colesterol

#Los medicamentos que reducen el #colesterol pueden combatir #enfermedades infecciosas (PNAS)

Postado em

Como fiebre tifoidea, clamidia o malaria.

 La estatina que se toma para reducir el riesgo de ataque cardiaco o accidente cerebrovascular puede un día hacer una doble función, proporcionando protección contra toda una serie de enfermedades infecciosas, incluyendo fiebre tifoidea, clamidia y malaria.
Científicos de la Duke University, en Durham, Carolina del Norte, Estados Unidos, han descubierto recientemente que una variante genética que afecta a los niveles de colesterol podría aumentar el riesgo de contraer fiebre tifoidea. También mostraron que un fármaco común para bajar el colesterol (ezetimiba) podría proteger al pez cebra contra la ‘Salmonella typhi’, que provoca una fuerte infección.
Los hallazgos, que se detallan en un artículo publicado en “Proceedings of the National Academy of Sciences”, dan una idea de los mecanismos que rigen la susceptibilidad humana a las enfermedades infecciosas. También apuntan a posibles vías para proteger a aquellos que son más vulnerables a patógenos como la bacteria Salmonella, que secuestran el colesterol para infectar las células huésped.
Éste es sólo el primer paso –afirma el autor principal del estudio y profesor asistente de Genética Molecular y Microbiología en la Duke University School of Medicine, Dennis C. Ko,–. Tenemos que probar este enfoque en diferentes organismos modelo, como los ratones, y probablemente con diferentes patógenos, antes de que podamos considerar la adopción de esta en la clínica. Lo que es tan emocionante es que nuestro estudio proporciona un plan para combinar diferentes técnicas para entender por qué algunas personas son más susceptibles a las enfermedades que otras y qué se puede hacer al respecto”.
A finales del siglo pasado, la inmigrante irlandesa Mary Mallon ganó el nombre de “Tifoide María” después de que enfermó a más de 50 personas en la ciudad de Nueva York. Mallon aparentemente era inmune a las bacterias que llevaba y muchas personas que entraron en contacto con el patógeno nunca contrajeron la enfermedad. ¿Qué los hizo diferentes?
Ko ha estado intrigado con esta cuestión, pero tratar de explicar las diferencias entre las personas cuando se trata de la susceptibilidad a enfermedades infecciosas puede ser difícil: no siempre se puede saber si alguien se mantiene sano debido a su constitución genética o falta de exposición e incluso cuando todo el mundo ha estado expuesto, son innumerables otros factores ambientales que entran en juego.
Así que en lugar de dejar que el mundo real ejecute el experimento, Ko y su equipo utilizaron cientos de líneas celulares de voluntarios humanos sanos y los expusieron a la misma dosis exacta de ‘Salmonella typhi’, que había sido señalizada con un marcador fluorescente verde. A continuación, buscaron las diferencias genéticas que distinguen las células que tenían mayores tasas de invasión bacteriana de las que no las tenían.
Los investigadores encontraron que un solo nucleótido de ADN en un gen llamado VAC14 se asoció con el nivel de invasión bacteriana en las células. Cuando bloquearon el gen, las células fueron invadidas más fácilmente y más células brillaron intensamente con las bacterias verdes. También descubrieron inesperadamente que aquellas células más susceptibles presentaban niveles más altos de colesterol, un componente esencial de las membranas celulares a las que se une ‘Salmonella’ para invadir células huésped.
Ko quería ver si esta diferencia genética era relevante para la población humana. Al mirar a través de la literatura científica, decidió llegar a una investigadora que trabaja en Vietnam, la Dra. Sarah Dunstan, que había estado estudiando la fiebre tifoidea en ese país. Cuando Dunstan probó ADN de sujetos en un grupo de mil vietnamitas, la mitad de los cuales tenía fiebre tifoidea y la mitad de los cuales no estaban infectados, descubrió que la variante del gen VAC14 se vinculaba con un riesgo moderadamente elevado de fiebre tifoidea.
El siguiente paso fue investigar si había una manera de corregir esa susceptibilidad. “Descubrir el mecanismo fue importante porque mucha gente está tomando fármacos para bajar el colesterol, especialmente las estatinas para el colesterol alto –dice Ko–. Nos preguntamos si podrían administrarse medicamentos similares para reducir el riesgo de infección por ‘Salmonella”.
La estudiante graduada en el laboratorio de Ko y autora principal del estudio, Mónica Álvarez, tenía alguna experiencia trabajando con el pez cebra, así que decidieron comenzar allí. Esta investigadora añadió un fármaco para reducir el colesterol (ezetimibe) a su agua y luego inyectó en el pescado ‘Salmonella typhi’, descubriendo que los animales tenían más probabilidades de eliminar las bacterias fuera de su sistema y sobrevivir.
Ahora, los autores planean realizar experimentos similares en ratones y posiblemente intentar estudios retrospectivos en seres humanos que ya están tomando medicamentos para reducir el colesterol. El objetivo será explorar si el enfoque puede proteger contra otras enfermedades infecciosas y ya han examinado otros patógenos que se sabe que dependen de colesterol en algún momento durante la infección.
“Nuestro enfoque genético humano basado en células es una forma de conectar la biología celular con la enfermedad humana –subraya Ko–. Al descubrir el mecanismo, es posible descubrir posibles estrategias terapéuticas que no imaginamos cuando sólo miramos el gen”.
Anúncios

#Las #grasas trans son más peligrosas que las de #palma

Postado em

 

Aumentan el riesgo de sufrir infarto o ictus.

Aumentan el riesgo de sufrir infarto o ictus.

La grasa de palma ha sido descomercializada en países como Francia debido al daño que puede provocar en la salud, sin embargo, esta grasa no es la más perjudicial, pues las trans son “infinitamente” más peligrosas y, además, aumentan el riesgo de infarto o ictus, según la presidenta de la Fundación Vicente Tormo, Emilia Tormo.

Las grasas trans, que están presentes en productos procesados, y de forma escasa y natural en la alimentación, utilizan ácidos grasos saturados, que se manipulan en orden a obtener grasas que se tardan más en enranciar, soportan mejor altas temperaturas y, en general, conservan mejor los alimentos. Además, resultan “sensiblemente” más baratas que las grasas saturadas animales, que aunque también saturadas, están presentes en la cadena alimentaria de forma natural y no afectan al colesterol ‘bueno’ (HDL).

En este sentido, tanto la grasa de palma como las trans, aumentan el riesgo de subir el colesterol conocido como ‘malo’ (LDL) y, a diferencia de la primera, las trans también disminuyen el ‘bueno’, “por lo que tienen un doble efecto nocivo”, ha subrayado la Dra. Tormo.

“El colesterol conocido como ‘bueno’ ejerce una labor de limpieza de las arterias fundamental para preservar su salud; el ejercicio físico es imprescindible para subirlo. Un nivel óptimo de este colesterol daría como resultado niveles por debajo de 3,5 al dividir la cifra total de colesterol entre la del ‘bueno’. En este sentido, hay que apuntar que la grasa de palma no tiene un efecto nocivo en el colesterol bueno, mientras que otras grasas -especialmente las grasas trans- sí lo tienen”, ha añadido.

Por ello, son las grasas trans las que conviene evitar “a toda costa”. De hecho, en algunos países como Noruega o Suecia, su utilización en alimentos procesados está marcada con colores fluorescentes en el etiquetado para alertar a la sociedad del peligro que supone su consumo. Estas son fácilmente reconocibles como ‘grasas hidrogenadas’ o ‘parcialmente hidrogenadas’.

#Colesterol e #estatinas: porquê ter medo da verdade?

Postado em

Porquê estas campanhas de desinformação de pessoas, que nalguns casos estão ligadas à profissão médica? Porquê pôr em risco a vida das pessoas? Porquê levantar anátemas de suspeição contra a classe médica como um todo, como se fosse um bando de malfeitores a soldo da indústria farmacêutica?

As doenças cardiovasculares são no seu todo a principal causa de mortalidade e morbilidade em todo o mundo, incluindo Portugal. Só na Europa cerca de quatro milhões de pessoas morrem anualmente devido a causas cardiovasculares, o que representa cerca de metade das mortes totais por ano, apesar de todos os extraordinários avanços científicos que se verificaram nos últimos 50 anos.

Estes avanços permitiram, por exemplo, que a esperança média de vida em Portugal aumentasse de 68 anos para 81 anos entre 1970 e a actualidade. Cerca de 80% desta melhoria deveu-se aos avanços extraordinários no diagnóstico e tratamento das doenças cardiovasculares. Um dos principais contribuintes para estes números espantosos foi, por um lado, a identificação dos chamados “factores de risco” para as doenças cardiovasculares, em que os níveis elevados de gorduras são claramente um deles e, consequentemente, a capacidade de controlar estes valores através de medicação específica, em que um grupo de medicamentos chamados “estatinas” tem um papel central.

Na realidade, é hoje em dia aceite pela comunidade médica que, a seguir aos antibióticos, as estatinas foram o grupo de fármacos que mais contribuíram para prolongar a esperança de vida da população em geral. Poderia dar vários argumentos e evidência científica sobre o que acabei de afirmar, mas poderei resumir no seguinte:

1. Vários estudos envolvendo largos milhares de doentes demonstraram que o uso destes fármacos reduz de forma drástica o risco do que nós chamamos de “eventos vasculares major” (morte por enfarte do miocárdio, acidente vascular cerebral ou necessidade de intervenção nas artérias coronárias). Ou seja, por cada redução de 40 mg/dl do valor de LDL (mau colesterol) em cada ano que o fármaco continua a ser tomado, reduz-se o risco em cerca de 25%. Para ser mais claro, o uso duma estatina administrada durante cinco anos em 10.000 pessoas com doença vascular conhecida, preveniria os tais eventos major em 1000 doentes. E este efeito acumula-se por cada ano em que a medicação é tomada;

2. Como qualquer medicamento, as estatinas têm efeitos ditos secundários: os mais graves são as chamadas “miopatias” (dores musculares com evidência de lesão muscular), que ocorrem em cerca de cinco doentes em cada 10.000 tratados, ao fim de cinco anos de tratamento contínuo, e cujo efeito é reversível em 4/5 casos quando o medicamento é interrompido.

Perante o conjunto vastíssimo de evidências científicas, as maiores sociedades cardiológicas mundiais, incluindo as americanas, canadianas, europeias (a que presidi), asiáticas, têm expressado claramente a sua posição, que se tem traduzido de forma muito objectiva em todas as guidelines internacionais, que são produzidas por estas mesmas entidades com recomendações precisas quanto à necessidade de tratar de forma eficaz este problema major de saúde pública.

A questão que então se põe a todos nós que diariamente temos a responsabilidade de tratar e aconselhar os nossos doentes é: porquê estas campanhas de desinformação organizadas por pessoas, que nalguns casos estão ligadas à profissão médica? Porquê pôr em risco a vida das pessoas? Porquê querer negar a evidência? Porquê levantar anátemas de suspeição contra a classe médica como um todo, como se fosse um bando de malfeitores a soldo da indústria farmacêutica? Confesso ter muita dificuldade em entender o que poderá estar subjacente a todo este ruído de fundo que tem sido produzido à volta duma área que devia ser vista como um dos grandes sucessos da medicina moderna e, infelizmente, é tratada duma forma superficial, totalmente desprovida de base científica.

Não podemos esquecer que o que nos tirou das trevas da Idade Média foi a aplicação do método científico, que ainda hoje é usado como base de qualquer investigação médica e que permitiu os resultados absolutamente extraordinários em ganhos de saúde que hoje usufruímos.

A comparação que me ocorre como mais aproximada à discussão distorcida que se tem observado recentemente seria se puséssemos em causa o efeito e impacto extraordinários que os antibióticos e as vacinas tiveram na nossa civilização. Ou, se quisermos entrar num campo diferente, seria como dar palco aos grupos que por esse mundo fora ainda hoje discutem se de facto alguma nave alguma vez aterrou na Lua.

O mais grave no caso pendente é que temos toda a evidência que a suspensão de estatinas nos doentes que têm indicação para as tomar aumenta de forma significativa o número de eventos que estas pessoas vão sofrer, ou seja, infelizmente, vai morrer muita gente por dar ouvidos a quem não deve.

Esta é a principal razão que me leva a escrever este texto, ou seja, contribuir para que se lance luz onde alguns parecem querer lançar confusão.

Que fique bem claro para todos: a comunidade médica mundial não tem dúvidas nenhumas sobre o que significou o avanço extraordinário no uso de estatinas no combate ao flagelo das doenças cardiovasculares, essas sim ainda o nosso inimigo principal.

FAUSTO J. PINTO

Professor e director da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa; director do Serviço de Cardiologia e Departamento Coração e Vasos do Centro Hospitalar Lisboa Norte; presidente da Sociedade Europeia de Cardiologia (2014-16)

Valores de referência para o# Colesterol

Postado em

Drª. Ana Luiza Lima
Cardiologista

​O colesterol total deve ser sempre abaixo de 200 mg/dL. Ter o colesterol total alto nem sempre significa que a pessoa está doente, pois ela pode ter um valor elevado de colesterol bom (HDL), o que também faz subir os valores do colesterol total. Assim, deve-se sempre levar em consideração os valores do colesterol HDL (bom), do colesterol LDL (ruim) e o dos triglicerídios para analisar o risco da pessoa de desenvolver doenças cardiovasculares.

Os sintomas do colesterol alto só se manifestam quando seus valores são muito elevados. Por isso, após os 20 anos de idade recomenda-se realizar exames de sangue para o colesterol pelo menos a cada 5 anos em indivíduos saudáveis e de forma mais regular, pelo menos 1 vez por ano, por quem já tem o diagnóstico de colesterol alto, quem tem diabetes ou quem está grávida, por exemplo. Os valores de referência para controle do colesterol no sangue variam de acordo com a idade e o estado de saúde.

Tabela de valores de referência para o colesterol

​Confira na tabela abaixo os valores de referência do exame de sangue do colesterol de acordo com a idade.

Colesterol Total Adultos maiores de 20 anos Crianças e adolescentes
Desejável menor que 200 mg/dl menor que 150 mg/dl
Máximo entre 200-239 mg/dl entre 150-169 mg/dl
Alto maior que 240 mg/dl maior que 170 mg/dl
Colesterol LDL (ruim) Adultos maiores de 20 anos Crianças e adolescentes
Ótimo menor que 100 mg/dl
Desejável entre 100-129 mg/dl menor que 100 mg/dl
Máximo entre 130-159 mg/dl entre 100-129 mg/dl
Alto entre 160-189 mg/dl maior que 130 mg/dl
Muito alto maior que 190 mg/dl
Colesterol HDL (bom) Adultos maiores de 20 anos Crianças e adolescentes
Desejável maior que 60 mg/dl maior que 45 mg/dl
Baixo menor que 40 mg/dl

Os valores de referência do exame de sangue do colesterol para diabéticos são diferentes porque têm que ser ligeiramente inferiores: colesterol total menor que 200 mg/dl, colesterol LDL (ruim) menor que 100 mg/dl, colesterol HDL (bom) maior que 45 mg/dl, e triglicerídeos menor que 150 mg/dl. Além disso, deve;se ficar atento aos valores do colesterol VLDL, um tipo de gordura que aumenta o risco de aterosclerose.

Triglicerídeos Adultos maiores de 20 anos Crianças e adolescentes
Desejável menor que 150 mg/dl menor que 100 mg/dl
Máximo entre 150-200 mg/dl entre 100-129 mg/dl
Alto entre 200-499 mg/dl maior que 130 mg/dl
Muito alto maior que 500 mg/dl

Os resultados do exame do colesterol devem ser sempre observados pelo médico para que ele avalie a necessidade e o tipo de tratamento.

Se você está com o colesterol alto veja o que pode fazer para baixar estes valores no vídeo a seguir:

Imagem ilustrativa do vídeo: Remédio Caseiro para Colesterol

Valores de referência do colesterol na gravidez

Durante a gravidez os valores de referência do colesterol ainda não estão estabelecidos, por isso as mulheres grávidas devem se basear pelo valores de referência de adultos saudáveis, mas sempre com acompanhamento médico. Durante a gestação, os valores do colesterol normalmente estão elevados, especialmente no segundo e no terceiro semestre. Mulheres que têm diabetes gestacional devem ter atenção redobrada, pois seus níveis de colesterol tendem a subir ainda mais.

Porque deve-se manter os valores ideais do colesterol

Deve-se manter os valores ideais do colesterol porque ele é importante para a saúde das células e pra produção de hormônios. Cerca de 70% do colesterol presente no organismo é produzido pelo fígado e o restante é proveniente da alimentação, e somente quando o corpo possui mais colesterol do que precisa, é que ele passa a ser depositado no interior das artérias, diminuindo a passagem de sangue e favorecendo o aparecimento de problemas cardíacos.

El consumo de grasa no debe superar el 30 o el 35% de las calorías consumidas

Postado em

No sólo es importante la cantidad de grasas que se consumen, sino también la calidad.

La Sociedad Española de Endocrinología y Nutrición (SEEN) ha informado de que el consumo de grasa no debe superar el 30 o el 35% de las calorías consumidas.

“Para una dieta media de 2.000 kilocalorías (Kcal), el contenido calórico procedente de las grasas sería de aproximadamente 600-700 Kcal, lo equivalente a una toma diaria de aproximadamente 70-78 gramos de grasas”, ha explicado la experta del área de Nutrición de la SEEN, Emilia Cancer.

Asimismo, ha avisado de que no sólo es importante la cantidad de grasas que se consumen, sino también la calidad, dado que ambos factores determinan su efecto sobre la salud. “No debemos consumir grasas trans, y debemos reducir el consumo de grasas saturadas porque están directamente relacionadas con el aumento de colesterol en sangre, el desarrollo de ateroesclerosis y el aumento del riesgo de enfermedad cardiovascular, que es la principal causa de morbimortalidad en España”, ha señalado.

Concretamente, las grasas que se consumen proceden principalmente de diversos alimentos de origen animal y vegetal, donde se encuentran en diferentes proporciones, pero “no todas ellas son igual de necesarias”.

En este sentido, las grasas saturadas se encuentran en alimentos de origen animal, como carnes, embutidos, leche y sus derivados. También están presentes en aceites de origen vegetal, como los aceites de coco o de palma, que se consumen a través de bollería industrial, aperitivos salados y productos transformados, principalmente.

“El consumo de grasas saturadas favorece un aumento de los niveles de colesterol en sangre, en concreto del LDL colesterol, también llamado colesterol ‘malo’. Los alimentos ricos en grasas saturadas deben formar parte del vértice de la pirámide de la alimentación saludable y, por lo tanto, solo deberían consumirse de forma esporádica, ya que no debe superar el 9-10% de la ingesta calórica diaria total”, ha avisado.

Por su parte, las grasas insaturadas se encuentran en alimentos de origen vegetal, como los aceites vegetales: aceite de oliva, girasol o maíz. A su vez, se clasifican en grasas monoinsaturadas, presente especialmente en el aceite de oliva, donde puede alcanzar hasta un 75-80%; poliinsaturadas, que son los omega 3, 6 y 9 y cuya recomendación en una dieta saludable es del 6-10% de las calorías totales; y las trans, que se producen durante la elaboración de las margarinas y grasas de repostería, como resultado de la hidrogenación parcial o total de aceites vegetales o de pescado insaturados.

“El consumo de ácidos grasos trans provoca en el organismo un efecto más negativo que la grasa saturada, ya que aumenta los niveles de LDL colesterol y triglicéridos y también reduce HDL colesterol en sangre, también llamado colesterol ‘bueno’, favoreciendo el riesgo de padecer enfermedades cardiovasculares, Por ello, se debe mantener una ingesta lo más baja posible, por lo que se recomienda consumir menos del uno% de las calorías totales de la dieta”, ha apostillado la experta.

6 PASSOS PARA REDUZIR O COLESTEROL EM TRÊS SEMANAS  

Postado em

heart-health-1

A boa notícia é que a grande maioria pode reduzi-lo.

Mais de 50 por cento dos adultos portugueses até aos 35 anos têm colesterol elevado. E muitos não sabem. Quem o garante é a Sociedade Portuguesa de Cardiologia, que lhe ensina agora como combatê-lo.

1 MANTENHA-O SOB VIGILÂNCIA
Sabe qual o valor do seu colesterol? O primeiro passo para o reduzir é saber que precisa de o fazer. Para isso, tem de o avaliar. Ao contrário de outros fatores de risco, o colesterol é um inimigo quase sempre muito silencioso. Sem sintomas. Estima-se que cerca de 50 por cento da população portuguesa adulta até aos 35 anos tenha o colesterol elevado, mas a grande maioria não o sabe. Um dos mitos que ajudam a promover este desconhecimento é a ideia feita – embora errada – de que as pessoas jovens ou magras não têm colesterol. A tendência é começar a avaliar o colesterol cada vez mais cedo – pode mesmo começar- se o controlo na infância, se existir história familiar de doença cardíaca ou pais com colesterol alto precocemente.

2 SOMOS (MESMO!) O QUE COMEMOS
As gorduras saturadas e as gorduras trans atuam diretamente na subida dos níveis de colesterol LDL (o colesterol mau) e, pelo contrário, as gorduras insaturadas aumentam os níveis de colesterol HDL (o colesterol bom). Através da alimentação, ao reduzir a frequência e quantidade de consumo de carnes vermelhas, produtos de pastelaria, lacticínios gordos e alimentos fritos e, paralelamente, aumentando o consumo de fruta, legumes, leguminosas e cereais integrais, é possível mudar os valores de colesterol bom, mau e total. Além de observar as indicações da roda dos alimentos, uma das melhores referências a ter em atenção é que não existe colesterol nos produtos de origem vegetal.

3 ESTERÓIS VEGETAIS, ESSES AMIGOS PRECIOSOS
Os esteróis vegetais – extratos naturais das plantas que têm uma estrutura muito semelhante ao colesterol – bloqueiam a absorção do colesterol pelo organismo. Os alimentos enriquecidos com esteróis vegetais são recomendados por várias instituições mundiais de referência como a World Heart Federation, a British Heart Foundation e a Organização Mundial de Saúde como uma medida indispensável para a redução do colesterol total e do mau colesterol (colesterol LDL). Vários estudos têm demonstrado que dois gramas diários (barrados no pão, ingeridos num iogurte) podem descer o colesterol em cerca de 7 a 10 por cento e em apenas duas a três semanas – se acompanhados de um estilo de vida saudável.

4 CORRA MAIS, FUME MENOS – OU NÃO FUME
A Sociedade Portuguesa de Cardiologia é perentória: a atividade física pode salvar-nos a vida. Exercitar o corpo durante meia hora, no mínimo, vários dias por semana, tem um papel fundamental no controlo e prevenção de fatores de risco cardiovascular, como a pressão arterial alta, a obesidade e, claro, o colesterol elevado. O tipo de exercício físico mais adequado para cada um deve ser discutido com o médico, de forma a ser ajustado às necessidades e às potenciais limitações. E os resultados podem ser bastante rápidos: muma semana é suficiente para começarem a sentir-se os benefícios. Outro ponto de partida essencial para intervir nos níveis de colesterol é parar de fumar. Além de ser o primeiro fator de risco modificável na morbilidade e mortalidade prematura, o tabaco, ao danificar as paredes arteriais, torna-as mais propensas a acumular depósitos de colesterol e intervém na diminuição do nível do colesterol bom.

5 MENOS STRESS
O stress é inimigo da saúde em geral e do coração em particular. Mesmo sem ser possível medi-lo com exatidão, a sua relação com o aumento da tensão arterial e com os níveis de colesterol é conhecida há muito. Os resultados de alguns estudos científicos mostram que quando somos submetidos a situações de stress podem acontecer subidas temporárias dos níveis de colesterol sanguíneo. Não só os níveis de ansiedade levam o fígado a produzi-lo em maiores quantidades como se for contínuo o organismo tem dificuldade em eliminá-lo da circulação sanguínea.

6 LEVE O PROBLEMA A SÉRIO
Estima-se que cerca de um quarto dos portugueses apresente colesterol de risco elevado (>240 mg/dl) e 45,1 por cento de risco moderado (190-239 mg/dl). Os números são preocupantes, mas um estudo europeu recente veio demonstrar que, de todos os que têm o colesterol elevado, apenas 27 por cento tomam medidas efetivas  na sua redução. Acompanhamento e apoio do médico são sempre aconselháveis, e, para quem tem o nível muito elevado (> 280 mg/dl), pode ser necessário recorrer a medicação, em complemento a cuidados relacionados com estilo de vida e dieta.

QUAIS OS NÍVEIS DE COLESTEROL RECOMENDADOS?
+ COLESTEROL TOTAL
Inferior a 190 mg/dL
+ LDL (COLESTEROL MAU)
Inferior a 115 mg/dL
+ HDL (COLESTEROL BOM)
Superior a 40 mg/dL em homens e 45 mg/dL em mulheres
+ TRIGLICÉRIDOS
Inferior a 180 mg/dL (com exceção dos diabéticos e dos obesos, em que se pretendem valores <150 mg/dL
+ COLESTEROL TOTAL/ COLESTEROL-HDL
(índice aterogénico) < 5

FONTE: SOCIEDADE PORTUGUESA DE ATEROSCLEROSE

Leia mais: 6 passos para reduzir o colesterol em três semanas http://www.noticiasmagazine.pt/2015/6-passos-para-reduzir-o-colesterol-em-tres-semanas/#ixzz4aRlHllBC
Follow us: @NoticiasMagazin on Twitter | noticiasmagazine on Facebook

Saiba Quais Frutas Secas Curam Cada Tipo de Dor

Postado em Atualizado em

“As frutas secas são como cápsulas cheias de nutrientes concentrados”, diz a título de spoiler o professor Jordi Salas-Salvadó, catedrático de Nutrição e Bromatologia da Universidad Rovira i Virgili (Tarragona) e pesquisador do CIBER de Obesidade e Nutrição do Instituto Carlos III. E acrescenta: “São ricos em gordura de origem vegetal, mais saudável do que muitas das de origem animal. Alguns desses frutos contêm também ácido alfa-linolênico (do tipo ômega 3), benéfico para a prevenção cardiovascular”.

Estamos, portanto, diante de um alimento muito completo, que a Organização Mundial de Saúde (OMS) inclui entre os recomendáveis “para uma dieta saudável”.

Mas, o consumimos suficientemente? Para Francisco Botella, chefe do serviço de Endocrinologia e Nutrição do Hospital de Albacete e membro do comitê gestor da Sociedade Espanhola de Endocrinologia e Nutrição(SEEN), o problema não é tanto que o consumimos pouco, mas que o consumimos mal: “Ainda que façam parte da dieta mediterrânea, normalmente comemos como aperitivo, ou seja, fritos e com sal, e isso representa um excesso à alimentação normal. São saudáveis quando os incorporamos no preparo habitual dos alimentos. Por exemplo, acrescentando-os a verduras ou saladas”.

Qual seria a dose apropriada?

A Fundación del Corazón propõe “até cerca de 50 gramas de frutas secas” como quantidade adequada todos os dias. E não convém deixá-las de lado: ainda que não emagreçam, nem curem sozinhas alguma doença, nem tenham, é claro, propriedades milagrosas, as frutas secas podem ser um complemento muito válido para combater uma ampla gama de doenças e suprir certas necessidades físicas.

De fato, estão associados a uma menor mortalidade de qualquer tipo, segundo a Universidade de Maastrich (Holanda).

Então, vamos colocar dessa forma: diga-nos onde dói que lhe diremos qual é a fruta seca que você precisa.

Tenho colesterol alto: nozes, avelãs e amêndoas

Se existe um benefício maior das frutas secas é sua contribuição para a saúde cardiovascular. “As amêndoas e avelãs contêm ácidos graxos monoinsaturados, essenciais porque ajudam a controlar os níveis de colesterol no sangue”, diz Marta María Suárez, presidenta da Associação dos Nutricionistas de Madri (ADDINMA).

 

“Um consumo de 60 gramas por dia reduz em 7,8% os níveis de colesterol ”, afirma o professor Salas-Salvadó. Segundo o especialista, as nozes são o único fruto seco com óleos poli-insaturados do tipo ômega 3, os quais, além de reduzirem o colesterol, diminuem a pressão arterial e previnem outras doenças do coração, como publicou a *Universidade de Maryland *(EUA).

As avelãs diminuem os níveis de homocisteína, um aminoácido que pode danificar o revestimento das artérias (a Universidade Hacettepe, da Turquia, referenda o dado). E um estudo finlandês afirma que os flavonoides (que se encontram na pele das amêndoas) também cuidam do coração.

Estou constipado: pistaches, macadâmias e nozes

Possivelmente, você já ouviu falar do efeito quase vulcânico das ameixas secas sobre os intestinos, origem de sua merecida fama de inimiga da constipação. É por seu alto teor de fibra (7,1%). Pois bem, você sabia que os pistaches têm uma porcentagem ainda maior, de 10,6%? Em seguida vêm as nozes (6,5%) e as nozes de macadâmia (5,3%), tudo segundo a base de dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. As dietas ricas em fibras vegetais, além disso, podem reduzir o risco de câncer de cólon, como afirmam na Universidade de Toronto(Canadá).

Tenho sobrepeso: amêndoas, avelãs e nozes

Ao contrário do que se pensa, as frutas secas, em quantidades razoáveis, não são contraindicadas em casos de sobrepeso. “Percebeu-se que quem as consome com frequência tem menos risco de ganho de peso e de desenvolver a obesidade com o tempo”, afirma Jordi Salas-Salvadó.

Em 2008, pesquisadores norte-americanos de várias universidades revisaram estudos anteriores, avalizando este dado. Deve-se, sobretudo, a seu índice de saciedade.

“Se ingerimos uma quantidade de calorias na forma de frutas secas voltaremos a ter fome bem mais tarde do que se ingerimos essa mesma quantidade de calorias em outro tipo de alimento”, afirma o doutor Francisco Botella.

“Os frutos secos oleosos, amêndoas, avelãs e nozes, sobretudo, são os mais valorizados dentro de um plano de alimentação, especialmente pela qualidade da gordura que oferecem”, afirma Marta María Suárez.

Estou grávida: amendoins e avelãs

Esperando um bebê? Seguramente seu ginecologista lhe terá receitado ácido fólico (segundo a CDC, previne defeitos durante as primeiras semanas de gestação). Nesse caso, fique amiga dos amendoins e das avelãs. Os primeiros contêm 145 µg de folato (a forma natural do ácido fólico) em cada 100 gramas e, os segundos, 113.

Também não despreze as nozes, com 91. As amêndoas, por sua vez, apenas 22. Uma vez que a ingestão diária recomendada em adultos é de cerca de 200 a 400 µg (segundo a Faculdade de Farmácia da Universidade Complutense de Madri), a contribuição destas frutas é considerável. Mas, sem dúvida, não substituem o tratamento prescrito por seu médico.

Sou diabético: castanha de caju, amêndoas, pinhões e pistaches

“As frutas secas contribuem com uma quantidade importante de oligoelementos (minerais de que necessitamos em pequenas quantidades): magnésio, manganês, cálcio, fósforo, ferro, potássio, zinco, cobre e selênio”, enumera a nutricionista Marta María Suárez.

Vamos nos concentrar no magnésio, presente mais abundantemente nas castanhas de caju (292 mg / 100 g), amêndoas (270 mg) e pinhões (251 mg): “É bom contra a resistência à insulina, o que evitaria o desenvolvimento do diabetes”, explica Jordi Salas-Salvadó.

Cientistas da Escola Pública de Saúde de Harvard (nos EUA) descobriram uma relação inversa entre a ingestão de magnésio e o risco de diabetes, recomendando que se aumente o consumo de alimentos que os contêm, entre eles as frutas secas.

Os *pistaches têm o recorde de potássio (1.025 mg), cuja carência é um fator de risco para o diabetes, segundo a *Universidade de Duke.

Quero prevenir a demência: amêndoas e avelãs

O professor Salas-Salvadó destaca a importância das frutas secas na prevenção da perda cognitiva, provavelmente em consequência de tudo o mais: “se protege do diabetes, da hipertensão, não engordam, melhoram a função do endotélio (tecido interno do coração e dos vasos sanguíneos) e a oxidação e inflamação, está favorecendo a função cognitiva”.

Agradeça também à vitamina E, que se associa a uma menor perda cognitiva pela idade, segundo um relatório dos hospitais Rush, Presbyterian e St. Luke, em Chicago (EUA). Amêndoas (25,6 mg) e avelãs (entre 15 e 17,5 mg) são os frutos que mais as contêm.

Minha pele está sem vida: amêndoas e avelãs

A qualidade antioxidante das frutas secas influi em todas as células do organismo, incluindo as da pele: neutralizam os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento.

“A vitamina E é fundamental para a manutenção de uma pele saudável”, afirma a Universidade de Oregon (EUA). É fotoprotetora, anti-inflamatória e contribui para cicatrizar ferimentos, entre outros benefícios. Como já vimos, este micronutriente aparece, principalmente, em amêndoas e avelãs.

Sofro com menstruações difíceis: pistaches

Dor, irritabilidade? As frutas secas podem aliviar. As vitaminas do grupo B são benéficas no tratamento dos sintomas da síndrome e da tensão pré-menstrual, segundo um estudo do Hospital North Staffordshire (Reino Unido). E sim: as frutas secas também incorporam importantes quantidade dessas importantes vitaminas. Opte pelo pistache, que, com 1,7 mg / 100 g, é o rei da vitamina B6.

Quero render mais no esporte: amêndoas

Em 2014, pesquisadores do Instituto Nacional de Medicina Desportiva da China fizeram um estudo curioso: pediram a um grupo de oito ciclistas bem treinados e a dois triatletas que consumissem 75 gramas de amêndoas por dia. E em seguida conduziram um acompanhamento de suas evoluções em uma pista de ciclismo, em sessões de 20 minutos. Depois de 10 semanas, tinham aumentado a distância percorrida nesse período de tempo em 1,7 quilômetros em média.

As amêndoas, concluíram, “regulam as reservas de carboidratos, a capacidade antioxidante, o transporte de oxigênio e o metabolismo”. Um doping legal, vamos dizer.

Tenho dor nos ossos: amêndoas e pinhões

Os frutos secos são “uma alternativa para complementar o cálcio da dieta; este interfere na mineralização óssea e na contração muscular. As amêndoas são as frutas secas que mais contribuem com cálcio”, explica Marta María Suárez. Com 269 mg de cálcio em cada 100 gramas, as amêndoas não têm rival.

Enquanto isso, os pinhões são ricos em zinco (6,45 mg) e este mineral pode favorecer a formação dos ossos (importante na idade de crescimento), estimulando a criação de células e a atividade das fosfatases (enzimas com alta presença nos ossos), segundo conclui um estudo da Universidade de Andong (Coreia).

Fonte: El País