-

Últimas notícias do evento

La ingesta de pan en pacientes renales les ayuda a nutrirse y compensar la carencia de otros nutrientes

Postado em

La desnutrición agrava la enfermedad.

La desnutrición agrava la enfermedad.

La ingesta de pan en pacientes renales les ayuda a nutrirse y compensar la carencia de otros nutrientes, según ha asegurado la presidenta de la asociación Alcer Madrid, Iluminada Martín-Crespo, con motivo de la celebración de la XIII Jornada de Enfermos Renales, organizada junto a la campaña ‘Pan Cada Día’.

Se trata de una fuente de energía presente en la dieta mediterránea y según los expertos se trata de un alimento básico dentro de la pirámide nutricional. Sus propiedades organolépticas y nutricionales están avaladas científicamente y se recomienda su ingesta en todas las edades.

“Los pacientes con enfermedad renal crónica pueden tener niveles elevados de sodio, potasio y fósforo, ya que sus riñones no elimina estos electrolitos a la velocidad adecuada. En su dieta diaria el pan es un alimento ideal, que les aporta hidratos de carbono complejos, proteínas, vitaminas y cantidades reducidas de potasio y fósforo y, si se trata de pan sin sal, muy poco sodio”, ha aseverado la experta.

Y es que, prosigue, la desnutrición aumenta el riesgo de agravar la enfermedad e incrementa la mortalidad de estos enfermos. Además, la experta ha recordado que la hipertensión y la diabetes son las principales causas de la enfermedad renal, algo que a veces se desconoce.

“Un tratamiento nutricional adecuado en pacientes con diabetes y/o hipertensión puede reducir ese riesgo o aplazar la aparición de la enfermedad renal”, ha apostillado la dietista-nutricionista de la organización, Rosa García Alcón.

Por tanto, en el menú diario del enfermo renal no debe faltar el pan y, por este motivo, desde ‘Pan Cada Día’ se han sumado a esta causa aportando raciones individuales de pan para todos los asistentes al taller de dietética-cocina de la jornada anual organizada por Alcer Madrid.

Anúncios

Un dispositivo intravaginal colocado en embarazadas permite a los fetos escuchar música

Postado em Atualizado em

Se coloca como si fuera un tampón y se conecta al teléfono móvil para comenzar a reproducir la música a 54 decibelios.

Se coloca como si fuera un tampón y se conecta al teléfono móvil para comenzar a reproducir la música a 54 decibelios.

Futuros bebés han podido disfrutar de un concierto de la cantante Soraya gracias a que sus madres se han colocado ‘Babypod’, un dispositivo, “seguro y muy fácil de usar”, que emite música en el interior desde la vagina.

Se coloca como si fuera un tampón y se conecta al teléfono móvil para comenzar a reproducir la música a 54 decibelios, intensidad equivalente a la de una conversación normal. Puede utilizarse a partir de la semana 16 de gestación y, aunque no existe ninguna limitación determinada, se recomienda su uso en intervalos de 10 a 20 minutos, una o dos veces al día, para no interrumpir los ciclos de sueño del bebé.

‘Babypod’ es el resultado de un estudio desarrollado por investigadores españoles cuyos datos han demostrado que el feto responde a la música despertándose y realizando movimientos de vocalización con la boca y la lengua.

“A partir de las 16 semanas de gestación, el feto ya es capaz de responder a estímulos musicales. Así, podemos decir que el aprendizaje empieza en el útero. Aplicando música vía vaginal, el 87% de los fetos movió la boca o la lengua y cerca del 50% abrió muchísimo la mandíbula sacando la lengua al máximo”, ha comentado la investigadora Marisa López Teijón.

Asimismo, prosigue, este dispositivo permite descartar la sordera fetal, aportar eficacia a las ecografías al inducir el movimiento fetal, reducir el estrés en mujeres con alto grado de ansiedad cuando no notan movimientos y abrir una “importante línea” de investigación pre y posnatal a muchos niveles.

En este sentido, los padres que han participado en este concierto navideño han destacado el carácter único de la experiencia. “Ha sido maravilloso ver en directo cómo mi hijo respondía con movimientos a las canciones. Saber que ambos estábamos escuchando lo mismo en una primera experiencia compartida resulta muy emocionante”, ha aseverado Mireia Casanova, una de las madres que ha formado parte del público en esta actuación.

Circulating DNA and protein biomarkers to predict regorafenib activity and assess prognosis in metastatic colorectal cancer patients

Postado em

Regorafenib seems to be clinically beneficial based on the mutational status and protein biomarker concentrations in colorectal cancer

Regorafenib seems to be clinically beneficial based on the mutational status and protein biomarker concentrations in colorectal cancer

Background

Tumour mutational status is an important determinant of the response of metastatic colorectal cancer to targeted treatments. However, the genotype of the tissue obtained at the time of diagnosis might not accurately represent tumour genotype after multiple lines of treatment. This retrospective exploratory analysis investigated the clinical activity of regorafenib in biomarker subgroups of the CORRECT study population defined by tumour mutational status or plasma protein levels.

Methods

We used BEAMing technology to identify KRAS, PIK3CA, and BRAF mutations in DNA obtained from the plasma of 503 patients with metastatic colorectal cancer who enrolled in the CORRECT trial. We quantified total human genomic DNA isolated from plasma samples for 503 patients using a modified version of human long interspersed nuclear element-1 (LINE-1) quantitative real-time PCR. We also measured the concentration of 15 proteins of interest—angiopoietin 2, interleukin 6, interleukin 8, placental growth factor, soluble TIE-1, soluble VEGFR1, VEGF-A, VEGF-C, VEGF-D, VEGF-A isoform 121, bone morphogenetic protein 7, macrophage colony-stimulating factor, stromal cell-derived factor-1, tissue inhibitor of metalloproteinase 2, and von Willebrand factor—in plasma samples from 611 patients. We did correlative analyses of overall survival and progression-free survival in patient subgroups based on mutational status, circulating DNA concentration, and protein concentrations. The CORRECT trial was registered with ClinicalTrials.gov, number NCT01103323.

Findings

Tumour-associated mutations were readily detected with BEAMing of plasma DNA, with KRAS mutations identified in 349 (69%) of 503 patients, PIK3CA mutations in 84 (17%) of 503 patients, and BRAF mutations in 17 (3%) of 502 patients. We did not do correlative analysis based on BRAF genotype because of the low mutational frequency detected for this gene. Some of the most prevalent individual hot-spot mutations we identified included: KRAS (KRAS G12D, 116 [28%] of 413 mutations; G12V, 72 [17%]; and G13D, 67 [16%]) and PIK3CA (PIK3CA E542K, 27 [30%] of 89 mutations; E545K, 37 [42%]; and H1047R, 12 [14%]). 41 (48%) of 86 patients who had received anti-EGFR therapy and whose archival tumour tissue DNA was KRAS wild-type in BEAMing analysis were identified as having KRAS mutations in BEAMing analysis of fresh plasma DNA. Correlative analyses suggest a clinical benefit favouring regorafenib across patient subgroups defined by KRAS and PIK3CA mutational status (progression-free survival with regorafenib vs placebo: hazard ratio [HR] 0·52, 95% CI 0·35–0·76 for KRAS wildtype; HR 0·51, 95% CI 0·40–0·65 for KRAS mutant [KRAS wild type vs mutant, p interaction=0·74]; HR 0·50, 95% CI 0·40–0·63 for PIK3CA wild-type; HR 0·54, 95% CI 0·32–0·89 for PIK3CA mutant [PIK3CA wild-type vs mutant, p interaction=0·85]) or circulating DNA concentration (progression-free survival with regorafenib vs placebo: HR 0·53, 95% CI 0·40–0·71, for low circulating DNA concentrations; HR 0·52, 95% CI 0·40–0·70, for high circulating DNA concentrations; low vs high circulating DNA, p interaction=0·601). With the exception of von Willebrand factor, assessed with the median cutoff method, plasma protein concentrations were also not associated with regorafenib activity in terms of progression-free survival. In univariable analyses, the only plasma protein that was associated with overall survival was TIE-1, high concentrations of which were associated with longer overall survival compared with low TIE-1 concentrations. This association was not significant in multivariable analyses.

Interpretation

BEAMing of circulating DNA could be a viable approach for non-invasive analysis of tumour genotype in real time and for the identification of potentially clinically relevant mutations that are not detected in archival tissue. Additionally, the results show that regorafenib seems to be consistently associated with a clinical benefit in a range of patient subgroups based on mutational status and protein biomarker concentrations.

Conheça o Remédio Caseiro que Acaba com as Náuseas em Grávidas

Postado em

O gengibre é uma raiz com numerosos benefícios, usada tradicionalmente por muitas culturas graças às suas propriedades curativas.

Muitas delas são imprescindíveis para o bem-estar da mulher como, por exemplo, esquentar os pés frios, aumentar a libido durante a menopausa, prevenir as náuseas na gravidez ou acelerar o metabolismo.

Náuseas e vômitos durante a gravidez ocorrem comumente. Possíveis efeitos secundários nocivos para o feto, gerados pelo tratamento baseado na medicina convencional, levaram a uma necessidade de alternativas para aliviar estes episódios.

Uma revisão sistemática publicada na revista Nutrition Journal investigou os dados recentes sobre a administração de gengibre por via oral para o tratamento da náuseas e vômitos da gravidez.

O objetivo primário do estudo foi avaliar a eficácia do gengibre no tratamento destes quadros, e o objetivo secundário foi avaliar a segurança do gengibre durante a gravidez.

Na análise, 12 ensaios clínicos randomizados envolvendo 1.278 gestantes foram incluídos.

Nos resultados encontrados, o gengibre melhorou significativamente os sintomas de náuseas, quando comparado com o placebo.

Entretanto, não reduziu significativamente o número de episódios de vômitos, quando comparado ao placebo, embora tenha havido uma tendência de melhora.

As análises de subgrupos pareceram favorecer a dose diária mais baixa de <1500 mg de gengibre para aliviar náuseas.

O gengibre não representou um risco significativo para aborto espontâneo em comparação com placebo ou com a vitamina B6. Da mesma forma, o gengibre não representou um risco significativo para os efeitos colaterais de azia ou sonolência.

Esta avaliação sugere potenciais benefícios do gengibre na redução dos sintomas de náusea na gravidez.

Com base em evidências, o gengibre pode ser
considerado uma opção alternativa inofensiva e possivelmente eficaz para mulheres que sofrem de náuseas e vômitos da gravidez.

Fonte: http://www.boasaude.com.br/noticias/10608/gengibre-e-util-no-tratamento-de-nauseas-e-vomitos-em-gravidas.html

Psiquiatras reconhecem propensão às selfies como transtorno mental

Postado em

selfie, psiquiatras

A propensão para as selfies foi reconhecida oficialmente como um transtorno mental. Essa foi a conclusão dos cientistas da Associação Americana de Psiquiatria (APA).

Na opinião dos psiquiatras, as selfies são definidas como um distúrbio obsessivo-compulsivo caracterizado por um desejo permanente de se fotografar, colocando as fotos nas redes sociais, para compensar a falta de autoestima.

Os cientistas definem três níveis desse transtorno:

Primeiro nível – episódico: a pessoa fotografa a si mesma pelo menos três vezes por dia, mas sem colocar as fotos em redes sociais.

Segundo nível – agudo: a pessoa fotografa a si mesma pelo menos três vezes por dia e coloca as selfies em redes sociais.

Terceiro nível – crônico: a pessoa sente um desejo incontrolável de se fotografar ao longo do dia e colocar as fotos na Internet pelo menos seis vezes por dia.

Conheça a Distimia: a depressão que não parece doença

Postado em

DIÁRIO MENTAL FEIRA DE SANTANA

Você tem uma boa relação familiar, amigos, um emprego formal e até relacionamentos amorosos. Apesar de tudo parecer normal, há pessoas que em meio a aparente felicidade, ainda sentem um “vazio”, aquela sensação de que “falta alguma coisa”. O diagnóstico não é fácil, mas a psiquiatria chama a atenção para uma doença pouco falada, mas que pode atingir boa parte da população – a Distimia.

Por não parecer com outras doenças, a Distimia pode ser facilmente confundida com traços de personalidade. Afinal, todo mundo conhece alguém que é reservado demais, ou que tem dificuldades de manter amizades ou relacionamentos, ou até mesmo que já tentou emagrecer repetidas vezes e não conseguiu, não é mesmo? Essas características podem estar muito além de um simples comportamento e podem ajudar em um diagnóstico eficaz da doença crônica, que tem tratamento e cura.

A distimia, segundo o Código Internacional de Doenças leva o nome…

Ver o post original 1.187 mais palavras

5 coisas que o médico devia saber sobre “doenças invisíveis”

Postado em Atualizado em

 

Este é um testemunho de  Jody Allard , que não tem fibromialgia mas tem uma doença crónica, de difícil diagnóstico. Em muitos pontos, se não todos, a sua experiência e opinião são muito semelhante às de um doente fibromiálgico. Ela consegue expressar muito bem o que sentimos e pensamos quando consultamos um médico menos ou mais competente, menos ou mais compreensivo. Os recados que ela deixa aqui escritos aos médicos são os que eu gostaria que alguns dos que já consultei, lessem.

Frequentemente, quando vou ao médico e obedientemente recito a lista dos sintomas que me atormentam, ele imediatamente responde recordando-me que a minha doença não tem cura, é uma doença crónica. Sim, eu sei, não me esqueci desse pormenor e, pasme-se, não fui ao médico para que ele me lembrasse.

Na minha jornada de 34 anos para obter o diagnóstico de uma doença crónica, vi muitos médicos e outros profissionais de saúde, só neurologistas foram 13. Durante o caminho encontrei médicos e enfermeiros desde os “santos” até aos que, pura e simplesmente, são “mauzinhos”.

Existem muitas cartas abertas e artigos com conselhos, dos médicos para os pacientes, por essa internet fora. O seu objetivo é ajudar os pacientes a maximizar o tempo que passam com o seu médico assegurando que comuniquem eficazmente. À primeira vista parece uma excelente ideia informar os pacientes sobre como o seu médico os vê e encorajá-los a apresentar as suas preocupações de uma maneira que o médico “leve a sério”. Infelizmente, contudo, esta aproximação centrada no médico é, muitas vezes, precisamente, o que está errado nos cuidados de saúde.

Em vez de tudo estar focado na maneira como os médicos entendem os seus pacientes, é importantíssimo que os médicos saibam ouvir e compreender o doente, apesar da dificuldade que este tenha em comunicar. A experiência de ter uma doença crónica é avassaladora e existem 5 pontos importantes que eu adorava que os meus médicos compreendessem.

1. Não existe nada de errado em dizer que não sabe a resposta

Numa qualquer realidade alternativa, os doentes consultam o médico e este, de imediato, faz um diagnóstico que o paciente ouve e compreende na íntegra, sabendo exatamente qual será o tratamento que o vai curar. Pela minha experiência isso não acontece. Já me aconteceu ver médicos a pesquisarem no Google, mesmo à minha frente, listarem sintomas no seu iPhone ou mesmo pedirem-me que lhes explicasse a minha doença.

Isto pode parecer alarmante, o que eu admito que foi, ao início, mas entretanto aprendi que os melhores médicos são precisamente os mais rápidos a admitir que não sabem e que se dispõem a pesquisar.

Hoje em dia já vejo as coisas com mais clareza, ou seja, sei que os médicos que afirmam saber tudo sobre a minha doença me levaram, com a sua arrogância, a graves consequências. Aprendi a depositar a minha confiança nos médicos que são honestos acerca das suas limitações.

2. Eu procuro qualidade de vida, não uma cura

Embora a minha doença não tenha cura, muitos dos sintomas podem ser tratados e, até uma pequena redução dos sintomas, pode mudar a minha vida. No entanto, a menos que “force” os meus médicos a elaborarem um plano de tratamento, raramente me oferecem sugestões.

Compreendo que não haja um comprimido que me cure e compreendo quando o médico me diz que não existe um que me possa receitar. Apesar disso, focar-se na tarefa de melhorar a minha qualidade de vida em vez de me lembrar constantemente que não existe cura, poderia fazer-me sentir mais esperançosa sobre o meu futuro. Deveria ser o médico a liderar esse projeto, não eu.

3. Não sabe qual foi a minha experiência mas eu estou disponível para partilhar

Há umas semanas atrás, precisei de consultar um médico de recurso por causa de um mal-estar, porque o meu médico de família não podia atender-me. Durante a consulta mencionei o facto de ter anemia desde criança.

O médico disse-me, de imediato, que eu não poderia estar assim tão anémica que precisasse de tomar ferro, como o meu médico de família sugeria, porque a anemia me tornaria “tãooooooo exausta, que eu me sentiria como se fosse desmaiar, a todo o tempo”.

Tenho a certeza que olhei para o médico como se ele tivesse três cabeças.
Ao fim e ao cabo eu tenho uma doença mitocondrial que faz com que as minhas células não produzam energia suficiente para o meu corpo. No entanto, não sei porquê, este médico decidiu que eu não poderia estar anémica nem exausta depois de me conhecer há 3 minutos. Não fez uma única pergunta sobre o meu nível de fadiga pelo que, aparentemente, baseou a sua conclusão em ideias que “lhe cairam do céu aos trambolhões”. Ou, quem sabe, do seu próprio traseiro.

Este é quase o perfeito exemplo de um médico que não faz a mínima ideia do que diz mas receio que a falta de compreensão do historial e da experiência do doente sejam extremamente comuns. Como a maior parte dos médicos não sofrem de doenças invisíveis este tipo de atitude não será assim tão chocante, o que choca é o facto de, a maior parte deles, nem sequer ouvir o paciente sobre a sua própria experiência. Se este médico em particular se tivesse interessado em perguntar, simplesmente, qual era o nível de fadiga que eu sentia, poderia concluir que era coincidente com o diagnóstico de anemia severa –  o que se veio a confirmar pelas análises ao sangue que, finalmente, concordou em pedir.

Pode ser difícil para um médico ver-me a sorrir e até rir à sua frente e compreender que estou a sentir fadiga severa e uma dor sem fim. Contudo, a realidade de uma doença crónica é que nos adaptamos à fadiga e à dor porque, pura e simplesmente, não temos outra opção, o que é inimaginável para quem nunca viveu uma situação semelhante. Não cometam o erro de assumir que sabem o que é a minha experiência – perguntem e ouçam a minha resposta.

4. Ter uma doença crónica pode ser deprimente, mas isso não significa que estamos “apenas deprimidos”

Durante o longo percurso que levou ao meu diagnóstico, alguns médicos recorreram a causas psicológicas para explicar os sintomas que não tinham outra forma de explicar. Um disse-me que eu estava muito gorda, outro sugeriu que eu talvez me sentisse infeliz no meu casamento e um outro estava convencido que eu estava apenas sob demasiado stress e sobrecarregada de trabalho. Embora seja verdade que eu estou realmente gorda, que estou, agora, divorciada e, provavelmente stressada é igualmente verdade que sofro de uma doença genética.

Infelizmente, quando os médicos não têm a certeza do que se passa – e por vezes quando são confrontados com uma mulher com um problema de saúde – pensam na solução mais fácil. Descartando os sintomas físicos reais que o paciente aponta, apostam num diagnóstico muitas vezes errado, o que leva a um tratamento não apropriado e nada acrescenta à experiência do médico.
Pior ainda, estes “diagnósticos” errados podem levar a que um doente crónico resista a procurar um psicólogo ou psiquiatra, com receio de ser etiquetado como “maluco”.

É possível ter tanto problemas mentais como físicos, mas a existência ou suspeita de um problema mental não elimina, por si só, a existência de um problema de saúde físico. O isolamento e a doença crónica podem causar depressão mas isso não altera o facto de – a menos que consultemos um psiquiatra – estarmos à procura de ajuda para os nossos sintomas físicos e não à procura da opinião de um médico sobre a nossa saúde mental.

5. Alguns pacientes não “encaixam” nos processos de diagnóstico comuns

Na faculdade de medicina os médicos são treinados para começarem, em primeiro lugar, a fazer o diagnóstico  segundo a explicação mais comum, partindo daí para um diagnóstico menos comum. Embora seja óptimo ser diagnosticado com uma doença habitual isto pode conduzir a um longo percurso – de 7 a 10 anos que muitos sofredores silenciosos percorrem – até ser atingido um diagnóstico correto.

O sistema de saúde não está bem equipado e organizado para lidar com discrepâncias médicas e muitos médicos param de testar e analisar se os primeiros resultados não indicam nenhum problema. Isto pode acontecer por não terem a experiência necessária para aprofundarem a busca de causas menos comuns.

Um médico disse-me uma vez que, se o resultado do exame é normal perante sintomas anormais, isso quer apenas dizer que ainda não foi feito o exame indicado. Pouco tempo depois os meus médicos descobriram que uma biópsia ao músculo finalmente, conduziu a um diagnóstico correto que tornou todos os meus sintomas inexplicáveis, de um momento para o outro, em sintomas lógicos e completamente esperados para a doença em questão. A diferença estava no exame que mandaram fazer e não nos meus sintomas ou na minha experiência.

Embora o processo de diagnóstico seja uma ferramenta de aprendizagem essencial, os médicos nunca deveriam substituir o que o paciente transmite. É importante terem conhecimento do historial do doente. Por vezes é aquele mal-estar quase esquecido e que não se menciona que pode levar a uma conclusão acertada. Um bom médico será capaz de fazer o seu trabalho acreditando que o doente está a dizer a verdade sobre o que sente, será capaz de pensar “fora dos parâmetros ditos normais” até descobrir o que causa os sintomas que afligem o paciente. Exame nenhum pode substituir a experiência do próprio paciente e é importante que isso seja sempre tido em conta quando se prestam cuidados de saúde.

por Jody Allard
%d blogueiros gostam disto: