Como funciona o transplante de medula óssea?

Postado em

Como funciona o transplante de medula óssea? Veja os conceitos básicos

Quando falamos em transplante de medula óssea, estamos nos referindo ao transplante de células-tronco hematopoiéticas, que consiste em qualquer procedimento no qual tais células são coletadas de um doador e oferecidas a um receptor a fim de reestabelecer o sistema hematopoiético deste indivíduo. O transplante pode ser empregado com o objetivo de consolidar uma resposta inicial favorável à quimioterapia ou como terapia de resgate no caso de doença recidivada.

 

Tipos de transplante:

Existem dois tipos de transplante de células-tronco hematopoiéticas: autólogo e alogênico. No autólogo, o doador é o próprio receptor. Isso permite a administração de quimioterapia em altas doses para o tratamento de doenças hematológicas ou tumores sólidos, o que não seria tolerado devido à mielotoxicidade excessiva com consequente aplasia prolongada: o paciente recebe quimioterapia intensa, que tem maior eficácia antitumoral, porém é mieloablativa; o transplante das células-tronco previamente coletadas permite então uma recuperação hematopoiética mais rápida.

O transplante alogênico é quando as células-tronco vêm de outro indivíduo, podendo este ser familiar ou não do receptor. Para reduzir o risco de rejeição, o doador precisa ser compatível com o receptor, o que é avaliado através da análise de HLA (Human Leukocyte Antigen), exame realizado em laboratórios especializados a partir amostra de sangue periférico. Quando o doador é membro da família, chama-se de transplante aparentado, que pode ser singênico (doador e receptor são irmãos gêmeos), idêntico (doador é irmão do receptor e herdou o mesmo HLA dos pais) e haploidêntico (doador e receptor têm 50% do HLA idênticos). O transplante não aparentado é indicado quando o receptor não tem doador compatível na família e o doador é encontrado no REDOME (Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea). No transplante alogênico, o efeito enxerto contra doença também é uma forma de controlar a doença. No entanto, como as células infundidas são de outro indivíduo, é necessário o uso de terapia imunossupressora a fim de prevenir a doença enxerto contra hospedeiro.

Fontes de células-tronco hematopoiéticas:

As células-tronco podem ser obtidas de três formas: medula óssea (as células são aspiradas da medula óssea através de punções nas cristas ilíacas posteriores, em centro cirúrgico), sangue periférico (as células são mobilizadas para a corrente sanguínea através do uso de medicamentos, como o fator estimulador de colônias de granulócitos, e coletadas por aférese) e cordão umbilical (as células são coletadas do sangue do cordão umbilical antes ou após a remoção da placenta do útero). Para o transplante autólogo, prefere-se mobilizar as células para coleta de sangue periférico porque o método está associado a reconstituição hematopoiética mais rápida. No caso do transplante alogênico, a escolha baseia-se na relação risco x benefício de cada fonte. Por exemplo, a coleta de sangue periférico tem a vantagem da recuperação mais rápida, porém associa-se também a maior risco de doença enxerto contra hospedeiro crônica.

Antes do transplante, o paciente passa pelo condicionamento, que consiste na quimioterapia em altas doses. O esquema varia de acordo com a doença de base. Feito o transplante, leva-se um tempo para que ocorra a chamada pega da medula óssea, ou seja, para que as células-tronco doadas se alojem na medula do receptor e voltem a produzir gradativamente os elementos sanguíneos. Durante esse período, que costuma variar de nove a quinze dias, o paciente encontra-se aplasiado e, portanto, necessita de suporte transfusional e antibioticoterapia em caso de febre. As principais complicações são infecciosas ou decorrentes dos agentes quimioterápicos administrados na fase de condicionamento, como mucosite, alterações hepáticas e disfunção renal.

 

 

Referências:

  • Sureda A, Bader P, Cesaro S, et al. Indications for allo- and auto-SCT for haematological diseases, solid tumours and immune disorders: current practice in Europe, 2015. Bone Marrow Transplantation, 2015.
  • Majhail NS, Farnia SH, Carpenter PA, et al. Indications for autologous and allogeneic hematopoietic cell transplantation: guidelines from the American Society for Blood and Marrow Transplantation. Biol Blood Marrow Transplant, 2015.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s