# Gonorreia agora resistente a antibióticos, não mais banalizada

Postado em

antibioticos

Gonorreia agora resistente a antibióticos, não mais banalizada

resistência a antibióticos alcança uma das doenças ultimamente banalizadas devido à antibioticoterapia simples tradicionalmente utilizada para o tratamento, a gonorreia. Agora, essa doença sexualmente transmissível circula em nossa sociedade, em muitos casos sem opções possíveis para tratamento.

A gonorreia acomete em torno de 78 milhões de pessoas por ano, incluindo 11 milhões nas Américas e 4,7 milhões na Europa, mesmo com as subnotificações. A gonorreia pode se manifestar na genitália, reto e orofaringe, e levar a complicações como doença inflamatória pélvica, síndrome artrite-dermatite, endocardite, sepse e outros.

A menor frequência de uso de preservativos, a urbanização e maior facilidade de viagens, taxas de detecção débil e tratamento inadequado ou falhas contribuem para essa elevada incidência em todo o mundo. Além das estimativas dos altos números significativos de casos em todo o mundo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) relatou recentemente, em julho de 2017, a real ameaça da gonorreia intratável.

Diante do uso indiscriminado dos antibióticos e da versatilidade genômica e mutacional da Neisseria gonorrhoeae, a introdução de novas classes de antimicrobianos resulta em expectativas temporárias, pois o surgimento do fenômeno da resistência à drogas é também bastante esperado e em curto período.

Observa-se recentemente a ocorrência da resistência à drogas utilizadas como opções principais para o tratamento, como as cefalosporinas e azitromicinas, mesmo em países desenvolvidos. A carência de diagnóstico preciso e a persistência de tratamentos empíricos reforçam a redução de opções terapêuticas atuais, especialmente em países com menores recursos em saúde, onde a doença é mais prevalente.

A maior preocupação é que existem somente três classes de antibióticos como opção para tratamento da gonorreia. A resistência ao ciprofloxacino em gonococos, anteriormente droga de escolha, é disseminada na maioria dos países, assim como diversas localidades já descreveram a emergência da resistência à azitromicina e cefalosporinas de espectro estendido – ceftriaxona injetável ou cefixima oral, as quais são os últimos recursos para o tratamento.

No intuito de evitar a continuidade da emergência dos números de gonococos multirresistentes, a OMS recomenda, desde 2016, o tratamento duplo com ceftriaxone e azitromicina.

Novas opções de antimicrobianos candidatos para tratamento de gonorreia resistente a múltiplas drogas incluem:

  • Solitromicina (Cempra Inc) – um fluorocetolídeo oral com alvo em ribossomo procariotos e atividade contra bactérias Gram-positivos e negativos fastidiosos, incluindo N. GonorrhoeaeChlamydia trachomatis e Mycoplasma genitalium. Atualmente em estudo clínico de fase 3.
  • Zoliflodacin (Entasis Therapeutics) – um inibidor de topoisomerase II da classe espiropirimidinetriona com atividade contra patógenos como N. Gonorrhoeae e C. Trachomatis. Os estudos estão em estudo clínico de fase 2.
  • Gepotidacina (GlaxoSmithKline) – outro inibidor de topoisomerase II com atividade contra bactérias multirresistentes como Staphylococcus aureus resistente a meticilina, Enterobacteriaceae produtora de beta-lactamase de amplo espectro e N. Gonorrhoeae. Atualmente em estudos clínicos de fase 2.

 

Tais preocupações e estimativas relacionadas à emergência da gonorreia e ao fenômeno da multidroga resistente evidenciam as necessidade de melhores programas de prevenção, tratamento e diagnóstico precoce, especialmente recursos tipo “point-of-care” ainda não disponíveis para N. Gonorrhoeae.

Simultaneamente, destaca-se a urgência de um rastreamento mais eficaz e notificação de novos casos, uso de antibióticos, resistência e falhas de tratamento. As dificuldades para desenvolvimento de novos antibióticos recaem sobre o baixo interesse das indústrias farmacêuticas em investir em drogas utilizadas por curtos períodos e com iminência do surgimento da resistência antimicrobiana após introdução na terapêutica.

Iniciativas pela OMS, como “Global Antibiotic Research and Development Partnership” (GARDP), e outras como “The Drugs for Neglected Diseases initiative” (DNDi), que dá suporte a GARDP, visam o desenvolvimento de novos esquemas de antimicrobianos e a promoção do uso racional, incluindo o desenvolvimento de novos antibióticos para gonorreia.

Por outro lado, os investimentos em prevenção permanecem como desafios significativos para controle da disseminação da gonorreia e a consequente resistência. A mudança de comportamento com a adoção de medidas mais seguras, como o sexo seguro com o uso de preservativos, permanecem como pilar central no controle da doença.

surgimento do PrEP, por exemplo, utilizado na prevenção da transmissão do vírus da imunodeficiência humana (HIV), tem contribuído para o menor uso de preservativos, o que resulta na maior disseminação de doenças sexualmente transmissíveis. Portanto, informação, educação e comportamento são estratégias fundamentais, porém requerem recursos e esforços significativos iniciais e de manutenção, com resultados nem sempre eficazes.

 

Autor:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s