Síndrome de Brugada: tudo sobre o manejo do paciente

Postado em

ECG com estetoscopio

A síndrome de Brugada é uma doença de origem genética autossômica dominante que apresenta alterações eletrocardiográficas típicas e alto risco de morte súbita por taquiarritmias ventriculares malignas. Sua prevalência é baixa, estimada em menos de 1% da população. É uma doença do homem com idade média de 40 anos. O termo Brugada pode ser utilizado para duas situações diferentes:
Padrão Brugada no ECG (“Brugada Pattern”): há alterações típicas no ECG mas não há outros critérios “clínicos” – o paciente é totalmente assintomático.Síndrome de Brugada: quando há alterações típicas no ECG + sintomas e/ou critérios “clínicos”.Você deve pensar em Brugada na presença de alterações sugestivas de um bloqueio do ramo direito incompleto (pseudo-BRD) e supradesnível do segmento ST em V1/V2. Um dica inicial é olhar a onda S na parede lateral esquerda – em Brugada essa onda não existe, ao contrário do BRD. O que fazer então?

O primeiro passo é excluir cardiopatia estrutural. Em Brugada, o coração deve ter estrutura normal. Para isso, é necessário ecocardiograma, ressonância magnética e teste funcional para isquemia. Nesse momento, utilize o eletrocardiograma para classificar o tipo de Brugada Pattern. Inicialmente foram propostos 3 tipos, mas um consenso de 2013 definiu apenas os tipos 1 e 2.
O paciente com tipo 1 é o originalmente descrito na Síndrome de Brugada. No tipo 2 pode-se realizar um teste farmacológico provocativo. O procedimento é, em ambiente hospitalar monitorizado, administrar procainamida ou flecainida. Caso haja mudança do padrão do ECG do tipo 2 para o tipo 1, o risco do paciente é maior para FV/TV e ele é considerado como Síndrome de Brugada.
Tipo 1* Tipo 2*Supradesnível ST ≥ 2 mm ≥ 2 mmMorfologia ST Côncavo para cima Em forma de selaPorção terminal do segmento ST Descendente Elevado ≥ 1 mmOnda T Negativa Positiva ou Bifásica*.
O segundo passo é, no paciente com Síndrome de Brugada (Tipo 1), avaliar o risco de morte súbita: quanto maior, mais provável a indicação de um cardiodesfibrilador implantável (CDI). A presença de critérios clínicos aumenta o risco e um estudo recente está propondo um escore para essa avaliação de risco.

Critérios “Clínicos”:
História familiar morte súbitaSíncopeFV/TV revertidaPositividade para estudos genéticosFV/TV induzida por estudo eletrofisiológico (EEF)Fibrilação atrialRespiração noturna “agônica” (um sintoma comum em quem tem a síndrome, mas controverso se de fato indica pior prognóstico)Escore de risco proposto por Sieira e cols:

Variável PontuaçãoTipo 1 espontâneo 1História familiar morte súbita 1Arritmia induzida no EEF 2Síncope 2Disfunção nodo sinusal 3Morte súbita abortada 4
Pontuação Sobrevida livre de eventos em 10 anos (%)0 97,2 1 96,4 2 90,8 3 83,4 4 70,15 ou + 61,4

Resultado de imagem para brugada

AUTOR :

Ronaldo Gismondi  – Cardiologia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s