Journal of Adolescent Health, Holway y su coautora Stephanie Hernández examinaron informes de sexo oral heterosexual y el uso del preservativo en una muestra representativa de más de 7.000 jóvenes estadounidenses, de entre 15 y 24 años de edad. Más de la mitad informó que practicó felación durante el último año, pero solo el 8% de las mujeres y el 9% de los hombres dijeron que usaron un preservativo.

“Muchos adultos jóvenes no perciben el riesgo de contraer una infección de transmisión sexual”, dijo Erin Moore, profesora de sexualidad humana en la Stetson University en Florida, Estados Unidos, quien no participó en el estudio.

La probabilidad de que el sexo oral propague infecciones de transmisión sexual es menor que la de las relaciones sexuales vaginales o anales, dijo, pero el riesgo persiste.

“Si las personas no van a usar preservativos de manera regular, entonces lo más importante que pueden hacer es realizarse pruebas para detectar las infecciones de transmisión sexual y asegurarse que sus parejas estén sanas antes de tener relaciones sexuales orales, vaginales o anales”, dijo Moore en un correo electrónico.

Holway y Hernández sugieren que los médicos discutan los factores de riesgo de las infecciones de transmisión sexual con sus pacientes jóvenes. Los talleres interactivos sobre prácticas de sexo seguro en las universidades también son herramientas educativas valiosas, escriben.

Muchas escuelas estadounidenses no ofrecen educación sexual o solo proveen una educación sexual basada en la abstinencia, la cual desalienta todo contacto sexual hasta el matrimonio, sin educar sobre la prevención de las enfermedades de transmisión sexual, dijo Moore.

“Hay que tener en cuenta que, hace menos de 20 años, algunos estados todavía tenían ‘leyes de sodomía’ que hacían ilegal el sexo oral”, dijo Moore. La Suprema Corte de los Estados Unidos dictaminó que las leyes de sodomía eran inconstitucionales en el 2003 después de un caso en Texas.

Aunque los principales resultados del estudio eran de esperarse, los resultados sobre la raza y la educación materna despertaron el interés para realizar investigaciones adicionales.

Los jóvenes de raza negra tenían menos probabilidades de participar en el sexo oral, halló el estudio, pero eran significativamente más propensos a usar un preservativo. Estudios previos han demostrado que los jóvenes de raza negra son más propensos a usar preservativos durante el coito, según el informe.

Las mujeres cuyas madres tenían niveles más altos de educación tuvieron una mayor probabilidad de haber realizado o recibido sexo oral, y tenían más probabilidades de haber tenido dos o más parejas de sexo oral en el último año. El hallazgo llevó a los investigadores a especular que “el tener metas más altas pueden llevar a las mujeres jóvenes a practicar sexo oral en lugar de sexo vaginal, especialmente si ven las relaciones sexuales como una actividad más riesgosa con consecuencias más graves (por ejemplo, el embarazo) que pueden descarrilar sus planes futuros”.

Moore estaba intrigada por la hipótesis de los investigadores, sugiriendo que la educación materna podría relacionarse con las mujeres jóvenes que tienen una mentalidad orientada hacia metas, la cual puede conducir al sexo oral en lugar del sexo vaginal.

“La investigación anterior destaca que los estudiantes universitarios tienden a estar más preocupados por un embarazo que por contraer una infección de transmisión sexual”, dijo. “Un hijo es visto como un evento transformador de vida mucho más grande”.

El estudio se centró exclusivamente en los preservativos y la felación, y no examinó el uso recomendado de las barreras de látex bucales durante el cunnilingus. Pero investigaciones previas muestran que las personas raramente, o nunca, usan las barreras de látex bucales.

Aumentar el uso de métodos de barrera durante el cunnilingus podría ayudar a disminuir la tasa de infección por el virus del papiloma humano (VPH) y posiblemente la incidencia de cánceres relacionados con el VPH. Aproximadamente uno de cada nueve hombres estadounidenses tiene infecciones orales por tipos de VPH causante de cáncer.

El virus del papiloma humano se encuentra entre las enfermedades de transmisión sexual más comunes. La mayoría de las infecciones son asintomáticas y desaparecen por sí solas. Pero el virus puede causar cánceres de garganta, ano, pene, cuello uterino, vagina y vulva, así como verrugas genitales y lesiones en el tracto respiratorio superior.

Otras enfermedades de transmisión sexual que pueden transmitirse por el sexo oral incluyen gonorrea, sífilis, herpes y virus de la inmunodeficiencia humana (VIH), el virus que causa el SIDA.

Anúncios

#Diabetes reversed with #weight loss alone

Postado em

Type 2 diabetes (T2D) can be reversed with an intensive weight management programme, according to findings from a randomised trial in adults with T2D for up to six years, published in The Lancet.

The Diabetes Remission Clinical Trial (DiRECT) included 298 patients from 49 practices who were randomly assigned to receive either an intervention programme or best-practice care according to guidelines (control). The intervention comprised withdrawal of antidiabetic and antihypertensive drugs, total diet replacement (825-853kcal/day formula diet for 3-5 months), stepped food reintroduction (2-8 weeks), and structured support for long-term weight loss maintenance.

At 12 months, the authors recorded a loss of 15kg or more in 24 per cent of participants in the intervention group and no participants in the control group. Diabetes remission was achieved in 46 per cent of participants in the intervention group and 4 per cent of participants in the control group.

“Our findings suggest that the very large weight losses targeted by bariatric surgery are not essential to reverse the underlying processes which cause type 2 diabetes. The weight loss goals provided by this programme are achievable for many people,” said author Professor Roy Taylor

Lean M EJ, Leslie WS, Barnes AC et al. Primary care-led weight management for remission of type 2 diabetes (DiRECT): an open-label, cluster-randomised trial. The Lancet. Published Online 05 December 2017. DOI: 10.1016/ S0140-6736(17)33102-1

#Nonfasting Glucose Over 100 May #Signal Trouble

Postado em

Random blood glucose (RBG) values of at least 200 mg/dL with hyperglycemic symptoms are known to indicate diabetes, but new data from a nationally representative sample suggest that readings of at least 100 mg/dL for those with unknown glycemic status should get clinicians’ attention.

RBG is often ordered in routine laboratory panels, but interpreting the numbers in nonfasting patients is difficult because the effect of recent food or drink is unclear. Clinicians are also reluctant to take RBG readings at face value because of potential variation in glucose readings caused by age, sex, and body mass index.

As a consequence, clinicians often ignore RBG values measured within 4 hours of eating or drinking. Now a team of researchers says readings of at least 100 mg/dL should prompt gold standard diabetes tests to better detect undiagnosed dysglycemia. Findings were published online November 13 in the Journal of General Internal Medicine.

Michael E. Bowen, MD, from the Division of General Internal Medicine, Department of Medicine, University of Texas Southwestern Medical Center, Dallas, and colleagues categorized participants in the National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES) from 2007 to 2012 by hemoglobin A1c levels and studied the relationship between RBG and time since the last calories were consumed.

Of participants, 7161 met study criteria. Of those, 3.9% had undiagnosed diabetes and 31% had undiagnosed dysglycemia.

During the first 8 hours after eating or drinking, those who had undiagnosed dysglycemia had significantly higher RBG bloodvalues than those with normal glycemic levels. Within 4 hours, those with undiagnosed dysglycemia had RGB values that were at least 100 mg/dL and were 14 to 18 mg/dL higher than those with normal levels. By 6 hours, even those with undiagnosed dysglycemia had RBG values below 100 mg/dL. Those with normoglycemia had RBG numbers of less than 100 mg/dL at all times.

The researchers also found that fasting more than 4 hours is unlikely to be clinically necessary because most people, regardless of glycemic status, will be below fasting glucose diagnostic cutoffs for dysglycemia at that point.

“Given the availability of existing RBG values in electronic health records, ordering gold standard diabetes tests on patients with unknown glycemic status and RBG values ≥100 mg/dL — regardless of the type or time of last caloric intake — may simplify RBG interpretation and improve detection of dysglycemia,” the authors conclude.

NHANES participants were randomly assigned to fasting status. The study included nonpregnant adults at least 18 years old without self-reported diabetes or prediabetes and with both RBG and hemoglobin A1c data available. Those who had fasted for 9 or more hours were excluded.

This study was supported by the UT Southwestern Center for Patient-Centered Outcomes Research. Dr Bowen received support from the National Center for Advancing Translational Sciences of the National Institutes of Health and the Dedman Family Endowed Program for Scholars in Clinical Care. Two coauthors were supported in part by the Agency for Healthcare Research and Quality. The authors have disclosed no relevant financial relationships.

J Gen Intern Med. Published online November 13, 2017. Abstract


#Anvisa alerta para possível Risco da #Vacina contra a Dengue!

Postado em

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou um alerta sobre possíveis riscos do uso da vacina contra a dengue, o Dengvaxia, fabricado pela Sanofi-Aventis.

Conforme os dados preliminares de um novo estudo, encomendado pelo próprio laboratório, pessoas que nunca tiveram contato com a dengue podem desenvolver formas mais graves da doença depois de tomarem a vacina.

rahim-kanseri-icin-hangi-doktora-gidilir

A atual recomendação da vigilância sanitária é que a imunização não seja feita em pacientes soronegativos, que nunca tenham contraído o vírus.

Novos estudos

Antes do registro da Anvisa, a vacina havia sido testada em cerca de 40.000 pessoas pelo mundo todo, inclusive no Brasil, em estudos que seguiram padrões estabelecidos por guias internacionais. De acordo com a Sanofi, em comunicado, os riscos não haviam sido identificados na população geral. Para os indivíduos soronegativos, havia sido identificado apenas um menor benefício de imunização, sem reações adversas.

Já em um novo estudo, a fim de monitorar o uso do imunizante, a empresa identificou que os pacientes soronegativos são mais propensos às complicações da doença, passados 30 meses depois da primeira dose. De acordo com os dados, em cada 1.000 indivíduos soronegativos vacinados, cinco são hospitalizados e dois contraem a dengue severa.

zika-470x264

Segundo a Anvisa, esses números precisam ser confirmados, mas como medida de prevenção a bula do produto deverá ser alterada, informando o aumento dos riscos.

A vacina

Enquanto isso, o benefício para indivíduos anteriormente expostos ao vírus da dengue permanece favorável, mesmo 5 anos depois do recebimento da vacina, que consiste em três doses a serem administradas em intervalos de seis meses.

Denguvaxia-injection

O imunizante é indicado para prevenção da dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4 (recombinante, atenuada) em pacientes entre 9 e 45 anos de idade que vivem em áreas endêmicas.

A vacina é a única aprovada no Brasil e está disponível no mercado desde dezembro de 2015.

Sobre a atualização, a Anvisa afirma que já solicitou os documentos completos referentes aos estudos de monitoramento realizados pela empresa e informa que outras ações poderão ser adotadas na medida em que os dados forem avaliados.

 

Fonte: Veja.com

Higher #CV risk score linked with greater #risk of walking problems in adults

Postado em

While limitations in physical functions such as balance, walking speed, and muscle strength are increasingly common as people age, little is known about the factors that may increase the risk of physical limitations in older adults. Now in a new study, researchers have demonstrated that cardiovascular risk burden could be linked with the future risk of walking speed limitations in older adults.

The study analysed data related to more than 4,000 adults aged over 60 in Sweden who were free of cardiovascular disease and physical limitations. Baseline cardiovascular risk factors were measured using the Framingham general cardiovascular risk score (FRS).

At follow up, the authors identified an association between the FRS and walking speed limitation in adults younger than 78 for each one-point increase in FRS, after controlling for potential confounders including cognitive function. Higher FRS was also significantly associated with faster decline in walking speed. Cardiovascular risk factors were not linked to balance problems or the ability to perform the chair stand exercise.

Writing in the Journal of the American Geriatrics Society, the authors said reducing CRF burden using preventive and therapeutic interventions that target modifiable lifestyles and cardiometabolic risk factors may help younger-old adults maintain their physical function.

#Restaurar os dentes pode ter os dias contados ?

Postado em

Restaurar os dentes pode ter os dias contados

http://images-cdn.impresa.pt/visao/2016-03-02-lb_aleidis_gonzales_13-08-08_36a.jpg/original/

Cientistas descobriram que um medicamento usado no tratamento da Alzheimer pode fazer crescer de novo a parte do dente danificada

As dolorosas ou, pelo menos, assustadoras sessões no dentista para restaurar os dentes podem ter o fim à vista. Uma nova descoberta mostrou que um medicamento usado no tratamento da Alzheimer é capaz de fazer crescer os dentes, reparando as cavidades provocadas pelas cáries.

A investigação publicada na revista Scientific Reports revelou que o fármaco Tideglusib consegue estimular as células-tronco existentes no polpa do dente, de forma a que consigam gerar nova dentina, um tecido do dente que está coberto pelo esmalte.

Esta nova técnica pode fazer com que a necessidade de restaurar os dentes com recurso a resinas compostas ou amálgama de prata diminua significativamente. “A simplicidade da nossa abordagem torna-a ideal para um produto dentário clínico a ser usado no tratamento de grandes cáries, proporcionando uma proteção à polpa e restruturando a dentina”, referiu Paul Sharpe, principal autor do estudo, ao The Telegraph.

Os investigadores do Dental Institute do King’s College London consideram que o facto deste fármaco já ter passado por testes clínicos para o tratamento da doença de Alzheimer pode fazer com que aprovação para o seu novo uso clínico seja mais rápida.

Em entrevista ao jornal inglês, o CEO da Oral Health Foundation, Nigel Carter, mostrou-se agradado com esta nova forma mais natural, menos evasiva e, com certeza, menos assustadora, de reparar o dente. “Esta é uma abordagem extremamente interessante e inovadora”, referiu e continuou: “esperamos que seja aplicada clinicamente, o que poderia, sem dúvida, ser um progresso no tratamento desta doença dentária”, referiu.

In VISÃO.pt

#O que a #boca da criança pode revelar sobre #abuso ou #negligência

Postado em

Dra. Susan A. Fisher-Owens

O abuso físico ou sexual de uma criança geralmente envolve a boca; mais de 50% das crianças abusadas sofrem danos na cabeça ou no pescoço. Além do trauma oral, as crianças maltratadas têm mais probabilidade de apresentar evidências de negligências dentais, incluindo gengivites, cáries e outros problemas de saúde.

Os achados de exames que devem suscitar suspeitas de abuso ou negligência são descritos no novo relatório clínico Oral and Dental Aspects of Child Abuse and Neglect , publicado no periódico Pediatrics.[1] O Medscape conversou com a autora principal Dra. Susan Fisher-Owens sobre pontos-chave no relatório para clínicos envolvidos no atendimento de crianças e adolescentes.

Medscape: O relatório é uma atualização do relatório de 2005[2] sobre o mesmo tópico. Alguma coisa em particular a levou a revisar essas questões agora?

Dra. Fisher-Owens: Houve alguns avanços em testes laboratoriais para infecções sexualmente transmissíveis e uma consciência mais geral de como os clínicos devem responder a evidências de negligência dentária. Mas as maiores mudanças no relatório atualizado são novas seções sobre bullying e tráfico de seres humanos, duas situações que aumentaram desde o relatório anterior. Pensamos que era um momento oportuno para destacar o papel dos provedores de serviços médicos e dentários em relação aos problemas orais e dentários resultantes de abuso e negligência.

Abuso físico e sexual

Medscape: O relatório, que abrange todas as idades de recém-nascidos a adolescentes, é dividido em seis áreas, sendo o primeiro abuso físico. Que evidências de abuso físico podem ser encontradas em e ao redor da boca das crianças?

Dra. Fisher-Owens: Os lábios são o local mais comum para lesões orais de abuso, seguido pela mucosa oral, dentes, gengivas e língua. Um dos sinais mais suspeitos de ser visto em um recém-nascido é um frênulo lingual quebrado. O frênulo pode ser rasgado quando um cuidador força agressivamente uma garrafa na boca de um bebê, ou atinge a boca do bebê com outro objeto. O frênulo normalmente não é rasgado durante a atividade normal, a menos que a criança caia com um objeto na boca. Um frênulo lingual rasgado deve aumentar o índice de suspeita de abuso (Figura 1).

Figura 1. Um frênulo rasgado. Cortesia: Dr. Anupama Tate.

Mais informações podem ser encontradas no guia de orientações da American Academy of Pediatrics (AAP) The Evaluation of Suspected Child Physical Abuse .

Medscape: O que pode ser uma dica ao clínico para possíveis abusos sexuais envolvendo a cavidade oral?

Dra. Fisher-Owens: Embora a cavidade bucal seja um local frequente de abuso sexual em crianças, sinais visíveis de machucados ou infecções sexualmente transmissíveis são raros. Em alguns casos, podemos ver sinais físicos de contato genital-oral forçado, como lesões na mucosa oral. Certas provas de lesão, como um frênulo lingual rasgado ou petéquias na junção dos palatos duro e macio, devem suscitar preocupação com o sexo oral forçado. Mais frequentemente, no entanto, a insinuação de abuso sexual surge em uma discussão, ou no comportamento de uma criança, e não por um sinal físico aberto.

O relatório fornece detalhes sobre o teste de infecções sexualmente transmissíveis. O tempo é crítico. A evidência é mais provável de produzir um resultado se coletada dentro de 24 horas de exposição para crianças pré-púberes ou dentro de 72 horas de exposição para adolescentes mais velhos.[3,4] Este tipo de coleta não pode ser feito em todos os lugares, por isso, quando se suspeitar de abuso sexual, o clínico deve entrar em contato com os serviços de proteção infantil para que a investigação posterior (por exemplo, exame forense e história) possa ocorrer em um ambiente onde eles estão habituados a realizar essas avaliações da maneira o mais oportuna possível. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas no guia da AAP The Evaluation of Children in the Primary Care Setting When Sexual Abuse is Suspected .

Medscape: Na seção sobre marcas de mordida, o relatório aborda não apenas a cavidade oral do abusado, mas também a do abusador. Como os clínicos devem avaliar as marcas de mordida?

Dra. Fisher-Owens: A lição mais importante para o clínico geral é conhecer a diferença quanto ao formato de uma mordida humana e uma mordida de animal. Os pais ou cuidadores podem explicar uma marca na pele como sendo de um animal, mas a forma de uma mordida de animal é bastante diferente da de uma mordida humana. O próximo ponto é tirar fotografias para documentar a marca da mordida. Finalmente, se a pele está realmente aberta, o clínico pode usar um cotonete na pele para obter o DNA da saliva (apropriadamente coletado, documentado e rotulado, mantendo a cadeia de custódia). Um odontologista forense pode ser capaz de fazer um molde da marca da mordida que pode ser usado para identificar o agressor (Figura 2).

Figura 2. Uma marca de mordida humana. Cortesia: Dr. Anupama Tate.

Aspectos dentários do tráfico de crianças

Medscape: Como o exame bucal e dentário fornece pistas sobre o tráfico sexual humano e infantil?

Dra. Fisher-Owens: Infelizmente, o tráfico de seres humanos está se tornando mais comum. Não temos números precisos, porém mais de 100 mil crianças anualmente são vítimas de prostituição, e a idade média dessas crianças é cerca de 12 anos. Parte do aumento é o resultado do trabalho de médicos que tiveram uma maior atenção sobre as crianças que correm maior risco de tráfico (crianças que passaram por cuidado adotivo, crianças sem-teto, com cuidadores temporários e as que foram encarceradas). No relatório clínico Child Sex Trafficking and Commercial Sexual Exploitation: Health Care Needs of Victims a AAP aborda esse tema em maior detalhe.

Os problemas dentários das crianças traficadas podem ser devidos à falta de cuidados dentários preventivos, a uma má nutrição, ao crescimento lento dos dentes e aos dentes mal formados, ou ao abuso físico. Crianças de qualquer idade também podem apresentar cáries dentárias, infecções e dentes quebrados ou faltantes. Em alguns casos, crianças traficadas são trazidas para o atendimento dentário para melhorar a aparência, o que é importante para o valor delas como indivíduos traficados.
Também é fundamental para os prestadores de cuidados de saúde estar conscientes de que este problema não se limita às mulheres; os homens também podem ser vítimas de tráfico de seres humanos.

Negligência dentária

Medscape: Quais as principais questões relacionadas à negligência dentária que você gostaria que os clínicos conhecessem? Isso é considerado uma forma de abuso, ou é uma falta de consciência?

Dra. Fisher-Owens: Muita negligência dentária vem da ignorância. As taxas de problemas dentários são maiores entre as pessoas com baixo status socioeconômico, ao ponto em que as famílias têm uma visão fatalista de que, é claro, perderão os dentes na idade adulta. É um fato triste que, todos os anos, crianças morrem por doenças dentárias quase completamente evitáveis. Um ponto importante que surgiu na última década é o fato de que a negligência dentária é mais do que a falta de cuidados dentários. Em vez disso, a negligência dentária ocorre depois que os pais foram educados sobre cuidados odontológicos apropriados e providos de recursos para acessar os cuidados, mas ainda assim não conseguem provê-los para os próprios filhos. Várias histórias foram notícias sobre pessoas que foram acusadas de negligência dentária, mas que alegaram que ninguém aceitava o seguro de saúde, ou que não tinham transporte para o dentista. Estas são algumas das barreiras que devem ser abordadas antes de fazer uma acusação de negligência dentária ou de denunciar a família aos serviços de proteção infantil.

No campo da saúde, particularmente em medicina, precisamos educar nossos colegas sobre a importância de prestar atenção à saúde dentária de uma criança e não apenas dizer: “Oh, é apenas uma dor de dente”, ou “É apenas um dente de leite, então não importa.” Se as crianças tiverem cáries nos dentes de leite, elas não só são mais propensas a ter cáries quando adultos, mas também são menos propensas a se formar no ensino médio ou a encontrar um emprego que pague bem como a alguém que tenha um conjunto completo de dentes saudáveis. Os problemas com os dentes que começam na infância podem ter efeitos em longo prazo. É por isso que estamos tentando adotar mais uma abordagem multiprofissional para ajudar a manter as crianças saudáveis.

Aspectos dentários do bullying

Medscape: Também novo neste relatório é a seção sobre bullying. O relatório explica que anormalidades orofaciais ou dentárias, incluindo má oclusão, podem expor a criança afetada ao bullying. Você pode discutir aspectos da boca e dentes que podem desempenhar um papel no bullying?

Dra. Fisher-Owens: Um terço das crianças no Ensino Fundamental foi intimidado ou intimidou outra pessoa. E é verdade que as crianças com certas anormalidades orofaciais, ou que têm problemas com o alinhamento dos dentes (mordida pequena ou mordida demais) ou outros problemas dentários, são mais passíveis de ser intimidadas. Ocorre um ciclo no qual as crianças vítimas de agressão são mais vulneráveis ao abuso e ao tráfico, o que é prejudicial à autoestima. Essas crianças são menos propensas a cuidar de si, o que, por sua vez, afeta negativamente os dentes.

No entanto, francamente, neste momento, todas as crianças devem ser rastreadas para bullying. Os clínicos precisam iniciar as conversas dizendo: “Estou descobrindo que muitos dos meus pacientes estão tendo problemas por serem intimidados”, ou “Muitos dos meus pacientes vêem outras crianças sendo intimidadas”. Isso pode tornar a criança mais confortável para falar sobre experiências com bullying. Muitas vezes eu perguntei a uma criança sobre o bullying, apenas para que ela respondesse afirmativamente, e os pais da criança não tinham ideia. Ser capaz de abrir essa discussão na clínica permite que ela seja aberta dentro da família também.
Eu também gostaria de lembrar aos profissionais de saúde a importância do papel deles, de serem líderes de pensamento em suas comunidades. As comunidades precisam ter profissionais de saúde falando sobre a importância dos programas anti-intimidação. Os profissionais de saúde podem influenciar a forma como as pessoas abordam o bullying nas escolas.

O papel dos dentistas

Medscape: O relatório enfatiza, já no início, que se destina não só a clínicos em ambientes médicos, mas também a profissionais de saúde bucal. O que você vê como o papel dos dentistas na identificação inicial de uma questão oral que pode estar relacionada a abuso ou negligência?

Dra. Fisher-Owens: Os prestadores de serviços odontológicos estão se movendo para se envolver com a criança como um todo, e esta é outra área com a qual queremos que os dentistas se envolvam. A equipe odontológica frequentemente gasta mais tempo com o paciente na cadeira do que uma equipe médica gasta com um paciente no consultório. Assim, a equipe odontológica poderá explorar como a criança está indo na escola, quem são os amigos dela e assim por diante, e talvez tente saber se algo mais está acontecendo na vida da criança. Algo que me surpreendeu no desenvolvimento do relatório foi descobrir que os cuidadores de crianças que estão sendo maltratadas são susceptíveis a trocar de médicos, mas eles tendem a ficar com o mesmo dentista. Então, embora cada novo profissional médico que vê o paciente não esteja ciente de lesões frequentes, por exemplo, o dentista pode estar em posição de detectar isso. É uma das razões pelas quais pensamos que é tão importante para os dentistas e suas equipes serem mais conscientes de possíveis abusos ou negligências.

Medscape: Os dentistas, como outros profissionais de saúde, têm um papel na denúncia de abuso e negligência?

Dr. Fisher-Owens: Todos os profissionais de saúde, sejam dentistas, médicos ou da enfermagem, são repórteres obrigatórios de abuso. Se eles têm alguma preocupação, são obrigados a denunciá-la aos serviços de proteção à criança. Em geral, os profissionais médicos para crianças estão mais acostumados a fazer esses relatórios quando têm uma preocupação, e não aguardam a certeza de abuso ou a espera de alguém para fazê-lo. Nós podemos ajudar nossos colegas dentistas a se tornarem mais confortáveis com esse processo. Não se trata de uma acusação; trata-se de preocupação em manter a criança segura e saudável. Fazer um relatório aos serviços de proteção infantil não requer treinamento específico. As pessoas que trabalham em serviços de proteção infantil fazem isso todos os dias e podem orientar os profissionais  através do processo.

Documentação e fotografia

Medscape: Com relação a qualquer uma dessas áreas de potencial abuso – físico, sexual, marcas de mordida – o que você recomenda em termos de documentação?

Dra. Fisher-Owens: Fotografar é muito útil porque os clínicos que estão observando essas lesões podem não entender completamente o que estão vendo. A fotografia, especialmente quando é feita com uma régua ou outro item para estabelecer escala, permite que aqueles que avaliem o caso mais tarde vejam o que o clínico viu. As contusões e as marcas de mordida desaparecem ao longo do tempo, então uma fotografia é muito útil.

Também é importante para os profissionais rotineiramente documentar achados que são normais, mas podem ser confundidos com provas de danos. Um excelente exemplo disso é a melanocitose dérmica (anteriormente denominada “manchas mongóis”), uma área de escurecimento da pele que se parece com um hematoma. Se ninguém documentou esta alteração dérmica encontrada no nascimento ou no primeiro exame de rotina da criança, mais tarde, alguém pode pensar que é uma evidência de abuso. É no melhor interesse da criança documentar achados normais que poderiam ser mal interpretados (Figura 3).

Figura 3. Melanocitose dérmica pode ser confundida com hematoma. Cortesia: Centro Médico da Universidade Americana de Beirut.

Medscape: O que mais você gostaria que os clínicos conhecessem sobre os aspectos orais e dentários do abuso e da negligência infantil?

Dra Fisher-Owens: Muitas vezes, essas crianças vão a um profissional médico com queixas somáticas problemas para dormir, dores de estômago , mas o clínico não encontra nada após o exame. Isso deve ser uma dica de que algo mais pode estar acontecendo na família ou na escola. As crianças que continuam aparecendo com essas queixas inespecíficas podem ser vítimas de bullying e ter medo de ir para a escola. Ou podem ser vítimas de abusos e pedem ajuda silenciosamente, pois não podem pedir diretamente. Ser sensível à solicitação silenciosa de ajuda, por uma criança, pode ser muito útil.

 

%d blogueiros gostam disto: