Bullying

Aumento de la adultización entre niños cada vez más pequeños

Postado em

Este fenómeno puede derivar en violencia, bullying o juegos como ‘la ballena azul’.

La adultización se define como un cambio en las características de la primera identificación del niño con sus padres, modificando su comportamiento o modo de pensar. Un fenómeno que cada vez se produce en niños más pequeños, según ha alertado la terapeuta Verónica Rodríguez Orellana, quien alerta de que este fenómeno puede derivar en violencia, bullying o juegos como ‘la ballena azul’.

Rodríguez Orellana, quien es directora de Coaching Club, explica que “cada vez es mayor la cantidad de niños cada vez más pequeños medicados después de ser diagnosticados con nuevas sintomatologías psíquicas, como las mutismo selectivo, el mutismo selectivo, las conductas negativistas y desafiantes, las conductas compulsivas y obsesivas”.

“Toda esta realidad tiene conexión con la vulnerabilidad de los adolescentes que se fugan de su hogar, comienzan juegos extraños que acaban con sus vidas como el conocido de ‘la ballena azul’ o que se suicidan por situaciones de bullying”, explica la experta para quien la imitar precozmente actitudes de los adultos puede traducirse además en rasgos de rigidez y fanatismo, de dificultad de percibir, aceptar e integrar al otro como alguien diferente, de incapacidad para tolerar la frustración, de hiperexigencia, de falta de represión y límites, de extrema vulnerabilidad.

Según explica esto es consecuencia de que el niño se “mimetiza masivamente con sus padres, se confunde con ellos, con su lugar y con sus historias, los copia como si estuviera frente a un espejo sin que interfiera el proceso de represión que existía hasta hace medio siglo”.

Aunque no se trata solo de identificarse con algunos rasgos de los padres como ha ocurrido siempre, “sino también de mimetizarse masivamente con ellos, con su lugar y sus historias. Por eso se ha perdido el carácter lúdico de imitación que siempre existió, el niño ya no juega a ser un adulto sino que cree ser un adulto, se confunde con el adulto”.

Esto no se advierte solamente en la forma de hablar, pensar y actuar adultizada de los niños sino que les afecta en muchísimos otros aspectos como por ejemplo, en la autoexigencia o sobreexigencia desmedida con que se juzgan a sí mismos o a los demás. “Las reacciones ante otras personas o determinadas circunstancias y especialmente a la insistencia del adulto, ya que se sienten desvalorizados o humillados en su posición. Estos niños llegan a sufrir una gran intolerancia a la frustración, ya que deberían poderlo hacer todo lo que hace un adulto a pesar de tratarse de niños de entre 6 y 15 años”, añade.

World Medical Association to tackle widespread harassment in the medical workplace

Postado em

The WMA Council will present a new policy document on the issue to the October meeting of the General Assembly.

The World Medical Association is to take steps to address bullying in the medical workplace.

It comes after almost 200 delegates attending the Council’s annual meeting in Zambia last week heard there is “good evidence that disruptive and inappropriate behaviour and harassment were widespread in the medical workplace”, and occur across all specialties and at all levels of seniority.

Further evidence of such endemic bullying is documented in the medical literature, with one recent study published in theJournal of Women’s Health reporting 10 per cent of primary care doctors acknowledged bullying someone in the workplace, while 30 per cent had been personally bullied in the workplace. Compared to men, female primary care doctors were more likely to report being bullied overall and, specifically, to experience having their opinions ignored, lack of recognition for good work, feeling pressured not to claim rightful benefits, and being given unmanageable workload.
A proposed statement on bullying and harassment in the medical profession was brought before the Council by the New Zealand Medical Association. The Council has now agreed to prepare a new policy document on the issue which will be presented to the General Assembly for adoption in October.

Timidez e Fobia Social: uma máscara de todos os dias

Postado em

Em muitas situações na vida, sentimo-nos humilhados, desvalorizados e sem importância no meio social. Nestes momentos, podemos acreditar que somos inferiores e que somos alvo fácil de chacota e risos. E, para evitar isso, fugimos. Mas começamos a fugir a um contacto social imprescindível para a nossa segurança e bem-estar.

Quem cora de forma evidente ou apresenta outro sintoma físico desagradável, tem medo de se expor, na tentativa de não ser observado de uma forma negativa, de não ser criticado nem gozado pelo seu sintoma. Outros sintomas físicos limitadores do contacto social são as tremuras, a flatulência, a gaguez ou outros comportamentos impulsivos e atípicos, bem como marcas e características físicas anormais.

A timidez é um estado de medo que nos limita o contacto social.

máscara dourada de metal com ar desgatadoO medo, por sua vez, é uma emoção que sentimos sempre que acreditamos que vamos ter experiências que nos trarão dor, e acreditamos nisso por análise e comparação das experiências semelhantes do passado. Se, no passado, o contacto social nos trouxe dor, reagimos agora instintivamente a essa dor, fugindo, evitando esse contacto.

Algumas pessoas vivem experiências traumatizantes, como o Bullying na escola, as agressões físicas, humilhações sofridas na infância e na adolescência, críticas e pressões por parte de pais e educadores, e, ao sofrer muito com isso, acreditam que as pessoas as magoam e que devem fugir do contacto social para não se sentirem ameaçadas.

Estas experiências podem condicionar seriamente a vida das pessoas e impedir uma vida completa e realizada. Serão limitantes enquanto valorizamos as experiências que, no passado, nos deram dor, ou as que hoje nos embaraçam.

Para solucionar este problema, é essencial um acompanhamento profissional que encontre as causas inconscientes deste comportamento, mesmo as oriundas da infância, e assim permita libertarem-se dos medos da exposição social e encontrarem tranquilidade e harmonia neste contacto.

Fonte: Clinica da Mente. Porto

El 60% de los niños que sufren acoso escolar no quieren contarlo

Postado em

El 10% de los niños acosados se autolesionan.

El 10% de los niños acosados se autolesionan.

O no dicen nada o cuentan muy poco a sus familiares, la mínima parte de lo que están sufriendo. Así se comporta el 60% de los niños que sufren acoso escolar, según ha afirmado el director general de Educación Infantil, Primaria y Secundaria de la Comunidad de Madrid, Juan José Nieto, durante la presentación de la campaña #AventuraC95StopBullying.

Nieto explicó que contar el maltrato que padecen no es chivarse, sino defender sus derechos y buscar ayuda para conseguirlo.

El sargento de la Guardia Civil especialista en ciberacoso, Pedro José Corrales, incidió en que Internet multiplica el número de acosadores.

Respecto al perfil de éstos, indicó que existen jóvenes que hacen la vida imposible a los acosados 24 horas al día, pero también hay acosadores mayores que se ponen en contacto con los jóvenes para pedirles materiales de carácter sexual con los que después les chantajean.

Para evitarlo, pidió a padres y profesores que extremen el cuidado en la utilización de la red por parte de los jóvenes, y a éstos les pidió mayores dosis de responsabilidad.

Por su parte, la coordinadora nacional adjunta del Plan Director para la Convivencia Escolar de la Policía Nacional, Isidora Cortés, recordó que en 2016 impartieron más de 26.500 charlas para prevenir y erradicar el maltrato escolar.

El director de Programas de la Fundación ANAR, Benjamín Ballesteros, aseguró que el teléfono de la fundación recibe unas 1.000 llamadas al día, muchas de ellas relacionadas con acoso escolar.

En estas llamadas, continuó, un 10% de los niños acosados indican que se autolesionan, que están deprimidos y que piensan incluso en el suicidio. También señaló que el 70% de los niños que sufren ‘bullying’ tardan más de un año en recibir auxilio.

El mal uso de redes sociales puede agravar el acoso escolar de los adolescentes con Asperger

Postado em

Entre un 60 y un 90% de los escolares con Asperger ha sufrido algún tipo de acoso escolar, fundamentalmente entre los 11 y los 14 años.

Entre un 60 y un 90% de los escolares con Asperger ha sufrido algún tipo de acoso escolar, fundamentalmente entre los 11 y los 14 años.

El mal uso de las redes sociales en una etapa de “especial vulnerabilidad” como la adolescencia puede agravar las situaciones de acoso escolar y aislamiento social de las personas con síndrome de Asperger.

Así lo creen los expertos de la Fundación María José Jove de A Coruña que participaron en una jornada organizada por Asperga que, bajo el título “Asperger y adolescencia. Estrategias para adolescentes y familias”, pretende abordar aspectos como el bullying, la sexualidad o el uso de las redes sociales en una etapa “ya de por si compleja para la mayoría de las personas, pero todavía más para aquéllas que presentan un trastorno del espectro autista”.

Planteada con un enfoque muy práctico, esta actividad ha congregado a más de 70 personas, entre las que se cuentan jóvenes con síndrome de Asperger, familias y educadores.

“En el período adolescente, en el que la interacción y comprensión del mundo social resultan esenciales, las personas con síndrome de Asperger se encuentran en una situación de especial vulnerabilidad”, explican desde Asperga, que pretenden con este encuentro “hacer hincapié en aspectos que preocupan” a las familias y a los afectados.

Verónica Santiso, directora de Asperga, ha incidido en la necesidad de “dotar a los propios adolescentes y a los educadores de aquellas estrategias” que les permitan “abordar los obstáculos de esta etapa de manera satisfactoria”.

Entre un 60 y un 90% de los escolares con Asperger ha sufrido algún tipo de acoso escolar, fundamentalmente entre los 11 y los 14 años. Esto se ve empeorado, apuntan los expertos, por la mala utilización de las nuevas tecnologías, que también puede contribuir a agravar el aislamiento social.

El secretario de la Asociación Agalure, Gerardo Rodríguez, ha ofrecido a los participantes en la jornada un taller destinado a padres, madres y educadores, para ver cómo identificar el uso, abuso o adicción a las nuevas tecnologías y las redes sociales.

Posteriormente, el experto ha impartido una actividad para adolescentes en la que ha abordado de manera “clara y práctica” los riesgos que entrañan las diferentes redes sociales, páginas y aplicaciones que emplean día a día, proponiendo herramientas y estrategias que mejoren su control y actúen en la prevención de conductas inadecuadas.

Anorexia: a dor secreta

Postado em

mulher anorética olha-se no espelho e vê um reflexo de si gorda
Anorexia Mirror, Ross Brown

Não posso comer. Não vou comer. Se logo fizer mais exercício poderia comer agora… mas se agora não comer e logo fizer exercício, serão menos calorias a engordar-me!

Tenho fome. Sinto-me fraca. Sonho com comida. Mas não posso. Tenho de estar em controlo.

Controlo o meu peso, controlo a minha vida. Desde que faço dieta que tudo o que me aconteceu de mau no passado deixou de me afetar tanto. Sinto que nada de errado me pode acontecer agora. Estou protegida. A minha dieta e a minha perda de peso são a fonte da minha felicidade.

Se eu emagrecer mais um pouco, vou sentir-me melhor, mais feliz. Se eu for magra, realmente magra, as pessoas vão gostar mais de mim.

Fazer a mais pequena tarefa é duro, sempre com fome, sempre cansada. Mas eu sorrio, sorrio sempre, centenas, milhares de selfies sempre a sorrir, sorriso para a família, para os amigos, para os colegas, “estou ótima!”.

Penso obsessivamente em comida, naquilo que gostaria de comer, naquilo que comi, e conto precisamente cada caloria ingerida. As minhas rotinas tornam-se extremas para evitar momentos de tentação.

O meu estômago faz barulho, todos me perguntam se estou bem, o meu corpo dói e começa a falhar… Mas comer é que é falhar. Falhar o meu projeto, a minha missão. É colocar-me em risco, porque quando não fazia dieta as coisas más aconteciam. Agora estou segura, agora controlo.
E se emagrecer mais um pouco serei totalmente feliz.

O que é a anorexia?

A anorexia é uma perturbação no comportamento alimentar que afeta especialmente jovens mulheres. Caracteriza-se por um controlo extremo do peso corporal e por uma gravíssima restrição alimentar. O termo anorexia tem origem na língua grega e é formado por dois vocábulos: a/an (uma negação) e orégo (“apetecer”) – então, anorexia é a negação do desejo de comer.

A problemática da Anorexia não é tão visível nos homens porque o ideal de beleza e felicidade do corpo masculino não é a magreza, mas sim os músculos. Estes comportamentos excessivos de busca pelos músculos perfeitos pelos homens constitui um distúrbio mental chamado de vigorexia.

A nossa sociedade representa, como ideal de beleza e felicidade, mulheres magras, que expõem o seu corpo magro e que usam roupas justíssimas, mostrando as suas formas. Assim, qualquer jovem mulher, em busca do seu estilo e enquadramento social, acredita que deve ser magra para ser feliz e apreciada pelos outros.

Desta forma, qualquer jovem mulher em busca do seu estilo e enquadramento social acredita que deve ser magra para ser feliz e apreciada pelos outros.

A única forma de não se engordar é restringindo a ingestão de alimentos e fazendo exercício físico. Por isso, quem quer emagrecer sabe a receita: comer pouco e fazer ginástica.

O problema do emagrecimento é que a ginástica cansa e comer pouco faz com que a fome apareça e com ela a vontade em comer, que nos cria verdadeiras obsessões por comida… e quase todos cedemos à vontade e comemos alimentos que nos fazem falta à boa manutenção do nosso corpo, da nossa vida. Este ímpeto de comer, pode se em excesso provocar outros distúrbio alimentares e com isto outro problema muito grave: a obesidade.

Então, o que pode levar alguém a conseguir ultrapassar a fome e rejeitar quase por completo a ingestão de comida?

A infelicidade absoluta.

Muitas mulheres, ao sentirem-se extremamente infelizes com o contacto social – por bullying, rejeição social, difamações e outros tipos de ofensas e agressões – acreditam que a causa da sua infelicidade é o seu próprio corpo.

Na verdade, a infelicidade sentida em nada tem a ver com a forma do nosso corpo, mas sim com as agressões e ofensas que sentimos no ambiente que nos rodeia. É muito frequente as pessoas mais gordas serem gozadas e humilhadas pelos seus colegas, mas o problema não é o corpo, são as pessoas sem formação cívica que querem encontrar força na fraqueza dos outros, rebaixando e diminuindo a autoestima das suas vítimas.

Quem sofre essas angústias, acreditando que se não fossem tão gordas teriam outras oportunidades e outro tipo de relacionamentos sociais, pode desenvolver uma aversão absoluta ao seu corpo, e desenvolver profundos problemas na relação com o peso e a imagem.

E começa o processo de Anorexia…

Assim, se o problema é o peso, a solução parece simples: EMAGRECER… Mas emagrecer a todo o custo, porque a infelicidade e a angústia que se sente pela imagem de um corpo gordo é insuportável. O que alimenta a anorexia é a angústia. Esta angústia é tão forte que a fome é uma mera sensação desprezível.

As mulheres que sofrem com este processo mental sentem pela primeira vez que têm controlo da sua felicidade e que esta está ao seu alcance, pois basta emagrecer, e para emagrecer já se conhece a receita: Não comer e fazer ginástica.

Começa um processo diabólico onde a loucura toma conta do processo. Loucura porque não comer é uma loucura, prejudicando a saúde física para alcançar uma mentira. A mentira é a certeza que sendo magras serão felizes. Contudo, mesmo emagrecendo, estas mulheres continuam infelizes, mas a receita continua… “se não estou feliz é porque ainda não estou magra o suficiente…” e o processo não para.

O problema continua, porque não se é feliz quando se atinge o objetivo, mas sim trabalhando para o alcançar. As mulheres em processo de anorexia acabam por desenvolver uma semi-felicidade porque se sentem motivadas pelo caminho que estão a fazer… sentem-se a cumprir um objetivo e a consegui-lo. Primeiro começam a ver os ossos do seu corpo, depois começam a contar as calorias dos poucos alimentos que consomem e a conseguir os seus objetivos de redução, depois conseguem disfarçar o comportamento e a família não nota, mais uma vitória, depois começam a sentir os ossos nas cadeiras onde se sentam…

Este processo de conseguir objetivos cria um estado positivo de alguma satisfação e que valida o caminho da felicidade que tanto buscam… mas lá no fundo a angústia continua a alimentar este processo destrutivo.

Vários estudos apontam para um número: 20% das mulheres anoréticas morrem à fome, e quase todas as outras irão sofrer ao longo da vida muitas sequelas pelos anos que passaram neste processo.

E o tratamento?

Uma terapia eficaz remete para o tratamento da causa desta infelicidade extrema. O objetivo da psicoterapia é o de ajudar as mulheres a resolverem os seus problemas de autoestima, de timidez e todas as outras agressões vividas que as fazem sentirem-se infelizes.

Após uma intervenção psicoterapêutica, é esperado que as pessoas se sintam mais tranquilas com elas próprias, com a própria imagem do corpo, conseguindo ter a perceção de que o corpo não era o problema, mas sim uma forma concreta de conseguir controlar o sofrimento sentido pelas experiências do passado.

Fonte: Clinica da Mente. Porto

Saúde Mental nas Crianças

Postado em

Saúde Mental nas Crianças

Perturbações mentais são todos os conflitos emocionais que a criança tem que lhe trazem infelicidade.

Existem três fatores que condicionam o bem-estar mental da criança: Fatores Ambientais, Emocionais (distúrbios) e Biológicos.

Fatores Ambientais:

A criança é um ser humano em formação. Ao longo dos seus primeiros 18 anos de vida, a criança apreende a cultura da sociedade no ambiente que a envolve.

Esta aprendizagem é fundamental para um correto enquadramento social. Só somos felizes se os nossos comportamentos não entrarem em conflito com a sociedade. Então, só a correta aprendizagem dos valores e crenças, ou seja, da cultura do nosso povo, nos deixa sentir seguros e integrados.

Por processos de aprendizagem errados, tais como a convivência familiar desestruturada, falta de disciplina, bullying e as mais diversas formas de violência e agressões, as crianças desenvolvem valores e crenças errados que os tornam diferentes dos outros, com comportamentos que os isolam da sociedade, que dificultam a integração social, criando conflitos internos como a Depressão, Ansiedade, Perturbações Obsessivo-Compulsivas, Fobia Social, entre outros.

Tratamento: Cabe aos tutores (Pais, familiares e professores) mudarem as circunstâncias ambientais que levam à perturbação do jovem, quer seja mudar a atitude educacional como capacitando o jovem com uma estrutura emocional mais reativa, adequada ao ambiente em que ele vive. O tratamento psicoterapêutico é necessário na correção de estados já perturbadores.

Fatores Emocionais:

Tal como os adultos, as crianças podem desenvolver comportamentos perturbadores do seu bem-estar mental, como os Ataques de Pânico, Pensamentos Obsessivos e Depressão por Angústia, como resultado de distúrbios emocionais. Um distúrbio emocional acontece quando há uma má percepção da experiência que se vive. Estes erros de entendimento sobre o que sentimos podem levar a um distúrbio mental, em que sentimos sensações de mau estar contínuas sem razões aparentes, como a Perturbação Cíclica da Ansiedade (Ataques de Pânico) ou a Perturbação Cíclica da Angústia (Depressão por Angústia).

Tratamento: Intervenção Psicoterapêutica adequada na mudança de percepções das experiências vividas.

Fatores Biológicos:

A genética humana é semelhante entre os indivíduos. No entanto, nalguns seres humanos observam-se alterações genéticas que definem um padrão comportamental diferente dos demais. O cérebro, sendo um órgão do corpo humano, pode, em alguns indivíduos, desenvolver características diferentes.

Algumas crianças são diferentes no seu comportamento, por causa do seu diferente cérebro: estamos a falar dos jovens com Autismo, Asperger, Esquizofrenia, Demência, entre outras. Estas doenças do cérebro condicionam os comportamentos, desenquadrando a criança com o meio que a envolve, criando infelicidade e mau estar na criança.

Tratamento: O principal tratamento é aceitar essas crianças como diferentes, com características comportamentais próprias – mas crianças. Compreendendo a diferença e interagindo com as crianças respeitando as suas diferenças, estamos a criar crianças felizes. Não é isso que queremos? Crianças felizes?

Só nos fatores biológicos deverá ser admissível o uso de psicofármacos, pois nos casos de perturbações Ambientais e Emocionais, os psicofármacos apenas atuam nos sintomas, afetando a capacidade da criança de viver uma infância com energia e a vitalidade normal necessárias à correta aprendizagem.

Fonte: Pedro Brás, Psicoterapeuta HBM