Envelhecimento da pele, alimentação, vitaminas e hormônios.

Postado em

 

 

 

 

O envelhecimento da pele está associado à redução da função da pele, aumento da fragilidade cutânea e comprometimento da cicatrização de feridas. Em áreas do corpo que muitas vezes não são cobertos pela roupa (ou seja, rosto, nuca do pescoço, mãos e antebraços), a exposição UV de longa duração a partir dos raios do sol, causam danos na pele, fazendo-a parecer prematuramente velha. Por tanto o fotoenvelhecimento é o principal processo responsável pela piora da aparência da pele envelhecida.

Os sinais clínicos do envelhecimento natural da pele incluem rugas finas, relaxamento da pele e flacidez, enquanto a pele fotoenvelhecida parece seca, com rugas grosseiras e pigmentação irregular. Histologicamente, a epiderme é fina na pele envelhecida e bastante irregular na pele fotoenvelhecida. No entanto, ambos os processos compartilham características bioquímicas, tais como teor de colágeno reduzido na derme, resultantes do aumento da degradação do colágeno e diminuição da síntese de procolágeno. O colágeno I é a principal proteína estrutural da derme, e que proporciona resistência e elasticidade da pele. O colágeno I é produzido principalmente por fibroblastos dérmicos. A produção de colágeno é regulada por uma variedade de mediadores, incluindo fatores de crescimento, citocinas, hormônios e tensão mecânica. Na pele naturalmente envelhecida com a idade, a combinação de número e atividade metabólica reduzidas dos fibroblastos com a perda de tensão mecânica resulta numa diminuição de 70% na produção de novo colágeno (procolágeno) pelos fibroblastos. Na pele envelhecida pela luz, a perda de tensão mecânica parece ser a principal responsável pela produção reduzida de procolágeno. Esta perda de tensão mecânica é devido ao acúmulo de colágeno fragmentado, que é gerado por exposições repetidas à radiação UV. Em geral, a diminuição da quantidade e qualidade das fibras de colágeno na derme estão associadas com a aparência envelhecida da pele humana.

 

 

Ingestão de nutrientes dietéticos e aparência de envelhecimento da pele entre mulheres de meia-idade.

Os fatores nutricionais desempenham um papel fundamental no funcionamento dermatológico normal. No entanto, pouco se sabe sobre os efeitos da dieta na aparência da pele no envelhecimento. Em um estudo realizado no Reino Unido, foram avaliadas as associações entre ingestão de nutrientes e aparência de envelhecimento da pele, usando dados do primeiro National Health and Nutrition Examination Survey. Estas associações foram examinadas em 4025 mulheres entre 40-74 anos. Os nutrientes foram estimados a partir de uma avaliação de 24 horas. Exames clínicos da pele foram realizados por dermatologistas. A aparência de envelhecimento da pele foi definida como tendo uma aparência enrugada, secura senil e atrofia da pele. Maiores ingestões de vitamina C e ácido linoleico e menores ingestões de gorduras e carboidratos foram associados com uma melhor aparência da pele no envelhecimento. Promover comportamentos alimentares saudáveis pode ter benefícios adicionais para a aparência da pele, além de outros resultados de saúde na população.

As melhores vitaminas para a saúde da pele: Por que você deve tomar vitaminas A, C e E

O segredo para a pele bonita poderia estar no supermercado pendurado no corredor de suplementos. Muitos especialistas acreditam que certas vitaminas podem ajudar com tudo, desde reduzir a acne até retardar os sinais de envelhecimento. A Academia Americana de Dermatologia, mesmo aconselha a adoção de uma dieta saudável, como parte de seu regime de cuidados com a pele. Embora nem todas as reivindicações dessas super utilizações para vitaminas sejam verdadeiras; Um mito popular é que a vitamina E pode limpar cicatrizes, o que vários estudos têm revelado ser falso. Esta vitamina amiga do cabelo e da pele funciona como um antioxidante no corpo, ajudando a proteger como células dos danos causados por radicais livres. Estamos expostos a todos os tipos de radicais livres no ambiente, desde a fumaça do cigarro até a luz ultravioleta do sol. O Instituto Nacional de Saúde diz que o corpo também precisa de vitamina E para estimular o sistema imunológico para que ele possa Lutar contra bactérias invasoras e vírus.

 

Abaixo relacionamos três problemas de pele comum que têm opções de tratamento com vitaminas, cujos benefícios são suportados pela ciência.

Se você sofre de acne:

Experimente vitamina A, que vem de duas fontes: os retinoides e carotenoides, de acordo com o Centro Médico da Universidade de Maryland. Na verdade, muitos medicamentos contra a acne contêm retinoides desta vitamina, como Accutane e Roacutam (isotretinoína), que é comumente considerada uma cura para a acne grave. No entanto, a vitamina A é lipossolúvel, o que significa que pode ser tóxico se tomado em altas doses.  A vitamina A é muito eficaz quando usada topicamente, como ocorre em muitos cremes anti-envelhecimento e anti-acne.

Se você quer proteger a pele contra danos causados pelo sol:

De acordo com WebMd, os estudos mostraram que as vitaminas C e E, na verdade, podem proteger contra os danos do sol e câncer da pele. Esses antioxidantes trabalham, aumentando a capacidade natural da pele em reparar a si mesma. Sob supervisão profissional pode ser usado de  1000 a 3000 miligramas de vitamina C, 400 unidades internacionais de vitamina E e de 100 a 200 microgramas de selênio.

Naturalmente, muitos cremes possuem as super propriedades das vitaminas C e E, também. Cosmetics Design relata que ambas podem ser benéficas quando usadas topicamente. O dermatologista Rick Noodleman recomenda que a vitamina C pode realmente ser mais eficaz quando usada topicamente e recomenda um creme contendo o ingrediente na forma de ácido l-ascórbico. Quanto a vitamina E, a Dr. Elizabeth Briden, indica produtos de cuidados com a pele que incluam a vitamina E na forma alfa-tocoferol, de acordo com a Dermatology Times.

Se você quer ter menos rugas:

Existem diversos estudos e pontos de vista que suportam que a vitamina C pode reduzir os sinais de envelhecimento, e um deles é um estudo de 2008 publicado no The American Journal of Clinical Nutrition, que constatou que uma maior ingestão de vitamina C foi associado ao menor número de rugas. O estudo incluiu mais de 4.000 mulheres de 40 a 74 anos de idade.

O papel dos hormônios no processo de envelhecimento da pele. 

O envelhecimento intrínseco da pele é determinado principalmente por fatores genéticos e estado hormonal. Reflete o mesmo processo degenerativo visto em outros órgãos. A função da pele é um dos parâmetros mais influenciados pelo envelhecimento. As influências hormonais incluem diminuição das secreções pituitária, adrenal e gonadal. As alterações hormonais do envelhecimento levam ao desenvolvimento de um corpo e fenótipo da pele específicos. Outros hormônios cujos níveis diminuem com o envelhecimento incluem melatonina, hormônio de crescimento (GH), dehidroepiandrosterona e fator de crescimento insulina-like-I (IGF-I).

Estrogênios e envelhecimento da pele.

Os estrogênios têm uma profunda influência na pele. O hipoestrogenismo relativo que acompanha a menopausa exacerba os efeitos deletérios do envelhecimento intrínseco e ambiental. Os estrogênios têm claramente um papel chave na homeostase do envelhecimento da pele como evidenciado pelo declínio acelerado na aparência da pele visto nos anos da perimenopausa. Os estrogênios melhoram a pele de muitas maneiras. Entre elas, aumentam o conteúdo de colágeno e espessura da pele e melhoram a umidade natural da pele. No entanto, apesar do conhecimento de que os estrogênios têm efeitos tão importantes sobre a pele, os locais e mecanismos celulares e subcelulares da ação do estrogênio são ainda mal compreendidos. Receptores de Estrogênio (ERs) foram detectados na pele e estudos recentes sugerem que os estrogênios exercem seu efeito na pele através dos mesmos caminhos moleculares usados em outros tecidos não-reprodutivos.

Na última década, pesquisas intensivas têm sido conduzidas para desenvolver novos medicamentos chamados moduladores seletivos dos receptores de estrogênio (SERMs). Estes fármacos exercem efeitos estrogênicos e antiestrogênicos mistos dependendo do tipo de tecido e célula. Pode-se esperar que futuramente haja uma droga desse tipo direcionada especificamente para a pele, sem efeitos colaterais sistêmicos.

O estrogênio evita o envelhecimento da pele? 

Com o objetivo de avaliar a relação entre o uso não-contraceptivo do estrogênio e rugas, secura e atrofia da pele, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia realizaram um estudo de coorte com 3875 mulheres pós-menopáusicas com idade igual ou superior a 40 anos no início do estudo.

Os resultados obtidos sugeriram fortemente que o uso de estrogênio impede o ressecamento e enrugamento da pele, aumentando assim os potenciais benefícios da terapia de estrogênio pós-menopausa por incluir a proteção contra determinadas condições dermatológicas associadas à idade e à menopausa.

Indução de colágeno pelo uso tópico de estradiol

Com o objetivo   de avaliar a eficácia do uso tópico de estradiol na estimulação da produção de colágenos I e III pela pele humana envelhecida naturalmente e fotoenvelhecida, de mulheres na pós-menopausa e homens da mesma idade, pesquisadores do Departamento de Dermatologia da Universidade de Michigan realizaram um estudo, publicado no periódico Archives of Dermatology, em 2008. Os resultados obtidos levaram os pesquisadores a concluírem que duas semanas de tratamento com estradiol tópico estimulou a produção de colágeno na pele do quadril protegida do sol, mas não na pele fotoenvelhecida do antebraço ou do rosto, em mulheres pós-menopáusicas e homens com idade correspondente. Estes achados sugerem que o declínio de estrogênio associado à menopausa está envolvido na redução da produção de colágeno na pele protegida do sol. Curiosamente, as alterações induzidas pela exposição ao sol a longo prazo impedem a capacidade do estradiol tópico em estimular a produção de colágeno na pele envelhecida.

Melatonina tópica protege a pele

Estudos anteriores sugeriram um efeito protetor do tratamento tópico com o hormônio melatonina. No entanto, esse efeito não havia sido avaliado com a irradiação solar e a dose ótima de melatonina não havia sido determinada. O objetivo de um estudo realizado por pesquisadores dinamarqueses e publicado em 2016 no periódico científico Journal of Dermatological Science foi exatamente este. Investigar o efeito protetor solar do tratamento tópico com três diferentes doses de melatonina (0,5%, 2,5%, 12,5%) contra o eritema induzido pela luz solar natural. Os resultados obtidos pelos cientistas demonstraram uma diferença significativa na formação de eritema entre as áreas tratadas com melatonina creme 12,5% e áreas recebendo placebo ou nenhum tratamento. Não foram encontradas diferenças entre o placebo e as concentrações de 0,5% e 2,5%. A partir destes resultados, os pesquisadores concluíram que a aplicação de creme de melatonina 12,5% protege contra eritema induzido pela luz solar natural.

Além da utilização clinica da melatonina, utilização de níveis adequados de melatonina tópica noturna pode ser uma estratégia promissora para cosméticos antienvelhecimento, especialmente para pessoas expostas à luz artificial excessiva durante a noite. Uma vez que a pele não só cumpre uma função protetora para o organismo mas é também um órgão endócrino periférico ativo, que secreta hormônios eficazes na circulação, a modulação hormonal local (tópica) pode tornar-se interessante no futuro.

Hormônio do crescimento ativa o gene envolvido na cura de tecidos danificados

O hormônio do crescimento é conhecido por aumentar a massa magra e a densidade óssea nos idosos, mas também faz outra coisa. Ele ativa um gene crítico para os tecidos do corpo para curar e regenerar, diz Robert Costa, professor de bioquímica e genética molecular da Universidade de Illinois em Chicago e membro do UIC Cancer Center. Essa descoberta poderia ajudar a explicar por que envelhecemos. “Os níveis de hormônio do crescimento diminuem à medida que envelhecemos, como resultado, o gene Foxm1b para de funcionar e nossos corpos são menos capazes de reparar danos”, disse Costa. O hormônio hGH recombinante  foi eficaz em acelerar a cicatrização de feridas em crianças com grandes queimaduras cutâneas, de acordo com estudo realizado por Gilpin e colaboradores e publicado no Annals of Surgery.

“A literatura também sugere que a terapia do hormônio do crescimento em homens idosos estimula as células a se dividirem”, disse Costa, levando a aumentos na massa muscular e espessura da pele e maior densidade óssea na coluna, enquanto diminui a gordura corporal. Neste estudo, os cientistas testaram os efeitos do hormônio de crescimento humano na proliferação de hepatócitos, devido ao seu papel  atribuído na estimulação da proliferação celular. O hormônio do crescimento, uma substância secretada pela glândula pituitária no cérebro, é responsável pelo crescimento em crianças e adultos jovens, mas seus níveis diminuem durante o envelhecimento. “Nossos estudos de regeneração hepática nos dizem muito sobre como o hormônio do crescimento funciona em nível molecular, mas as injeções ocorreram apenas em curtos períodos de tempo, não nos dando nenhuma informação sobre quaisquer consequências a longo prazo”, disse Costa.

Estresse Oxidativo Glicação e AGEs no envelhecimento cutâneo

Estresse oxidativo

Em condições normais, existe uma situação de equilíbrio dentro do nosso organismo. A produção de radicais livres não ultrapassa a capacidade antioxidante do sistema enzimático endógeno e exógeno (homeostasia). Quando este fenômeno perde o seu equilíbrio, havendo um aumento dos radicais livres ocorre o estresse oxidativo.

Radicais livres (RL) são moléculas orgânicas e inorgânicas instáveis e que apresentam um elétron que tende a se associar de maneira rápida a outras moléculas de carga positiva com as quais pode reagir ou oxidar. São, portanto extremamente reativos e apresentam meia-vida muito curta. A formação de radicais livres ocorre via ação catalítica de enzimas mitocondriais, durante o processo de respiração celular. As inflamações, radiações UV, dieta e tabagismo também são fontes de radicais livres.

 

 

Alguns dos radicas livres estão listados abaixo:

•Ânions superóxido

•Peróxido de hidrogênio (H2O2 ou água oxigenada)

•Radical hidroxila

•Óxido nítrico

•Peróxidos lipídicos

Os RL causam, de fato, reações de oxidação que alteram as proteínas da pele, suas gorduras e até mesmo o DNA das células. Essas reações resultam no envelhecimento da pele. A formação de RL conduz ao estresse oxidativo, processo no qual estes iniciarão uma cadeia de reações, originando alterações em proteínas extracelulares e a modificações celulares. O maior dano causado pelo estresse oxidativo é a peroxidação dos ácidos graxos constituintes da dupla camada lipídica que, em última instância, leva à morte celular. Para evitar esse processo de depleção celular, a pele possui seu próprio mecanismo de defesa tais como: enzimas, vitaminas e agentes quelantes de íons metálicos. Entretanto, a capacidade protetora desse mecanismo diminui com o envelhecimento, então, compostos exógenos como enzimas, antioxidantes e compostos fenólicos reforçam a proteção natural pela limitação das reações oxidativas.

Glicação e AGEs

Glicação refere-se ao processo de formação de hemoglobina glicada, ou HbA1c. A HbA1c é resultado da reação entre a glicose do sangue e a proteína  hemoglobina contida na hemácia ou glóbulo vermelho. O exame de hemoglobina glicada (HbA1C ou A1C), anteriormente conhecido como hemoglobina glicosilada, é uma importante ferramenta para a avaliação do diabetes mellitus.

AGEs (produtos finais de glicação avançada) são um grupo de moléculas heterogêneas formadas a partir da glicação não-enzimática de proteínas, lipídios e ácidos nucleicos. Açúcares redutores (glicose, frutose) reagem com grupamentos amino das proteínas, lipídios e ácidos nucleicos através de uma série de reações que formam produtos intermediários e então, os AGEs.

Há duas fontes principais de AGEs:

  • Exógena: ingestão de AGEs presentes nos alimentos (queimados, tostados, grelhados, etc)
  • Endógena: formação via reação de Maillard e via do estresse carbonílico

AGEs ocorrem de forma acelerada nas seguintes condições:

  • Estados hiperglicêmicos no diabetes mellitus tipos 1 e 2, obesidade, excesso de peso e síndrome metabólica (alteração do metabolismo da glicose);
  • Envelhecimento sistêmico;
  • Estados inflamatórios e oxidativos

 

 

Os AGEs realizam cross-links (ligações cruzadas) com proteínas através de ligações covalentes (colágeno é alvo) levando a alterações morfofisiológicas nas diversas estruturas orgânicas, principalmente a pele devido ao seu alto teor de colágeno. As proteínas que constituem a matriz extracelular e a membrana basal vascular são de vida mais longa, e portanto, mais susceptíveis à modificação pelos AGEs.

AGEs e Envelhecimento Cutâneo

Diversas funções cutâneas são modificadas pela glicação, entre elas, a síntese de macromoléculas (colágeno, elastina e glicosaminoglicanas), as metaloproteinases e a organização da matriz e citocinas. Os AGES atuam em 3 níveis:

1 – Realizam Crosslinking com proteínas da matriz extracelular, sendo o colágeno a principal.

2 – Ativam os processos inflamatório e oxidativo (estresse oxidativo);

3 – Ativam a apoptose de fibroblastos (ativação da via das caspases)

 

Possíveis estratégias para  deter o Estresse Oxidativo e a Glicação?

  • Potencializar nossa capacidade anti oxidante através de alimentos e se indicados suplementos
  • Evitar a glicação através da alimentação e se indicados, suplementos e nutracêuticos
  • Ingestão de fibras
  • Ingestão de ácidos graxos poli-insaturados (ômega-3) se indicado
  • Implementação de sono adequado
  • Evitar excesso de exposição solar

 

Referências

The Best Vitamins For Skin Health: Why You Should Be Taking Vitamins A, C and E

http://www.medicaldaily.com/best-vitamins-skin-health-why-you-should-be-taking-vitamins-c-and-e-409629?rel=most_shared5

Dietary nutrient intakes and skin-aging appearance among middle-aged American women. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17921406

Does estrogen prevent skin aging? Results from the First National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES I)

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9080894

Biology of estrogens in skin: implications for skin aging.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16433679

Glicação e Estresse Oxidativo no Envelhecimento: Como detê-los?

http://www.hairbrasil.com/congresso/estetica2011/palestras/palestra02.pdf

Induction of Collagen by Estradiol. Difference Between Sun-Protected and Photodamaged Human Skin In Vivo

http://jamanetwork.com/journals/jamadermatology/fullarticle/420008?resultClick=1

Intrinsic skin aging. A critical appraisal of the role of hormones

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12955259

Melatonina, mais do que um “hormônio do sono”!

http://www.robertofrancodoamaral.com.br/blog/envelhecimento/melatonina-mais-do-que-um-hormonio-do-sono

Dose dependent sun protective effect of topical melatonin: A randomized, placebo-controlled, double-blind study.

http://www.jdsjournal.com/article/S0923-1811(16)30186-4/abstract

New study explores effects of growth hormone on the skin

http://www.news-medical.net/news/20130611/New-study-explores-effects-of-growth-hormone-on-the-skin.aspx

Growth Hormone Activates Gene Involved In Healing Damaged Tissue

https://www.sciencedaily.com/releases/2003/12/031204074202.htm

Growth hormone system: skin interactions

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962011000600015&lng=en&nrm=iso&tlng=en

Recombinant human growth hormone accelerates wound healing in children with large cutaneous burns.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1234282/

Glicação e Estresse Oxidativo no Envelhecimento: Como detê-los?

https://www.hairbrasil.com/congresso/estetica2011/palestras/palestra02.pdf

A importância da dosagem da hemoglobina glicada A1C

http://www.fleury.com.br/saude-em-dia/artigos/pages/a-importancia-da-dosagem-da-hemoglobina-glicada-a1c.aspx

Radicais Livres e o Envelhecimento Cutâneo

http://nead.uesc.br/arquivos/Biologia/mod4bloco3/eb8/Radicais_Livres_e_o_Envelhecimento_Cutaneo.pdf

 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s