Neurology

#Thrombolysis safe in #stroke patients with #dementia

Postado em

Stroke patients with dementia, who are treated with intravenous thrombolysis (IVT) are at no higher risk of brain haemorrhage or death than other patients receiving the same treatment.

That’s according to findings from a new study published in Neurology, which compared access to IVT for acute ischaemic stroke (AIS) and its outcomes in patients with and without dementia.

Scientists examined data from 1,356 patients with pre-existing dementia who had AIS between 2010 and 2014, and 6,755 matched patients without dementia. They found people under the age of 80 with dementia and stroke were not given IVT as often as patients with stroke but no dementia. However, dementia patients over 80 who suffered a stroke received thrombolysis as often as non-dementia patients with stroke.

Among patients receiving thrombolysis, there were no differences in symptomatic intracerebral haemorrhage or death, although patients with dementia had worse accommodation and functional outcomes at three months.

“Our study indicates that thrombolysis treatment is just as safe for dementia patients as for other patients with the same physical status and that the risk of treatment complications is no higher,” said Professor Maria Eriksdotter. “Thus, IVT treatment can be considered in stroke patients with dementia.”

Anúncios

#Niveles altos y bajos de #magnesio en la sangre, relacionados con #riesgo de demencia (Neurology)

Postado em

 

Buenas fuentes alimentarias de magnesio son espinacas, almendras, anacardos, soja, granos enteros, yogur y aguacates.

Buenas fuentes alimentarias de magnesio son espinacas, almendras, anacardos, soja, granos enteros, yogur y aguacates.

Las personas con niveles altos y bajos de magnesio en la sangre pueden tener un mayor riesgo de desarrollar demencia, según un estudio publicado en la edición digital de “Neurology”.
“Estos resultados deben confirmarse con estudios adicionales, pero los resultados son intrigantes”, afirma la autora del estudio Brenda C.T. Kieboom, del Erasmus University Medical Center, en Rotterdam, Países Bajos. “Puesto que las opciones actuales de tratamiento y prevención para la demencia son limitadas, necesitamos urgentemente identificar nuevos factores de riesgo para la demencia que potencialmente podrían ser ajustados. Si las personas pudieran reducir su riesgo de demencia a través de la dieta o suplementos, eso podría ser muy beneficioso”, añade.
El estudio incluyó a 9.569 personas con una edad promedio de 65 años que no tenían demencia, cuya sangre se analizó para los niveles de magnesio. Los participantes fueron seguidos durante un promedio de ocho años y en ese tiempo, 823 personas fueron diagnosticadas con demencia. De ellos, 662 personas tenían enfermedad de Alzheimer y se dividió a todos los participantes en cinco grupos basándose en sus niveles de magnesio. Tanto aquellos con los niveles más altos como los más bajos de magnesio presentaban un mayor riesgo de demencia, en comparación con los del grupo medio.
Tanto el grupo bajo como el grupo alto tenían aproximadamente un 30% más de probabilidades de desarrollar demencia que los del grupo medio. De las 1.771 personas en el grupo de magnesio bajo, 160 desarrollaron demencia, que es una tasa de 10,2 por 1.000 años-persona. Para el grupo de magnesio alto, 179 de las 1.748 personas tuvieron demencia, una tasa de 11,4 por 1.000 años-persona. Para el grupo medio, 102 de las 1.387 personas se vieron afectadas por demencia, una tasa de 7,8.
Los resultados fueron los mismos después de que los investigadores ajustaron otros factores que podrían afectar al riesgo de demencia y a los niveles de magnesio, como el índice de masa corporal (IMC), el tabaquismo, el consumo de alcohol y la función renal. Kieboom señala que casi todos los participantes tenían niveles de magnesio en el rango normal, con sólo 108 personas con niveles por debajo de lo normal y dos personas con niveles por encima de lo normal.
Los alimentos que son buenas fuentes de magnesio, como, por ejemplo, espinacas, almendras, anacardos, soja y judías pintas, granos enteros, yogur y aguacates. Kieboom considera que, si se confirman los resultados, podrían emplearse los análisis de sangre para medir los niveles de magnesio con el fin de detectar a personas en riesgo de demencia, y destaca que el estudio no demuestra que los niveles altos o bajos de magnesio causan demencia; sólo revela una asociación.
Los autores señalan que el estudio tiene limitaciones, como que los niveles de magnesio se midieron sólo una vez, por lo que podrían haber cambiado, y que los niveles de magnesio en la sangre no siempre representan el nivel total de magnesio en el cuerpo.

Mothers who breastfeed show reduced risk of MS

Postado em

 

No association was seen with number of pregnancies, use of hormonal contraceptives, or age at first birth.

Mothers who breastfeed for at least 15 months over one or more pregnancies may be less likely to develop multiple sclerosis (MS), according to new research.

In a study published in Neurology , 397 women with MS or its precursor, clinically isolated syndrome, were compared to 433 controls matched for race and age. The women were given in-person questionnaires about pregnancies, breastfeeding, hormonal contraceptive use and other factors.

Women who had breastfed for a cumulative amount of 15 months or more with one or more children, were 53 per cent less likely to develop MS or clinically isolated syndrome than women who had a total of 0-4 months of breastfeeding. Women who were age 15 or older at the time of their first menstrual cycle were 44 per cent less likely to develop MS than women who were 11 years old or younger at the time of their first menstruation.

The number of years a woman ovulated was not associated with MS risk. No association was seen with number of pregnancies, use of hormonal contraceptives or age at first birth.

New guidelines on Lewy body dementia

Postado em

 

The Dementia with Lewy Bodies Consortium has refined its recommendations on diagnosis.

The Dementia with Lewy Bodies (DLB) Consortium has refined its recommendations on the diagnosis of DLB.

The new guidelines, published in Neurology , distinguish clearly between clinical features and diagnostic biomarkers of DLB, and give recommendations on the interpretation of diagnostic findings.

According to the guidelines, probable DLB can be diagnosed when two or more core clinical features are present, with or without the presence of indicative biomarkers. Core features are identified as the presence of REM sleep behaviour disorder; fluctuating cognition with pronounced variations in attention and alertness; recurrent visual hallucinations; and at least one spontaneous cardinal features of parkinsonism, namely bradykinesia, rest tremor, or rigidity.

Probable DLB can also be diagnosed where one core clinical feature is present, but with one or more indicative biomarker including: reduced dopamine transporter uptake in basal ganglia demonstrated by SPECT or PET; abnormal (low uptake) 123-iodine-metaiodobenzylguanidine (MIBG) myocardial scintigraphy; or polysomnographic confirmation of REM sleep without atonia. The recommendations state probable DLB should not be diagnosed on the basis of biomarkers alone.

DLB is less likely, the guidelines state, if parkinsonian features are the only core clinical feature and appear for the first time at a stage of severe dementia.

Cegueira efêmera por uso de smartphones diagnosticada equivocadamente como esclerose múltipla?

Postado em

6500948-thumb

Deborah Brauser

 

A cegueira efêmera por uso de smartphones é um fenômeno real e pode contribuir para a realização de um diagnóstico neurológico equivocado na prática clínica, sugere um novo relato de caso.

Publicado on-line em 18 de janeiro no periódico Neurology, ele discute o caso de uma mulher de meia-idade referindo perda visual monocular temporária e indolor após usar o smartphone enquanto estava em decúbito lateral no leito.

Isto logo após dois casos publicados no periódico New England Journal of Medicine em 2016 por pesquisadores do Reino Unido descrevendo duas mulheres com 22 e 40 anos de idade, que também apresentaram problema visual monocular recorrente imediatamente após o uso de smartphones ao leito.

Os médicos que apresentam o caso em pauta indicam que a paciente recebeu inicialmente um diagnóstico equivocado de esclerose múltipla e foi orientada a iniciar um tratamento capaz de modificar esta doença.

A interpretação inadequada dos sinais e/ou sintomas da cegueira efêmera por uso de smartphones, especialmente como distúrbio vascular ou doença inflamatória, pode levar a investigações diagnósticas e tratamentos desnecessários, escreveram Saraniya Sathiamoorthi, da Mayo Medical School, em Rochester, Minnesota, e o Dr. Dean M. Wingerchuk , médico da Mayo Clinic, em Scottsdale, no Arizona.

O Dr. Wingerchuk acrescentou ao Medscape que, com o uso crescente destes dispositivos, os casos de cegueira efêmera por uso de smartphones tendem a aumentar, por isso é importante que os médicos perguntem sobre como quando e onde ocorreram os problemas visuais.

“Certamente, trata-se de um fenômeno incomum. Não se sabe se subnotificado pelos pacientes ou pouco reconhecido pelos médicos. Independentemente disso, se você tiver um paciente com queixa de perda visual monocular é importante obter o máximo de detalhes possível”, disse o médico.

“Neste caso, claramente o uso do smartphone, a posição do corpo e a quantidade de luz ambiente foram as pistas para o diagnóstico da cegueira efêmera por uso de smartphones.

Apagão visual

Os sinais e sintomas da cegueira efêmera por uso de smartphones são causados por níveis de adaptação à luz temporariamente discrepantes entre as duas retinas, escrevem os autores.

Eles informam que a paciente tinha 58 anos de idade e, excetuando o quadro de cegueira efêmera, era hígida. A paciente procurou o consultório depois de apresentar dois episódios de perda visual monocular direita transitória.

Em cada episódio a paciente tinha se posicionado em decúbito lateral esquerdo no leito depois de acordar nas primeiras horas da manhã e usado o smartphone durante aproximadamente 10 a 15 minutos. Ela não utilizou nenhuma outra fonte luz além da luz do próprio aparelho.

Ao se levantar, a visão do olho direito desapareceu subitamente durante cerca de 15 segundos e voltou aproximadamente um minuto depois. A paciente observou que os episódios não causaram dor alguma.

“Não houve sintomas neurológicos ou ortostáticos e a paciente não tinha história de migrânea, alterações oculares ou fatores de risco cerebrovasculares”, escrevem os autores.

A acuidade visual da paciente e outros exames oftalmológicos não apresentaram alterações e os exames cardiovasculares e neurológicos não revelaram nada de anormal.

Embora a ressonância nuclear magnética (RNM) craniana tenha revelado algumas lesões cerebrais bilaterais na substância branca, a ressonância nuclear magnética cervical e da coluna vertebral (bem como os resultados dos exames do líquido cefalorraquidiano e dos perfis metabólico e inflamatório) não apresentou alterações. Mesmo assim, a paciente recebeu o diagnóstico de esclerose múltipla feito por um neurologista.

Aos seis meses de acompanhamento, outra RNM cerebral não mostrou nenhuma alteração e, após os resultados da angiografia por RNM de cabeça e pescoço serem considerados normais, o diagnóstico de cegueira efêmera por uso de smartphones foi finalmente firmado.

“Nós (…) concluímos que as lesões na substância branca provavelmente representavam doença cerebrovascular de pequenos vasos”, escrevem os médicos.

Este caso confirma a cegueira efêmera por uso de smartphones como um fenômeno fisiológico de importância clínica, que deve ser incluído no diagnóstico diferencial da deficiência visual monocular transitória indolor”, escrevem os autores.

O Dr. Wingerchuk acrescentou que a interpretação errônea dos sintomas pode levar a um caminho diagnóstico equivocado.

Confiança excessiva na RNM

No estudo de caso publicado no periódico New England Journal of Medicine, a paciente mais velha tinha apresentado deficiência visual monocular recorrente em seis meses, com cada episódio com duração de até 15 minutos depois de acordar. A paciente mais jovem teve comprometimento do olho direito durante alguns meses.

Depois de cada paciente fornecer uma história detalhada em uma clínica neuro-oftálmica, descobriu-se que todas duas tinham checado seus smartphones enquanto permaneciam deitadas ao leito – e apresentado sintomas apenas no olho contralateral ao decúbito.

Curiosamente, novas pesquisas mostraram que a sensibilidade visual de dois dos pesquisadores sofreu redução após eles terem olhado para um smartphone no escuro, à distância do próprio braço estendido. A recuperação ocorreu após alguns minutos.

“Nossos casos mostram que uma anamnese detalhada e o conhecimento da fisiologia da retina podem tranquilizar o paciente e o médico, podendo evitar a ansiedade, bem como investigações diagnósticas desnecessárias e dispendiosas”, escrevem.

Dr. Wingerchuk acrescentou que o novo caso destaca três dos principais fatores relacionados com um diagnóstico equivocado de esclerose múltipla:

  • Interpretar os sinais e/ou sintomas de forma incorreta;
  • Não fundamentar os sinais e/ou sintomas com evidências de desmielinização no sistema nervoso central; e
  • Interpretar erroneamente alterações cerebrais inespecíficas na ressonância nuclear magnética.

“O diagnóstico de esclerose múltipla ou síndrome clínica isolada requer pelo menos uma crise junto com conclusões objetivas sugestivas de processos de desmielinização no sistema nervoso central”, escrevem os pesquisadores, acrescentando que os sinais e/ou sintomas de seus pacientes podem ser breves e indolores, o que também não é compatível com neurite óptica desmielinizante.

“O excesso de confiança nos resultados da ressonância nuclear magnética e um subsídio inadequado (…) estão entre as armadilhas heurísticas relevantes deste caso e dos erros de diagnóstico de esclerose múltipla em geral”.

O Dr. Wingerchuk informa ter recebido subsídios para pesquisa da Alexion e TerumoBCT; e honorários de consultoria da MedImmune e pelo trabalho de coeditor-chefe no periódico The Neurologist. Sathiamoorthi informou não ter relações financeiras relevantes.

Neurology. Publicado on-line em 18 de janeiro de 2017. Trecho

Stem cell transplants induce remission in MS

Postado em

More than two-thirds of patients were progression-free after five years.

Five-year results from a new clinical trial suggest high-dose immunosuppressive therapy, followed by autologous haematopoietic stem cell transplantation can induce sustained remission in relapsing-remitting multiple sclerosis (MS).

In the HALT-MS trial , 24 patients with relapsing-remitting MS, aged between 26 and 52 years, received high-dose immunosuppressive therapy and autologous haematopoietic stem cell transplant (HDIT/HCT). The patients did not take any MS medications after receiving HDIT/HCT.
Five years after receiving the treatment, 69 per cent of trial participants had survived without experiencing progression of disability, relapse of MS symptoms, or new brain lesions. In addition, some participants showed improvements, such as recovery of mobility or other physical capabilities.

The treatment does carry some risks, and many participants experienced the expected side effects of HDIT/HCT, such as infections.

“Although further evaluation of the benefits and risks of HDIT/HCT is needed, these five-year results suggest the promise of this treatment for inducing long-term, sustained remissions of poor-prognosis relapsing-remitting MS,” said principal investigator, Dr Richard Nash, from Colorado Blood Cancer Institute and Presbyterian-St. Luke’s Hospital in the US.

Detailing the findings in Neurology , the authors said HDIT/HCT may be a reasonable consideration for patients failing first-line treatments.